O ESCRITOR E EU – por olsen jr / ilha de santa catarina



Falando sério, às vezes (muitas vezes ultimamente) tenho entrado em conflito com o escritor que me tornei. Não é a pergunta retórica sobre “o que você faz?” que me incomoda, a esta respondo simplesmente, sou um escritor… Mas deveria haver uma maneira mais tranqüila de se ganhar a vida honestamente…

Surpreendo-me conversando com ele:

— Não está sendo fácil! – Exclamo em tom de desabafo.

— Ninguém disse que seria – ele me responde, laconicamente

Fico esperando para que desenvolva a ideia de como deveria ter sido, mas ele se limita em pegar uma folha de papel e ler:

“… mas, no entanto todos sabiam que – no picadeiro da vida – somente aos palhaços não é dado esquecer o seu drama, executando com esmero sua função de provocar o riso.

“ Este, que venha de onde vier. Surja dissimulado nos corações empedernidos, flua com espontaneidade nas mentes puras, brote fácil nos espíritos sensíveis, faça-se notar pelos indiferentes, e sob a lona deste imenso circo da humanidade, nunca deixe de existir.

“ Conviva com feras anacrônicas, catástrofes irremediáveis, destinos programados ou a incredulidade no desconhecido, mas que enquanto houver um homem na platéia, uma criança que o justifique e um poeta para cantar, nenhum clown tenha o direito de purgar suas dores em público.

“Devendo, isto sim, ouvir palavras de escárnio com desdém, seguro do personagem que deve interpretar, conviver com todo o drama que carrega e ninguém vê, avançar tateando nas sombras da solidão sem esperança ou sentir o gosto amargo do desprezo quando o espetáculo termina, pelo papel que assume e pela arte que cultiva.

“ Diante da multidão impaciente, o espetáculo deve sempre continuar, porque de um grande palhaço, o que se quer mesmo é rir! Gargalhar bastante e tanto, que o nosso riso se confunda com o seu pranto, para que não se saiba, no final, se rimos da tragédia que a grandeza da atuação deste palhaço dissimula ou se é ele quem chora pela pequenez do riso que nos provoca!”…

— Bonito! — De quem é?

— É teu, meu caro — ele me responde – encontrei-o nas páginas de um livro inacabado…

— Forço um riso, penso, sou o campeão dos sonhos irrealizados e dos desejos insatisfeitos…

— A tragédia do palhaço é fazer rir enquanto ele está morrendo… E a do escritor é recriar o mundo, onde ele não tem direito a desesperança – pondera…

Ele não precisava ficar lembrando o meu ofício…

— Sei do que se trata – interrompo-o – o escritor vai bem, mas preciso cuidar melhor do homem comum que eu sou… Aliás, estou pensando em montar uma barraquinha para vender churrasquinho na praia neste verão, o que você acha?

— Well, o homem que alimenta o escritor também precisa viver, conclui!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: