Arquivos Diários: 1 dezembro, 2011

CURITIBA, pastelão e chuva – por wagner de oliveira mello / curitiba.pr

Mentira é tudo mentira! Nunca tive uma estante, cama, mesa ou quarto; desde que fralda era um pedaço de pano que segurava minha merda presa à bunda eu divago por ai, sem burro, sem alça, às vezes um tênis, em outras uma calça. À merda com essa rima estúpida, ta pensando que tua vida é a Odisséia rapá.
• Acordei atrasado como sempre, sai apressado sem nem escovar os dentes ou dizer bom dia pro espelho; chegando à portaria fui invadido pela mesma duvida que me assombra todas as manhãs, então voltei tropeçando escada acima conferir se tinha trancado a porta,  -É claro que trancou, complexado idiota -. Tomei um cafezinho com pastel podre no china koreano e corri pra estação tubo porque além de tudo chovia pra caralho naquela hora. Incrível como todo usuário de guarda-chuva insiste em andar embaixo das marquises obrigando quem esta sem a desviar? Gente ignorante! Bem curitibana mesmo. Prefiro andar na sarjeta, até porque na calçada tem aquelas pedras soltas que quando você pisa jogam lama nos calçados, nas calças, podendo subir até a camiseta dependendo da intensidade da pisada e como eu sou azarado é melhor prevenir. Mas enfim, chegando semi ensopado no tubo, advinha? “O palerma aqui esqueceu o cartão de transporte e obvio que estava duro. O cobrador que já me conhece bem olhou pros dois lados antes de liberar.” Entra pela portinha lateral, da nada não, você ta sempre ai, outro dia me paga um café e ta tudo certo. “Porra cara, valeu, valeu mesmo.” Às vezes encontramos gente santa, e geralmente são as mais simples. Eu no seu lugar teria mandado o sujeito passear. O mundo não é bom, as pessoas não são boas e quando são acabam se fudendo, ou acha que se o fiscal da URBS, escondido atrás de um poste lá do outro lado da rua visse essa ação não teria delatado o pobre coitado; ai já era rapá! Não faz dessas coisas não filho, que Deus não abençoa!
Transito parado, ônibus lotado, cheio de gente encasacada, molhada, empunhando guarda chuva com olhar ameaçador como quem diz: esse canto é meu, não chega perto que te bato com isso na cabeça! E eu numa ressaca infernal, sonhando com minha cama, uma garrafa de água com gás e possíveis falecimentos que impedissem o expediente. Nada! A porta se abriu e, com muito custo consegui sair do coletivo, na verdade não sai, fui expelido porta a fora com a pressão dos que entravam pela outra. Alivio e desconcerto juntos. Mal desci do ônibus, um carro buzina ao meu lado, haha advinha quem era? Meu chefe é claro, e nem pra me dar carona o maldito, jamais daria, esporro sem platéia não é esporro.

 

 

A odisséia ou o erro do pavão – de solivan brugnara / quedas do iguaçu.pr

O pavão

de olhinhos nervosos

irrequieto bípede

tirou dolorosamente

suas queridas penas

uma a uma

e colou

em folhas de papel sulfite.

Despiu-se de suas jóias

transgrediu o pudor

sentiu frio

ficou só

sua família não agüentou

a verdade nua.

Não satisfeito

regurgitou a pouca quirela

do jantar

e vendo o vômito convulso e amarelo

lembrou-se de Van Gogh

e chorou.

Colou sua bile no sulfite

e com as folhas e penas e vômitos

profissionalmente encadernados,

a pobre ave implume

saiu a procura de editor.

Seria mais fácil, pássaro

achar editor

se deixasse as penas no corpo

e levasse as folhas em branco

profissionalmente encadernadas

sempre

profissionalmente encadernadas.