O que está por trás dos protestos no mundo islâmico?

Filme que satiriza o Islã e seu profeta Maomé parece ter sido somente estopim para manifestações
Agência Efe (17/09/12)


Manifestante atira bomba de gás lacrimogêneo de volta contra polícia no Paquistão

De turbantes e véus, milhares de muçulmanos e muçulmanas tomaram as ruas de suas cidades, queimaram bandeiras dos Estados Unidos e invadiram sedes diplomáticas norte-americanas. O motivo parecia comum: o filme A Inocência dos Muçulmanos, que satiriza o Islã e seu profeta, Maomé.

Foi assim, como fundamentalistas fanáticos e irracionais, que aqueles que protestaram contra o vídeo norte-americano, no qual Maomé aparece fazendo sexo oral e seus fieis são comparados a um burro, foram classificados. “A raiva muçulmana” diz a capa da revista semanal norte-americana NewsWeek, enquanto a CNN questiona se “a Primavera Árabe valeu a pena?”.

A grande mídia ocidental – e boa parte de seus articulistas – voltou a ecoar o raciocínio de “choque entre civilizações” como se a questão por trás dos protestos dos últimos dias pudesse ser explicada pela religião islâmica. O argumento central é que os muçulmanos não conseguem conviver com a liberdade de expressão norte-americana e respondem violentamente.

Agência Efe (17/09/12)

Manifestação contra o filme reuniu centenas de pessoas em Beirute, no Líbano, depois de convocação do Hezbollah

Longe de respostas simples e rápidas, essas manifestações, na verdade, oferecem muitas interrogações. Quem saiu às ruas para manifestar? Por que muitos protestos foram marcados em frente a sedes diplomáticas dos EUA? Quais as consequências destas manifestações? Quem será favorecido e quem pode perder com isso?

Os protestos estão envolvidos em uma miscelânea de atores, interesses e motivações, que incluem indivíduos, organizações políticas e Estados, e exigem um olhar crítico, distante de estereótipos ou preconceitos.

“A Inocência dos Muçulmanos” pode ter funcionado como uma faísca em um campo de trigo seco, onde grande parte da população está descontente com a política norte-americana para a região e organizações disputam o poder.

Anti-americanismo

Uma pesquisa do Instituto Zogby, de 2007, mostra que 88% dos moradores do Egito, Jordânia, Líbano, Marrocos, Arábia Saudita e Emirados Árabes se opõem às medidas dos EUA.

Entre os fatos apontados estão a invasão do Afeganistão, em 2001, e do Iraque, em 2003; as políticas em apoio a Israel; a instalação de bases militares em diversos países da Ásia, África e Oriente Médio; a ocorrência de abusos e tortura em Abu Graib, Guantánamo e nas prisões afegãs; e a presença de forças de segurança privada.

Agência Efe (14/09/12)Bandeira dos Estados Unidos foi queimada durante manifestação contra o filme no Paquistão

Além disso, soldados norte-americanos no Afeganistão queimaram centenas de cópias do Alcorão e não foram sequer penalizados; muitas vezes nos discursos de autoridades, o Islã foi mencionado como uma parte importante da guerra contra o terror; em Nova Iorque, a população proibiu a construção de um centro cultural muçulmano perto das torres gêmeas; civis muçulmanos não recebem visto de entrada para os EUA.

Estes fatos apenas alimentaram a percepção dos muçulmanos de que a sociedade, o governo e as forças armadas dos EUA desrespeitam sua religião e querem interferir em seus países. “Nós nunca insultamos nenhum profeta – nem Moisés nem Jesus – então por que não podemos pedir que Maomé seja respeitado?”, questiona o egípcio Ali ao jornal New York Times.

Quebra-cabeças

Outros analistas explicam também que organizações isoladas durante os processos de transformação da Primavera Árabe podem ter se aproveitado do vídeo para incitar a população a ir para as ruas e desestabilizar a situação política. Este é o caso, por exemplo, dos salafistas na Líbia, na Tunísia e no Egito que inflamaram os manifestantes.

Muitos também apontam que as manifestações podem atender aos interesses dos EUA. Sob o argumento de que estes países estão “instáveis”, o governo norte-americano consegue justificar – e possivelmente, aumentar – a sua presença na região.

Além disso, os protestos podem afetar a percepção da sociedade norte-americana e de outros países sobre a Primavera Árabe: será que o processo revolucionário, que tirou do poder ditadores laicos, deu espaço para islâmicos radicais?

Ainda é cedo para qualquer resposta, mas as peças deste quebra-cabeça já estão postas na mesa.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: