Ando devagar porque já tive pressa… texto espírita sobre a canção TOCANDO EM FRENTE de almir sater

Ando devagar porque já tive pressa

Ando devagar porque já tive pressa… Pressa de ter tantas coisas, de
chegar a tantos lugares, pressa do ter, do parecer.

Mas hoje ando a passo lento, pois já entendo que a vida é uma busca de
si mesmo, do ser: ser melhor, ser amável, ser amigo, ser sensível, ser
compassivo, ser caridoso…

Hoje compreendo que é preciso paz para poder sorrir, pois o sorriso
verdadeiro, a felicidade autêntica, vem da paz de espírito, a paz de
consciência, de quem segue o caminho do bem a todo custo.

Entendo também que as chuvas são bem-vindas, e que sem elas não há
floradas, pois é preciso chuva para florir.

A dor nos esculpe a alma, quando bem entendida, quando bem absorvida
nos passos diários da lida.

Ando devagar porque já tive pressa… Pressa do sucesso a qualquer
custo, pressa de ser popular, de ser o primeiro, de agradar a todos…

Mas hoje ando tranquilo, percebendo mais as manhas e as manhãs, o
sabor das massas e das maçãs, absorvendo a vida em toda sua plenitude.

O viver pode ser o mesmo, as circunstâncias podem permanecer
inalteradas, mas minhas lentes são outras. Enxergo tudo de outra
forma.

E o mais importante de tudo: descobri que para cumprir a vida, para
cumprir meu papel, minha missão aqui, preciso compreender minha
própria marcha.

Sêneca, antigo sábio, afirmou que nenhum vento é a favor para quem não
sabe para onde ir. Então, compreender a marcha é fundamental.
Precisamos saber para onde estamos indo, precisamos saber o que é
nossa marcha, nossa vida.

Só então posso ir tocando em frente, com simplicidade e devoção, com
alegria e coração.

Pois todos temos talento, todos carregamos o dom de ser capaz e ser feliz.

A felicidade não é para poucos, não, é para todos. E cada um a vai
encontrando no seu tempo, no seu momento, da sua forma.

Ando devagar porque já tive pressa… Pressa de partir, já quis
desistir de tudo, em alguns momentos, mas hoje ando como que em câmera
lenta, com a coragem de quem quer ficar e ver tudo até o fim.

Carrego esse sorriso porque já chorei demais, mas isso não quer dizer
que não voltarei a derramar alguma gota dos olhos. Significa apenas
que os sorrisos serão a regra. A lágrima, exceção.

Ando devagar no passo curto dos meus filhos, pois se resolver andar
acelerado, os deixarei para trás.

Ando devagar para perceber o sabiá cantador, pois se torno minha vida
uma bomba-relógio, passo a não perceber a vida que passa ao largo de
meus passos, e assim, os sabiás passam a não existir mais.

Ando devagar para ainda conseguir olhar onde piso, e não esmagar nada,
nem ninguém com minha desatenção ou deselegância.

Ando devagar para pensar um tanto mais antes de agir, para escolher as
palavras certas, para digerir uma ideia nova, para escolher um
caminho, para silenciar a mim mesmo por alguns instantes.

Ando devagar… Porque já tive pressa.

* * *

A vida é especialmente rica para que se passe por ela, às pressas, sem
atentar para os detalhes.

O mundo é pleno de belezas para que se o percorra aos saltos, sem nos
determos a descobrir as belezas das flores, o segredo das matas, o
encanto das fontes.

Pensemos nisso!

Redação do Momento Espírita, com base na
canção Tocando em frente, de Almir Sater.
Em 28.11.2013.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: