NA MORADA de marilda confortin / curitiba

externa12

Na minha casa

não tem compartimento secreto

nem lugar proibido.

Minha casa é um livro aberto

Com meus amigos divido.

Na minha casa tudo combina

Com qualquer clima, qualquer astral.

O chinelo havaiana não reclama

De morar debaixo da cama

Com um velho sapato social.

As fotos dos filhos estão por toda parte

Exibo sim, são minhas obras de arte

Não importa que partam

Sou porto,

São partes de mim.

Uma erva daninha nasceu na floreira

E cresceu trepadeira, não posso arrancar

Um pé de gerânio abriu a cortina

E na surdina deixou o sol entrar.

Lá em casa tem creme pra cabelo seco,

molhado, pixaco, loiro, ruivo e preto.

Tem óleo, toalha e escova de dente

vá que alguém de repente resolva pernoitar.

Os livros povoam a sala, banheiro,

armários, gavetas e estantes.

São meus companheiros,

eternos amantes

nunca vão me abandonar.

Na parede não tem uma rede,

Mas tem um desenho de lápis de cor

Feito por minha mãe, num papel almaço.

Tem muito mais valor

Do que qualquer obra do Picasso.

Tenho tudo que preciso

No meu Cinema Paradiso:

Poderoso Chefão, Telma e Louize

Chico, Betania, Cartola e Gil

A Rita está ali, mas o Milton sumiu

Na cristaleira não tem taça de cristal

Mas tem cachaça, tequila e mescal

Um vinho barato, licor de pequi

E uma última dose de bacardi.

Na minha casa

Não tem compartimento secreto

Nem lugar proibido.

Minha vida é um litro aberto

que trago com meus amigos.

.

ilustração da autora.

About these ads

3 Respostas

  1. Amigos Tonicato e Manoel

    Eu nem sei se o que escrevo é poesia…
    Sou vadia que nem Clementina
    Se tiver que “trabalhar” o poema, to fora.
    Agora, se ele brota eu colho.
    Se é joio ou trigo, não ligo.
    Desde que flua, sorvo.
    Se me estorva, vomito.
    Escrevo no grito, no instinto.
    As vezes sinto.
    As vezes, Toni, capto
    (as vezes essa mentecapta aqui,
    mente descaradamente)
    Outras vezes, Maneco, peco
    propositadamente.
    Cometo verdadeiras heresia textuais.
    Depois me penitencio
    Jurando nunca mais escrever.
    E é isso… sigo tropeçando nas palavras,
    Sem compromisso nem pretensão.
    Obrigada aos dois, pelo carinho, pela leitura, pelo comentário poético (vocês sim, escrevem poesia!)
    Um abração e saibam que minha humilde morada está sempre aberta.
    Marilda

  2. Marilda…

    Chego a essa tua morada,
    pra perguntar com meu canto,
    pela poesia , mais nada
    e pra beber seu encanto.

    Aonde achas teus versos?
    como nasce a inspiração?
    teus apetrechos, diversos,
    inscritos no coração…

    Não quero a escova de dente
    só a amante das poesias…
    esse astral de namorada,

    e que digas, a mim somente,
    em que fonte te sacias
    pra cantar tão inspirada.

  3. Marilda,

    Quanto mais te leio mais te glorifico.
    Pouco te conheço e quase já te conheço.
    Este poema…Ah este poema.

    O que dizer que não está dito?
    Por isto mesmo agora repito:
    Marilda quase te conheço.

    Por que demorei tantos anos assim?
    Em quais mundos paralelos voavam minhas asas?
    Para não ver tuas janelas cheias de frestas.

    Grande poema, Marilda.

    “Lá em casa tem creme pra cabelo seco,
    molhado, pixaco, loiro, ruivo e preto.
    Tem óleo, toalha e escova de dente
    vá que alguém de repente resolva pernoitar.”

    Que coisa linda, Marilda.

    Grande Abraço, palavreira.
    TM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 372 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: