FIDEL : O homem e a obra – por paulo timm / torres.rs

FIDEL : O homem e a obra

 

Paulo Timm – Torres , agosto 13 – copyleft

 

       “ Fidel Castro foi para a     Política o que Picasso foi  para a pintura no Século XX.”

                                                       F. Ramonet , do Le Monde.

 

*

Há alguns anos Fidel Castro parecia estar morrendo.  Dizia-se que um câncer  lhe corroía a imortalidade. Naquela época comecei a rascunhar-he uma espécie de necrológio. Divulguei entre alguns amigos. Os mais à esquerda me condenaram veementemente, dizendo-me tratar-se, tudo, PAULO TIMMde insidiosa guerra da mídia conservadora.  Recuei e não dei maior divulgação ao esboço. Hoje, superado o fato, quando Fidel completa 87 anos , releio meu próprio texto e me proponho a revisá-lo, tornando, enfim, público. Meu propósito é evidenciar Fidel Castro como uma encarnação contemporânea de Dom Quixote, este, por sua vez, um clássico herói helênico.

Todo mundo, então, se perguntava, quando Fidel adoeceu: O que acontecerá , agora, com Cuba? O que sobrará  da obra deste vulto do século XX ,que fez um Revolução Socialista nas barbas do Tio Sam, em plena Guerra Fria . E  que sobreviveu, sempre acossado, a mais de 15 Presidentes dos Estados Unidos; que conviveu com os grandes líderes soviéticos Kruchev. Brejnev, Gorbachev, com  Lumunba, Ho Chi Min, Mao Tse Tung;  com o maior filósofo de seu tempo – Jean Paul Sartre- ,quem deixou seu testemunho no clássico UM FURACÃO SOBRE CUBA -;  que foi companheiro de lutas do mítico  Ernesto CHE GUEVARA, na Sierra Maestra;  que tinha em Salvador Allende, a quem visitou no Chile durante sua curta experiência socialista, um amigo – o que me permitiu vê-lo em pessoa e de viva voz no Estadio que se transformaria em matadouro de esquerdistas no Golpe de 1973. Fidel também acompanhou, atento, às vicissitudes da política brasileira, desde Jânio Quadros ( o qual até  condecorou Che em Brasília), Jango, Brizola e  Lula, a quem tem suposta e secretamente ajudado   e que fez do controvertido Hugo Chavez,  seu mais íntimo confidente…?

Não se sabe exatamente o que ocorrerá com Cuba. Diz um Premio Nobel de Economia, Gary Becker, que, “se as coisas fracassam acabam mudando”. E não foram pequenos ,os fracassos da Revolução Cubana , principalmente na esfera econômica. Então, mudará.  Que dizer do cerco às liberdades em toda a ilha?. Mas também houve êxitos. Entre eles o alto nível cultural de uma população – única na América Latina – sem analfabetos, com bom nível de assistência médica e impressionante porcentagem de pessoas com nível científico, só inferior à americana e israelense. Outra conquista da Revolução foi a reconquista do sentimento de dignidade do cubano, antes reduzido e pintado como lacaio de investidores externos ou de  gângsteres norte-americanos . Este sentimento se mescla com um orgulho do cubano simples de se sentir pertencendo à uma sociedade mais ou menos homogênea liderada por uma elite que se tem demonstrado senhora de uma austeridade inexistente em outras experiências revolucionárias ou no resto da América Latina e que, por isto mesmo, continua merecendo o respeito de seu povo. Fracassos e êxitos, pois, no distanciamento cada vez maior   do Grande Herói da Revolução Cubana, conduzirão à inevitáveis mudanças. E ficará a dúvida: Quem foi Fidel? O que representou ele? Como realmente era?

Fidel foi , talvez, a mais convincente síntese contemporânea dos ideais de virtude  ocidental, juntando a inspiração aristocrática helênica à boa nova cristã.

Para os gregos, a grande virtude , capaz de imortalizar seu portador, consistia na consigna:  dizer palavras e realizar ações. Este ideal foi cunhado na formação da alta cultura helênica com base nos valores de honra da aristocracia em luta pela terra e a distinguiu por onde se estendeu, principalmente no mundo romano. Tratava-se da Arete, que viria a inspirar Aristóteles na fundação da Ética.  Mas quis o cristianismo, que  vicejou no primeiro século dos Cesares, disseminando-se   entre as pessoas mais simples do Império ,  que a palavra – empenhada na fé – e não a grande obra, viesse a encarnar a figura do herói. Era a sublimação da morte na cruz pela salvação da humanidade.  Democratizava-se, assim, o ideal aristocrático adequando-o a uma sociedade que, por primeira vez na história, se massificara. E já não permitia manter grandeza de Roma em pé. Faz-se em frangalhos a grande obra material transfigurando-se no Império da Igreja. Mas não perde, jamais, a noção do heroísmo. Pelo contrário, o exalta pelo sacrifício de Cristo.  E não por  acaso, o ideal da revolução comunista, dezoito séculos mais tarde, quando, precisamente, Paris reeditaria em número o tamanho de Roma , ofereceria  o cenário para a reafirmação da virtude heróica.

 

A Revolução iluminista retomava a idéia helênica de grande obra como conquista popular por meio da razão.E o fazia pela palavra dos filósofos. Enaltecia a destruição do velho mundo como o caminho da prosperidade e dignidade humanas.  Cumpria-se, enfim, a afirmação grega de que o filósofo estava para o homem , como o homem para a natureza: O homem apoderando-se de sua história. E aqueles  que encarnassem esse desafio, passavam a ser  os novos imortais. Fidel foi, de longe, um dos mais emblemáticos deles. E, como tal, é um  dos grandes heróis dos tempos modernos.

 

Curiosamente, Fidel guarda, como duas de suas principais características pessoais ,o ser um homem extremamente bem educado e polido .

Todos os que conviveram ou que com ele tiveram contatos mais estreitos, especialmente F. Ramonet,  Editor do Le Monde Diplomatique, que lhe entrevistou longamente,  daí retirando o material para um livro lançado na França,  confirmam essas qualidades “nobres”  de Fidel. Ele nada dos modos rudes dos antigos líderes soviéticos, nem  muito menos com  os maneirismos exagerados  de lideres populistas do continente, à la Chavez, ou de La Kirchner.  Ele é , rigorosamente, um  aristocrata. E  é precisamente  esta característica que acaba lhe atribuindo o pior defeito: o distanciamento.  Nada existe em torno a Fidel. Ele reina soberano envolto numa aura de quase sacralidade.

Mas, ao mesmo tempo,  todos , fora os exilados em Miami, são  também unânimes em reconhecer seu compromisso na construção de uma sociedade igualitária em Cuba , revelando , aí, sua alma particularmente cristã. Paradoxo diante de um empedernido comunista? Não!  Já ninguém duvida que a  emergência dos ideais salvacionistas doscommunards  hodiernos proveio de fonte religiosa, embora revestido de forte anti-clericalismo  e um materialismo ingênuo. A obstinação communard  só fez seguir os passos do ideal cristão. Esta religião, o catolicismo, nos seus primórdios,  emergiu num contexto de grande turbulência espiritual. Roma pontificava no Século I DC , a ferro e fogo, sobre um território continental que ia da fronteira com a China à Europa –hoje – Ocidental uma pax laica , que convivia com intenso intercâmbio de crenças, superstições, divindades,  gerando tensões inusitadas, incrementadas pelo contágio com povos ditos bárbaros  e pelo instituto da escravidão em larga escala.Nesse contexto, a idéia da salvação, sob uma bênção que se distribuía indistintamente entre cidadãos e não cidadãos, romanos, senhores e escravos, nacionais e estrangeiros, homens e mulheres,, era simplesmente revolucionária. Custou o martírio nas arenas e câmaras de tortura. Mas desembocou na fusão da Boa Nova com a filosofia  e cultura gregas, presentes neste mesmo espaço desde cedo. E são estes mesmos ingredientes que aportam , pela via do Renascimento e do Iluminismo, ao século xx . Fidel é um filho dileto desta tradição, na mensagem de compromisso de salvação de almas e corpos, fundada no amor, alternando a construção de utopias com o uso da razão como critério da verdade.

Mas Fidel é , ainda, um espanhol clássico. A Península Ibérica sempre foi uma terra intensamente disputada  por cartagineses, romanos, árabes e , já no século XIX, pelos vizinhos franceses. Todos conhecem  a encarniçada resistência que os espanhóis ofereceram ao exército napoleônico. Seus próprios ocupantes nativos ,dos quatro cantos da Ibéria, até hoje mantêm diferenças e disputas significativas. O espírito de luta permanente nesta terra gerou um tipo de personalidade sui generis no espanhol: sua forte disposição de luta. O conflito interpondo-se, sempre, como um atributo da firmeza do caráter. Mesmo quando os confrontos se elevavam para o campo fértil das idéias precocemente estabelecidas nos grandes centros de pensamento, já à época da ocupação árabe, fazendo do grande Averróis um precursor do iluminismo, o espírito espanhol se enrigecia transformando-se no que um autor chamou de propensão à irreligião e à infilosofia. Pois aí está o comunismo de Fidel. Um comunismo militante, tão religioso como o catolicismo jesuítico dos membros da Compania de Jesus, fundada por Inácio de Loyola, na Espanha, para combater a Reforma. Um conjunto de sólidos dogmas cunhados pela fé destinados a oferecer um caminho para a salvação da humanidade.

Santiago Dantas, um dos mais brilhantes intelectuais brasileiros dos anos dourados  escreveu um pequeno livro intitulado “Quixote, um apólogo do Século XX”. Aí ressalta os dois  grandes modelos de heroicidade ocidental que referimos, dispondo-os , aliás, como antagônicas e mostrando o personagem de Cervantes como o paradigma  cristão. Esqueceu-se, a propósito , de dizer, que Quixote, ao contrario de Cristo, não morre, retira-se, embora tenha neste personagem vida eterna. Mas tivesse Santiago Dantas vivido até nossos dias teria, certamente, visto em Fidel Castro a síntese destes paradigmas, que não chegou a perceber. Fidel, ao encarnar historicamente Quixote dá-lhe com a Revolução Cubana a obra que lhe faltou, deixando-lhe legado trágico, eivado de indagações. Mas ainda aí, uma semelhança: A Grande Obra da Revolução Cubana, nobremente conquistada com o objetivo de realizar a moderna utopia de uma sociedade sem aristocratas de sangue, dinheiro e prestígio , não passa  também de um grande fracasso. Mas um fracasso que se sustenta aos olhos de seu ideal igualitário jamais cumprido. Ironicamente, Fidel , na velhice, começa a se parecer de uma forma impressionante com o personagem Quixote. Não lhe faltam , sequer, os tropeços, o olhar franco e triste mergulhado na voz rouca de tanto falar, a envergadura alquebrada do fidalgo espanhol castigado pelo confronto de seus sonhos com a realidade.

Com Fidel, envelhecido mas honrado,  vão-se também os últimos suspiros do socialismo cunhado no Século XX  confirmando as escusas de Prometeu a Zeus  que o acusava por ter dado o fogo aos homens:

 “Lembrai  Senhor, que junto com o fogo, dei-lhes , também, vãs ilusões…”

 

Fidel, enfim, vive e viverá sempre, inspirando os idealistas à resistência, no sendeiro da utopia. Sua obra é a escrita  indelével da Revolução Cubana.  Imortal!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: