POEMA EM DESUSO – gilda kluppel / curitiba.pr

Poema em desuso

Posso cometer um abuso

ao contrariar a realidade

tentando escrever um poema em desuso

destes quaisquer que ninguém mais se interessa

considerado um mero intruso

delírios de quase ou pseudo-artistas

às vezes chamado de melancólico e confuso

 por não se aliar à vontade imediata

procedente da vaidade do corpo

estipulada por um preço à vista

e oferecida numa loja ou mercado.

Um poema destes quaisquer em desuso

sequer tem um nome famoso na etiqueta grifado

não tem prazo de validade para o consumo

e nem enfeita as pessoas pela vestimenta ou calçado

apenas se importa com algo que pouco aparece

e talvez por isso menos atenção desperte

mesmo assim se não existissem tantos poemas

desses quaisquer em desuso

sobrariam somente coisas não essenciais e pequenas

 marcadas por um suposto valor no atacado e varejo

para ostentar e misturar o corpo aos objetos

desalojando as necessidades da alma

jamais esquecida enquanto resistirem os poéticos.

2 Respostas

  1. Obrigada Sandro pela leitura e comentário.

  2. Parabéns….
    Uma essência profunda e transparente…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: