Entre nós – de omar de la roca / são paulo

 

 

Outro dia distraído

Quando a dor me invadia

Lembrei-me de cicatriz antiga

Que há tempos não sabia.

( entre nós vou caminhando )

Estranhamento contido

Ri  do pálido recorte.

Que outra mais profunda

Por cima já havia.

( desviando de nós aqui e ali )

A primeira  funda na época,

Mas agora é sutil .

Riscos, as outras se confundem

Com a que já existiu.

( Vou lendo entre os nós)

Outras mais antigas,não.

São sagradas.

Intocáveis.

Doem todos os dias.

( nós entre nós )

Sem que eu tenha visto a arma,punhal,

Na mão que me feria.

Não há ungüento que cure,

(  desencanto,desacato,dez atado nó )

Ninguém que de alivio.

Cortes,recortes, não preciso deles.

Estão ali,testemunhos da dor,

Mas enganados por ela.

( nó , desenlace, laço ,nós ? )

Preso na garganta,

torcido nó.

Que de nós pouco entendo.

Que de nós desentendo.

( Que só sei de nós e só  sei de nós,

apenas o que vejo ) .

 

 

Anúncios

3 Respostas

  1. Quem sabe eu e/ou você ainda venhamos a conseguir isso, para si mesmo, em escrita onde o outro possa espelhar-se. Quem sabe.
    Beijo
    Zuzu.

  2. Zuzu
    Queria escrever alguma coisa que você pudesse comentar:
    ” Conheço esta sua alegria. É também a minha alegria. ”
    Bjk

  3. Ah, como é belo teu poema! Como a minha própria vida, por caminhos e destinos outros, neste teu poema se espelha,dolorosamente!
    Abraço de carinho da amiga
    Zuleika.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: