Arquivos de Tag: chico xavier

“CHICO XAVIER,” o filme – por dr. rosinha / curitiba

“Vai lamber ferida”

Quando criança, ouvia periodicamente a frase “vai lamber ferida”. Nunca soube o porquê nem como surgiu esta frase. Mais tarde, ouvi o Brizola, após uma derrota eleitoral, dizendo que se retiraria por uns dias e, como o gado, iria lamber suas feridas.

Lamber as próprias feridas, termo mais conhecido, é citado, como Brizola fez, após uma derrota política, amorosa ou de negócios. Derrotados se retiram e vão ruminar seus erros ou dores num canto solitário. Vão procurar a resposta para a ferida aberta.

Estas duas situações surgiram enquanto assistia a “Chico Xavier – o filme”. Logo no início, a madrasta do menino Chico, interpretado por Matheus Costa, manda-o lamber uma ferida. O menino é submetido literalmente a lamber uma ferida. É nojento, mas é feito para mostrar como foi difícil a vida do garoto.

Órfão de mãe, mantinha com ela diálogos longos, que poderiam ser fantasias de crianças. Por essas “fantasias”, era uma criança absorta e sonhadora. Por isso, reprimida.

Fui ver o filme esperando um libelo do espiritismo. O filme mostra a vida sofrida de um homem profundamente humano e religioso, e que, possuído de um espírito superior, somente busca o bem.

Nunca estudei o espiritismo. Nunca li nada mais profundo sobre Chico Xavier ou escritos dele. Portanto, fui ao filme sem nenhum preconceito ou informação prévia sobre o mesmo. Fui de espírito desarmado.

Na infância, no interior do Paraná, ouvia falar do Chico Xavier e de caravanas que partiam da região para ir ao encontro dele. Todos iam imbuídos de fé e na busca de cura para seus males físicos ou espirituais. Também lembro que ele usava peruca, tema abordado no filme. Esperava que o filme fosse basicamente um rosário dessas curas. Não é. Aparecem estes tipos de cenas, mas são poucas.

Há momentos de descontração, como quando ele recebe uma família tomada por maus espíritos e pede ao seu auxiliar que use o “peso do evangelho”, se necessário. Usar o peso do mesmo era fazer a leitura, com muita fé, de uma passagem bíblica. O seu auxiliar entendeu outra coisa e fez uso de outra maneira.

Outro momento de descontração é quando Chico faz sua primeira viagem de avião e, ao passar por uma turbulência, é tomado de medo. Medo de morrer. Neste momento, aparece Emmanuel, que pede a ele que pelo menos morra com educação. O que será morrer com educação?

No inicio da década de 1970 a TV Tupi, hoje extinta, tinha um programa chamado “Pinga Fogo”. Esse programa era transmitido ao vivo e durava uma hora. O convidado do dia 28 de junho de 1971 foi Chico Xavier, e neste dia o programa durou mais de três horas. O filme tem como espinha dorsal esta entrevista.

O filme Chico Xavier é baseado no livro “As muitas vidas de Chico Xavier”, escrito pelo jornalista Marcel Souto Maior. A partir do “Pinga Fogo”, é reconstituída a infância do menino em Pedro Leopoldo e o restante de sua vida, como as primeiras psicografias de Chico ainda jovem, interpretado por Ângelo Antonio, em Uberaba.

Roteiro bem construído e sem ser piegas, o filme leva a alguns momentos de emoção. Não às lágrimas.

Emocionante e bem posta é a música. Egberto Gismonti. Gismonti nos tem dado uma imensa e bem postada obra como Sonho’70, Academia De Danças, Dança Das Cabeças, Carmo, Mágico, Circense, Fantasia, Alma e tantos outros trabalhos.

A música de Gismonti eleva o filme e dá a ele um espírito. Eleva também o espirito de quem assiste. A música contribui para que se saia do filme de espirito limpo, quase que flutuando.

O filme apresenta um drama paralelo: um casal que teve um filho morto e que paira a dúvida entre um acidente ou um assassinato. Este casal espera uma carta psicografada.

Nelson Xavier é quem interpreta Chico na vida adulta. Não poderia ser outro ator, pois Nelson não só tem a coincidência do mesmo sobrenome, tem a semelhança física e desempenha a tarefa com profundo profissionalismo.

Fui ao cinema imaginando ver um filme meramente espírita. Enganei-me. É um filme humano e que nos coloca a lamber nossas próprias feridas.

Dr. Rosinha, médico pediatra, é deputado federal (PT-PR)

Centenário de Chico Xavier inspira produções no cinema e na TV /são paulo


Médium é tema de quatro filmes, além do já lançado por Daniel Filho.
Doutrina espírita também será o mote de novela e seriado na TV Globo.

O cinema se rende à popularidade de Chico Xavier (1910-2002) e no ano do centenário do médium mineiro a doutrina espírita é tema de diversas produções nacionais. Além de “Chico Xavier”, cinebiografia que entrou em cartaz na última sexta-feira (2), vem aí “As cartas”, “As mães de Chico”, “E a vida continua” e “Nosso lar”.
Nelson Xavier, que faz em performance brilhante como o líder espírita no longa de Daniel Filho, volta a interpretar o médium em “As mães de Chico”, de Glauber Filho – diretor de outra longa-metragem do gênero, “Bezerra de Menezes – o diário de um espírito” (2008).

Segundo o ator, as filmagens começarão no final deste ano, em Fortaleza.
“É como se eu fizesse outro personagem. No filme do Glauber vou interpretar o Chico já velhinho, em seus últimos anos de vida”, diz Nelson, que em “Chico Xavier” vive o médium dos 59 aos 65 anos.
O ator explica que líder religioso não é o principal foco de “As mães de Chico”. “O destaque mesmo são as mulheres que perderam seus filhos e tiveram contato com as mensagens psicografadas”.

Olhar semelhante sobre o espiritismo faz o documentário “As cartas”, de Cristiana Grumbach (assistente de direção de “Edifício Master”). Em fase de finalização, o filme tem lançamento previsto para setembro e retratará a história de cinco famílias que recebem cartas das mãos do médium.

Depoimento para o filme “As Cartas”.

A cineasta define “As cartas” com um “filme de conversas”. “Tento mostrar qual é o sentimento de receber uma mensagem supostamente vinda do ‘outro mundo’ e como essas mães identificam seus filhos naquelas palavras”, diz Cristiana.

“Em minhas pesquisas, apurei que o Chico dava uma atenção especial às mães. Ele considerada que um filho morrer antes dos pais era algo fora do natural”, diz a diretora. “Meu documentário tenta descrever o impacto das cartas na trajetória dessas famílias”.

Cidade dos anjos
Best seller entre os mais de 400 livros psicografado por Chico Xavier, “Nosso lar”, atribuído ao espírito André Luiz, é tema do longa-metragem do diretor Wagner de Assis (“A cartomante”). Com o mesmo título da obra do médium, o filme tem estreia prevista para 3 setembro.

“Nosso lar” retrata com ares tecnológicos a “cidade espiritual” descrita o livro psicografado por Xavier. Em algumas cenas do filme, o plano para onde as almas são encaminhadas – segundo prega a doutrina espírita – é mostrado com trens e construções high-tech. Até a computadores os “personagens desencarnados” tem acesso.
Produzido em parceria com a filial brasileira dos estúdios Fox, “Nosso lar” deve surpreender com cenários e fotografia caprichados, como mostra trechos do trailer já divulgado pela distribuidora.
O protagonista André Luiz é interpretado pelo ator Renato Prieto, que tem como colegas de elenco Othon Bastos, Werner Shünemann, Ana Rosa e Paulo Goulart – esse dois últimos, adeptos do espiritismo, também estão em “Chico Xavier”.

Autor do documentário “O médium”, o ator e diretor Paulo Figueiredo se prepara para lançar mais um filme sobre a doutrina espírita, “E a vida continua”. Baseado em uma compilação dos livros de Xavier, a produção está em sua reta final e deve ser lançada ainda em 2010.

Espiritismo na TV
E não foi apenas o cinema que voltou suas câmeras para a doutrina espírita. Uma novela e um seriado sobre a religião irão ao ar na Rede Globo.

A “programação espírita” começará no próximo dia 12, data de lançamento da novela “Escrito nas estrelas”.

Desenvolvida por Elizabeth Jhin, a trama que substituirá “Cama de gato” na faixa das 18h contará a história de um jovem médico, Daniel (Jayme Matarazzo), que morre em um acidente de carro e tenta se comunicar com o pai, vivido por Humberto Martins.

A novela “Escrito nas Estrelas” vai falar de um jovem que tenta se comunicar com o pai.
“Daniel não se contenta com a morte e acaba ficando num plano intermediário. Mas acaba voltando várias vezes a Terra para proteger o pai e a menina que ele conhece e se encanta pouco antes de sofrer o acidente”, adiantou Matarazzo.
Para o segundo semestre está prevista a estreia da série “A cura”, de João Emmanuel Carneiro (autor da novela “A favorita” e colaborador de vários folhetins de Gilberto Braga).
O ator Selton Mello interpretará um médium que realiza cirurgias espirituais no interior de Minas Gerais e enfrenta o questionamento da comunidade científica.

.

Dolores Orosco

Do G1, em São Paulo