NUNCA MAIS por olsen jr / ilha de santa catarina

Estou em casa, tendo a minha frente à imensa varanda, e aos fundos, a Lagoa da Conceição. Fim de tarde, a placidez daquela água ali em frente me empresta uma sensação de paz. Estou pensando em como é bom ser brasileiro, catarinense, morar em Florianópolis, na Lagoa da Conceição, Avenida das Rendeiras, beco dos Poetas… Quando descubro que estou sentindo algo que nunca havia sentido, embora nada tenha mudado na minha vida nos últimos cinco anos, a não ser, claro, o que de fato me prostrou ali, como um exilado em minha própria terra, mas isso já passou, penso, ou deveria ter passado. Subitamente, uma sensação de que tenho uma casa, um lar, uma família, pô! Mas o que se passa? Lembro de Ortega Y Gasset – “no sabemos lo que nos pasa y eso es lo que pasa” – e tenho a consciência de que estou sendo enganado pelos meus próprios sentidos.

Alguma coisa mudou, sinto, é só isso, mas o que? De repente, meus olhos se detêm em uma cadeira solitária ali na varanda. Acredito, minha filha deve tê-la trazido enquanto lia o indefectível Stephen King (é duro competir com a “rapaziada” que detém a fórmula, o marketing e o monopólio do “gosto” universal, mas é a vida) e esqueceu-a … não podia ser outra coisa. O fato é que a cadeira vazia num ângulo de 45 graus, voltada para a Lagoa da Conceição, como se alguém a tivesse abandonado recentemente, talvez, para buscar um café, um chá, ou simplesmente para ir a algum lugar com a intenção de voltar logo… Aquela cadeira estava fazendo toda a diferença. Nunca tinha percebido o quanto de “doméstico” tem uma cadeira sozinha numa varanda num final de tarde, é como diria o Sartre, é preciso que se repita de uma só vez “uma cadeira sozinha, numa varanda, num final de tarde, num domingo” poderia acrescentar-se na casa do “poeta” na Lagoa da Conceição… Mas é outra história, desgraçada de cadeira, tinha que me fazer lembrar que já tive uma casa, um lar, uma família… pô! Por que nós humanos temos essa coisa de “sermos” o somatório de nossas lembranças? Por que temos que carregar o “nosso” passado para onde vamos? Por que diabos uma desgraçada de uma cadeira sozinha numa varanda evoca toda uma vida? E por que tinha de ser comigo? Por que não é com aquele bestalhão que entra de moto aqui no beco todos os dias, fazendo barulho e acabando com a harmonia do dia? Talvez porque ele seja apenas um bestalhão… a noite vai tomando conta de tudo e continuo ali na varanda contemplando aquela cadeira, não tenho iniciativa para arredar o pé dali, sua presença já evocou toda a minha vida, o som do último CD de George Martin com as músicas dos Beatles me mantém ligado, a canção “Ticket to Ride” com as “Meninas de Petrópolis” alimenta a minha nostalgia. Fecho a porta porque já não suporto mais aquela viagem solitária. Desligo o som porque preciso me sentir, saber que existo, além daquele passado que não me abandona… Depois sinto baterem na vidraça ali na sala, aproximo-me com temor, estou no segundo andar, vejo um vulto escuro, parece uma ave negra, um bico insistente no vidro da janela… Penso em Edgar Allan Poe, na felicidade, e percebo um ruflar de asas e um grasnar repetindo… “Leonor” ou “never more!”

Olsen Jr. é membro da ACADEMIA CATARINENSE DE LETRAS.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: