Arquivos Diários: 24 novembro, 2009

RECADO À MULHER AMADA de manoel de andrade / curitiba

Eu te juro, amor meu

que eu amava o canto das cigarras em dezembro,

o aroma dos bosques e da chuva,

mas o tempo, como uma lança,

fez sangrar minha ternura

e era preciso devolver os golpes cara a cara.

Era preciso partir

e inaugurar a vida novamente.

.

Era preciso partir

eu te asseguro.

Partir de busca em busca até morrer.

Agora…, eis-me  aqui,

entre a poesia e um estandarte;

e contudo, desde o primeiro dia,

tu conheceste esse pedaço de minh’alma.

Tu sabias do meu despojamento

e da minha esperança;

sabias das minhas navegações

e que eu vinha com uma infância de barcos e marinheiros.

.

Sim… é verdade…

por algum tempo tu me fizeste ancorar por tanto amor,

mas eu sempre fui um habitante do vento e da distância

e somente te pude amar com um coração feito caminhos.

Ai amada…

eu nunca aprenderei a regressar…

a vida me ensinou a partir sempre

e a dizer adeus ao que amei.

Meu próprio canto é uma despedida…

é sempre um passo a mais para o combate.

Talvez eu volte quando comece a florescer a rubra messe

quando sentir que cessaram os tambores

e que regresso entre os sulcos de uma aurora.

.

Mas agora… amor

eu sou a voz e o sangue de um guerreiro

e bem quisera incendiar-te com esse sol que trago dentro.

Eu bem quisera

e já quis tanto

que além desta ternura

e da espera,

fosses também a companheira do meu sonho

e uma península do meu punho

e do meu canto.

Cali, setembro de 1970

Do livro POEMAS PARA A LIBERDADE, Editora Escrituras, 2009

Anúncios

DESCONTRUÇÃO de lucas paolo / são paulo


Se eu pensasse hoje

No eu ia feijão

De anteontem tristeza

.

Saudades faixas à mesa

Do não outrora talvez

Minhas tuas pernas contorcidas

.

Ensimesmados olhos teus

Do eterno de quando em quando

Meu remorso esbugalhado

.

Desvirginados cancros

Do chão de nossa torre

Hemoptise de meu marfim

*  *  *

Acultura São Paulo!

De teus ontem bois de agora

À sarjeta: nosso epitáfio

MEU CORAÇÃO por joanna andrade / miami.usa

Meu coraçao – uma bomba ativada pela dor do simples pensar

Se  existo no meio de um mundo hipocrita e imbecilizado pelas mediocridades alheias ao meu bom querer- que meu mundo nao caia em descrença

Nao deixe a dor no peito ensurdecida se transformar num longo suspiro de morte em busca de um consolo solitario

Impeça a ira e transforme minhas unhas  inoxidaveis e meu coraçao vudu em paz e os segundos de tormento em salvaçao de minha boa alma

Dualismo duelante dolorido decalcificante deliberado dicotomico

Meu coraçao – uma bomba comandada por um cerebro maquinado a exercer a funçao de guerreiro

Que as marcas das punhaladas recebidas continuem em minhas costas e eu nao grave in memorium o mau feitor-  a falsidade deve ser colocada para tras

Sendo a força do destino  propulsora em direçao aos objetivos e aniquiladora de defeitos e limitaçoes – livre-me do mal Amém!!!!

STILUS segrega deficiente, competente, na PARAÍBA !

Amiga(o)s,

A denúncia abaixo tem um significado especial para mim. A mãe de Mariana, Joana Belarmino, minha amiga desde 1984, é cega desde o nascimento. No entanto, é cantora, escritora, com várias obras publicadas, jornalista, doutora em Comunicação Social, professora do curso de Comunicação Social da Universidade Federal da Paraíba. Tem milhões de razões, portanto, para se indignar.

Um abraço

Alberto Moby

 

 

“Somos os pais de Mariana de Sousa Siqueira Santos e vimos denunciar fatos que afrontam direitos de cidadania, de igualdade e dignidade humana ocorridos com nossa filha. Mariana tem 23 anos e no mês de julho do próximo ano concluirá seu curso de Design de Interiores, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFPB, campus de João Pessoa.

Como a maioria dos estudantes do ensino superior do país, Mariana tem o seu currículo cadastrado para estágio no  Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE.
Na semana passada recebeu a notícia de que o seu perfil havia sido selecionado para uma vaga de estágio na empresa Stilus, em João Pessoa, localizada no Bairro dos Estados.

No próximo dia 25, às oito da manhã, os candidatos com perfil aprovado farão uma prova de seleção para a vaga de estágio. Entretanto, Mariana não estará entre eles. E por que Mariana não poderá fazer a prova? Recebemos um telefonema do CIEE informando que a empresa argumenta que “não há no momento, oportunidade para pessoas como Mariana, que tem uma deficiência auditiva”. Ainda que ela use prótese e – apesar da perda auditiva – seja oralizada, se comunicando plenamente.

Estudante aplicada, Mariana maneja com destreza, softwares como AutoCAD, Cinema D4 e realiza com perícia, tarefas de renderização, projeto e decoração de ambientes. Na empresa Stilus, no entanto, sequer vai ser lhe dada oportunidade para participar de uma seleção de estágio. Mariana tem uma trajetória de vida bem sucedida. Venceu inúmeras barreiras e destaca-se na sua formação. É uma pessoa consciente, cumpridora dos seus deveres de estudante, de filha, de cidadã.

No entanto, tem  enfrentado dificuldades múltiplas numa sociedade onde nem sempre pessoas como ela estão incluídas e reconhecidas. Mariana sabe que na sua vida, os desafios estão sempre a exigir coragem, disciplina e uma luta permanente na defesa dos seus direitos. Nós, os seus pais, somos os seus aliados incondicionais. Neste momento só temos a nossa voz de indignação, de protesto, de repúdio à prática excludente e mesquinha desse tipo de empresa. Queremos que essa nossa voz se espalhe. Que seja ouvida por vocês que são pais, filhos, amigos… queremos que nossa voz seja ouvida pelas pessoas com deficiência ou não, pelas autoridades jurídicas deste país, desta nossa cidade.

 

Além da denúncia pública, estaremos buscando  providências legais junto ao Ministério Público para que outros jovens, em condição semelhante, não venham a passar por tamanho constrangimento, impunemente.

 

Lau Siqueira e Joana Belarmino

 

JUIZ do MATO GROSSO censura BLOG por emitir OPINIÃO contra DEPUTADO CORRUPTO

Blogueiros vão recorrer contra mordaça em MT

Adriana e Cavalcanti vão ao TJ para tentar derrubar liminar que os impede de ‘emitir opiniões’ sobre deputado alvo de 92 ações por desvios de verba

Daniel Bramatti e Moacir Assunção

SÃO PAULO – Dois blogueiros de Mato Grosso vão recorrer na próxima semana ao Tribunal de Justiça do Estado para tentar derrubar a censura imposta no último dia 10 por decisão do juiz Pedro Sakamoto, da 13ª Vara Cível.

Adriana Vandoni e Enock Cavalcanti, responsáveis pelos blogs Prosa e Política e Página do E, respectivamente, vão apresentar agravo de instrumento ao TJ.

No dia 10, o juiz atendeu a um pedido de liminar do deputado José Geraldo Riva (PP), presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, que se disse vítima de dano moral. Os blogueiros foram proibidos de “emitir opiniões pessoais pelas quais atribuam (ao deputado) a prática de crime, sem que haja decisão judicial com trânsito em julgado que confirme a acusação”. O juiz também determinou que dois textos sobre o deputado fossem retirados do blog Página do E.

José Geraldo Riva é alvo de 92 ações civis públicas propostas pelo Ministério Público, nas quais é acusado de desviar cerca de R$ 450 milhões da Assembleia, segundo a ONG Movimento Organizado pela Moralidade Pública (Moral).

Ademar Adams, diretor da Moral e autor de artigos sobre supostos atos de corrupção que envolvem o presidente da Assembleia, também foi proibido de se manifestar pelo juiz Sakamoto, assim como o jornalista Antônio Cavalcanti e o advogado Vilson Neri, integrantes do Movimento Contra a Corrupção Eleitoral (MCCE).

Adams disse que pretende divulgar, na próxima semana, carta aberta ao juiz Sakamoto, na qual afirma que o Estado não pode interferir na opinião de um jornalista. Segundo ele, o deputado Riva o processou para atingir a ONG da qual faz parte – o MCCE é um dos promotores da campanha Ficha Limpa, que pretende impedir políticos processados por corrupção de participar das eleições.

Adriana Vandoni disse que considera a censura “um atentado contra a democracia”. Enock Cavalcanti se declarou surpreso com a censura prévia. O deputado Riva não foi localizado na Assembleia ontem, em virtude do feriado na capital mato-grossense.

 

grifos do site.