Arquivos Diários: 17 novembro, 2011

ENQUANTO OUÇO SEGÓVIA – por zuleika dos reis / são paulo.sp

       

O tempo em que todas as coisas já não são. O tempo em que todas as coisas estão fechadas dentro de si mesmas, elas próprias conteúdo e continente. O baú trancado do qual se perdeu a chave.

                Segóvia toca e a musica é perfume que entra pelas frestas do que fui. O tempo flor de metal mais que cristal ou sopro de vento. O tempo um calafrio entre os dedos.

                Alguns antigos sabiam de coisas que quase todos de nós perdemos há muito. Os dedos de Segóvia vão recuperando o possível disso, mas a hora é velha demais para qualquer descobrimento.

O gato tem sete fôlegos, sete vidas. Eu tenho só uma vida e nem esta é minha. O gato pisa manso, não desperdiça nada de suas sete vidas. Eu piso denso e vou perdendo cada passo da única que tenho.

Segóvia toca e o gato não compreende. Os pensamentos são as ondas de um mar inútil. A tarde também passa e desaparece todos os dias sem decifrar nada, porque não há nada a decifrar: não há qualquer fratura no cristal do tempo.

O tempo de uma vida… o que é o tempo de uma vida? Sabemos do mundo o universo de fantasmagorias chamado palavras. Nele matamos, morremos, nos perdemos do que julgamos nós mesmos, como se significasse alguma coisa perdermos isso.

Há os que meditam, há os que sempre buscaram e buscam e em todos os vindouros tempos continuarão a busca de escapatórias desta casca, desta crosta a que chamamos eu, este eu que é nada. Nomes e nomes e nomes para dizer algo desse OUTRO que buscam. Nomes e nomes e nomes para que algo deste OUTRO INDIZÍVEL INCOMUNICÁVEL seja o MESMO para os demais homens ou, pelo menos, a aspiração de cada um deles.

Segóvia para de tocar, a noite caiu há tempo, nada se quebrou nem se partiu. Tudo parece coeso onde o mundo é apenas uma infinita saudade do mundo; uma infinita e sem saída saudade de mim.

ROBERTO PRADO e sua poesia / curitiba.pr

A volta triunfal

aqui vamos fazer nossa casinha
ali a fábrica não ficará muito longe
uma escola com vista pra montanha
e o templo sem imagem nenhuma
desta vez não vamos sujar o rio
nem inventar leis desalmadas
apenas novamente simples heróis
descobrindo mundos, trocando fraldas
-.-
 
imperativo da primavera
humano, assuma o ar silvestre
época de amor conforme o calendário
flores façam tudo o que não digo
coração, aceite o eixo terrestre
ninho esta vida leve no bico
viva de brisa o papo sozinho
estações, aqueçam seu poeta
primaveras, passem com carinho
    -.-
 
 
dez mandamentos
delire na criança
não bula na flor
pense estrelas
não rele no bicho
gire o sol
não zombe do bem
sofra uma lua
não duvide do amor
acredite nos amigos
e não saia da sua
-.-
 
 
subtrações
que tal pegar tudo que temos
e deste todo fazer a grande falta
um salto que cai, uma queda que salta
essa soma assim sem mais nem menos?
por que não juntar o nosso nada
o eterno que move, o nunca que repousa
e fazer destas perdas somadas
o achado de alguma coisa?