Provações – por amilcar neves / ilha de santa catarina.sc

Apresentou-se para tirar sangue. Apresentou documentos, carteiras, cartões, fotos e comprovantes. Ninguém haveria de tolerar que se passasse por quem não é. Mas tirar sangue não é só chegar e dizer, Amilcar Nevesvim aqui para tirar sangue. Exige-se requisição de médico competente, isto é, credenciado. Exige-se alguém doente ou, pelo menos, um sujeito passível de adoentar-se. Desde que identificado por impressões digitais digitalizadas, quer dizer, eletrônicas, e coisas assim.

 

Passada toda a provação, ou melhor, superadas todas as provas a que se teve que submeter, após formulários e assinaturas, refugiou-se no assento da cadeira mais discretamente afastada de tudo, ignorou a tela tagarela de televisão à sua frente, às suas costas e aos seus lados, selou os ouvidos e abriu o livro que trazia, um pequeno volume em edição de bolso, pondo-se, alheio, a lê-lo.

 

Livro de bolso só faz sentido em terras frias, habitadas por gente que não tira um sobretudo, sobretudo na rua e no metrô, o que não é o caso, supõe-se, quando o cara vai fazer amor com sua legítima senhora e, especialmente, quando se vai banhar. Sobretudos costumam ter, acima de tudo, vastos bolsos onde se podem acomodar com prazer e conforto um ou mais livros de bolso, sem qualquer incômodo para ditos livros nem para os seus felizes (e eventualmente cultos) portadores.

 

Nos trópicos, tal costume não pode mesmo vingar. Como portar nos bolsos – em quais bolsos? – qualquer tamanho de livro? Se muita gente já acha estranho que alguém use camisa polo com bolsinho do lado esquerdo, onde mal cabe uma caneta esferográfica de feira e no qual dinheiro e documentos encharcam-se de suor mal ameaçam despontar os primeiros calores do verão (que costumam insinuar-se, precoces, já em pleno inverno), o que dirá de um pobre mortal que carregue livros nos bolsos? Livros serão sempre objetos de biblioteca até o dia em que algum cupim deles inevitavelmente dê cabo, como mandam os usos e os costumes.

 

Ainda assim, aquela pessoa que saiu de casa disposta a tirar sangue sentou-se surda no banco mais distante e abriu o livro de bolso que trazia na mão (à falta sobretudo de bolsos adequados, como cá já se demonstrou à exaustão) e pôs-se a ler por escassos minutos até que a moça de guarda-pó branco tocou-lhe o ombro e, em tom admoestatório, perguntou-lhe se não sabia que, para ser atendido, deveria ter deixado no guichê apropriado o papelucho que lhe entregaram.

 

Ante suas negativas, ela lhe disse, a fim de evidenciar o prejuízo que tivera em não atentar para as orientações recebidas, que devia estar ali, estupidamente, esperando há muito tempo. Nada disso, respondeu, não deu tempo de ler nem mesmo uma única página do livro. E que livro é esse, ela perguntou, espiando a capa e interessando-se pelo título. É um romance. Humm, ainda está no início do livro, já apareceu o casal? Casal? É, não é um romance? Sim. Então, todo romance tem um casal, de que trata esse? De um cara que decide matar o pai. Que horror, como alguém pode pensar em tirar a vida de quem lhe deu a vida? Isso às vezes acontece. E é um romance, hein, imagine se fosse uma tragédia: seria uma catástrofe, um dilúvio, o fim do mundo! Bem, o pai passou a vida toda tentando acabar com a vida do filho. Isso não justifica, me desculpe.

 

Terminou o seu trabalho e disse, vou procurar e ler esse romance, mas se não gostar, para o seu próprio bem: não me apareça na minha frente pra eu lhe tirar sangue de novo. Sabe como é, quem avisa amiga é.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: