A ORIGEM DO TERMO “TCHÊ”

A TCHE

“Há quem goze de nosso uso do termo “TCHÊ”, ache até chulo-grosseiro este linguajar. Se soubessem a sua origem, aí abaixo relatada, talvez mudassem sua opinião.”
Sotaques e regionalismos na hora de falar são conhecidos desde os tempos de Jesus. Todos na casa do sumo sacerdote reconheceram Pedro como discípulo de Jesus pelo seu jeito “Galileu” de se expressar.
No Brasil também existem muitos regionalismos. Quem já não ouviu um gaúcho dizer: “Barbaridade, Tchê”? Ou de modo mais abreviado “bah, Tchê”?
Essa expressão, própria dos irmãos do sul, tem um significado muito curioso.
Para conhecê-lo, é preciso falar um pouquinho do espanhol, dos quais os gaúchos herdaram seu “Tchê”.
Há muitos anos, antes da descoberta do Brasil, o latim marcava acentuada presença nas línguas européias como o francês, espanhol e o português. Além disso o fervor religioso era muito grande entre a população mais simples.
Por essa razão, a linguagem falada no dia, era dominada por expressões religiosas como: “vá com Deus”, “queira Deus que isso aconteça”, “juro pelo céu que estou falando a verdade” e assim por diante.
Uma forma comum das pessoas se referirem a outra era usando interjeições também religiosas como: “Ô criatura de Deus, por que você fez isso”? Ou “menino do céu, onde você pensa que vai”? Muita gente especialmente no interior ainda fala desse jeito.
Os espanhóis preferiam abreviar algumas dessas interjeições e, ao invés de exclamar “gente do céu”, falavam apenas Che! (se lê Tchê) que era uma abreviatura da palavra caelestis (se lê tchelestis) e significa do céu. Eles usavam essa expressão para expressar espanto, admiração, susto. Era talvez uma forma de apelar a Deus na hora do sufoco. Mas também serviam dela para chamar pessoas ou animais.
Com a descoberta da América, os espanhóis trouxeram essa expressão para as colônias latino-americanas. Aí os Gaúchos, que eram vizinhos dos argentinos e uruguaios acabaram importando para a sua forma de falar.
Portanto exclamar “Tchê” ao se referir a alguém significa considerá-lo alguém “do céu”. Que bom seria se todos nos tratássemos assim. Considerando uns aos outros como gente do céu.
Um abraço, Tchê!

8 Respostas

  1. Pichação não é obnubilação, Tchê! | Responder

    Caro Irmãozinho.
    Sr. Companheiro:
    irmã camarada, por ora é hora de se recolher, portanto ore, amém?
    Améém, sim!
    .
    Senhor, fazei de mim um
    instrumento da corrupção
    e do golpe a Constituição
    Onde tiver gorjeta,
    que eu encha maleta.
    Que seja minha sina
    receber propina.
    Se houver mutreta,
    que eu mame na teta.
    Mídia?
    Imprensa?
    Tudo perfídia!
    Quero é minha recompensa!
    Não sou peixe-lobo,
    Sou sim um apedeuta.
    Odeio Rede-Globo
    Sem opinião de traíra jornalista,
    são PiG golpistas.
    Do PCdoB amo Jandira,
    Na cultura Ipojuca.
    PICHAÇÃO?
    não é obnubilação,
    inclusive faço até licitação,
    coitado do pobre,
    que não tem dinheiro
    pra Leonardo da Vinci nobre.
    Amo e divulgo,
    Tudo Q é porralouca.
    Depois da meia-noite urubu vira frango,
    semeio tudo Q é barango.
    Vem na minha companheiro!
    .
    Amém?
    Amééééém!

    [oração do Luladrão — Brasil].

  2. Eu teria outra teoria sobre….o Tchê dos Gaúchos e Argentinos. Na verdade, está expressão é uma influência da imigração polaca. Tchê é a pronúncia de Cie, de Ciebie, ou seja, “Você”, pronome da segunda pessoa, ou o “Tu”, que os gaúchos e argentinos também usam muito.

  3. ……….. CHÊ – significado – MEU ( NA FRONTEIRA OESTE DO RIO GRANDE ) CHARRUAS GUENOS E MINUANOS – usavam o CHÊ PIA = MEU CORAÇÃO – CHIMARAO significado: SELVAGEM – mate chimarao ( chimarão ) – Abraço

  4. Maria Lúcia Camelo Reis | Responder

    Parabéns ao autor pela crônica inteligente e esclarecedora. Muito interessante o texto.

  5. Em guarani, CHE significa meu, minha. Esta expressão muito comum na Argentina, provavelmente deriva desta origem autóctone. Já na escola primária aprendíamos
    esta frase dita por um “correntino” (na província de Corrientes se fala guarani como no Paraguai) ao general San Martin: Se a Argentina entrar em guerra, Corrientes vai ajudar, Che meu general!

  6. arte e CULTURA…

  7. não vejo + nada de palavras, todas palavras…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: