DOIS POEMAS DE ZULEIKA DOS REIS – são paulo.sp

A FLAUTA

                                                             

 

A flauta funda

fértil fauno

a fecundar ninfas

a fecundar fábulas

fontes a jorrar

nadas nuncas.

A flauta é funda.

Nadas nuncas

que a flauta funda

feudos

flâmulas

feridas  a jorrar

formas fatídicas.

A flauta é funda

a forjar forjas

ferozes fendas

fronteiras filigranas

a fulgir, a jorrar

na funda flauta

informes formas

nadas nuncas

nadas nuncas

na funda flauta

fundidas faces

falo febre fogo

sêmen dos segundos…

sêmen dos silêncios…

sêmen… deuses assassinados.

================

                       

                

                                                                                      

O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

De Ciranda infantil

****************************

TROVAS DE SER-NÃO SER

A estrela que eu te dei

era cadente e sumiu?

A estrela que tu me deste

por onde anda no céu?

Anéis para os nossos dedos

eram invisíveis e os víamos

com os olhos da nossa alma

que não mais, nunca se acalma.

Nunca se acalma esta alma

que te dei, que tu me deste.

Onde os céus que se partiram?

Onde os anéis para os dedos?

Sei que houve outras estrelas

nestes céus da tua alma.

Nem todas elas me amam.

Tento sempre compreendê-las.

Ninguém mais fiel tiveste

aos teus segredos mais fundos

que são também meus segredos

e com zelo os guardo, todos.

Poupa-me do teu ciúme

que cego como o assum-preto

transforma em lama, a estrela

e o canto dela em negrume.

Só negrume a estrela-lama

canta, tal canta o assum-preto.

Teus passos pisam essa estrela

que te iluminava, bela,

as noites, de insônias longas,

os dias de insones sonhos,

a vida, de ouro antigo,

– céus de eternas turbulências

céus das mais fundas tristuras

céus de loucas esperanças

céus dos mais longínquos voos

que as nossas asas voaram

céus dos quais nunca voltamos

mas voltamos, obrigados,

para sempre estrangeiros,

eu mais que tu, que tens Pátria

outra, escolhida por alma.

Eu não, tu eras a Pátria

que me cabia por sina.

Sina: Pátrias adversas

e de destino mutante,

que me afirmas e me negas

às vezes no mesmo verso

na alma do mesmo instante.

      

Anúncios

2 Respostas

  1. Muitíssimo obrigada, abduzido. Aproveito para agradecer, também, ao Vidal, por essa dupla publicação. Obrigada, querido amigo Vidal; aceite, com o agradecimento, meu pedido de desculpas pelas ausências dessa palavreira. Meu abraço grande, Zuleika.

  2. belos poemas Zuleika. o da flauta funda então nem se fala… atingiu o âmago do poético!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: