Ministros do Supremo Tribunal planejaram o “julgamento” do chamado mensalão para coincindir com as eleições de 2012 para verem LULA e a esquerda derrotados! FRUSTRADOS, VÃO RELAXAR NA EUROPA COM O NOSSO DINHEIRO!

Ministros do STJ vão à Europa de primeira classe

FREDERICO VASCONCELOS

DE SÃO PAULO

Ministros do Superior Tribunal de Justiça e presidentes de Tribunais Regionais Federais embarcam neste fim de semana para uma visita a tribunais da Alemanha. Viajarão em primeira classe e terão todas as despesas pagas pelo erário, com diárias antecipadas em dólar.

Sorteados para participar da mesma comitiva, dez juízes federais pagarão do próprio bolso os gastos com transporte aéreo, hospedagem e alimentação.

A viagem, de 27 a 31 de outubro, integra programa de intercâmbio criado pela Corregedoria da Justiça Federal em 2010 –na gestão de Francisco Falcão, atual corregedor nacional de Justiça.

Seu sucessor, ministro João Otávio de Noronha, disponibilizou dez vagas para a Ajufe (Associação de Juízes Federais do Brasil), que custeará só as despesas de transporte terrestre –ônibus em Berlim, Leipzig e Munique.

Alguns magistrados veem a extensão do convite aos juízes como uma forma de diluir a imagem de um “tour” internacional patrocinado com recursos públicos.

Além de Noronha, viajarão como convidados os ministros do STJ Isabel Gallotti e Sidnei Beneti, os membros efetivos do Conselho da Justiça Federal, os presidentes dos tribunais regionais federais das 2ª, 3ª, 4ª e 5ª Regiões e o da Ajufe, Nino Toldo.

“Trata-se de evento oficial nas universidades e tribunais alemães, conforme termo de cooperação, e não se concebe como, em visita oficial, os ministros tenham que ir do próprio bolso”, afirma Márcio Mafra, juiz auxiliar do CJF, coordenador da missão.

Um bilhete ida e volta para a Alemanha, em primeira classe, saía ontem por US$ 10.939 (R$ 22.173) no site da Decolar.com.

No programa do intercâmbio, não há reciprocidade em termos de custos. Professores e magistrados alemães que participaram de seminários em Recife, Florianópolis e São Paulo tiveram as despesas pagas pela Justiça Federal. Em São Paulo, o seminário foi organizado pela Fundação Álvares Penteado, com patrocínio do Banco do Brasil e do governo federal.

A “2ª Visita a Tribunais Superiores da Alemanha” é promovida pelo Instituto de Direito Processual Civil Alemão e Comparado da Universidade Albert-Ludwig, de Friburgo. Será assinada a prorrogação de acordo de cooperação entre o Conselho da Justiça Federal e as Universidades de Berlim e de Friburgo.

O presidente da Ajufe, Nino Toldo, diz que um dos objetivos da entidade é “incentivar o estudo do direito, por meio de cursos, convênios e viagens, com entidades afins, no país e no exterior”.

Por dispositivo estatutário, as despesas de passagens aéreas e hospedagem do presidente da Ajufe são pagas pela entidade. Sua assessoria relata que Toldo viajará à Alemanha na classe econômica.

O TRF da 3ª Região informa que as despesas se enquadram no Plano Nacional de Aperfeiçoamento de Pesquisa para Juízes Federais.

foto da internet.

-.-

COMENTÁRIOS NO JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO:

  1. antonio andrade (24)
    em 28/10/2012 às 07h41

    Pode parecer piada, mas, no Brasil, a Monarquia foi substituída pelo Judiciário. Alguém se arriscaria a desafiar Vossas Excelências, os magistrados?

    O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

  2. Leopoldo de Dorinha (609)
    em 28/10/2012 às 08h38

    Quanto mais subdesenvolvido o país, maior a necessidade de delegações pomposas, viagens de 1ª classe etc.

    Faz parte da mentalidade nacional. Pois onde já se viu uma autoridade dessas se misturar com a ralé na classe econômica?

    Ah! Mas a viagem é longa! Não interessa, é longa para todos.

    Não existe princípio da igualdade no Brasil.

    Outro exemplo, embaixadores europeus viajam de classe econômica; embaixadores brasileiros (e de outros países subdesenvolvidos e pobres) viajam de 1ª classe…

    O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

  3. VICENTE DE PAULA VILELA (1)
    em 28/10/2012 às 11h08

    Eu acho que não pode! Fere os princípios básicos da ética no trato do dinheiro público! Tem alguém mais necessitado desses recursos, ainda que considerem poucos!

    Recuem, Excelências!

    “….O sonho de Joaquim Barbosa e a obsessão em demonstrar que incorporou, na íntegra, as bases ideológicas conservadoras daquele tribunal e dos setores da sociedade que ainda detém o “poder por trás do poder” está levando-o a atropelar regras básicas do direito, em consonância com os demais ministros, comprometidos com a manutenção de uma sociedade excludente, onde a Justiça é aplicada de maneira discricionária.”  Prof. RAMATIS JACINO  (USP)

Uma resposta

  1. […] veja aqui). Juristas renomados, brasileiros e internacionais, já se manifestaram sobre isso (veja aqui). Porém, por diversas razões, não vale a pena falar disso aqui e agora. Entretanto, não há como deixar de registrar que, bem mais cedo do que se esperava, fatos que desmontam o circo começam a aparecer. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: