Arquivos Mensais: março \31\UTC 2012

Adélia e o seu pai Severo – por amilcar neves / ilha de santa catarina.sc


Quando Adélia dos Santos Ferreira morreu, seus pais já estavam separados. Naquele tempo isso era muita coisa, essa coisa de separarem-se marido e mulher, pai e mãe casados, era caso para escândalo público e vergonha familiar. Na época, a mãe ficou na casa da Prainha, com sua religiosidade beata e a filha única que teimava em viver lendo e estudando, enquanto o pai se mudou para a Agronômica, onde morava amancebado, porém como cônjuge verdadeiro, com uma dona de nome Luzia.


A história da morte de Adélia, atropelada por um ônibus no meio da Ponte Colombo Salles, e das consequências desse trágico acontecimento foi contada em um livro publicado em 1984 e nunca mais reeditado, de título Dança de Fantasmas. O caso andou um tanto esquecido porque pouca gente leu o livro e – desgraça suprema para soterrar qualquer acontecimento! – o fato aconteceu justo num sábado de carnaval.


O fato referido no parágrafo anterior é a circunstância de que Adélia ejetou-se – ou foi ejetada – de um carro em movimento que transitava pela segunda pista da ponte; logo após aquele veículo, na primeira pista, a da beirada, aquela que corre olhando para a Hercílio Luz, ponte que naqueles anos ainda existia de pé, subia o ônibus que atingiu a garota plena e irremediavelmente, prostrando seu condutor em estado de choque. O carro em que a menina se encontrava perdeu-se no continente defronte.


Adroaldo Ferreira adorava aquela filha e era na casa do pai que Adelinha se sentia mais gente, como se diz, mais à vontade, com espaço para leitura, com estante repleta dos seus livros de estimação e sem a perseguição implacável do odor de vela santa, da umidade de água benta, da ameaça dos cruéis castigos eternos nem do rosário sempre rezado das obrigações eclesiásticas recorrentes. Foi daquele ambiente de vida e realização pessoal que ela saiu para encontrar a morte. O pai sofreu dor profunda, assim covardemente apunhalado pelo destino.


Tempos depois, já em 2003, a história foi filmada num curta-metragem de 18 minutos produzido pela Laine Milan e dirigido pelo Chico Caprario, levando o título As Diversas Mortes de Adélia - porque cada pessoa que conhecia a jovem de 17 ou 18 anos tinha a sua memória muito pessoal de Adélia e via uma razão ou justificativa muito própria para a sua morte: como se ela fosse ao mesmo tempo várias e todas tivessem morrido subitamente.


Severo foi o pai de Adélia no curta. Vendo-o preparar sua participação no filme, qualquer um era capaz de jurar que ali estava o personagem vivo, não um ator. Ali estava um pai completamente arrasado, destroçado, acabado, com as roupas e o rosto em desalinho pelo pesado golpe recebido: uma voz embargada, ainda que firme, uns olhos úmidos pousados na face idealizada da filha querida que se fora, uma expressão de dor difusa e autêntica a cortar-lhe os traços, um ser humano alquebrado e, naquele momento, totalmente desesperançado. A participação de Severo Cruz conferiu uma dimensão humana marcante ao filme.


Agora, em fevereiro deste ano de 2012, esse pai sofre novo golpe ao ver sua casa na Costa da Lagoa totalmente consumida pelo fogo. Amigos e admiradores se organizam e marcam um Tributo a Severo Cruz – Renascer das Cinzas, espetáculo com mais de 30 músicos, cantores e grupos musicais no palco do Teatro Pedro Ivo no sábado, 31 de março, para juntar dinheiro e comprar nova casa para o ator e também cantor.


E para que Severo continue a fazer o pai de muitas outras Adélias no cinema.



Amilcar Neves é escritor com oito livros de ficção publicados.

MILLÔR FERNANDES: ‘A imprensa brasileira sempre foi canalha’

leia entrevista com Millôr

No início da década de 1980, a revista “Oitenta”, inspirada na Granta inglesa, entrevistou o escritor e jornalista Millôr Fernandes por mais de sete horas. Segundo avaliação de Millôr, de 1938 –quando começou no jornalismo– até aquela data, a técnica foi a única mudança nos meios de comunicação. Em quesitos éticos e morais, “a imprensa brasileira sempre foi canalha.”

Em homenagem ao intelectual brasileiro que pensou, falou e escreveu sobre temas importantes de nosso tempo, a Livraria da Folha selecionou um trecho do livro “A Entrevista” no qual Millôr conta o seu envolvimento com o jornalismo e as suas impressões sobre a mídia brasileira.

*

Livro apresenta um longo e denso depoimento atravessou três décadas
Livro traz um denso depoimento de Millôr que atravessou três décadas

Millôr - Eu quero fazer um pequeno introito a esta entrevista absolutamente sincero: não gostaria de estar dando esta entrevista. Estou porque gosto muito fraternalmente – como não posso dizer fraternalmente por causa da idade, eu costumo dizer fra-paternalmente – do Lima e do Ivan. Por osmose comecei a gostar dos outros. Eu só não digo que estou começando a ficar gaúcho porque não tenho rebolado gaúcho. Agora – nada, na minha estrutura, soi disant intelectual, com todas as aspas, me conduz a dar uma entrevista a sério, sobretudo a pessoas altamente respeitáveis como vocês. Quero que fique gravado nesta entrevista: realmente, eu não me levo a sério. Mas na proporção em que o tempo passa, a idade avança, as pessoas vão te levando insuportavelmente a sério, e você acaba assumindo um mínimo disso.

Quando você começou no Jornalismo?

Millôr - Eu comecei a trabalhar no dia 28 de março de 1938; tinha 13 pra 14 anos de idade. E essa é uma das coisas de que me orgulho – a minha vanglória – a consciência profissional. Eu era um menino solto no mundo, uma vida que dependia só de mim mesmo. Naquela época, o Ministério do Trabalho era recém-fundado. O meu empregador já eraO Cruzeiro. Pedi que me assinassem a carteira de trabalho. Quando cheguei em casa (uma pensão) e vi que a data que estava lá na carteira era a data em que eu havia pedido a assinatura da carteira e não a em que eu havia começado a trabalhar, voltei e pedi retificação. Veja você, um menino com menos de 14 anos, sem nenhuma influência ideológica de trabalhismo, de nada, apenas com aquela consciência de que tinha direito. Então a carteira diz assim: “onde se lê tal, leia-se tal data”. Está lá registrado o primeiro dia de trabalho: 28 de março de 1938. Já fiz 43 anos de jornalismo, mais anos do que vocês, em conjunto, têm de vida.

Obrigado pela generosidade. Você acha que o jornalismo brasileiro melhorou muito de lá pra cá?

Millôr - Muito, tecnicamente. Lamentavelmente, porém, do ponto de vista ético, moral e social, melhorou muito pouco. E já era quase criminosamente ruim naquela época. Conforme você sabe, eu não tenho nenhuma formação marxista, não acredito em excessivos determinismos históricos. É evidente, é liminar, que as forças de produção regem muitas coisas. É liminar que o contexto da sociedade reja fundamentalmente muitas coisas. Agora – o que não é liminar é o seguinte: há forças metafísicas, há entrerrelações no mundo que não estão previstas em qualquer ideologia; a isso eu chamo o anticorpo. O Marx é o próprio anticorpo dentro da sociedade em que vivia. Se as teorias de Marx fossem perfeitas, ele não existiria. Porque o contexto social e as relações de produção da época não o previam, não o permitiram. Você pode dizer que a imprensa é resultado do meio, a imprensa é resultado da sociedade em que funciona. Certo. Mas, às vezes, por força de um indivíduo, ou por força de um pequeno grupo de indivíduos, ela pode se antecipar ao seu meio e fazer progredir esse meio. Mas a imprensa brasileira sempre foi canalha. Eu acredito que se a imprensa brasileira fosse um pouco melhor poderia ter uma influência realmente maravilhosa sobre o país. Acho que uma das grandes culpadas das condições do país, mais do que as forças que o dominam politicamente, é nossa imprensa. Repito, apesar de toda a evolução, nossa imprensa é lamentavelmente ruim. E não quero falar da televisão, que já nasceu pusilânime.

Há um consenso de que a imprensa brasileira, tecnicamente, teria atingido uma qualidade comparável com o que de melhor se faz no mundo.

Millôr - De acordo. A revista onde trabalho, Veja, é um exemplo, tem todas as possibilidades; praticamente iguais às da Time. A TV Globo só não tem mais possibilidades porque não quer. Ela pode mandar 30 repórteres amanhã pra Polinésia com o poder que tem, fazer a cobertura que quiser. Mas só age em função do merchandising. Nos falta até o contraste, que existe em países supercapitalistas como os Estados Unidos, onde o choque de interesses é tão violento que faz da imprensa americana a melhor imprensa do mundo. Quando o New York Times não quer dar cobertura a um setor, o Washington Post vai em cima. A França tem dois fenômenos de boa imprensa: são Le Monde e Le Canard Enchainé: prova de que a chamada imprensa burguesa, ou a imprensa dentro de países burgueses, pode ser realmente a expressão de uma absoluta liberdade, maior do que em países socialistas (nestes não há imprensa: há boletins).

É possível fazer imprensa com independência. Se o Canard Enchainé faz, se o Le Monde faz, por que não se pode fazer no Brasil? É uma coisa que pode parecer até brincadeira: quando nós fizemos o Pasquim, num certo momento eu disse pro pessoal: “Olha, eu sou o único comunista daqui”. Eu acreditava que aquele negócio fosse mesmo um negócio comunitário, para o bem público. É verdade! Os que se presumiam comunistas (não só eles!) começaram a roubar da maneira mais deslavada, mais escrota possível. Mas que se pode fazer dentro de um contexto capitalista, de um contexto burguês, uma imprensa de alta eficiência social voltada para o bem público, isso se pode, sim! Dei provas: você tem o Le Monde e o Canard Enchainé, duas coisas até bem contrastantes.

Em Nova York, há um Village Voice, e um canal 13 de televisão orientado como serviço público. Por que no Brasil não existem condições, neste momento ao menos, de se ter uma imprensa alternativa – mas não marginal – de grande penetração na sociedade? Por que não existe isso?

Millôr - Respondo voltando àquela velha anedota de Deus criando o mundo: todo mundo conhece. Alguém (havia mais “alguém” por ali?) reclamou que Deus tinha feito este país maravilhoso, sensacional. O Chile foi feito cheio de terremotos, o Paraguai tinha pântanos incríveis, outro país tinha furacões, o outro tinha desertos e o escambau e, de repente, no Brasil não tinha nada desastroso: florestas maravilhosas, mares maravilhosos, montanhas lindas. Aí Deus parou e disse: “Espera porque você vai ver a gentinha que eu vou botar lá”.

Que tipo de imprensa poderia contribuir melhor pro bem social?

Millôr – Estou pensando, além dos que já citei, no Village Voice. Hoje, um jornal rico. Já é até um jornal do sistema. Talvez hoje, curiosamente, jornais maiores, como o Washington Post e o New York Times, para falar dos dois que sempre se confrontam, ajam mais em função do bem público do que o Village Voice. Mas a imprensa alternativa (e o Village Voice foi um dos seus grandes exemplos), eu acho que ela é a grande solução para a liberdade de expressão. Os jovens precisavam se conscientizar disto. Saber que eles podem fazer um jornal que, ocasionalmente, vai ficar preso ao bairro, mas é importante que o bairro seja protegido, é importante que as misérias do bairro sejam mostradas ao poder público, até que o poder público chegue àquele negócio mínimo (que é o máximo!) que é consertar o buraco da rua. Não se vai partir para a solução do mundo partindo do macrocosmo; precisamos partir do microcosmo, não tenha dúvida nenhuma. Cristo começou com uma cruz só. Essa pretensão do homem de fazer o organograma universal acaba em Delfim Neto, acaba em tecnocracia, acaba em “herói”. E chega de heróis. O homem tem que se convencer de que o mais importante de tudo é o dia a dia. O homem vive é todo dia. A maior utopia é a resistência diária. Ser herói é fácil. Herói se faz em três meses. Tem amigos nossos, feito o Gabeira, que fazem três meses de heroísmo, viram heróis de todos os tempos e passam a viver disso. E é aquele negócio, é bicha porque está na moda, elogia mulher porque está na moda, é incapaz de dizer alguma coisa contra a corrente, mesmo que a corrente seja lamentável, odiosa, reacionária.

E você acha, por exemplo, que os jornais alternativos estão contribuindo pra alguma coisa neste sentido no Brasil?

Millôr - Neste momento estão um pouco em recesso. Mas de qualquer forma estão contribuindo. A maior contribuição que foi dada à imprensa brasileira, nos últimos tempos, foi a imprensa opcional a partir do Pasquim, não tenho dúvida nenhuma. Mas a própria abertura forçou um pouco o recesso no setor. A própria abertura trouxe junto muita vigarice, os caras estão explorando demais o sexo, estão explorando o homossexualismo, o sensacionalismo: pegando os vícios da outra imprensa. A coisa essencial é “vender”. Mas continuo achando que a imprensa opcional é uma solução. Bem feita, essa imprensa opcional forçará a grande imprensa a dar cobertura a certos assuntos. Cobra! Envergonha! Força! Aquele negócio: o socialismo força o capitalismo a ceder em certas coisas. Você pega o Manifesto do Partido Comunista do Marx: das oito ou dez exigências básicas do Marx, pelo menos uns seis itens nem Uganda deixa de aplicar hoje em dia. O imposto de renda é um deles.

AF.

O ” OLHO DA ÁFRICA”

Estrutura geológica no deserto do Saara só pode ser vista do espaço.
Fotografia foi feita da Estação Espacial Internacional.

Imagem registrada pelo astronauta holandês André Kuipers, que está na Estação Espacial Internacional, mostra uma enorme formação geológica localizada no meio do deserto do Saara, na Mauritânia, na África. Os tons avermelhados são característicos da Estrutura de Richat, também apelidada de “Olho da África”. Com cerca de 50 quilômetros de diâmetro, esta estrutura só pode ser totalmente visualizada do espaço. A imagem foi feita no dia 7 de março deste ano, segundo a Agência Espacial Europeia. (Foto: André Kuipers/ESA/Nasa)

Subitamente – por amilcar neves / ilha de santa catarina.sc


De súbito fez-se noite. De um momento para outro estava escuro que nem breu. Algumas estrelas brilhavam, uma lua se insinuava para breve mas não tanto, pois a fase era minguante e, minguando, ela só surge mais tarde, cada vez mais tarde até praticamente não mais surgir quando se faz nova. Nova, não passa de esboço de lua no céu diurno, uma coisa pavorosa. Não se sabe de esboço de sol no céu noturno.

 

Fora as estrelas e a promessa de lua, a rua tomava-se da luz esfuziante dos carros, dos postes, das casas (cada vez menos), dos apartamentos (cada vez mais e mais altos). Mas era noite. E era escuro. Disto ninguém duvidava, pois tinha de fato anoitecido assim de repente.

 

Em verdade, não foi bem assim, se fores honesto conosco e contigo mesmo – o mais difícil, e cada vez mais, é encontrar honestidades vagando por aí. De tão raras no pedaço, são disputadas a tapa, a socos e pontapés, para que aprendam de vez a serem desonestas e safadas como todo mundo. Que é isso de andar honestamente por aí? Pensas que isto aqui é a casa da mãe joana para te fazeres de santo? Ainda mais: fazer-te de honrado, digno e decente em ano de eleição municipal? Era o que me faltava – o que nos faltava -, tem a santa paciência!

 

O fato é que te embrenhaste pelos meandros de um desses grandes mercados que espalham por aí, e lá tinhas ido, sabes, apenas para comprar um pão decente e honesto, mas decidiste te perder absurda e irresponsavelmente a esquadrinhar a prateleira de doces e chocolates como se te fosse dado consumi-los assim sem um motivo muito consistente e inarredável. Ao saíres, ao cabo de todos os procedimentos inerentes ao mercadejamento capitalista, a noite se fizera, se fechara frente aos teus olhos surpresos.

 

Olhaste então para o outro lado da rua e viste a fazendola que ali esteve pelos últimos 35 ou 40 anos, tempo durante o qual sempre te propuseste a fotografá-la antes que o dono a vendesse, antes que os herdeiros a torrassem (para comprar carros e fazer festas e ficar sem nada em pouco tempo, bem menos do que esses 35 ou 40 anos em que ela resistiu com seus bois e vacas, suas galinhas e plantações, para o trabalho solitário do pobre velho já doente mas teimoso, teimoso até morrer, como diziam sempre suas noras, genros e cunhados que não se conformavam de saberem-no com uma mina de ouro nas mãos e, no entanto, disposto a sair no frio, na chuva e na lama para tratar do gado como se isso fosse serviço de gente). Mas não, nunca pegaste uma câmara, sequer teu celular de baixa resolução, para fazeres as fotos que sempre te prometias e ali estava, agora: subitamente tudo viera abaixo.

 

Já não havia mais fazenda, mas uns lotes enormes marcados para a construção de prédios residenciais enormes, com nomes como Maison de France ou coisa assim, com 12, 14, 16 andares para tapar a vista dos morros em volta e com a finalidade única de derramar mais e mais carros, com crianças para a escola e adultos para o trabalho, nas ruas estreitas de sempre que há muito já não davam conta de escoar tanto veículo, onde nem o transporte público, raro, precário e caro, conseguia circular.

 

Subitamente as coisas mudaram – mudam -, assim como subitamente um dia morrerás – morreremos -, e já devias te dar por satisfeito de não teres sido abortado de aborto espontâneo ou provocado. A partir dali, tudo aconteceria de súbito na tua vida: pouco a pouco, devagar, construindo-se – mas ainda assim dizes que aconteceu tudo tão subitamente que nem tiveste tempo.

 

 

.

AMILCAR NEVES é membro da Academia Catarinense de Letras com   oito livros de ficção publicados.

Morre o escritor Antonio Tabucchi / italia.it

O italiano era conhecido por obras como “Afirma Pereira” e “O Tempo Envelhece Depressa”

Morre o escritor Antonio Tabucchi Reprodução/Arquivo Pessoal

Tabucchi faleceu aos 68 anosFoto: Reprodução / Arquivo Pessoal

O escritor italiano Antonio Tabucchi faleceu em Lisboa aos 68 anos após uma longa doença, informou neste domingo o tradutor de sua obra para o francês, Bernard Comment.

Considerado um dos maiores autores italianos contemporâneos, Antonio Tabucchi escreveu obras como Afirma Pereira e O Tempo Envelhece Depressa.

Autor de mais de 20 livros traduzidos para quase 40 idiomas, este romancista, professor universitário e ensaísta era o principal tradutor e promotor da obra do escritor português Fernando Pessoa em italiano.

Vários romances de Tabucchi foram adaptados para o cinema, como Noturno Indiano(prêmio Médicis estrangeiro, 1987), por Alain Corneau, e Afirma Pereira, por Roberto Faenza, com Marcello Mastroianni como protagonista, o que contribuiu para o sucesso da obra.

Profesor de literatura portuguesa na Universidade de Siena (Italia) e romancista, Antonio Tabucchi foi articulista dos jornais Corriere della Sera e El País (Espanha). Foi um grande crítico do governo de Silvio Berlusconi.

Filho único de um vendedor de cavalos, Tabucchi, nascido em 24 de setembro de 1943 em Pisa, na Toscana, estudou Filologia Românica e, a partir de 1962, Literatura em Paris, onde descobriu o poeta Fernando Pessoa ao ler a tradução para o francês de um de seus poemas.

O entusiasmo com a descoberta o levou a estudar o idioma e a cultura de Portugal, que se tornou sua segunda pátria. Tabucchi estudou Literatura Portuguesa na Universidade de Siena e redigiu uma tese sobre o “Surrealismo em Portugal”. Apaixonado por Pessoa, traduziu toda sua obra para o italiano, ao lado da mulher, que conheceu em Portugal.

AFP.

senador Demóstenes (moralista de cueca) emprega enteada de ministro Gilmar Mendes

SENADOR LIGADO AO BANDIDO CARLINHOS CACHOEIRA ABRIGA EM SEU GABINETE KETLIN RAMOS, QUE É TRATADA COMO FILHA DO MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL; SE O CASO FOR AO STF, ELE SE DECLARARÁ IMPEDIDO DE JULGAR?

Foto: Pedro França/Agência Senado

Sob risco de virar alvo do STF (Supremo Tribunal Federal), o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) emprega em seu gabinete uma enteada de Gilmar Mendes, um dos 11 ministros da corte.

Ketlin Feitosa Ramos, que é tratada na família como filha do ministro, ocupa desde setembro o cargo de assessora parlamentar de Demóstenes, posto de confiança e livre nomeação.

O senador passa hoje por uma crise política por ter seu nome envolvido na Operação Monte Carlo, que desmontou no mês passado um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na exploração de jogos caça-níquel.

Acusado de ser o chefe do esquema, o empresário Carlinhos Cachoeira é amigo de Demóstenes e teve 300 telefonemas com ele gravados pela polícia.

O senador confirmou que recebeu de Cachoeira um telefone antigrampo, um fogão e uma geladeira de presentes de casamento. Investigação mostrou que o senador também pediu ao empresário R$ 3.000 para pagar despesas de táxi-aéreo.

Como senadores possuem foro privilegiado (só podem ser investigados com autorização do STF), todo o material que envolve Demóstenes e outros políticos foi remetido para análise do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Ele poderá pedir ao STF autorização para abrir um inquérito específico para investigar o senador. Gurgel não tem prazo para isso.

Se o pedido de inquérito for feito, o caso será distribuído automaticamente a um dos 11 ministros do STF, incluindo Gilmar Mendes, caso ele não se declare impedido.

Leandro Colon e Fernando Mello.

brasil247.

Vinicius de Moraes, toda a poesia – por marcelo sandmann / são paulo.sp

Manuel Bandeira, apreciando Cinco elegias (1943), foi lapidar a respeito do autor: “Porque ele tem o fôlego dos românticos, a espiritualidade dos simbolistas, a perícia dos parnasianos (sem refugar, como estes, as sutilezas barrocas), e finalmente, homem bem do seu tempo, a liberdade, a licença, o esplêndido cinismo dos modernos.” Já na “Advertência” que abre sua Antologia poética (1954), Vinicius propunha a existência de duas fases na sua poesia: uma primeira, “transcendental, frequentemente mística, resultante de sua fase cristã”; e uma seguinte, “de aproximação do mundo material, com a difícil mas consistente repulsa ao idealismo dos primeiros anos”. De uma forma ou de outra, essas duas considerações ainda hoje conformam boa parte dos juízos da crítica a respeito dos desenvolvimentos de sua obra.

Vinicius de Moraes estréia na literatura com O caminho para a distância, em 1933, sob o influxo do catolicismo militante de Jackson de Figueiredo, Tristão de Athayde e Octavio de Faria. Predominam os poemas em versos longos e livres, à maneira de versículos bíblicos, de tom elevado e solene, às voltas com os temas do espiritualismo cristão caro àqueles escritores. Trata-se de uma poesia tributária da herança simbolista, programaticamente distante do humor e da irreverência do Modernismo de 1922. Os livros seguintes, Forma e exegese(1935) e Ariana, a mulher (1936), seguem, em linhas gerais, o mesmo caminho.

Uma transformação evidente se processa a partir de Novos poemas (1938) e se consolida com Poemas, sonetos e baladas (1946), Antologia poética (1954) eNovos poemas II (1959). A poesia torna-se formalmente multifacetada, com textos em versos livres e outros com base em metros e formas da tradição (como o decassílabo e a redondilha, a balada e o soneto). Ao mesmo tempo em que maneja os recursos expressivos da poesia moderna, torna-se um renovador dos antigos modos de poetar. Em Livro de sonetos (1957), reúne o que de melhor produziu dentro dessa forma, da qual se tornou um dos principais cultores em língua portuguesa no século XX. Na poesia madura de Vinicius de Moraes, o tom elevado dos primeiros livros convive com uma linguagem mais despojada e coloquial, que soube aprender as lições de Bandeira, Mário de Andrade e Drummond. São desses anos alguns de seus poemas mais conhecidos, como “Soneto de Fidelidade”, “Balada do Mangue”, “O Dia da Criação”, “Soneto de Separação”, “Pátria Minha”, “Poética”, “Receita de Mulher” e “O Operário em Construção”.

A partir de meados dos anos 50, a poesia passa a dividir com a música popular as energias criativas do autor. Na literatura, publica Para viver um grande amor(1962), que reúne crônicas e poemas; Para uma menina com uma flor (1966), com crônicas; A arca de Noé (1970), com poemas voltados ao público infantil; e outros volumes de poesia, em edições de pequena tiragem e mais restrita circulação, como História natural de Pablo Neruda (1974), A casa (1975) e Um signo, uma mulher (1975). Na música, paralelamente, Vinicius de Moraes projeta-se como o grande letrista da Bossa Nova e nome referencial da MPB dos anos 60 e 70, fazendo a ponte entre a poesia do livro e a letra de canção. A partir de Vinicius, compositores mais jovens, como Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso e Gilberto Gil, por exemplo, adentram o campo literário e passam a ser percebidos como “poetas” pelas novas gerações. A música popular atinge um estatuto de igualdade em relação à produção cultural mais crítica e criativa do país, num reconhecimento que chega ao meio acadêmico. A partir de Vinicius, e assim como ele, outros poetas vão transitar com desenvoltura entre o poema e a letra de música, como Torquato Neto, Cacaso, Wally Salomão, Paulo Leminski, Alice Ruiz, Antonio Cicero e Arnaldo Antunes, numa tendência viva até os dias de hoje.

Toda a poesia de Vinicius de Moraes na Brasiliana USP:

PSDB, PSOL E DEM, VÃO AO STF PARA IMPEDIR BOLSAS NO ENSINO TÉCNICO AOS MAIS POBRES

sexta-feira, 23 de março de 2012

O Senado aprovou na quinta-feira verba extra de R$ 460 milhões neste ano para conceder bolsas de estudo a estudantes e trabalhadores no Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego).Tem direito à bolsa trabalhadores beneficiários da Bolsa Família, para fazerem cursos profissionalizantes com carga horária mínima de 160 horas, visando conseguir empregos melhores.

Também tem direito alunos de escola pública do ensino médio, para frequentar ao mesmo tempo o curso profissionalizante, quando não é oferecido em sua escola.

Foram contra a Medida Provisória que garante as verbas, os senadores do PSDB,
do DEM e, pasmem, Randolfe Rodrigues do PSOL/AP, repetindo a aliança neoliberal com os demotucanos para retirar R$ 160 bilhões do SUS e engordar o lucro dos empresários com o fim da CPMF.

A nova aliança neoliberal do PSOL-DEM-PSDB alegou que a Medida Provisória seria inconstitucional, pois não atenderia aos critérios de urgência, como se quem é beneficiário do bolsa família em busca de um emprego melhor pudesse se dar ao luxo de ficar esperando por esta discussão inócua das Vossas Excelências demotucanas e psolistas.
Derrotados no voto na quinta-feira, o senador Álvaro Dias (PSDB/PR) anunciou que recorrerá ao tapetão do STF (Supremo Tribunal Federal) para impedir que os trabalhadores e alunos mais pobres tenham estas bolsas já neste ano. Nesta sexta-feira disse:
“Já está pronta a Adin [Ação Direta de Inconstitucionalidade]. Só falta a assinatura do partido, que será feita na semana que vem pelo Sérgio Guerra (PSDB) e pelo Agripino Maia (DEM)”.
Álvaro Dias demonstra que o discurso de campanha tucano de José Serra em 2010 era falso.
Na campanha de 2010, o candidato tucano à presidente José Serra chegou a prometer fazer um programa semelhante ao PRONATEC. Álvaro Dias chegou a ser candidato a vice de Serra por 24 horas, quando foi substituído por um nome do DEM.
A postura atual de Álvaro Dias, como líder do partido no Senado, e de Sérgio Guerra, como presidente do partido, demonstra que tucanos com mandato estão fazendo o oposto do que prometeram na campanha eleitoral.
DEMos já entraram com ação semelhante contra o PROUNI e perderam
O DEMos é reincidente em entrar na justiça contra bolsas de estudos para os mais pobres. Em ação semelhante também ingressou no STF contra o PROUNI, com alegação de inconstitucionalidade. Para felicidade geral da Nação, perderam. (Com informações da Ag. Senado

“ For the world is more full of weeping than you can understand “ – por omar de la roca / são paulo.sp

 

Se quebraram meus vasos de porcelana rara. Eu peguei os cacos e vi que não eram nada além de barro comum. Estalaram as cordas da harpa que se cansou da conhecida música. A ultima rosa de verão, tão acalentada, mirrou e suas pétalas se transformaram em pó. Nada mais resta de meus sonhos exaustos. Só o cansaço me acompanha fiel. Este cansaço “de todas as coisas”, ancestral,velho de milênios. Cansado de si mesmo, arrastando-se pelo sol em cega caminhada. De um lado a água profunda e escura do outro o deserto escaldante. A trilha estreita que me empurra ora para um lado ora para outro. Sem me dar chance de escolher, de dizer, é este que eu quero e não aquele. Meu coração, como o espelho, partiu-se de lado a lado. E cada lado se partiu em outros dois pedaços numa seqüência fractal indefinida. Espero com os pés na areia,mas a estrela não cai mais.A primavera congelou no tempo.Me cortaram as asas.Só eu continuo por aqui. Mas não sei como. Não sei como sou. Não sei quem sou nem o que importo. Nem se importo. Eu quem ? Mas a impossível continuidade segue em frente, e me carrega com ela. Como uma onda que varre tudo pelo caminho e vai levando, vai levando. Sem dizer para onde e nem se vai parar. A canoa  solta das amarras, insiste em ficar no mesmo lugar. Só vai balançando de um lado para o outro. Não vira e nem segue em frente. Não segue a corrente de água (límpida? turva? não sei ). Os dedos do salgueiro continuam tocando de leve a água do lago. Mas eles não escrevem mais, apenas observam as gotas escorrendo deles como as lágrimas que não chora. Nada mais me importa. Nem me interessa mais agradar a ninguém. Nem me interessa me dar bem com ninguém. Será apenas um momento? Será apenas este infinito, irremediável cansaço? Serei capaz de suportar este azul que insiste em se mostrar? Mas o azul não esta mais dentro de mim.  O falcão refugiou-se na gaiola e não quer mais voar pelas campinas amarelas. As borboletas, as flores de cerejeira, o beija flor, ficaram só na fotografia. Nada restou. Algo virá para ocupar o vazio? Há bastante espaço. Mas o vazio não quer ser incomodado com mágoas e sonhos destruídos. Nem as minhas. O vazio quer apenas o vazio e nada mais. Quer ficar vazio para sobreviver. Quer sobreviver?  Não sei.

Come away, O human child!
To the waters and the wild
With a faery hand in hand,
For the world’s more full of weeping than you can understand

Vá embora, criança,                                                                                                                                   Vá para os lagos e floresta                                                                                                                   com uma fada em cada mão,                                                                                                                deste mundo cheio de tristeza e choro,                                                                                             além de sua compreensão.

E este interminável cansaço. Cansado de si mesmo e dos outros.. A última fibra de rompeu. Cansaço, companheiro inseparável de todas as horas. E eu, que pensava ser forte, cai em mim e percebi que não sou nada além de apenas mais um .Sem direito a nada mais do que meu cansaço me impele a conseguir. Será que vai ser só isso? Sem esperança de ir mais além? Só sei que cada vez estou mais triste, com menos esperanças. Era mais fácil quando eu acreditava que algo mais viria. Agora, não sei. Será só esta inexistência insossa? Só me resta esperar que meu cansaço me responda. Dá me tua mão cansaço,vamos seguir mais um pouco.

O dedo do anel roubado – de gilda kluppel / curitiba.pr


Vão-se os anéis, ficam os dedos

E de que modo ficam os dedos…

tremendo de medo.

Vão novamente usar os adornos

círculos de ouro, prata ou lata

para qualquer moldura

um olhar suspeito.

Vão apanhar a carteira da bolsa

o dinheiro contado

escondido no punho cerrado.

Vão indicar a ferida

a liberdade perdida.

Vão procurar a vingança

apertando o gatilho

numa violência atravessada

equivocada e nociva.

Vão segurar a caneta

denunciar o transtorno

e a tranquilidade roubada.

Vão permanecer sempre alerta

com receio e dedos ao alto

desconfiança constante

e a delicadeza falida.

A unha e a carne

agoniadas e acuadas

vão procurar abrigo dentro dos bolsos

ou permanecer inertes

atrás de um braço cruzado

temendo pela próxima vez

vão-se os anéis, não sobram os dedos.

O CARNAVAL, A CIDADE E O MEIO AMBIENTE – por almandrade / salvador.ba

Com as mudanças climáticas aceleradas há uma tendência de dificultar
ainda mais a vida no planeta nas próximas décadas, por essa razão a
perda da qualidade de vida tende a aumentar e consequentemente também
a recessão da ética, da cidadania, da ordem, da educação e das responsabilidades individuais com o outro e o meio ambiente. Levar vantagem, não importa como, é uma meta. Na sociedade urbano-contemporânea, a perda do domínio público é visível nas reivindicações ou reclamações que vêm à tona quando surgem intervenções que atingem o espaço particular. Há muito a cidade deixou de ser o lugar da liberdade, do diálogo, do encontro, é o lugar dos prazeres imediatos e
do consumo, da circulação da mercadoria.

Chegou o verão, a cidade do salvador é do turismo e da festa. Estamos
nas vésperas de mais um carnaval. A cidade, desprovida do sentido de
comunidade, é o palco onde tudo se troca, tudo tem um valor de
mercado, do entretenimento ao corpo. O evento já não é mais uma
diversão, mas uma indústria de um espetáculo que invade a cidade. E
para quem vive no circuito da folia, sem tranquilidade, exilado em seu
próprio espaço residencial, invadido pelo barulho da rua e o odor
desagradável de urina e cerveja, não há alternativa.

O carnaval acabou se transformando numa festa autoritária para quem
não tem o direito de optar por outro divertimento, por outro tipo de
música. Cresceu demais, ficou maior que a cidade, que mal o
suporta. Ainda não se fez uma avaliação do impacto dos trios elétricos
na estrutura dos prédios, monumentos históricos e no entorno. Chegou o
momento de se pensar numa cidade do carnaval para o desfile dos
trio-elétricos e a infraestrutura necessária que a festa exige como o
sambódromo, no Rio de Janeiro. A festa gera consumos exagerados de
água, eletricidade, combustível, produz uma quantidade de lixo e
custos de coleta.

O carnaval é um exemplo da privatização do espaço público e da nossa
incapacidade de habitar o lugar público, nos acostumamos a pensar o
público como uma reprodução do privado, até como forma de se sentir
protegido. Com seus trios seletivos, é a extensão do domínio privado. A liberdade é o deslocamento para o público e a publicidade daquilo que se deseja realizar na intimidade e daquilo que não se tem coragem de realizar, nos outros dias do ano.

É preciso entender a cidade além da concepção de espaço físico.
Habitar uma cidade tem como princípio básico o exercício da cidadania
e o agir ético dentro de uma determinada sociedade. O consumidor, o
personagem central da cidade moderna, ignora esse princípio e quem tem
mais poder de consumo reivindica para si os benefícios da cidade. Isso
está muito claro no carnaval, nos luxuosos camarotes, nas cordas que
circulam os trios.

Meio ambiente, cidadania e ética atravessam a cidade da festa. A
função que o homem exerce na ocupação e significação do espaço, na
relação com o outro e a natureza, diz respeito a valores que
determinam a vida de cada ser no planeta. Valores que estão em crise.
O homem moderno se dissociou dos propósitos mais importantes da vida,
do compromisso pessoal com o estilo de vida e valores éticos. As
necessidades devem ser satisfeitas levando em conta a necessidade do
outro e das futuras gerações. Mas perdemos nosso senso de
responsabilidade.

Almandrade
(artista plástico, poeta e arquiteto)

OUTONO – Ofereço a ti e ofereço à minha mãe – por zuleika dos reis / são paulo.sp

 

Neste dia 20 de março, na alta madrugada começa, no hemisfério sul, a estação do Outono, ao mesmo tempo em que tem início a estação da primavera no hemisfério norte.

Se não dispomos da incrível beleza de cores dos campos na América do Norte, na Europa, na Ásia, em seu Outono que ocorre a partir de setembro, isso não significa que nosso Outono não seja belo. Assim, nenhuma outra estação costuma apresentar céus tão diáfanos nem luas cheias tão esplêndidas nem – permitam-me acrescentar este dado muito subjetivo –melancolias tão profundamente especiais. No Outono as estrelas cadentes se tornam mais visíveis, as chuvas se fazem mais silenciosas, as saudades e as lembranças insidiosas afloram mais intensamente, bem como os relâmpagos ocorrem com maior frequência.

No Outono também há árvores que se cobrem de flores, como a bonina, a espatódea, o manacá, a quaresmeira, a nespereira, a paineira, sendo que desta última existe, há décadas, um belíssimo espécime na pracinha em frente ao prédio onde moro, sempre diante da janela da minha sala, por sinal nos presentes dias já deveras florido, com suas flores rosa, com suas flores símbolo do meu amor, do meu amor sempre protegido entre as pétalas do coração. Assim como as árvores de Outono, a passarada também nos toca a todos com seus múltiplos cantos, nos campos e nas pequenas e grandes cidades do país.

No Outono temos a Semana Santa e a Páscoa. No Outono temos o dia do trabalho, o dia da abolição da escravatura, o dia em que as mães são homenageadas, o dia dos namorados… No Outono temos o tempo da colheita do arroz, o tempo da colheita do algodão.

Há quem diga que o Outono é a mais poética das estações.

Ergamos um brinde ao Outono, tempo de recolhimento, mas também tempo de  descobrimentos, tempos de renovação.

As Estátuas da Ilha da Páscoa tem corpos – flavia guimarães – rio de janeiro.rj



Um dia ainda irei voar até Rapa Nui  – o umbigo do mundo. São muitos os mistérios que lá existem. Esta ultima descoberta nos deixa ainda mais assombrados. Sempre conheci o Moais como sendo apenas enormes cabeças de pedras plantadas numa ilha no fim do mundo, mas jamais poderia imaginar que existiam corpos destas estátuas.

Rapa Nui esta localizada no Oceano Pacífico, essa ilha vulcânica foi descoberta pelo navegador holandês Jakob Roggeveen, no domingo de Páscoa no ano de 1722, e mais tarde tornou-se posse do Chile, em 1888. Muitos segredos cercam a Ilha de Páscoa que é famosa por suas incríveis estátuas chamadas Moais e que estão ao redor de toda a ilha.

A descoberta, não tão nova, mas que aumenta o mistério sobre quem as esculpiu, quem vivia na ilha, como elas foram parar lá é o fato de que as estátuas da Ilha de Páscoa têm corpos! Isso mesmo, as cabeçonas gigantes são estatuas completas cuja maior parte está enterrada e correspondem a corpos e mãos.

Um grupo de pesquisa privado tem escavado recentemente as estátuas da Ilha da Páscoa e está estudando as escrituras nos corpos das mesmas.

A dúvida agora é por que estes gigantes de pedra tiveram seus corpos enterrados? As estatuas sempre foram assim ou com o tempo ficaram desta maneira?

Uma das teorias sobre o desaparecimento dos habitantes originais de Rapa Nui foi a superpopulação que levou a conflitos internos e falta de alimentos. Agora surge outra hipótese: um enorme deslizamento pode ter varrido a ilha e sua civilização. Isso aniquilou a população e fez com que as estatuas ficassem com boa parte do seu corpo sob a terra.

MARIANNE MOORE, NOTA SOBRE “POETRY” – por régis bonvicino / são paulo.sp

A tradução mais recente de Augusto de Campos é a de um conhecido poema de Marianne Moore, “Poetry”. Qual a necessidade de se traduzir este poema hoje? A pergunta é pertinente, pois a tradução pode ser um caprichoso jogo intelectual ou uma importante intervenção cultural, injetando nas veias da língua de chegada a vitalidade da poesia de saída, para gerar ideias.

Marianne Moore é considerada nos EUA uma autora modernista importante. Ainda assim, não desperta o mesmo interesse de outros pares de sua geração. Sua presença histórica existe, digamos, a despeito de não ter a força de Eliot, Williams ou Stevens. Destaque-se que “Poetry” já obteve versões para o português, anteriores a esta feita por Campos, mas uma razão segura para ele traduzi-lo seria a própria qualidade da tradução. Pois, apesar de tudo, assim o repertório da língua de chegada resultaria enriquecido.

“Poetry” tem várias versões, de distintas dimensões, mas a mais conhecida é a sua redução a um terceto:

In Poetry, 1919, Marianne Moore engages directly in a debate with Tolstoy and William Butler Yeats, quoting Tolstoy’s dislike of business documents and / school-books and Yeats’s condemnation of literalists of / the imagination, before defending the roots of poetry in the literal, businesslike raw material of everyday life, her equivalent of Eliot’svariety and complexity. In its original version (1919), the poem offers a defense of poetry along the lines of Stevens’s later quest for a poem of pure reality. As she revised the poem over the years, however, Moore cut out the lists of possible subjects for poetry and condensed the poem to just its three original opening lines. The condensation represented in a sense a return to the miniature forms of imagism, but now seeming to contain the whole relation of poetry to the social world in just three lines:

I, too, dislike it: there are things that are important beyond all this fiddle.
Reading it, however, with a perfect contempt for it, one discovers in
it after all, a place for the genuine. 
[1]
Esse possível enunciado da relação da poesia com o mundo social ganha, através da redução, uma notória ironia, que marca o primeiro verso: “Eu também não gosto dela…”. Trata-se de um gesto cult afoot da explícita evocação de Baudelaire: “Hypocrite lecteur, – mon semblable, – mon frère!”. Mas o que no gigante francês era desmascaramento em Marianne Moore é um dizer sutil: “Sim, eu também não gosto dela, mas…”. Não há essemasbut, no poema – ao menos, não de modo imediato. Ele aparece um pouco adiante, na forma de howevercontudono entanto… O que confirma a ironia envolvente e fina, que faz seu giro nesse however: “I, too, dislike it. / Reading it, however…”. A concordância inicial não passava de uma forma sedutora de preparar a discordância com o frontal “hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère”:

In her well-known poem, Poetry, Miss Moore begins, I too, dislike it. This line has been interpreted as ironic, as an attempt to disarm, or as evidence that she practices her art only half-seriously. Quite obviously, however, her reasoning is serious. [2]

Além de sutil e irônica no tom, a linguagem de Moore é natural e coloquial na sintaxe, o que combina com a ideia de envolver, de pactuar com o leitor.

Nada há disso, ao que parece, na versão de Augusto de Campos. Nem a ironia e o coloquialismo, que tentam capturar a atenção do leitor para uma arte que “contain the whole relation of poetry to the social world”. Tudo é perdido pela hipérbole semântica: “Eu também a abomino”. Abominar é “ter horror, detestar, execrar, odiar”. O que isso tem a ver com o simples desgosto contido nesse dislikeDislike pode também significar detestar, odiar, execrar, mas esses significados não estão autorizados pelo contexto do poema de Moore. O que explica essa escolha, ainda que não a justifique, é a opção imprópria por uma rima perfeita com “genuíno” no terceiro verso:

Eu também a abomino.
Lendo-a, porém, com total desdém, a gente des-
cobre ali, afinal, um lugar para o genuíno.
A dicção e a sonoridade de Marianne Moore são elegantes (talvez, elegantes demais): “I, too, dislike it./ Reading it, however, with a perfect contempt for it…”. Augusto de Campos, no entanto, impõe-lhe um ritmo entrecortado, além de comprometido por encontros e destaques vocálicos abertos, em eco, que absolutamente não existem no original:

Eu também a abomino [ah ah]
Lendo-a [ah], porém, com total [au] desdém, a [ah] gente des-
cobre ali [ah], afinal [ah au], um lugar para [ah ah] o genuíno.

Notar que o corte em descobrir, “des-/cobrir”, além de inexistente em “Poetry”, pretende realçar a duplicidade de descobrir e ocultar, um duplo sentido cansado e óbvio, verdadeira malversação do original.  “One” significa “alguém”. Pode igualmente significar “a gente”, mas, Moore diz, com simplicidade,  o seguinte: “o leitor, mesmo fazendo pouco-caso da poesia, poderá encontrar nela um “sítio” para o genuíno”, que, no poema, quer dizer o desafetado, o real, a realidade, condenando, deste modo, os poemas decorativos da época. Ela foi uma poeta modernista. “Contempt” significa desprezo orgulhoso, menosprezo, descaso. “Desdém” não está muito autorizado pelo original, embora possível, mas revela a atração do tradutor por rimas e por uma poética velha: “porém” (uma adversativa bacharelesca) e “desdém”, forçado, como interpretação. Tão forçado quanto  “a gente” (“one”), que, aqui, Moore usa, de fato, na acepção de  “descobre-se”:  “contudo, lendo poesia,  mesmo com menosprezo, descobre-se nela, enfim, um lugar para o genuíno”. A tradução de Augusto de Campos mina o sentido original, porque interpõe o verbo “cobrir” na cadeia semântica, quando só existe o verbo descobrir. Vejamos então o que o tradutor pretende encobrir.

Wallace Stevens define o poema de Marianne Moore como investigação da realidade, que, por isso, em sua versão de 1919, enumera, segundo ele, possíveis temas para outros poemas de gume duro. Pode-se então concluir que, ao que tudo indica, Augusto de Campos investiga aqui a investigação alheia. Mas, ao final, oculta a investigação da investigação, que é a tradução do poema, pela ilegibilidade kitsch do travestivemento gráfico de um então poema próprio, pilhado do trabalho alheio (cf.http://www.musarara.com.br/marianne-moore-em-tres-dimensoes). E o que era uma proposta de investigação de gume duro da realidade, a ser investigada pela tradução, torna-se show room tipológico. Um show room paradoxal, que se exibe, que se dá a ver, para ocultar tanto a realidade investigada pelo original como sua própria tradução. (Em 12 de março de 2012)

PARECE FÁCIL, MAS NÃO É! – por olsen jr / rio negrinho.sc


   Cansei da maçaroca. Lembrei de um livro do Salim Miguel ”Sezefredo das Neves, poeta”, que começa com o narrador afirmando que recebeu um “original” para ser lido mais tarde e que o apelidou logo de “a maçaroca”.

A maçaroca, no meu caso, é constituída de uma série de anotações feitas por aí e guardadas em um dos bolsos da calça. As calças mudam e as tais anotações continuam se amontoando sem que tome uma providência. São ideias para uma crônica, um conto, um dito espirituoso feito na hora apropriada, uma frase que capta um momento bem humorado, enfim, algo que pode ser trabalhado posteriormente. O suporte para tais anotações pode ser um guardanapo, um extrato bancário, um comprovante da medida de peso/altura de uma farmácia, uma nota de compra, um ticket de supermercado ou de posto de gasolina, o verso de um cartão de visitas, e se não tiver nada, a palma da mão também serve.

Hoje peguei aquela papelada toda e disse: chega! Só tomei a iniciativa, entretanto, quando um amigo me viu deixar cair tudo quando fui pagar o café no bar… Ele indagou “que maçaroca é essa?”.

Well, é de assombrar como se parte de coisinhas simples para se construir uma obra.

Muitas vezes é só um lembrete mesmo: “policial Henrique (livro)”… Lembrei que fui socorrido por um policial num acidente de carro. Quando soube que era um escritor disse que gostava muito de ler e eu prometi um livro. Na hora não tinha nenhum. O bilhete deve estar a uns quatro anos passando de bolso em bolso sem que cumpra com o prometido, vou fazer isso hoje; um outro diz: “filme do Cantinflas/ajudante de circo/pesos”, trata-se do comediante Mário Moreno, ele fazia o papel do ajudante, a atração principal era um fisioculturista (vestido com pele de tigre) que levantava vários artefatos em que estavam escritos em cada um o “seu” peso (150kg, 200kg,) e depois da encenação, o Cantinflas entrava e pegava todos eles com uma das mãos (eram de isopor) e o cinema vinha a baixo de riso, lembro a propósito de um colega de ginásio que assistia ao filme na cadeira de trás da minha e passava o tempo todo cantarolando a música “Leva eu Sodade”, um dos versos que dizia  “Oi leva eu…  eu também quero ir”… Dos “Cantores de Ébano” que fez sucesso na década de 1960… No outro lado do papel, um lembrete: “Eliane & Elias/ Piano” seguido de um número de telefone para contato… Cenas que poderiam integrar uma obra de ficção.

Numa comanda de hotel indicando como chegar a feijoada do Bar do Zé em Joinville, estava o texto “A mesma “coisa” feita de outro jeito, tem novo sentido”. Não me lembro do que se tratava, a “mesma coisa” para mim sempre foi um caminhão carregado de melancias, mas depois que os japoneses “criaram” a melancia quadrada (vi isso na internet) nem se pode usar mais a tal expressão.

Tinha elucubrações bem feitas e que só estavam ali porque não tivera disposição para transportá-las para um caderno onde faço tais registros, por exemplo, “Procuro ignorar os elogios e as críticas que fazem ao meu trabalho porque ambos são mendigos que me pedem esmolas: o elogio de minha vaidade e a crítica de minha ira. Tanto um como outro me empobrece”.

O meu favorito era um que afirmava “Os homens de talento, digo, os gênios, deveriam ser mais pacientes, afinal nós temos a eternidade pela frente”…

Tudo isso parece afetação, mas o que é que se pode esperar de alguém que pensa o dia inteiro? Claro, tinha os bilhetes que me faziam cair na realidade, esse que está em minhas mãos agora, para ilustrar, dizia “Pagar a ótica (R$175,00) no dia10”, consulto o calendário e já estamos no dia 22… O que “eles” iriam pensar do meu atraso? Talvez, na melhor das hipóteses: “paciência, os filósofos são distraídos mesmo, não são?”.

 

NOTAS:

 

A música poderia ser essa, “In the Summertime”, do Mungo Jerry…

Grupo inglês formado por Ray Dorset, Colin Earl, Paul King e Mike Cole…

http://www.youtube.com/watch?v=zc9wIzi96_E&feature=list_related&playnext=1&list=AVGxdCwVVULXdYIqsgEqjJnN0mDqo59BJK

Fizeram sua estreia no início dos anos 1970 no Festival Hollywood, Newcastle-Under-Lyme em Staffcorshire… A música “In the Summertime” foi direto ao topo, foi a número um em 26 países ao redor do mundo…

O nome do Grupo foi inspirado no poema “Mungojerrie” , de T. S. Eliott…

Segundo Joseph Murell no livro “O Livro dos Discos de Ouro” (1978) a “Mungomania” foi possivelmente o mais importante fenômeno pop a chegar a Grã-Bretanha desde os Beatles…

 

O DIA A DIA DA INFORMÁTICA – karlos bettega / ilha de santa catarina

Haroldo tirou o papel do bolso, conferiu a anotação e perguntou à balconista:Moça, vocês têm pendrive?

- Temos, sim. 

O que é pendrive? Pode me esclarecer? Meu filho me pediu para comprar um. 

- Bom, pendrive é um aparelho em que o senhor salva tudo o que tem no computador. 

Ah, É como um disquete… 

- Não. No pendrive o senhor pode salvar textos, imagens e filmes. O disquete, que nem existe mais, só salva texto. 

Ah, tá bom. Vou querer. 

- Quantos gigas? 

Hein? 

- De quantos gigas o senhor quer o seu pendrive? 

O que é giga? 

- É o tamanho do pen. 

Ah, tá. Eu queria um pequeno, que dê para levar no bolso sem fazer muito volume. 

- Todos são pequenos, senhor. O tamanho, aí, é a quantidade de coisas que ele pode arquivar. 

Ah, tá. E quantos tamanhos têm? 

Dois, quatro, oito, dezesseis gigas… 

Hmmmm, meu filho não falou quantos gigas queria. 

- Neste caso, o melhor é levar o maior. 

Sim, eu acho que sim. Quanto custa? 

- Bem, o preço varia conforme o tamanho. A sua entrada é USB? 

Como? 

- É que para acoplar o pen no computador, tem que ter uma entrada compatível. 

USB não é a potência do ar condicionado? 

- Não, aquilo é BTU. 

Ah! É isso mesmo. Confundi as iniciais. Bom, sei lá se a minha entrada é USB. 

- USB é assim ó: com dentinhos que se encaixam nos buraquinhos do computador. O outro tipo é este, o P2, mais tradicional, o senhor só tem que enfiar o pino no buraco redondo. O seu computador é novo ou velho? Se for novo é USB, se for velho é P2. 

Acho que o meu tem uns dois anos. O anterior ainda era com disquete. Lembra do disquete? Quadradinho, preto, fácil de carregar, quase não tinha peso. O meu primeiro computador funcionava com aqueles disquetes do tipo bolacha, grandões e quadrados. Era bem mais simples, não acha?

- Os de hoje nem têm mais entrada para disquete. Ou é CD ou pendrive. 

Que coisa! Bem, não sei o que fazer. Acho melhor perguntar ao meu filho. 

- Quem sabe o senhor liga pra ele? 

Bem que eu gostaria, mas meu celular é novo, tem tanta coisa nele que ainda nem aprendi a discar. 

- Deixa eu ver. Poxa, um Smarthphone! Este é bom mesmo! Tem Bluetooth, woofle, brufle, trifle, banda larga, teclado touchpad, câmera fotográfica, flash, filmadora, radio AM/FM, TV digital, dá pra mandar e receber e-mail, torpedo direcional, micro-ondas e conexão wireless….

- Blu… Blu… Blutufe? E micro-ondas? Dá prá cozinhar com ele? 

- Não senhor. Assim o senhor me faz rir. É que ele funciona no sub-padrão, por isso é muito mais rápido.

Pra que serve esse tal de blutufe? 

- É para um celular comunicar com outro, sem fio.

Que maravilha! Essa é uma grande novidade! Mas os celulares já não se comunicam com os outros sem usar fio? 
Nunca precisei fio para ligar para outro celular. Fio em celular, que eu saiba, é apenas para carregar a bateria… 

- Não, já vi que o senhor não entende nada, mesmo. Com o Bluetooth o senhor passa os dados do seu celular para outro, sem usar fio. Lista de telefones, por exemplo. 

Ah, e antes precisava fio? 

- Não, tinha que trocar o chip. 

Hein? Ah, sim, o chip. E hoje não precisa mais chip… 

- Precisa, sim, mas o Bluetooth é bem melhor. 

- Legal esse negócio do chip. O meu celular tem chip? 

- Momentinho… Deixa eu ver… Sim, tem chip. 

E faço o quê, com o chip? 

- Se o senhor quiser trocar de operadora, portabilidade, o senhor sabe. 

Sei, sim, portabilidade, não é? Claro que sei. Não ia saber uma coisa dessas, tão simples? Imagino, então que para ligar tudo isso, no meu celular, depois de fazer um curso de dois meses, eu só preciso clicar nuns duzentos botões… 

- Nããão! É tudo muito simples, o senhor logo apreende. Quer ligar para o seu filho? Anote aqui o número dele. Isso. Agora é só teclar, um momentinho, e apertar no botão verde… pronto, está chamando. 

Haroldo segura o celular com a ponta dos dedos, temendo ser levado pelos ares, 
para um outro planeta: 
- Oi filhão, é o papai. Sim. Me diz, filho, o seu pen drive é de quantos… Como é mesmo o nome? Ah, obrigado, quantos gigas? Quatro gigas está bom? Ótimo. E tem outra coisa, o que era mesmo? Nossa conexão é USB? É? Que loucura. 
Então tá, filho, papai está comprando o teu pen drive. De noite eu levo para casa.

- Que idade tem seu filho? 

- Vai fazer dez em março. 

- Que gracinha… 

É isso moça, vou levar um de quatro gigas, com conexão USB. 

- Certo, senhor. Quer para presente? 

Mais tarde, no escritório, examinou o pendrive, um minúsculo objeto, menor do que um isqueiro, capaz de gravar filmes! Onde iremos parar? Olha, com receio, para o celular sobre a mesa. “Máquina infernal”, pensa. Tudo o que ele quer é um telefone, para discar e receber chamadas. E tem, nas mãos, um equipamento sofisticado, tão complexo que ninguém que não seja especialista ou tenha a infelicidade de ter mais de quarenta, saberá compreender. 

Em casa, ele entrega o pen drive ao filho e pede para ver como funciona. O garoto insere o aparelho e na tela abre-se uma janela. Em seguida, com o mouse, abre uma página da internet, em inglês. Seleciona umas palavras e um ‘havy metal’ infernal invade o quarto e os ouvidos de Haroldo. Um outro clique e, quando a música termina, o garoto diz: 

- Pronto, pai, baixei a música. Agora eu levo o pendrive para qualquer lugar e onde tiver uma entrada USB eu posso ouvir a música. No meu celular, por exemplo. 

Teu celular tem entrada USB? 

- É lógico. O teu também tem. 

É? Quer dizer que eu posso gravar músicas num pen drive e ouvir pelo celular? 

- Se o senhor não quiser baixar direto da internet… 

Naquela noite, antes de dormir, deu um beijo em Clarinha e disse: 

Sabe que eu tenho Blutufe? 

- Como é que é? 

Bluetufe. Não vai me dizer que não sabe o que é? 

- Não enche, Haroldo, deixa eu dormir. 

Meu bem, lembra como era boa a vida, quando telefone era telefone, gravador era gravador, toca-discos tocava discos e a gente só tinha que apertar um botão, para as coisas funcionarem? 

- Claro que lembro, Haroldo. Hoje é bem melhor, né? 

- Várias coisas numa só, até Bluetufe você tem. E conexão USB também. 

- Que ótimo, Haroldo, meus parabéns. 

Clarinha, com tanta tecnologia a gente envelhece cada vez mais rápido. Fico doente de pensar em quanta coisa existe, por aí, que nunca vou usar. 

- Ué? Por quê? 

Porque eu recém tinha aprendido a usar computador e celular e tudo o que sei já está superado. 

- Por falar nisso temos que trocar nossa televisão. 

Ué? A nossa estragou? 

- Não. Mas a nossa não tem HD, tecla SAP, slowmotion e reset. 

Tudo isso? 

- Tudo. 

A nova vai ter blutufe?

- Boa noite, Haroldo, vai dormir que eu não aguento mais…


NELSON RODRIGUES, 100 ANOS – por luis fernando pereira / curitiba.pr

É só isso? Foi a minha pergunta ao funcionário da acanhada sala do Teatro Glauce Rocha no Rio de Janeiro, escolhida pela Funarte para abrigar a recente exposição “Nelson Brasil Rodrigues – 100 anos do anjo pornográfico”. Não havia quase nada exposto na tal exposição. Alguns recortes de jornais sobre Nelson e a sua Remington Portable (uma máquina de escrever, explico em atenção aos mais novos). Patético. No final da década de setenta, já com saúde debilitada, Nelson Rodrigues foi do Rio a Florianópolis de carro (não andava de avião) para lançar O Reacionário. Pois na hora do lançamento não apareceu uma viva alma para comprar os livros autografados. Nelson estava em baixa. A exposição lá no Rio lembrou-me da sessão de autógrafos de Nelson em Florianópolis. Coisa triste. E muito injusta!
Exagero pouca coisa quando digo, vez ou outra, que Nelson é o escritor brasileiro mais importante de todos os tempos. Dramaturgo, cronista, romancista, frasista, polemista, ninguém escreveu tanto e tão bem. É claro que poucos concordam com a minha opinião. E Machado? Questionariam alguns. Não chega perto de Guimarães Rosa, afirmariam outros. Com certa razão, pode-se dizer que Érico Veríssimo produziu mais. Para mim é o Nelson porque eu acho que é e ponto final. Algo que o próprio Nelson classificaria como opinião de torcedor do Bonsucesso. Ou, ainda Nelson, “se os fatos são contra mim, pior para os fatos”. O Nelson é o maior e não se fala mais nisso.
E digo que é o maior praticamente desconsiderando o Nelson dramaturgo. Aqui fico com o polonês Ziembinski – que disse o seguinte ao ser apresentado ao texto de Vestido de Noiva (peça que ele depois dirigiu): “Não conheço nada no teatro mundial que se pareça com isso”. Mesmo jogando fora toda a produção teatral, Nelson segue com o título do “melhor escritor brasileiro de todos os tempos” (título que eu mesmo criei e entreguei, em homenagem póstuma). Sobretudo agora, em desagravo pela exposição anoréxica lá do Rio.
O Nelson legítimo é o cronista-contista-frasista. E ainda poderíamos deixar de lado toda a crônica de futebol – que é deliciosa. O que há de mais importante em Nelson é a sua crônica do cotidiano. Joguem tudo fora (os romances, inclusive) e levem em conta apenas a Vida como Ela é. É o suficiente para garantir o título a Nelson. Por dez anos consecutivos (de 51 a 61) o sábio Samuel Wainer deu-lhe o espaço para as colunas diárias no jornal Última Hora. A coleção de crônicas e contos é admirável (há quem diga que eram ensaios; os mesmos que dizem que Nelson era o Montaigne do Brasil. Eu quase concordo). Na sua Remington Portable Nelson escrevia de forma alucinada (fumando e usando só dois dedos). Antes que critiquem o veículo das publicações, lembrem que Balzac também publicou boa parte da sua Comédia Humana em capítulos de revistas. Nelson é o nosso Balzac. Um Balzac de linguagem simplificada e um pouco mais pornográfico. São, aliás, as duas acusações preferidas dos críticos de Nelson.
“Reclamam que a minha linguagem é pobre”, dizia Nelson para logo em seguida complementar, com boa ironia: “não fazem ideia do esforço que faço para empobrecê-la”. Com esta linguagem pobre Nelson era sim pornográfico. Era nosso Marques de Sade sem o ressentimento da prisão; mais solto, irônico e caricato. Hoje é fácil ser pornográfico. Mas retratar moças virgens violentadas (Otto Lara Resende ou Bonitinha, mas ordinária) na década de sessenta era um pouco mais complicado. Nelson não se importava. Tratou de sexo e adultério o tempo todo. “Se cada um conhecesse a intimidade sexual dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém”, dizia o nosso anjo pornográfico; que também dizia: “sexo é coisa para operário”.

Hoje em dia o adultério perdeu um pouco a graça. Quase não escandaliza. Não era sim nos dez anos da coluna no Última Hora (adultério ainda era crime previsto no Código Penal). Por isso ele impressionava quando dizia com frequência: “não existe família sem adúltera”. Ou, “ninguém se interessa por uma família sem adultério. É muito enfadonha”. Para logo em seguida poupar a mulher (“não se chama uma adúltera de adúltera, jamais” – dizia), explicando: “o adultério não depende da mulher, e sim do marido, da vocação do marido. O sujeito já nasce enganado”. Assim era Nelson Rodrigues.
Nelson era insuperável na frase. Ruy Castro (autor da biografia do escritor) disse que o nosso Nelson talvez fosse o maior frasista da história da língua portuguesa. Por que só da língua portuguesa? Leiam outros bons frasistas como H. L. Mencken, Karl Kraus, Oscar Wilde e mesmo Bernard Shaw (este último muito admirado por Nelson) e comparem com tudo que está reunido pelo próprio Ruy em Flor de Obsessão (Companhia das Letras). Nelson é melhor e pronto. Aqui no Brasil há quem prefira Mencken ou Shaw, mas é Nelson quem explica a razão: “o Brasil é muito impopular no Brasil”. Ou “o brasileiro não está preparado para ser o maior do mundo em coisa nenhuma; nem mesmo em cuspe a distância”. E mais: “O brasileiro é um Narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Nelson era e é vítima deste complexo de vira-lata” (expressão de Nelson, é claro).
Aqui meu desagravo a Nelson. Aproveito para dedicar o texto ao único paranaense que com ele realmente conviveu: nosso amigo Carlos Nasser (citado em algumas crônicas). A propósito, um dia Nelson descobriu que Carlos Nasser era nascido em São Paulo e comentou espantado (sempre ao seu estilo): “Meu Deus, o único paranaense que eu conheço é paulista!”.

 .

ARTHUR RIMBAUD: MA BOHÈME (Fantasie) – paris.fr

 

E lá me ia, as mãos nos bolsos furados,
E meu casaco era também o ideal.
Eu ia sob o céu, Musa! e te era leal;
Oh! lá! lá! que esplêndidos amores sonhados!

Minha única calça estava em frangalhos
— Pequeno Polegar sonhador, em minha fuga eu ia
Desfiando rimas e sob a Ursa Maior adormecia,
Ouvindo no céu o doce rumor das estrelas.

Sentado à beira das estradas eu as ouvia,
Belas noites de setembro em que eu sentia
O orvalho em meu rosto como um vinho forte;

Quando compondo em meio a sombras fantásticas,
Como uma lira eu puxava os elásticos
De meus sapatos gastos, um pé junto ao meu peito!

Tradução de LEONARDO MAGALHAENS.

Hubble faz imagem de estrelas mais antigas da galáxia

Aglomerado estelar Messier 9 está a 25 mil anos-luz da Terra.

Imagem do telescópio espacial foi divulgada nesta sexta (16).

Imagem do telescópio espacial Hubble mostra o aglomerado estelar Messier 9, que fica perto do centro da nossa galáxia. Os cientistas acreditam que as estrelas ali estão entre as mais antigas da Via Láctea, cerca de duas vezes mais velhas que nosso Sol. (Foto: NASA/ESA)Imagem do telescópio espacial Hubble mostra o aglomerado estelar Messier 9, que fica perto do centro da nossa galáxia. Os cientistas acreditam que as estrelas ali estão entre as mais antigas da Via Láctea, cerca de duas vezes mais velhas que nosso Sol. (Foto: NASA/ESA)
Do G1, em São Paulo

ORAÇÃO DE JOÃO MARIA – de jairo pereira / quedas do iguaçu .pr

 

Foi com teus olhos

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que vi o profundo da serra

Que conhei a larva da terra

E a extensão das fazendas vazias.

 

Foi com os teus pés

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que pisei o solo das estradas

Desconhecidas

Os carreiros úmidos das matas

Que senti os espinhos

Da sina de errante.

 

Foi com tua fome

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que comi o pão de milho

Na casa do pobre

E masquei a erva do sertão.

 

Foi com tua força

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que entendi a filosofia

Do princípio e do fim dos

Tempos

A razão natural que se expressa

E a ideologia do amor.

 

Foi  com tua cura

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que sarei o silêncio do triste

E o hilário do alegre

No campo sem fim de cada dia.

 

Foi com tua alma

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que senti a escuridão da noite

E o brilho do dia

A senda e o movimento

Das  multidões operárias.

 

Foi com tua análise ilógica

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que joguei a praga no padre

No político e no fazendeiro,

Naquela cidade onde os livres

Não são aceitos.

 

Foi com tua voz inaudível

De João e de Maria

Senhor João Maria

Que fiz tremer os governos, os exércitos,

E os poderosos civis.

 

Foi com teus olhos, pés,

Fome, alma, força e delírio,

De João e de Maria,

Senhor João Maria

Que cruzei rios, pontes, matas e serras,

Que fiz a mais bela apologia à terra

(que um homem jamais sonhou)

Porque a noite dos tempos

Era de minha exclusiva propriedade.

HERMES TRISMEGISTO – por antonio rocha fadista / rio de janeiro.rj

O MITO E A REALIDADE

.


Filho de Zeus e de Maia, a mais jovem das Plêiades da mitologia grega, Hermes nasceu num dia quatro (número que lhe era consagrado), numa caverna do monte Cilene, ao sul da Arcádia.

Divindade complexa, com múltiplos atributos e funções, Hermes foi no início um deus agrário, protetor dos pastores e dos rebanhos. Um escrito de Pausânias deixa bem claro esta atribuição do filho de Maia: “Não existe outro deus que demonstre tanta solicitude para com os rebanhos e para com o seu crescimento”. Mais tarde, os escritores e os poetas ampliaram o mito, como por exemplo, Homero, nos seus poemas épicos Ilíada e Odisséia. Na Odisséia, por exemplo, o deus intervém como mago e como condutor de almas (nas Rapsódias X e XXIV).

Protetor dos viajantes, Hermes é também o deus das estradas. Nas encruzilhadas, para servir de orientação, os transeuntes amontoavam pedras e colocavam no topo do monte a imagem da cabeça do deus. A pedra lançada sobre um monte de outras pedras, simbolizava a união do crente com o deus ao qual elas estavam consagradas. Considerava-se que nas pedras do monte estavam a força e a presença do divino.

Para os gregos, Hermes regia as estradas porque andava com incrível velocidade, por usar as sandálias providas de asas. Deste modo, tornou-se o mensageiro dos deuses, principalmente de seu pai, Zeus. Conhecedor dos caminhos, não se perdendo nas trevas e podendo circular livremente nos três níveis (Hades ou infernos, Terra ou telúrico e Paraíso ou Olimpo), Hermes tornou-se um deus condutor de almas.

A astúcia, a inventividade, o poder de tornar-se invisível e de viajar por toda a parte, aliados ao caduceu com o qual conduzia as almas na luz e nas trevas, são os atributos que exaltam a sabedoria de Hermes, principalmente no domínio das ciências ocultas, que se tornarão, na época helenística, as principais qualidades do deus.

A partir deste ponto, Hermes se converteu no patrono das ciências ocultas e esotéricas. É ele quem sabe e quem transmite toda a ciência secreta. O feiticeiro Lúcio Apuléio declara em seu livro de bruxaria (De Magia) que invocava Mercúrio – o Hermes dos romanos – como sendo aquele que possuía os segredos da magia e do ocultismo.

Hermes Trismegistos é o nome grego dado ao deus egípcio Thoth, considerado o inventor da escrita e de todas as ciências a ela ligadas, inclusive a medicina, a astronomia e a magia. Segundo o historiador Heródoto, já no séc. V a.C. Thoth era identificado e assimilado a Hermes Trismegisto, i.e., ao Três Vezes Poderoso Hermes.

A pedra de Roseta, gravada no ano 196 a.C também identifica Hermes como Thoth. A tradução dos hieróglifos das câmaras mortuárias do Vale dos Reis permitiu dividir os escritos atribuídos a Hermes-Thoth em dois tipos principais: o Hermetismo “popular” que trata da astrologia e das ciências ocultas, e o Hermetismo para os “cultos”, que trata de Teologia e de Filosofia.

Do renascimento até ao final do século XIX pouca atenção foi dispensada aos Escritos Herméticos populares. Estudos recentes mostraram, no entanto, que a literatura popular hermética é anterior ao Hermetismo dito culto, e reflete as idéias e convicções dominantes no império romano.

Os Escritos Herméticos sobre Teologia e Esoterismo constam de dezessete tratados, que compõem o Corpus Hermeticum. Este conjunto de Escritos reúne as compilações feitas por Stobaeus e por Apuleius. A compilação de Apuleius for traduzida para o Latim por Asclepius. Estes escritos são datados dos três primeiros séculos da era cristã e foram escritos em língua grega, embora os conceitos neles contidos sejam de origem egípcia.

O Corpus Hermeticum reúne a Hermética e a Tábua de Esmeralda. Estas duas obras são trabalhos estritamente herméticos sobre os quais se fundam a ciência e a filosofia alquímicas. A Hermética consta de uma série de livros, dos quais o mais importante é Livro I, Pimandro, que é um diálogo de Hermes consigo mesmo.

O Hermetismo foi estudado durante séculos pelos árabes, e por seu intermédio chegou ao Ocidente, onde influenciou homens como Albertus Magnus. Em toda a literatura Medieval e do Renascimento são freqüentes as referências a Hermes Trismegistos e aos Escritos Herméticos, estudados e aprofundados, principalmente, pelos Alquimistas e pelos Rosacruzes. Para os Rozacruzes, Hermes Trismegistos foi um sábio. O Dr. H. Spencer Lewis, escritor e Grande Mestre da Ordem Rosacruz, se referia a Hermes como uma pessoa real.

No mundo greco-latino, sobretudo em Roma, com os gnósticos e neoplatônicos, Hermes Trismegisto se converteu num deus cujo poder varou os séculos. Na realidade, Hermes Trismegisto resultou de um sincretismo com o Mercúrio latino e com o deus egípcio Thoth, o escrivão no julgamento dos mortos no Paraíso de Osíris, e patrono de todas as ciências na Grécia Antiga.

Em Roma, a partir dos primeiros séculos da era cristã, surgiram muitos tratados e documentos de caráter religioso e esotérico que se diziam inspirar-se na religião egípcia, no neoplatonismo e no neopitagorismo. Esse vasto conjunto de escritos que se acham reunidos sob o nome de Corpus Hermeticum, coleção relativa a Hermes Trismegisto, é uma fusão de filosofia, religião, alquimia, magia e astrologia, e tem muito pouco de egípcio.

Desse Corpus Hermeticum muito se aproveitou a Gnose (conhecimento esotérico da divindade, transmitido através dos ritos de iniciação). Os gnósticos, com seu sincretismo religioso greco-egípcio-judaico-cristão surgido também nos primeiros séculos da nossa era, procuraram conciliar todas as tendências religiosas e explicar-lhes os seus fundamentos através da Gnose.

As sandálias de Hermes eram dotadas de asas, separavam a terra do corpo pesado e vivente, e daí vem a importância simbólica das sandálias depostas, rito maçônico que evoca a atitude de Moisés no monte Sinai, pisando descalço a terra santa. Descalçar a sandália e entregá-la ao parceiro era, entre os judeus, a garantia de cumprimento de um contrato.

Para os antigos taoístas, as sandálias eram o substituto do corpo dos imortais, e seu meio de deslocamento no espaço. Em Hermes e Perseu, as sandálias aladas são o símbolo da elevação mística.

O caduceu significa em grego bastão de arauto. Símbolo dos mais antigos, sua imagem já se acha gravada, desde o ano 2.600 a.C., na taça do rei Gudea de Lagash. São várias as formas e múltiplas as interpretações do caduceu. Insígnia principal de Hermes, é um bastão em torno do qual se enrolam, em sentidos inversos, duas serpentes. Enrolando-se em torno do caduceu, elas

simbolizam o equilíbrio das tendências contrárias em torno do eixo do mundo, o que leva a interpretar o bastão do deus de Cilene como um símbolo de paz. A serpente é um símbolo encontrado na Mitologia de todos os povos. Todas as grandes idéias surgidas no início da Civilização foram representadas pela serpente: o Sol, o Universo, Deus, a Eternidade. Enroscada no Tau, a serpente é o símbolo do Grau 25 do REAA.

Também se pode interpretar o caduceu como sendo o símbolo do falo ereto, com duas serpentes acopladas. Esta interpretação do caduceu é uma das mais antigas representações indo-européias, sendo encontrado na Índia antiga e moderna, associado a numerosos ritos, bem como na Grécia, onde se tornou a insígnia de Hermes. Espiritualizado, esse falo de Hermes penetra no mundo desconhecido em busca de uma mensagem espiritual de libertação e de cura. Hoje em dia o caduceu é o símbolo universal da Medicina.

O esoterismo maçônico, com a sua tradução em rituais, símbolos e ensinamentos, é criação de grandes pesquisadores, colecionadores de livros e de manuscritos raros, e grandes estudiosos das culturas da antiguidade. Elias Ashmole, Desaguilliers e Francis Bacon foram alguns destes homens, Rosacruzes e grandes conhecedores do hermetismo e da transmutação alquímica dos metais, através da Pedra Filosofal. Eles introduziram na Maçonaria os mesmos conceitos filosóficos, utilizando agora os instrumentos da arte de construir, como símbolos da regeneração e do aperfeiçoamento moral e espiritual do Homem.

Hermes Trismegisto foi, na Mitologia Grega, o deus que reuniu os atributos que todos os grandes pensadores e iniciados desejaram transmitir às futuras gerações. Ele foi um deus tão importante que na cidade de Listra, a multidão, ao ver o milagre realizado pelo apóstolo Paulo, tomou-o por Hermes e gritou entusiasmada, pensando estar diante de um deus sob forma humana.

Obras consultadas
Hermes Trismegisto – Ensinamentos Herméticos AMORC Grande Loja do Brasil
Grande Dicionário Enciclopédico de Maçonaria e Simbologia – Nicola Aslan
La Franc-Maçonnerie Rendue Intelligible à Ses Adeptes – Oswald Wirth
Encyclopaedia Britannica – Volume XI
O Vale dos Reis – O Mistério das Tumbas Reais do Antigo Egito – John Romer
A Doutrina Secreta – Volume V – H.P.Blavatsky
Odisséia – Homero


A MORTE LENTA ou MORRE LENTAMENTE – por pablo neruda / santiago.ch

“Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito e do trabalho, repetindo todos os dias o mesmo trajeto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o “preto no branco” e os “pontos nos is” a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeções, sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não tentando um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe. 

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples ato de respirar. Estejamos vivos, então!” 

Paulo Neruda

.

NOTA DO SITE:

recebemos de um colaborador, assíduo, e cremos que também não sabia e porque o conhecemos confiamos na informação de autoria do poema acima. ocorre que tal poema NÃO É de autoria de PABLO NERUDA e sim de nossa colaboradora a escritora gaúcha MARTHA MEDEIROS com o título A MORTE DEVAGAR. pedimos esclarecimentos a FUNDAÇÃO NERUDA, no Chile, e recebemos este email:

Estimado Joao,

Gracias por escribirnos.

“Muere lentamente” NO ES de Pablo Neruda. Su autora es Martha Medeiros.

 

Más información en el siguiente link: http://www.fundacionneruda.org/es/pablo-neruda/preguntas-frecuentes/104-tres-poemas-falsamente-atribuidos-a-pablo-neruda-.html

 

Saludos cordiales,

 

Carlos Maldonado R.
Director de Comunicaciones

Fundación Pablo Neruda

www.fundacionneruda.org

(56 2 737 60 04)

Fernando Márquez de la Plata 0192

Providencia, Santiago

A notícia mais importante da semana – por amilcar neves / ilha de santa catarina.sc



Para um bom punhado de gente, tanto contra como a favor, a melhor notícia da semana foi a informação de que o Ministério Público Federal trabalha há tempos para indiciar acusados por crimes cometidos durante a ditadura como autores de sequestro e ocultação de cadáver. Sequestro e ocultação de cadáver são crimes permanentes, ou seja, continuam a ser cometidos até que os corpos apareçam ou que se saiba o que de fato aconteceu. Como a Lei da Anistia abrange o período de 1961 a 1979, os responsáveis pelos desaparecimentos ocorridos naqueles anos estariam ainda hoje cometendo os crimes e, portanto, colocando-se ao desabrigo da referida Lei que tanto lhes vale.

A turma de pijama – oficiais da reserva, militares reformados e civis aposentados – está esfregando as mãos: “Se somos agredidos e atacados, temos o direito divino de nos defender”, e pensa em sequestrar, eliminar e ocultar mais arquivos da época e acelerar os planos de um novo 1º de Abril redentor. “Vamos botar ordem na tropa! Ou isto aqui é uma manada?”

Mas estão todos redondamente enganados (redondamente enganado é expressão muitíssimo anterior às campanhas publicitárias que rolam por aí). A notícia mais promissora da semana é uma fria: vem da Groenlândia.

Erik, o Vermelho, um viquingue da gelada Islândia, exilado do seu país por ter assassinado um vizinho, foi condenado a passar três anos naquelas terras hostis – melhor, naqueles gelos hostis, já que o gelo cobre 84% do território da maior ilha do mundo; será a segunda maior se considerarmos ilha a Austrália, praticamente um continente inteiro.

O islandês assassino chegou ao destino em 985 com uma tal caravana que lhe permitiu pensar na colonização do pedaço. Se vai haver colonização, dois requisitos são indispensáveis: braço colono para amanhar as terras e nome da colônia para todo mundo saber onde é que ela fica. Em atenção a esta segunda necessidade saiu o nome que Erik, o Vermelho, deu à ilha: Terra Verde, que é o que significa Groenlândia. Sendo verde a terra, ficava mais fácil convencer, ou induzir, ou ludibriar o candidato a colono a empreender enorme viagem pelos mares gelados vizinhos ao Ártico.

Como se vê, data de mais de milênio o uso de propaganda enganosa.

Mas o que nos veio de tão bom esta semana lá da gélida Verdelândia?

Veio a notícia, no domingo, de que a Groenlândia está derretendo e que o derretimento completo – completo! – da sua camada de gelo se fará com temperaturas mais baixas do que antes se pensava (só isto causará o aumento do nível do mar em 6,4 metros). Estimava-se que essa liquefação total da cobertura groenlandesa aconteceria quando a temperatura global subisse de 1,9 a 5,1 graus acima daquela que se media quando não havia indústrias sobre a face da terra. Recentes estudos rebaixaram essa faixa para 0,8 a 3,2 graus, com robustas estimativas de que o ponto de fusão total ocorra aos 1,6 graus – hoje, o aquecimento global já atingiu 0,8 graus desde a Revolução Industrial.

O bom da história, além de virmos a ter no futuro mais água para navegar, é que vastos territórios se abrirão para a Engenharia brasileira, conduzida pelas caçambas das grandes empreiteiras nacionais que vivem a vasculhar o planeta: a Groenlândia mede um quarto da superfície do Brasil e, descascada, verde, revelará paisagens de tirar o fôlego, nunca dantes vistas, virgens para a construção de um inferno de obras no atacado.

É ou não é coisa de se comemorar com júbilo empreendedor?


DITADURA MILITAR, no banco dos réus ! O Brasil começa a ser passado a limpo.

MPF denuncia major Curió por sequestros na Guerrilha do Araguaia

Ação da Promotoria sustenta que ‘crimes permanentes’ não são abrangidos pela Lei da Anistia

13 de março de 2012 | 19h 03

BRASÍLIA – O Ministério Público Federal vai denunciar nesta terça-feira, 13, na Justiça Federal em Marabá o coronel da reserva do Exército Sebastião Curió Rodrigues de Moura pelo crime de sequestro qualificado de cinco pessoas na Guerrilha do Araguaia. Curió comandou as tropas que atuaram na região em 1974, época dos desaparecimentos de Maria Célia Corrêa (Rosinha), Hélio Luiz Navarro Magalhães (Edinho), Daniel Ribeiro Callado (Doca), Antônio de Pádua Costa (Piauí) e Telma Regina Corrêa (Lia).

Veja também:
link RELEMBRE: Curió abre arquivo e revela que Exército executou 41 no Araguaia
link ESPECIAL: Com Arquivo Curió, Araguaia ganha nova versão

Procurador da República Sergio Gardenghi Suiama explica a denúncia contra o major Curió - Celso Junior/AE
Celso Junior/AE
Procurador da República Sergio Gardenghi Suiama explica a denúncia contra o major Curió

Em entrevista concedida nesta terça-feira, em Brasília, quatro procuradores da República envolvidos na investigação sustentaram que mesmo após 38 anos da guerrilha é possível responsabilizar Curió pelo sumiço dos militantes. De acordo com eles, o que ocorreu no caso foi um sequestro, crime que tem caráter permanente já que as vítimas continuam desaparecidas.

Por causa desse caráter permanente, segundo os procuradores, é possível denunciar Curió mesmo depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter reconhecido em 2010 a validade ampla, geral e irrestrita da Lei de Anistia. Promulgada em 1979, a lei anistiou pessoas punidas por ações contra a ditadura e, conforme a interpretação estabelecida na época, agentes do Estado acusados de violações a direitos humanos. A tese é polêmica e deverá chegar ao STF.

Os procuradores também afirmam que a lei anistiou os crimes praticados até 15 de agosto de 1979. No entanto, segundo eles, o crime de sequestro ainda persiste e, portanto, não a lei não beneficiou Curió. “O fato concreto e suficiente é que após a privação da liberdade das vítimas, ainda não se sabe o paradeiro de tais pessoas e tampouco foram encontrados seus restos mortais”, argumentam os procuradores.

“Por se tratar de crimes permanentes, cuja consumação encontra-se em curso, algo precisava ser feito”, afirmou o procurador Tiago Modesto Rabelo, um dos autores da denúncia. Os procuradores também citaram decisões recentes do STF que autorizaram a extradição de militares argentinos acusados do mesmo crime durante a ditadura naquele país.

A denúncia que será entregue nesta terça-feira é baseada principalmente em provas testemunhais, como relatos de que as vítimas teriam sido capturadas, levadas para a base militar, colocadas em helicópteros e nunca mais vistas. Também foram descritos maus tratos que teriam sido praticados nas bases militares comandadas por Curió.

“As violentas condutas de sequestrar, agredir e executar opositores do regime governamental militar, apesar de praticadas sob o pretexto de consubstanciarem medidas para restabelecer a paz nacional, consistiram em atos nitidamente criminosos, atentatórios aos direitos humanos e à ordem jurídica”, sustenta o Ministério Público Federal.

Mariângela Gallucci, de O Estado de S. Paulo

D O B A I L E – por jorge lescano / são paulo.sp

A primeira dama havia lido a resenha de um grande baile de gala [...]

a leitura propunha o questionamento e solução das sete seguintes fases:

Primeira: o baile como foi realmente oferecido há um século.

Segunda: o baile resenhado pelo cronista da época.

Terceira: o baile como a primeira dama imagina que foi,

com a resenha do cronista.

Quarta: o baile como a primeira dama imagina que foi,

sem a resenha do cronista.

Quinta: o baile como ela imagina dar.

Sexta: o baile como é realmente dado.

Sétima: o baile que pode ser levado a cabo,

utilizando a lembrança do baile como é realmente dado.

 

Virgilio Piñera, O baile, 1944

 

Segundo o encarregado do cotillon – a escolha do termo franco em detrimento do ianques coloquial, denotava o anacronismo do decorador e o habilitava para o cargo – , dever-se-ia respeitar as premissas do baile original se bem que acrescidas da técnica de última geração. A grande sala receberia iluminação indireta, porém, conservar-se-ia o grande lustre central, apagado. As fontes luminosas seriam arandelas douradas, devidamente guarnecidas de lâmpadas fluorescentes. O resto da ambientação não poderia violar este princípio. Por que a luz em primeiro lugar? O sorriso enigmático sugeria alguma causa mística – e nisto ele era perfeitamente contemporâneo – imaginasse a primeira dama os adereços correspondentes a partir desta causa não revelada.

O fashionista de moda (sic) sustentava opinião diversa. Para ele, a autenticidade da reprodução (sic) residia precisamente no uso do design e materiais pós-modernos – o itálico dava caráter de citação ao termo e habilitava o usuário para o cargo –, visto o idealizador do baile que se pretendia reeditar haver tido como referência um look prévio (vide V.Sa. o book & folderzinho anexos). De acordo com o cronista do baile (segundo nesta cronologia), os kits dos convivas eram exclusivos, criados especialmente para a ocasião, não streetwear nem week-end, com apenas um flashback da fashion do século retrô. Por tal motivo estavam, ele e seu competente team de fashionistas, ao inteiro dispor da primeira dama e seu wonderful catálogo de partners.

O músico da corte, tentando um caminho conciliatório – evitou a palavra alternativa por estar muito em voga –, sugeriu a inclusão de ritmos dançantes que remetessem aos bailes originais, melodias lights e um toque leve de música animal (sic). Acreditava que deste modo permitiria aos presentes a leitura simultânea do baile atual, devidamente justaposto à(s) lembrança(s) do(s) baile(s) original(is). Apreciasse a primeira dama o Song Book de artistas nacionais que acompanhava o parecer. Uma forte tendência para a simetria deu-lhe fama de espírito equilibrado, o qual o habilitava para o cargo.

Inúmeras objeções e conjeturas nutriram as tertúlias dos eruditos locais. Algum ficcionista cubano, de passagem por K, registrou as sete versões do baile, ou sete bailes possíveis, e as peripécias metafísicas e antropológicas vividas pela primeira dama e sua corte de senhoras bem nascidas. Seria cansativo referi-las neste parco resumo. Recorreu-se então à iconografia da(s) época(s)em questão. Saiu-seà caça de depoimentos de cidadãos provectos e de partituras mais ou menos consumidas pelas traças, uma vez que o Museu do Homem, em Paris, pegou fogo naqueles dias.

O patchwork party de ontem à noite nos Gardens de Calcutá City foi badaladíssimo. A iluminação light empolgou quem esteve lá. As teens vibraram com os mega insight do Luto Gacaz, que instalou spots Luiz XV munidos de psicodélicos pisca-pisca. O efeito alinear só foi superado pelo som, que circunviajou do hit Jesus Alegria dos Homens à oldfashioned tecno com paradas no country-rock& música étnica. A wearable Lulu Fueda Sertã estava diafânica. Vestiu saiote rodado, chapéu de plumas & peruca empoada à Maria Antonieta, com direito a fita de veludo blood no pescoço & franja irregular escorrendo para o decote free. Quem esteve animal foi Roland Small Pinto, 12. Seu black-tie, as polainas de verniz & hat a La Jack, o Stripper, compuseram um look zen. Arrasou! A promoter do evento passou a velada à margem esquerda de Sua Excelência. Digno de nota seu coque retrô. Vez por outra o sorriso spleen surgia por trás do leque de plástico made in Taiwan, decorado com graciosas figurinhas de Watteau. Sua Excelência vestia bermuda verde, óculos escuros, camiseta regata amarelo sorriso, tênis grunterssauro azuis, meias brancas com estampas de coqueiros & bonezinho Mickey Mouse. Spirit vídeo-clip, seu travel is do planalto to baía. Era-lhe impossível conservar a dignidade oficial, sempre identificada com a pose ice da pintura careta.

            O agito foi antológico, Yeah! Todos pediram bis. Uau!

Assim resenhou o baile um jornalista creditado no Palácio de Governo.*

*cf. Niu’s (Jornal Nacionalista) de 29/07/1997 (Nota de JL)

Haiti será o primeiro país a se beneficiar de lei para repatriar a nações pobres recursos desviados por políticos – por mario cesar carvalho / são paulo.sp

Nova legislação entra em vigor em fevereiro, após pressão política de vizinhos; Suíça tem US$ 3 trilhões em depósitos 

A Suíça quer sepultar de vez a imagem de que seus bancos lavam mais branco.
Uma lei inédita no mundo entra em vigor no dia 1º de fevereiro com o objetivo de ajudar os países pobres a receber de volta dinheiro desviado por políticos corruptos que foram depositados em bancos suíços.
O primeiro país beneficiado pela nova legislação é o Haiti. O país receberá US$ 5,7 milhões que pertencem ao ex-ditador Jean-Claude Duvalier e estão nos bancos suíços desde 1986. “Baby Doc”, como era conhecido, viveu 25 anos exilado em Paris (leia texto nesta página) e ofereceu doar o dinheiro bloqueado na Suíça assim que o terremoto que completou um ano devastou aquele país.
As autoridades suíças recusaram a oferta. Alegam que o dinheiro não pertence à família Duvalier, mas sim à população do Haiti, de quem os recursos foram desviados.
A Suíça quer limpar seus bancos de dinheiro sujo por uma estratégia de sobrevivência -a Comunidade Europeia não aceita mais a antiga liberalidade dos bancos suíços nem a clientela quer saber de dinheiro de corrupto ou de traficante no mesmo banco em que ela tem conta.
Os bancos suíços têm hoje depósitos que somam cerca de US$ 3 trilhões (o dobro da riqueza produzida no Brasil em um ano) e recebem um terço das fortunas que são depositadas fora do país de quem a detém.
Devolver dinheiro de ditadores corruptos não é uma novidade na Suíça.
Desde 1986, quando Ferdinando Marcos deixou o poder nas Filipinas após uma ditadura de 21 anos, o país tenta se livrar da pecha de porto seguro para dinheiro sujo de políticos. No caso de Marcos, um processo que durou 17 anos terminou com a devolução de US$ 684 milhões às Filipinas em 2003.
As Filipinas puxaram lista de países que hoje inclui Nigéria, Angola, Peru e Cazaquistão. A Nigéria é o número um da lista em volume de dinheiro: recebeu US$ 700 milhões de volta da Suíça, dos cerca de US$ 4 bilhões que foram saqueados pelo general Sani Abacha, considerado um cleptomaníaco mesmo entre ditadores africanos.
Abacha retirava valores do Banco Central da Nigéria em carros-fortes, enchia um avião e enviava-o à Suíça.
O total de recursos desviados que voltou ao país de origem já alcança US$ 1,7 bilhão -a Suíça é o país que mais devolveu dinheiro, segundo o Banco Mundial.
O Haiti será o primeiro beneficiado por uma razão humanitária: o país não tem um Ministério da Justiça operante nem condições de contratar um escritório na Suíça para acompanhar o processo.
A nova lei visa esse tipo de país -os “falidos”, termo que o Banco Mundial aplica a 17 nações pobres. A lei será usada também para os casos em que o dono do dinheiro sujo na Suíça tem força política em seu país para que a remessa não seja investigada.
Uma figura jurídica relativamente nova foi usada para facilitar a volta do dinheiro. É a chamada inversão do ônus da prova. Quem tem de provar que o dinheiro tem origem legal é o político investigado, e não a Suíça.

ROUBARAM UM PÓLO AO AMOR – de rosa DeSouza / ilha de santa catarina.sc


Ao amor um pólo foi roubado,

por ganância, medo, malícia

e escondido com muita perícia!

Povos – nalguns a mulher

apenas tinha de agradar

sem nada mais para receber e criar.

Noutros, a gueixa vivendo à parte,

deveria recitar poesia,

saber filosofia e arte.

O yang se enganava

julgando que aumentava

enquanto o yin diminuía.

O ocidente jazia.

 A sensualidade

a fogueira queimava,

no oriente apedrejava,

enquanto na escola…

apenas o homem aprendia.

Um pólo ao amor se roubou.

O homem viver fingia,

denegrindo sexo

até em filosofia.

No humano elemento

a natureza morreu.

Adão continuou

incompleto.

Darwin afirmou

a mulher não ter alma

e o amor

tem sido dor,

apenas embriagado poeta,

canção

boêmia.

Utopia.

Só na anima homossexual

timidamente sobrevivia,

como a mulher – sem liberdade.

Cheio de culpa e medo

via  pecado

naquilo que o pedófilo dogma

queimar e torturar queria.

Mulher era ressalva

de pouca duração,

camélia,

suspiro,

insatisfação.

Mas o que cai no chão

é o estrume do que começa.

Como a prostituta do templo

depois de ter sido deusa,

não poderia morrer,

porque é a própria natureza.

Enquanto a folha cai

a árvore aumenta

em contínuo crescer.

O titã está moribundo.

Eva quer viver;

Sem pólo a terra não é mundo

e a História só sofrer.

Um dia… o gênio da maldade

perguntou:

Para quê dividir o que o pai ganhou?

A mulher deixou de ter herança.

Deusas enterradas na lembrança.

O novo dogma castigava com dor

enquanto o útero enchia de tumor.

Ao amor o ódio foi polarizado,

mas o oposto do amor é medo.

O falo poderoso foi louvado,

torres de igreja foram crescendo.

Mas nem toda a mulher rendeu homenagem

ao enjeitado direito de suas filhas.

Devido a algumas impensável coragem

posso hoje escrever estas linhas.

 

PARA AS MULHERES: muita força, coragem e espírito solidário em direção as conquistas honrosas, que apesar de difíceis serão muitas e libertadoras / editoria

A caserna volta a se coçar – por amilcar neves / ilha de santa catarina.sc



A imprensa nacional reproduziu declarações que o aposentado Gilberto Barbosa de Figueiredo deu na quinta-feira passada, 1º de março. Disse ele:


- Não vou aceitar ser cerceado do meu direito de expressar minha opinião. Não ofendi ninguém. Estou exercendo meu direito de expressar minha opinião, como todo e qualquer cidadão.


Suas palavras traduzem um brado retumbante, digamos assim, em favor do Estado de Direito e da Democracia, um juramento de respeito à Justiça e à Constituição. Belas palavras.


Figueiredo pronunciou-se deste modo após assinar um manifesto de título altamente belicoso, maniqueísta e provocativo: Alerta à Nação – Eles que venham. Por aqui não passarão!, com ponto de exclamação marcial e tudo. Eles quem, camarada? O texto do manifesto não deixa claro a quem são dirigidas tais ameaças.


Abrindo um parêntesis: segundo o maniqueísmo, “o Universo foi criado e é dominado por dois princípios antagônicos e irredutíveis: Deus ou o bem absoluto, e o mal absoluto ou o Diabo”. Não há meio termo: se te opões ao golpe militar de 1964 e à ditadura que se seguiu, então és favorável à implantação de uma ditadura cubano-sino-soviética no Brasil. O maniqueísta não consegue conceber uma democracia e não entende como ela pode abrigar uma opinião contrária à sua. Fechando o parêntesis.


O manifesto citado, de 28 de fevereiro, referendava um outro, do dia 16, de título circunspecto: Manifesto interclubes militares. Neste, oficiais da reserva das Forças Armadas censuravam a presidenta Dilma por não ter censurado uma ministra sua que opinou sobre a possibilidade de surgirem processos judiciais em decorrência do trabalho da Comissão da Verdade, por não ter censurado outra ministra que opinou sobre a ditadura militar de 1964 a 1985, e por não ter censurado o seu partido, o PT, que decidiu realçar sua luta contra a repressão e o terrorismo de Estado promovidos pela mesma ditadura.


Como chefe das Forças Armadas, Dilma considerou quebra de hierarquia os termos do manifesto do dia 16, mandando tirá-lo do portal do Clube Militar (associação de oficias da reserva do Exército), o que resultou no manifesto do dia 28 – e aqui o cinismo – publicado no sítio A Verdade Sufocada (no qual, como na ditadura, se abusa da bandeira do Brasil, tentando associar o País às causas que defende), mantido por Maria Joseita Silva Brilhante Ustra, esposa do coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, o mais notório torturador de presos políticos e opositores do regime ainda vivo.


No novo manifesto, os militares de pijama endossam o documento anterior, não reconhecem autoridade ao ministro da Defesa para retirá-lo do ar e – eis o cerne da questão! – investem contra a Comissão da Verdade, um “ato inconsequente de revanchismo explícito e de afronta à lei da Anistia com o beneplácito, inaceitável, do atual governo”. Embora tenham feito tudo dentro da legalidade, embora tenham defendido a Pátria, embora tenham salvado a democracia, como dizem, esses senhores não aceitam que os arquivos da ditadura sejam abertos nem que a História seja conhecida, o que joga suspeita e desconfiança sobre todas as fardas, inclusive aquelas que se opõem às barbáries cometidas. Se não há o que esconder, por que escondem tudo?


Figueiredo, general reformado e ex-presidente do Clube Militar, brada pelo seu direito à opinião mas não o reconhece sequer para ministras de Estado. Como é que eu, humílimo aqui no meu Contexto, vou poder opinar sobre tal assunto?

.

Amilcar Neves é escritor com oito livros de ficção publicados.

NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER, ofereço aos homens, companheiros de jornada no mundo – por zuleika dos reis / são paulo.sp /


A mulher só conseguirá se libertar inteira para si mesma, para o lar e para o mundo quando o homem que se queira novo também florescer inteiro, em todas as suas potencialidades de ser, para si mesmo, para o lar, para o mundo.

Não há como separar a evolução, a plenitude, os direitos e os deveres da mulher dos deveres, dos direitos, da plenitude e da evolução do homem.  Quando ambos se puserem, ampla, geral e irrestritamente a serviço um do outro, e juntos a serviço do lar, e juntos a serviço do mundo, haverá de brotar um tempo melhor, um tempo mais justo.

É preciso que a nova mulher olhe de frente o novo homem e vice-versa. É preciso que se conheçam, para que se possam, efetivamente, reconhecer.

 

 

DIVALDO PEREIRA FRANCO, entrevista / salvador.ba

P: – EXISTEM OS CHAMADOS ESPÍRITOS ELEMENTAIS OU ESPÍRITOS DA NATUREZA?
R: – Sim, existem os espíritos que contribuem em favor do desenvolvimento dos recursos da Natureza. Em todas as épocas eles foram conhecidos, identificando-se através de nomenclatura variada, fazendo parte mitológica dos povos e tornando-se alguns deles ‘deuses’, que se faziam temer ou amar.

P: – QUAL É O ESTÁGIO EVOLUTIVO DESSES ESPÍRITOS?
R: – Alguns são de elevada categoria e comandam os menos evoluídos, que se lhes submetem docilmente, elaborando em favor do progresso pessoal e geral, na condição de auxiliares daqueles que presidem aos fenômenos da Natureza.

P: – ENTÃO ELES SÃO SUBMETIDOS HIERARQUICAMENTE A OUTRA ORDEM MAIS ELEVADA DE ESPÍRITOS?
R: – De acordo com o papel que desempenham, de maior ou menor inteligência, tornam-se responsáveis por inúmeros fenômenos ou contribuem para que os mesmos aconteçam. Os que se fixam nas ocorrências inferiores, mais materiais, são, portanto, pela própria atividade que desempenham, mais atrasados submetidos aos de grande elevação, que os comandam e orientam.

P: – ESTES ESPÍRITOS SE APRESENTAM COM FORMAS DEFINIDAS, COMO POR EXEMPLO FADAS, DUENDES, GNOMOS, SILFOS, ELFOS, SÁTIROS, ETC?
R: – Alguns deles, senão a grande maioria dos menos evoluídos, que ainda não tiveram reencarnações na Terra, apresentam-se, não raro, com formas especiais, pequena dimensão, o que deu origem aos diversos nomes nas sociedades mitológicas do passado. Acreditamos pessoalmente, por experiências mediúnicas, que alguns vivem os Períodos Intermediários entre as formas primitivas e hominais, preparando-se para futuras reencarnações humanas.

P: – QUER DIZER QUE JÁ PASSARAM OU PASSAM, COMO NÓS, ESPÍRITOS HUMANOS, POR CICLOS EVOLUTIVOS, REENCARNAÇÕES?
R: – A reencarnação é lei da Vida através de cujo processo o psiquismo adquire sabedoria e ‘desvela o seu Deus interno’. Na questão 538 de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec interroga: “Formam categoria especial no mundo espírita os Espíritos que presidem os fenômenos da Natureza? Serão seres à parte ou Espíritos que foram encarnados como nós?” E os Benfeitores da Humanidade responderam: “Que foram ou que serão“.

P: – ALGUM DIA SERÃO OU JÁ FORAM HOMENS TERRESTRES?
R: – Os mais elevados já viveram na Terra, onde desenvolveram grandes aptidões. Os outros, menos evoluídos, reencarnar-se-ão na Terra ou outros mundos, após se desincumbirem de deveres que os credenciem moral e intelectualmente, avançando sempre, porque a perfeição é meta que a todos os seres está destinada.

P: – O ELEMENTAIS SÃO AUTÓCTONES OU VIERAM DE OUTROS PLANETAS?
R: – Pessoalmente acreditamos que um número imenso teve sua origem na Terra e outros vieram de diferentes mundos, a fim de contribuírem com o progresso do nosso planeta.

P: – QUE TAREFAS EXECUTAM?
R: – Inumeráveis. Protegem os vegetais, os animais, os homens. Contribuem para acontecimentos diversos: tempestades, chuvas, maremotos, terremotos… interferindo nos fenômenos “normais” da Natureza sob o comando dos Engenheiros Espirituais que operam em nome de Deus, que “não exerce ação direta sobre a matéria. Ele encontra agentes dedicados em todos os graus da escala dos mundos“, como responderam os Venerandos Guias a Kardec, na questão 536b de “O Livro dos Espíritos”.

P: – TODOS ELES SABEM MANIPULAR CONSCIENTEMENTE OS FLUIDOS DA NATUREZA?
R: – Nem todos. Somente os condutores sabem o que fazem e para o que fazem, quando atuam nos elementos da Natureza. Os mais atrasados “oferecem utilidade ao conjunto” não suspeitando sequer que são “Instrumentos de Deus“.

P: – NÓS NÃO OS VEMOS NORMALMENTE. ISTO SIGNIFICA QUE NÃO SE REVESTEM DE MATÉRIA DENSA?
R: – O conceito de matéria na atualidade, é muito amplo. A sua “invisibilidade” aos olhos humanos, a algum indivíduo, demonstra que sejam constituídos de maneira equivalente aos demais espíritos da Criação. Encontram-se em determinada fase de desenvolvimento, que são perceptíveis somente aos médiuns, as pessoas de percepção especial, qual ocorre também com os Espíritos Nobres, que não são detectados por qualquer pessoa destituída de faculdade mediúnica.

P: – QUAL É O HABITAT NATURAL DESSES ESPÍRITOS?
R: – A erraticidade, o mundo dos Espíritos, pertencendo a uma classe própria e, portanto, vivendo em regiões compatíveis ao seu grau de evolução. “Misturam-se” aos homens e vivem, na grande maioria, na própria Natureza, que lhes serve de espaço especial.

P: – UMA DAS GRANDES PREOCUPAÇÕES DA HUMANIDADE, ATUALMENTE, É A PRESERVAÇÃO DO EQUILÍBRIO ECOLÓGICO. QUAL A ATITUDE OU PROVIDÊNCIA QUE TOMAM QUANDO A NATUREZA É DESRESPEITADA PELOS HOMENS?
R: – Quando na infância do desenvolvimento, susceptíveis às reações mais primitivas, tornam-se agressivos e revoltados. À medida que evoluem, fazem se benignos e se apiedam dos adversários da vida em qualquer forma pela qual esta se expressa. Assim, inspiram a proteção à Natureza, o desenvolvimento de recursos que a preservem, a sua utilização nobre em favor da vida em geral, em suma, “fazem pela Natureza o que gostariam que cada qual fizesse por si mesmo“.

QUANDO O GARÇOM É POETA – por olsen jr / rio negrinho.sc

 

Surpresas! Ninguém está livre delas. Não naquele sentido emprestado pelo Barão de Itararé (Apparício Torelli) quando afirmou, “de onde você menos espera, daí mesmo é que não sai nada”. Mas, de repente, o sujeito com quem você conversa esconde, em uma ocupação mundana, um grande talento para uma área totalmente diversa. Um garçom, por exemplo, que é escritor.

Quando cheguei, o restaurante estava quase lotado, seis garçons se revezavam no atendimento. Ele me vê no balcão, apressa-se em dizer, “consegui baixar na internet, a Divina Comédia”… Retorna pouco depois da mesa que está servindo, as mãos ocupadas com pratos, copos e garrafas… Indago, mostrando interesse no assunto, que livros? Ouço, ou pareço ouvir, enquanto ele passa apressado em direção da copa, “a terra, o céu e o inferno”… Imagino aquele cidadão com mais tempo para se dedicar àquilo que, de fato gosta, livros e leituras. Também, da música, da qual já tinha notícias, após comprar um cd que ele próprio gravara, depois de um ano de “economias”, muitas “horas extras” na alta temporada em Florianópolis no ano passado… Na volta, já com a bandeja cheia, continua a conversa, “tive sorte, consegui o livro em versos, melhor que a prosa lançada, tempos atrás, aqui no Brasil, a poesia é superior”… Não deu tempo de corroborar com a descoberta dele, logo vislumbro seu corpo arqueando-se sobre uma das mesas para servir as bebidas. Sujeito dedicado estava ali. Aceitava com desenvoltura os seus desígnios presentes, uma espécie de preparação para, quem sabe, vôos futuros. Tento me concentrar neste roteiro não escolhido, para pegar o mesmo vôo que aquele homem condenado a servir os seus iguais…

Logo que passou o “sufoco”, ouço a voz dele, às minhas costas, no balcão, “descobri um sebo, numa galeria aqui na cidade, alguns autores que estava a muito procurando, Rimbaud, Bukovski, Kerouac… Conheces?”… Respondo, huumm! Alguma coisinha, estes caras da “beat generation” como ficaram conhecidos, li quando tinha 17 anos, faz algum tempo, Allen Ginsberg, Thimoty Leary, Gregory Corso, Lawrence Ferlinghetti, William Burroughs, Gary Snyder, Neal Cassady, Peter Orlovsky, Ken Kesey, este, escreveu “Um Estranho no Ninho”… “Bah!” Ouço a exclamação, enquanto ele ri, “esqueci que você é um escritor”… E se afasta para atender um novo chamado na mesa em frente da janela, no outro lado do salão… Aquele sujeito não tinha interlocutores ali… Depois que voltou, com a comanda nas mãos, antes de fazer o pedido para o copeiro, sugeri para ele, rapidamente, precisamos conversar qualquer hora, faço um churrasco, convido alguns jornalistas e escritores, que tal? “Topo”, afirmou ele, se afastando novamente.

Enquanto pagava a minha conta, comentei no balcão, para o caixa, feliz do restaurante que tem poetas como garçons… O proprietário me olhou, surpreso, mas não se fez de rogado, “do jeito que bebem, preferimos os poetas como fregueses”… Estava rindo ainda, quando me deu o troco.

 

 

 

NOTAS:

Olá, camaradas, salve!

O  que posso dizer para vocês é que não  está sendo fácil…

Não,  não vou falar de mim, mas de alguém que conheci atendendo mesas de bares…

Surpresa, claro…

Um homem talentoso condenado a servir os seus “iguais”…

… E a vida continua…

Amigo e cultuador do “Folk”, assina como Johnny Folk o seu primeiro CD…

Pequeno preciosismo para um grande talento…

Para homenageá-lo, um de seus ídolos, Willie Nelson interpretando “You are Always on my Mind”…

Canção de Johnny Christopher Depp, Mark James e Wayne Carson…

Para quem não associou ainda, Johnny Christopher é o pai do ator Johnny Depp… (o que não quer dizer nada, nesse caso)…

A canção que já foi gravada originalmente por Brenda Lee… Depois,  Elvis Presley, Shakira, Jon Bon Jovi…

Uma versão mais intimista, também gosto muito… Vai…

http://www.youtube.com/watch?v=R7f189Z0v0Y&feature=related

Folha e Globo escondem relação de importantes políticos com um dos maiores criminosos do Brasil

“Pensei que ele tivesse abandonado o crime”. Não é piada. Foi isso o que disse Demóstenes Torres (DEM), um dos principais moralistas do Congresso, sobre suas relações com Carlinhos Cachoeira, o mais destacado mafioso brasileiro. Não, Demóstenes. O Brasil inteiro sabia das atividades ilegais do bicheiro.

Demóstenes Marconi DEM Carlinhos Cachoeira

Senador Demóstenes Torres, encarado pela imprensa brasileira como Paladino da ética, recebia até presentes do mafioso Carlinhos Cachoeira

A prisão do bicheiro Carlinhos Cachoeira, que administrava uma série de cassinos ilegais em Goiás e nas cercanias de Brasília, cada um com faturamento mensal na casa de R$ 3 milhões, tem provocado um verdadeiro tsunami político em Goiás, estado administrado por Marconi Perillo, que vinha sendo apontado como um possível presidenciável do PSDB. Até agora já se sabe que:

1) o mafioso Cachoeira nomeava delegados e pagava mesada a policiais de Goiás

2) o mafioso Cachoeira distribuía presentes ao senador Demóstenes Torres (DEM/GO)

3) o mafioso Cachoeira indicava parentes até para a Secretaria de Indústria e Comércio de Goiás

Agora, mais uma revelação estarrecedora. Ele foi preso na sua residência, em Goiânia. Uma casa que, até 2010, pertencia a quem? Ao governador Marconi Perillo.

Reação de DEMÓSTENES TORRES (DEM-GO)

Ex-delegado, o senador Demóstenes Torres (DEM/GO) se especializou nos últimos anos em posar como eterno paladino da ética, pronto a assinar qualquer pedido de CPI e a prestar declarações a todo órgão de imprensa disposto a repercutir escândalos de corrupção. Até aí, tudo bem. Esse é o papel democrático da oposição. O que não se sabia – e se sabe agora – é que Demóstenes Torres é amigão do peito do bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso ontem na Operação Monte Carlo da Polícia Federal. Questionado sobre suas relações com o Don Corleone brasileiro, Demóstenes soltou uma pérola: “Pensei que ele tivesse abandonado a contravenção e se dedicasse apenas a negócios legais”.

Não, Demóstenes.

Impossível. O Brasil inteiro sabia das atividades ilegais de Carlinhos Cachoeira. Especialmente em Goiás, onde ele administrava uma rede de cassinos ilegais. O que o Brasil não sabia – e sabe agora – é que Cachoeira dava as cartas no governo de Goiás, nomeando delegados e técnicos de várias áreas do governo.

O que o Brasil também não sabia – e sabe agora – é que Cachoeira dava presentinhos ao senador mais moralista da República. No casamento do senador, o presente dado pelo bicheiro foi uma cozinha completa. “Sou amigo dele há anos. A Andressa, mulher dele, também é muito amiga da minha mulher”, declarou Demóstenes.

Além de desmoralizar o senador goiano, a Operação Monte Carlo também pode arruinar a carreira política do governador Marconi Perillo, do PSDB, que entregou a segurança pública do seu estado a um dos maiores contraventores do País.

FOLHA DE S. PAULO

Pé de uma página par, sem fotos, e sem referência aos nomes dos políticos no título e no olho. Assim, a Folha de S. Paulo noticiou o que apurou sobre as relações entre o mafioso Carlinhos Cachoeira e dois personagens centrais da política goiana: o governador Marconi Perillo, do PSDB, e o senador Demóstenes Torres, do DEM.

Intitulada “Preso pela PF tinha contato com políticos de GO”, a matéria está bem escondida. No entanto, a reportagem tem revelações importantes. Uma delas, a de que Perillo recebeu Carlinhos Cachoeira em audiência oficial. Outra, a de que Demóstenes jantava com frequência com o bicheiro, contando muitas vezes com a presença do governador. Além disso, Cachoeira era um suposto lobista da Delta Engenharia junto ao governo de Goiás.

Assim, como a Folha, as Organizações Globo também esconderam o que a Operação Monte Carlo traz de mais relevante: o fato de Carlos Cachoeira possuir influência direta no governo goiano.

ORGANIZAÇÕES GLOBO

É incrível silêncio das Organizações Globo, maior grupo de comunicação do País, sobre a Operação Monte Carlo, que prendeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Bom, de fato, há uma matéria no G1, portal de notícias da Globo. Mas é preciso ter lupa para encontrá-la. O texto remete para uma reportagem de Época, com título anódino: “As ligações de Carlinhos Cachoeira com políticos”. Políticos, como se vê, é uma expressão como outra qualquer. Poderia ser, por exemplo, baleias. Nenhuma preocupação em dar, no título da matéria, nome aos bois, indicando o governador Marconi Perillo, do PSDB, e o senador Demóstenes Torres, do DEM. Será que seria assim se os amigos do peito do bicheiro fossem representantes da base governista ou, mais precisamente, do PT?

Temos nossas dúvidas. Na reportagem de Época, Demóstenes Torres é quase uma vítima do bicheiro, que o iludiu. “Pensei que ele havia abandonado a contravenção”, disse ele.

Aguardemos as próximas aparições de Patrícia Poeta.

 

Brasil.247

AZEITE DE OLIVA (denúncia): Livro mostra como azeite é adulterado; outros alimentos também são falsificados

Domênico Ribatti, um italiano que fez fama nos anos 80 como um dos maiores comerciantes de azeite de oliva em seu país, foi condenado à prisão, em 1993, acusado de fraude. Ele recebia toneladas de óleo de avelã da Turquia, de navio, e vendia como azeite extravirgem na Itália.

Quem conta a história é o norte-americano Tom Mueller, que acaba de lançar “Extra Virginity”, livro no qual desdobra sua investigação sobre a adulteração de azeite.

Especializado no óleo, o chef André Castro, do D’Olivino, está de acordo com a tese do autor, de que não há oliveiras suficientes para atender a demanda pelo azeite de oliva, e que isso ativa a falsificação do produto.

“Alguns até apresentam traços do óleo extraído do caroço da azeitona”, diz.

Para Ingrid Schmidt-Hebel, coordenadora do curso de tecnologia em gastronomia do Senac, as adulterações no setor tendem a se intensificar. “As fraudes estão se sofisticando. Dificilmente o consumidor tem condições de identificá-las.”

E a solução? “É preciso ter leis para a fabricação de alimentos e, na outra ponta, uma fiscalização rigorosa.”

BÚFALA

A mozarela de búfala, queijo fresco feito com 100% de leite de búfala, também sofre adulteração. “A fraude vem da demanda crescente. Os produtores compram leite bovino [mais barato e abundante], fabricam o queijo e vendem por preços inferiores”, diz Pietro Baruselli, professor de veterinária da USP e membro da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos.

Para não cair em armadilhas, busque um queijo branco e brilhante –a adição de leite bovino dá coloração amarelada, muitas vezes camuflada com branqueadores.

Sua massa deve ter aroma de leite fresco, sabor suave e levemente adocicado. Na textura, procure consistência macia, mas firme, para que não despedace –quando levam porcentagem de leite bovino, costumam esfarelar.

Nem os vinhos escapam. Há alguns anos foi descoberta uma rede internacional que falsificava vinhos italianos. Policiais apreenderam um grande lote de vinho de mesa italiano que seria vendido como Barolo, Brunello di Montalcino e Chianti.

Os vinhos de € 2 eram comprados engarrafados, mas sem rótulo, e levados para a Alemanha, onde recebiam etiquetas falsas. Lá, eram vendidos por € 100.

Em “Historie de la Qualité Alimentaire” (sem tradução no Brasil), Alessandro Stanziani se concentra nas fraudes de vinho, carne, leite e manteiga. Para ele, os consumidores devem ser informados para que tenham liberdade de escolher um produto.

“A responsabilidade do Estado é assegurar que a informação do fabricante ou do produtor está correta.”

folha.com - LUIZA FECAROTTA

Colaborou AGUINALDO ZÁCKIA ALBERT

Editoria de Arte/Folhapress
COMO COMPRAR UM BOM AZEITE Dicas do livro 'Extra Virginity: The Sublime and Scandalous World of Olive Oil' (sem tradução no Brasil), de Tom Mueller
COMO COMPRAR UM BOM AZEITE Dicas do livro ‘Extra Virginity: The Sublime and Scandalous World of Olive Oil’ (sem tradução no Brasil), de Tom Mueller

ALMANDRADE, VERSO, POESIA E ESTÉTICA – por wilson rocha*


A condição essencial da subjetividade lírica depende antes de tudo do domínio da arte poética, da técnica de versificação, que comporta uma forma estrutural em que o mundo sensível, a interioridade e individualidade poética, ou estilo, possam mais facilmente submeter-se às formas teóricas que a arte exige, pois a estética, mais que uma necessidade, é uma exigência acima de tudo. Todos sabem que neste mundo sempre há quem escreva versos sem ser poeta. E também – como disse Tomachevski – que a língua vulgar contém tudo o que está na poesia, menos poesia.

Na era tecnológica em que vivemos, a decadência da vida civilizada está exaurindo a arte e secando as fontes da criatividade e da vida espiritual do homem. Por isso o conceito de poesia está morrendo na alma do homem contemporâneo, que parece estar-se voltando para a vida tribal e fixando-se no psiquismo consumista, na irracionalidade do drama ecológico e na imensa e indomável economia das drogas.

Os poemas atualmente produzidos são quase sempre meros atentados contra a língua e a estética, sobretudo em um país provinciano e tradicionalmente iletrado como o nosso onde os pequenos literatos são tão abundantes e televisivos e os poetas se confundem com os fazedores de modinhas, como se a poesia fosse algo tão banal, descartável e massiva como a música popular.

Na conjuntura intelectual da Bahia, onde já não se vêem atualmente jovens poetas eruditos como Jair Gramacho, é reconfortante vislumbrar, contudo, algum brilho na produtividade de uns raros poetas emergentes, como, por exemplo, Carlos Loria, que prestou recentemente um valioso serviço às letras do nosso meio ao traduzir com perícia e brilho todo o fascínio, a magia e o lirismo genial de um dos maiores poetas do século, o norte-americano Edward Estlin Cummings (1894-1962). Além de poeta dotado de forte vocação lírica e bom tradutor, Carlos Loria é um artífice consciente das dificuldades. O seu ofício e seus livros, elegantes e agradáveis, são de boa categoria gráfica, como se vê em Cummings 20 Poemas, edição Código, Salvador, 1990; Casa Clara, Código, 1991, e Territor, Edições Audience of One, Salvador, 1993, ambos de excelente qualidade, poesia marcada pelos sinais pungentes da existência do homem, as cores e os eflúvios do cotidiano, a sombra e a memória da criatura e de seus objetos. Acontecimento sobretudo significativo é a sua tradução dos poemas de Cummings.

any man is womderful
and a formula
a bit of tobbacco and gladness
plus little derricks of gesture

(todo homem é um assombro
e uma fórmula
um pouco de tabaco e júbilo
e um que outro ademane)

Poesia atenta aos rumores e visões que a cercam, que se procura intimamente, obsessivamente buscando novos caminhos, hesitante entre vanguardismo e uma longínqua descendência surrealista, a voz poética de Almandrade (Antonio Luiz M. Andrade), também arquiteto e artista plástico, já com obras publicadas, caracteriza-se por uma dramaticidade não longe nem isenta das grandes preocupações vivenciais do homem contemporâneo, como se vê em seu último livro, Arquitetura de Algodão, onde se encontra esse instante de puro lirismo:

Quando vem
a noite
corro atrás
do sono
na certeza
talvez
de encontrar
tua imagem
no sonho.  

A força da poesia está no súbito confronto do espírito do homem com o desconhecido, com o impacto da visão daquilo que não existia antes.
 

.
Wilson Rocha 
(1921 – 2005)

MINISTRA ELIANA CALMON, corregedora acusa ‘vagabundos’ de intimidar trabalho no CNJ / são paulo.sp

A corregedora do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Eliana Calmon, voltou a criticar nesta sexta-feira “meia dúzia de vagabundos” que prejudicam o Judiciário nacional.

Em palestra para juízes federais em São Paulo na manhã de hoje, Calmon disse ficar refém de intimidações e diz que isso acontece porque “não se acredita no sistema”.

 

Sergio Lima – 28.fev.2012/Folhapress
Corregedora do CNJ, ministra Eliana Calmon
Corregedora do CNJ, ministra Eliana Calmon

“Muitas vezes, meia dúzia de vagabundos terminam por nos intimidar e nós ficamos reféns deles. Por que isso acaba acontecendo? Porque não se acredita no sistema. Ficamos pensando: ‘Vou me expor, colocar minha carreira em risco para não dar em nada?’”, perguntou.

Calmon, que foi alvo de críticas de associações de juízes como a AMB (Associação dos Magistrados do Brasil) e a Ajufe (Associação de juízes federais) por supostos abusos nas investigações do conselho, pediu a ajuda aos “bons juízes” para continuar seu trabalho.

“A corregedoria quer apurar, não aceita que isso possa ser escondido, queremos trazer à luz aqueles que não merecem a nossa consideração”, disse. “Um corregedor não faz isso sozinho. Preciso do meu exército, preciso dos bons juízes.”

As declarações de Calmon acontecem após o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), liberar na última quarta-feira (29), investigações do CNJ em folhas de pagamento e declarações de renda de juízes e servidores de 22 tribunais do país.

No fim do ano passado, as apurações foram suspensas por uma liminar do ministro do STF Ricardo Lewandowski.

O embate entre o CNJ e as entidades de juízes abriu uma crise no Judiciário que colocou em lados opostos ministros do STF. Em fevereiro, o Supremo reconheceu poderes de investigação do conselho.

Corregedora Eliana Calmon festeja decisão a favor do CNJ
Juízes não podem ser confundidos com ‘meia dúzia de vagabundos’, diz Calmon
Procurador defende rejeição de queixa-crime contra Eliana Calmon
Eliana Calmon promete solução para os precatórios em SP
Penas contra juízes têm de pegar o bolso, diz Eliana Calmon

folha.com – SILVIO NAVARRO

VOCÊ É ALGUÉM? – por omar de la roca / são paulo.sp

Tem que começar por algum lugar. Foi o que consegui pensar. Não adianta querer iniciar com frases de efeito estufa, com algum comentário sobre o metro de SP ( cada dia pior, não sei se o metro ou as pessoas ) ou sobre a política que insiste em se fazer presente,mostrando a cada dia como somos vulneráveis a ela. Ainda não cheguei a uma conclusão sobre o que  nos falta . Talvez  seriedade. Ou vergonha na cara. Mas os exemplos estão por ai, todos os dias. Basta ter olhos para ver.   Acabei de ler um livro. Sinto que terei que rele-lo de novo , não é erro  não, refiro me a reler com novos olhos . Confesso que fui lendo e achando o livro meio chato enquanto virava as páginas. Ele conta a vivência de uma mulher que cresceu em Dublin no meio do século passado e suas experiências sombrias com a família, sexo, alcoolismo,maus tratos e relacionamentos. Mas acho que sobretudo, sobre a convivência dela com ela mesma. Quase no fim, ela me conquistou com as Afterwords, como uma conclusão, um balanço sobre a influência do livro publicado, no seu dia a dia,enquanto o livro esteve em destaque.  Ela publica trechos de cartas que recebeu    de leitores comentando sobre a importância do livro dela em suas vidas. Entre outras, gostaria de destacar :

“ … On the surface my visits serve little purpose and certainly do me no good. But she once said, ‘ You’re the only one I have’ , and so I keep going …”

“ Aparentemente minhas visitas serviam para pouco e não me faziam bem.Mas uma vez ela me disse : ‘ Você é a única pessoa que tenho,’ E então continuei indo…”

“ What can I do but take my chances ? And what else can I do ? Look after my teeth, listen to all the music I can, and keep going. Keep working on my escape tunnels out of the past. Keep hoping to break through to the here-and-now. To be just myself, like the cat, which is so perfectly and unself-conciously a cat and does not know it will perish. What can I do, when everything is so various and so beyond me, but cling on, and thank the God I don’t believe in for the miracles showered on me ? “

“ O que mas posso fazer senão aproveitar minhas chances ? O que mais posso fazer ? Cuidar de meus dentes ,  ouvir toda a musica que puder e ir seguindo. Seguir trabalhando em meus túneis de escape de meu passado . Esperando quebrar a rotina do aqui e agora. Ser eu mesma, como o gato, que , tão perfeita e inconscientemente é um gato e não sabe que ira perecer.  O que mais posso fazer sendo tudo tão variado e tão além de meu controle, senão continuar e agradecer ao Deus que eu não acredito pelos milagres que recebi ? “

Sei que fica meio vago, sem ler o livro.  As vezes uma coisa insignificante para nós, pode ser muito para outra pessoa. Ou pode não ser nada . Um gesto, um abraço, pode ser um conforto. Mas também o outro pode estar querendo mais,muito mais, além do que podemos dar. É Nuala , temos que seguir em frente. Não adianta se lembrar do passado e ficar com pena de si mesmo. É preciso se reinventar, derrubar muros, desbravar fronteiras. Tentar ao menos saber quem somos dentro de nós mesmos. Não temos como saber o que as pessoas esperam de nós. Mas podemos ao menos ser gentis. E atentos. Cada pessoa é em si um continente a ser explorado .  Como poderemos, com nossa própria experiência , saber o que se passa do outro lado ?

O livro é  -  Are you somebody ?  de Nuala O’Faolain , não sei se existe tradução.

JAIRO PEREIRA, O POETA-CENTAURO – por hélio puglielli / curitiba.pr

Poderia ser na antiga Argólida ou na Ática, mas é em Quedas do Iguaçu, no Paraná, que o poeta-centauro Jairo Pereira chispa fagulhas metafóricas, no empenho prometeico de renovar o fogo da poesia.
São rios incandescentes mais caudalosos que o Iguaçu: palavras geratrizes, palavras motrizes, palavras-objeto, palavras-armadilha, palavras-enigma, palavras-chave, palavras-bomba, todo um arsenal de reinvenções léxicas que o rapsodo gaúcho-paranaense vai espalhando aos quatro ventos, montado em diferentes corcéis, poliédrico centauro.
James Joyce caboclo, arma novas montagens e desmonta anteriores, petulante artista da desconstrução, para o qual a nada é sagrado, invadindo e confundindo territórios de prosa e de poesia, cavalgando com a velocidade do Hermes numa, com a de Mercúrio noutra, inovando identidades e desnudando duplos com o poder da palavra.
Raposa astuta, inventa novas estratégias e até morde a própria cauda, se necessário for para elevar a espiral de palavras que flutuam nos cosmos verbal que demiurgicamente vai criando, em sete dias vezes sete, sem domingo p’ra repousar.
Ébrio com o vinho da criatividade, vai em frente, por trilhas até então indevassadas e supostamente indevassáveis, e sempre continuando a querer ir além.
Incompreendido, tanto pelos que estão demasiadamente à esquerda ou mais à direita da invenção literária, desafia dogmas e cânones, anti-dogmas e anti-cânones, vanguardas desarvoradas e retaguardas pusilânimes, desafia tudo e segue por onde acha que deve ir, desafiando a si próprio.
Da crítica ouviu absurdos, como a referência a um suposto “redundante esteticismo de linguagem” por quem não se apercebeu das artimanhas ocultas na estrutura poética jairiana. Pelo menos o mesmo crítico reconhece, no livro “Capimiã”, a incorporação da temática dos sem-terra sem panfleto. “O Abduzido” foi alvo de quem analisou apressadamente e não considerou que, nas palavras do próprio Jairo, ele “inaugurou a literatura insensata que ataca na raiz do mau pensamento que está no outro”.
Mas pior que ser agredido é não ser visto
Jamil Snege escreveu “Como ser Invisível em Curitiba”; Jairo não escreveu “Como ser Invisível” na cidade que mora, pois é conhecido por todos, como advogado e proprietário da Fazenda-Poema. Mas é um tanto quanto invisível além-fronteiras, onde só há mesmo visibilidade ampla para os inseridos e favorecidos pelo complexo sistema comercial montado por grandes editoras e livrarias, com artifícios promocionais envolvendo a mídia e os próprios estudos e pesquisas acadêmicos no circuito universitário.
Indômito, o poeta-centauro acelera o galope, alheio aos moedeiros falsos que tentam dificultar a promoção de talentos, enquanto, premeditada ou irresponsavelmente, se empenham em promover a mediocridade.
Valente, Jairo se condena a “Escrever para os idiotas, escrever para os professores, escrever para os jornalistas, escrever para os estudantes, escrever para os poetas e escritores, escrever por escrever e escrever e escrever, essa a minha inútil serventia”.
Aí, guerreiro, antes maldições do que subserviência.

.

texto originário de Marcos Macedo-facebook ( sem as fotos). fotos do arquivo do site.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 345 outros seguidores