DOM QUIXOTE foi exilado à Campanha para morrer livre entre seus pares – de walmor marcellino / curitiba.pr

DOM Quixote foi exilado à Campanha
para morrer livre entre seus pares

 

A alguma criança.  WALMOR MARCELLINO

À coragem da perseverança na verdade, que se gruda como sombra no corpo enfraquecido e assustado mas desejoso de alguma transparência com os seus. Também infibulada e inquinada de delírio ou transcendência e outros solertes apupos.

Vou contar-te, menino
como o cavaleiro Dom Quixote
defronte gigante e feiticeiro
combinou derribar seu moinho
em galopada ou a trote
enfrentando cada um, primeiro
de frente e pelo lado.

 

Partiu ora a uma justa na Vila Militar:
Sancho desafiara toda a ordem
mas se escudava em Quixote a pelear.

 

Bradavam aos bravos: “Acordem!
que esta batalha vai começar”.
Mas qual! Indiferentes à luta
per meio tamanho egotismo
cada um deles buscava disputa
mais própria ao personalismo.

 

Travou-se ali pugna medonha
descobertos peitos e flancos
em combate, bravura e vergonha
encurralavam a morte aos trancos.

 

Já o estendal da morte impelia retirada;
vão-se em busca de algum sendeiro
a recuperar o ânimo, na voz armada.
Conclama-se rebate, enfim, a todos,
porém Quixote reage altaneiro:
“Hei de vencê-los inda que me custe
a vida de fidalgo cortar o embuste”.

 

Entretanto, a batalha é longa
fervorosa.
Não retrocede, ao tempo avança.
Quixote não abandona a luta, sustém a lança.
Seu cavalo marchador
não come feno há tempo.
Eis ginete de muito valor,
o cavaleiro come alento
seu cavalo come vento.
Se perder a batalha, fica exemplo.

 

Batido por frente e lado
seu poderoso escudo amassado
viseira nos olhos, a lança emperrada
Dom Quixote foi enfim dominado.
A causa ficou perdida, adiada.

 

É. Nem sempre os bravos vencem
mais justa que seja a bandeira
tão alto se põe o alcantil
duma conjura traiçoeira e vil.
Covardia só aos fracos abate
firma-se a coragem na jarreteira,
decisão e empenho no combate.

 

Foi lá por 1900, não me lembro quando
amargurado dessa derrota
fragorosa, com Dulcineia Tobosa
foram com o cavalo Rocinante.
Tu eras bem pequenino
quando Dom Quixote marchou a Cruz Alta
na fronteira do Rio Grande.
Exibia a lança manchada
olhar altivo, ferido mas soberbo
na sua armadura quebrada:
peada a luta, ainda bramia o verbo.

 

Depois, no entrementes:
por baixo do metal desfolhado
sua roupa se condiz rasgada;
só a alma fica ereta, ao lado
aguardando o corpo pra carga.
Esse Quixote intimorato à liça
encolhe-se à arremetida do vento
roupa em frangalhos, couro em treliça;
muito tarde vem o tento:
a lataria não o protege ao tempo.

 

Dulcineia vai, toma-lhe a febre
Sancho à fé alarga a colheita
de leite, carne-de-caça e lebre
em perfumada, boa comida feita.
A resposta é débil, todavia
o olhar mortiço, só às vezes
compadece o sonho, onde havia
de retornar às pugnas mais soezes.
A glória ascende em haustos
naquele solo, de acerba campanha,
onde centauros tiveram dos charruas
coragem e destemor em holocaustos
— a morte ceifa, a vida apanha,
as verdades se fazem nuas.

 

Então, nas coxilhas descampadas
agora sob uma casuarina deitado
o Quixote vê todo o horizonte
por cima das charqueadas.
De cabeça ao braço enfaixado
lamenta e reclama um apronte,
ressonha todavia novas batalhas.
Ó malditas de junho, e minuano
os cúmulos e nimbos voando,
as parcas se vão aprochegando:
entre a manopla e a palma
vem pelas frinchas na armadura,
o ventinho afiado, temprano,
com meio alento, de assacadura
apunhalando o corpo e a alma.

 

Na tepidez do rescaldo, a calma
mas logo a dor desanda, acutilante
a tal desespero se faz hiante
vai-se ligeira a pouca esperança
à boca aberta por indiferença.

 

Combalido, já o herói tosse
à fraqueza que se lhe espalha
na enxerga forrada a palha
faz ali sua derradeira posse.
Quixote sereno, espera a morte
faz de sua lança a bandeira
de espírito alto e indômito;
a maior razão fez altaneira.
Como se fora a outra contenda
levando sua última prebenda:
a coragem da cavalaria.

 

Às vascas diz seu testamento,
e ia embora com tanta pressa,
nem apaziguado nem sereno:
“Logo pensei algum momento:
que bom ir a cavaleiro na eça
que centauro não escolhe o terreno.
Eu não seria Dom Quixote do Templo
se não deixasse um bom exemplo”.

(março 1998)

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: