Crónicas da Infâmia – por maria josé vieira de souza / portugal

Crónicas da Infâmia
I- O retorno
O tempo em que  escrevi sobre o país e o mundo, sobre a actualidade que se renovava constantemente,  terminou há muito. Esgotou-se na sucessão dos dias como  acto rotineiro. Denunciei-o  por comum acordo.
Escrevi. Fi-lo  com angústia, com  dor, com sobressalto, mas ancorada numa esperança de dias melhores. Era a crise que chegava. Era o início do tempo sem metas, sem rumo, sem certezas. E os começos nunca projectam a extensão da catástrofe que vão inaugurar. Incauta, resiliente, acutilante, caustiquei, vociferei contra quem governava o país, contra o desnorte que nos acometia, contra quem vendia ilusões , contra quem se abastecia no mercado das aparências, contra a incapacidade de assumir a inoperância, contra a falta de rigor, contra as aporias da verdade , da lealdade.
O devir dos dias , implacável,  prosseguiu e o país foi-se apoucando nas mãos de quem nunca soubera gerir a res publica. Eleitos, os fariseus entraram no templo.
Vandalizar foi, de repente, um projecto.
Os verdadeiros negros dias da crise  começaram. Era o tempo iníquo que a raiva não tinha previsto. O tempo da desumanização. O tempo da infâmia. O tempo da ausência de todos os “eus”. O tempo desnudo, sem  gente, sem  pessoas. O tempo do esquecimento do “outro”. O tempo que transforma o ser humano num excedente, num obstáculo à eficácia orçamental.
E as pessoas passaram a ser números. Algarismos disformes e rasurados pela urgência do momento. As estatísticas eliminavam-nas, devoravam-nas conforme  o apetite de quem as exigia. A economia  rejeitava-as, incapaz de prosperar num estado social onde cada um é mais importante do que a contabilidade da sua própria existência.
Os comentadores proliferavam em assertivas análises, documentadas e balizadas por um saber  de experiência feito, quais árbitros em jogo próprio. Tanta verborreia exasperava. Era o melhor convite ao silêncio. Em  casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão, diz o ditado.
Mas a questão apresentava-se. Inquiria-me. Retomar a palavra, exigia. O peso do silêncio não servia a revolta. Escrever, vociferar, alertar, denunciar, insurgir como e para quem? As palavras estavam gastas  numa sucessão arrastada de crónicas. Repetir-me num tema que deixara de ser mote para uma escrita ocasional, era como violentar-me. Entretanto, a realidade já nos tomara. Medonha, cruel, insensível, impiedosa, irredutível. Aí estava ela, a estreitar-nos  num corredor de desespero, nos dias de intempérie continuada.
Os Hospitais a rejeitar doentes, abandonando-os à deriva das  próprias enfermidades. As Escolas sem meios para programar a excelência, convertidas em refeitório dos alunos sem pão. As filas  de gente sofrida,  de olhar ausente ,  a marcar lugar à porta de Centros de Emprego inoperantes. As Fábricas exauridas  a fechar  sem terem precavido o futuro de quem as alimentou. O leilão interminável dos funcionários públicos a ser realizado em hasta pública. Vendê-los pelo menor preço para reduzir a viscosa gordura de um Estado enraivecido. Os pensionistas e os reformados, o novo fardo que se  carrega  sem qualquer utilidade. Abatê-los é urgente. Dizimá-los , uma prioridade. Avançam medidas , compõem-se iniciativas que se transformam em leis,  reduzindo-os à pobreza. Espoliados, menorizados, silenciados por um governo bastardo. Reduzir, eliminar , matar deixando morrer é o caminho.
E as crianças, meu Deus? Onde estão? Na nebulosidade dos sonhos porque nascer deixou de ser relevante. A natalidade empobrece o país.
Nascer . Teimar em nascer, mas nascer onde?
Nas Maternidades que fecharam. Nos lares que não sobrevivem à ira dos dias. Nas casas que não se sustentam.
Nascer, em Portugal,  num país de pobres em expansão é nascer num tempo infame que exclui  a alegria da infância.
Oh, meu pobre Portugal. Que te fizeram? Que nos fizeram? Que fizemos nós?
Calar , segredar , observar já não basta. A raiva pede revolta. E a revolta voa na palavra que se lança de nós , por nós , para todos nós. Invocar para convocar.
Invoquemos a RAIVA. Convoquemos a REVOLTA para que a infâmia não tome conta de todos  nós e  não nos aniquile.
Portimão, 26 de Janeiro de 2014
Maria José Vieira de Sousa

3 Respostas

  1. Terrível… dantesco… Retrato que, para a miséria de Todos, de Portugal e não apenas de Portugal…

  2. Eu vivo esta infâmia estão estragando PORTUGAL

  3. Pungente.
    Ai, meu Portugal… e o meu coração igualmente em farrapos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: