MORRE SANTIAGO CARRILLO, HERDEIRO DA PASSIONÁRIA., MENTOR DE MONCLOA – paulo timm / portugal.pt

Morreu dia 18 passado, sem que se saiba a hora, mas à sagrada séstia ibérica,   aos 94 anos, o líder comunista espanhol Santiago Carrillo, verdadeira legenda da esquerda européia.  Carrillo nasceu no início do “Século dos Direitos” , como Norberto Bobbio se refere ao Século XX, e o acompanhou enquanto teve lucidez.  Entrou jovem para o Partido Comunista Espanhol, fez a Guerra Civil (1936/39) , entrou para uma longa clandestinidade da qual emergiu na Europa nos anos 70 como um dos arautos do “Eurocomunismo”, protagonizou o Pacto de Moncloa, que redemocratizou a Espanha pós-Franco e comandou o comunismo espanhol nos anos seguintes, até 1982, sucedendo Dolores Ibarruri, La Passionaria. 

 Velho e enfermo, recolheu-se, logo depois,  até o anuncio de sua morte, sempre escrevendo artigos e proferindo palestras, com grande reconhecimento por todas as lideranças espanholas. Politicamente, pode-se dizer que transitou da ortodoxia leninista da vanguarda como instrumento do assalto ao poder para uma concepção do socialismo como resultado de um longo processo de rupturas pactuadas, para o qual o conceito de hegemonia se revela cada vez mais importante.
Duas passagens, contraditórias, mas intrinsecamente ligadas à sua militância e forte caráter, são hoje lembradas: sua suposta participação no assassinato de prisioneiros franquistas na Batalha de Madrid, em 1936,  e sua bravura, em 1981, quando um alucinado coronel fascista adentrou a Câmara dos Deputados em Espanha, tentando, de arma em punho,  impedir a redemocratização em curso.
Sobre este último fato,  um colunista do Diário de Notícias de Portugal, assim se refere, hoje:

“Ele há homens e ele há homens

por FERREIRA FERNANDES

É conhecido o verso do poema de Lorca dedicado ao toureiro Ignacio Sánchez Mejías: “Eran las cinco en punto de la tarde.” Menos conhecido, até porque não há, é o verso: “Eran las seis y veinte y dos en punto de la tarde.” Não há mas devia haver. Por essa exata hora do dia 23 de fevereiro de 1981, em Madrid, o Parlamento foi invadido por um bando e o chefe deste, um tenente-coronel bigodudo, subiu à tribuna e gritou: “Quieto todo el mundo!” Assistiu-se à humilhação: todos os deputados (quer dizer, toda a nação) encafuaram-se que nem coelhos sob as cadeiras e o tampo das mesas. Um militar na tribuna com uma pistola na mão – cujo disparo para o teto convenceu os hesitantes – dominava a casa dos representantes do povo. Mas quer a história que por vezes haja uns mais representantes do que outros. Três homens não obedeceram: um velho general, então ministro da Defesa, Gutiérrez Mellado, um homem de direita, o chefe do Governo demissionário, Adolfo Suárez, e um homem de esquerda, o comunista Santiago Carrillo. O general levantou-se para interpelar o bando e foi agredido, Suárez e Carrillo mantiveram-se sentados, soberbos. O general morreu em 1995, Suárez perdeu a lucidez e vive retirado eSantiago Carrillo morreu ontem. O último verso de Lorca diz: “Eran las cinco en sombra de la tarde.” No poema que não foi escrito, o das seis e vinte e dois de 23 de fevereiro de 1981, a palavra não seria sombra, mas luz. Graças a três homens”

.

As “Matanzas de Paracuellos.” se constituíram num episódio insólito e ainda pouco elucidado sobre o assassinato de cerca de 2.500 prisioneiros políticos  , pelos Republicanos, no controle de Madrid, entre 7 de novembro e 4 de dezembro de 1936 . A responsabilidade destas matanzas ainda é um ponto obscuro entre historiadores.  Ian Gibson, irlandês, que escreveu sobre o insólito assunto, atribui clara responsabilidade ao Partido Comunista,  visto ser, à época a força hegemônica na  Madrid republicana , junto ao Conselho Geral de Segurança da  Consejería de Ordem Público , o qual, sob estrita vigilancia de um agente do COMINTERN, Mijail Koltsov , implantara um verdadeiro sistema de terror e morte na cidade. Não era frequente o recurso à liquidação de prisioneiros, mas quando Franco sitia Madrid e a submete a severo bombardeio, as pressões para o exterminio de prisioneiros ter-se-a se tornado irresistível.

A verdade é que , com erros e acertos, Santiago Carrillo foi um homem do seu tempo, imbuído dos ideais de heroísmo como resultado não só de palavras, mas de ações. Ainda assim, teve tempo para refletir – e conducir – , junto com outro ilustre español, Fernando Claudim,  sobre os caminhos do comunismo no final do século XX. Na minha juventude tinha estes dois nomes , reverenciados pelos cânones da rebeldía da época, como verdadeiros faróis de Alexandria. Sempre que  ia à Europa, no final dos anos 70, empenhado num Doutorado na Sorbonne para o qual o antigo SNI jamais me autorizou, como punição à uma ficha considerada “suja”,  fazia questão de parar em Madrid para adquirir seus libros, ainda desconhecidos no Brasil. Eles, Enrico Berlinger e, em menor escala Georges Marchais, líderes dos Partidos Comunistas de Espanha, Itália e França, sacudiram a ortodoxia marxista muito antes da queda do Império Soviético. Com isso, faziam coro aos líderes comunistas rebeldes da Primavera de Praga e da Polônia invadida,  abrindo novas fronteiras para a esquerda. A questão central: a democracia como valor universal e a questão da liberdade como seu maior ingrediente  .

Tais ideias podem soar “revisionistas” nestes días de crise sombria do capitalismo, quando se percebe um renascimento do Marx radical como profeta do Socialismo. É natural. Principalmente quando a abertura crítica  do marxismo coincidiu, nos anos 70/80, com o Consenso de Washington, vindo a dobrar   as melhores inteligências do mundo occidental aos imperativos do neoliberalismo desenfreado.  Nem mesmo o trabalhismo inglês, o socialismo europeu, o peronismo, e a ilustração brasileira escaparam. Chega a ser inacreditável que Sergio Paulo Rounet foi Ministro da Cultura do Governo Collor e que Francisco Weffort o tenha sucedido no Governo FHC, dois dos melhores intelectuais críticos  que já produzimos.  Tudo mostra do capitulacionismo ideológico do final do século, quando se confundiu o monolitismo da Pax Americana no processo de globalização com uma Nova Era de Paz e Prosperidade para o mundo inteiro.

Mas não se confunda a venda das coisas sagradas com os fundamentos da doutrina, como fez Lutero na Reforma Religiosa. Se há algo de podre no Reino de Dinamarca a salvação nunca estará num passo atrás, na Teologia de Revolução, mas um passo adiante, na Epifania da Liberdade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: