Arquivos de Categoria: editoriais

gilmar mendes, ministro do stf, QUE ONTEM, 29/09/2010 PEDIU VISTAS DO PROCESSO QUANDO A VOTAÇÃO PARA NÃO EXIGÊNCIA DE DOIS DOCUMENTOS PARA VOTAR JÁ ESTAVA 7X0 , PORTANTO, MATÉRIA ENCERRADA, GILMAR MENDES TOMOU ESSA ATITUDE APÓS RECEBER TELEFONEMA PESSOAL DE JOSÉ SERRA.

REPUGNANTE.

========================

Quinta, 30 de setembro de 2010, 11h12  Atualizada às 12h01

Líder do PT: Espero que Mendes não tenha atendido Serra

Eliano Jorge


Serra, no momento em que teria telefonado para Gilmar Mendes
(foto: Rodrigo Coca/ Fotoarena/ Especial para Terra)

Líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza prefere acreditar que não foi por interferência do presidenciável tucano José Serra que o ministro Gilmar Mendes interrompeu julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (29), sobre a necessidade de apresentação de dois documentos para votar em 2010.

Ele mede as palavras para não criar problemas com o STF:
– Temos muito cuidado em fazer uma guerra contra o Supremo. A esperança que tenho é que o ministro Gilmar Mendes não tenha tomado esta decisão por conta de um pedido do candidato Serra – afirmou, em conversa com
Terra Magazine.

Afirmando que aguarda a conclusão do julgamento nesta quinta-feira, Vaccarezza imagina que será confirmada a permissão para se votar apenas apresentando um documento com foto, algo visto como favorável ao PT, por incluir a participação de pessoas mais pobres.

Leia a entrevista.

Terra Magazine – Como o PT reagiu à notícia de que o ministro Gilmar Mendes interrompeu o julgamento do Supremo Tribunal Federal após telefonema do candidato do PSDB, José Serra? O partido tomará algum providência sobre isso?
Cândido Vaccarezza –
Nós temos muito cuidado em fazer uma guerra contra o Supremo. A esperança que eu tenho é que o ministro Gilmar Mendes não tenha tomado esta decisão por conta de um pedido do candidato Serra. Acho que o ministro Gilmar Mendes vai devolver o voto dele hoje (quinta-feira, 30) e está resolvido o problema.

Há possibilidade de a votação, que estava em 7 a 0, ser modificada. Os ministros podem mudar seus votos.
Não, os votos podem ser modificados, mas vamos aguardar o voto hoje do ministro Gilmar

O senhor acredita que a votação seguirá do jeito que estava, sem interferência?
Eu acho que seguirá do jeito que estava porque o fundamental que a Constituição garante é o direito do eleitor votar.

Revista Time escolhe Lula como um dos líderes mais influentes do mundo

DEMOS  e TUCANALHAS, se desesperam diante do reconhecimento  da liderança mundial do Presidente LULA. Para lembrar, FHC, O CULTO, jamais recebeu uma frase elogiosa, sequer de uma ditadura africana. Essa gente, vendilhões da pátria,  já passou! O povo brasileiro não quer voltar atrás!

.

Presidente é destaque na categoria “leaders”, junto com Barack Obama; brasileiro Jaime Lerner é citado entre “pensadores”

29/04/2010 | 11:50 | AGÊNCIA ESTADO E G1/GLOBO.COMatualizado em 29/04/2010 às 19:57

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito pela revista americana “Time” um dos líderes mais influentes do mundo em 2010, ao lado de figuras como o colega americano, Barack Obama. Embora o nome de Lula seja o primeiro da lista, a publicação afirma que isto não o qualifica como o líder mais influente, pois não se trata de um ranking. Em 2004, o presidente brasileiro já figurara na relação – ocasião em que foi descrito como “a voz dos países em desenvolvimento”.

A lista das 100 pessoas mais influentes do mundo deste ano, divulgada nesta quinta-feira (29), é dividida em quatro categorias: líderes, heróis, artistas e pensadores. Lula divide o título com outros 25 líderes, de empresários a políticos.

O perfil do brasileiro é assinado pelo documentarista Michael Moore. No texto – altamente elogioso -, ele descreve Lula como “um autêntico filho da classe trabalhadora latino-americana”. “O que Lula quer para o Brasil é o que costumávamos chamar de o sonho americano”, compara.

O perfil menciona a história de Lula, desde sua infância no Nordeste, “forçado a deixar a escola na quinta série para ajudar a família”, até sua eleição em 2002, “quando, depois de três candidaturas fracassadas, já era uma figura conhecida na política brasileira”. O texto questiona: “mas o que o levou à política?”. E responde: “foi quando, aos 25 anos, assistiu sua mulher Maria morrer no oitavo mês de gravidez, junto com o bebê, porque não podiam pagar um atendimento médico decente”.

Moore aproveita o perfil de Lula para criticar seu próprio país. “A grande ironia do governo Lula é que, enquanto tenta conduzir o Brasil ao primeiro mundo com programas sociais estatais, como o Fome Zero, os Estados Unidos se parecem cada vez mais com o antigo terceiro mundo.”

Esta é a sétima lista do gênero divulgada pela “Time”. A publicação de 2010 chega quando a aprovação do presidente brasileiro alcança os 84%, de acordo com a última pesquisa Ibope A lista de líderes influentes inclui o presidente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, e a ex-governadora do Alasca e candidata a vice-presidente na chapa de John McCain, Sarah Palin , além dos primeiros-ministros japonês e palestino, Yukio Hatoyama e Salam Fayyad.

Jaime Lerner

O ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner também figura na lista, só que na categoria dos pensadores mais influentes do mundo. “Nos últimos 40 anos, Lerner deixou um magnífico legado de sustentabilidade urbana”, escreveu o prefeito de Vancouver, Gregor Robertson, que traçou o perfil do brasileiro. Ele descreve o colega como um “pioneiro” do sistema de transporte público nas cidades – um modelo, segundo o texto, “agora usado em todo o mundo”.

Outros nomes na mesma categoria incluem o presidente da Apple, Steve Jobs, os economistas Paul Volcker e Amartya Sen, e a integrante da Suprema Corte americana Sonia Sotomayor.

Outras homenagens

Lula já havia recebido outras homenagens de jornais e revistas importantes no cenário internacional. Em 2009, foi escolhido pelo jornal britânico “Financial Times” como uma das 50 personalidades que moldaram a última década.

Também foi eleito o “homem do ano 2009” pelo jornal francês ‘Le Monde’, na primeira vez que o veículo decide conferir a honraria a uma personalidade. No mesmo ano, o jornal espanhol ‘El País’ escolheu Lula o personagem do ano. Na ocasião, Zapatero refigiu o artigo de apresentação do brasileiro e disse que Lula ‘surpreende’ o mundo.

Veja abaixo a lista dos 10 líderes mais influentes da Time

1 – Luiz Inácio Lula da Silva
2 – J.T. Wang
3 – Admiral Mike Mullen
4 – Barack Obama
5 – Ron Bloom
6 – Yukio Hatoyama
7 – Dominique Strauss-Kahn
8 – Nancy Pelosi
9 – Sarah Palin
10 – Salam Fayyad

(Confira a lista completa no site da revista)

CARTA MAIOR: EDITORIAL (convenção dos tucanos)

O apelo de uma candidatura que veio para ‘unir o Brasil’, embutido no discurso de José Serra, neste sábado, e embalado como ‘novidade’ nas manchetes dos jornalões, não poderia ser mais artificial. Primeiro, porque pretende tirar de Lula justamente o seu apanágio, um governo de livre transito entre vários setores da sociedade. Algo que até os adversários reconhecem e os empresários –para desgosto da esquerda— festejam. Segundo, porque esse traço de governo não está ancorado apenas na personalidade conciliatória do Presidente, mas decorre de avanços sociais e econômicos reais que, de fato, permitiram uma maior repartição da riqueza criando um sentido de pertencimento raro numa sociedade excludente. De onde os estrategistas do candidato demotucano pensam que vêm os 80% de popularidade de um governante atacado e hostilizado sem trégua pela mídia que os apóia? Terceiro, porque não poderia haver algo mais imiscível do que a idéia de ‘união’ e o prontuário arestoso de José Serra –um tucano rejeitado até por seus pares, famoso pela intolerância e a perseguição implacável a adversários e jornalistas; alguém cujo ferramental político sempre foi a ação soturna regada a dossiês e denúncias plantadas na mídia. Como, enfim, aquele que rachou o próprio partido para impor seu projeto personalista de poder, poderá convencer o Brasil que veio unir o país derrotando Lula?

(Carta Maior; 10-04)