Arquivos de Categoria: contos

A MORTE, O TEMPO E O VELHO – por mia couto / maputo.mb

A MORTE, O TEMPO E O VELHO

O homem se via envelhecer, sem protesto contra o tempo. Ansiava, sim, que a morte chegasse. Que chegasse tão sorrateira e morna como lhe surgiram as mulheres da sua vida. Nessa espera não havia amargura. Ele se perguntava: de que valia ter vivido tão bons momentos se já não se lembrava deles, nem a memória de sua existência lhe pertencia? Em hora de balanço: nunca tivera nada de que fosse dono, nunca houve de quem fosse cativo. Só ele teve o que não tinha posse: saudade, fome, amores.
Como a morte tardasse, decidiu meter-se na estrada e caminhar ao seu encontro. Tomou a direcção do oeste. Na sombra desse ponto cardeal, todos sabemos se encontra a moradia da morte.
Iniciou a sua excursão rumo ao poente sem que de ninguém se despedisse. Os adeuses são assunto dos vivos e ele se queria já na outra vertente do tempo. Caminhava há semanas quando avistou um homem alto, um rosto de enevoados traços. Trazia pela trela um bicho estranho, entre cão e hiena. Animal mal-aparentado, com ar maleitoso.
– Esta é a morte – disse o homem apontando o cão. E acrescentou – Sou eu que a passeio pelo mundo.
– E você quem é?
– Eu sou o Tempo.
E explicou que caminhavam assim, atrelados um ao outro, desde sempre. Ultimamente, porém, a Morte andava esmorecida, quase desqualificada. Razão de que, entre os vivantes, se desfalecia agora a molhos vistos, por dá cá nenhuma palha. Morria-se mesmo sem intervenção dela, da Morte.
O velho, desiludido, explicou ao Tempo a razão da sua viagem. Ele vinha ao encontro da Morte:
– Eu queria que ela me levasse para o sem retorno.
– Vai ser difícil.
– Lhe imploro: fiz todo este caminho para ela me levar.
– Veja como ela anda: desmotivada, focinho pelo chão.
– Mas eu queria tanto terminar-me!
Impossível, insistiu o Tempo. E para comprovar, soltou o animal. O bicho se afastou, arrastado e agónico, para o fundo de uma valeta. Ali se enroscou decadente como um pano gasto. O velho se condoeu e perguntou ao bicho:
– O que posso fazer por si?
– Eu só quero beber.
Não era de água a sua sede. Queria palavras. Não dessas de uso e abuso nas palavras tenras como o capim depois da chuva. Essas de reacender crenças. O velho prometeu garimpar entre todos os seus vocabulários e encontrar lá os materiais de reacender o mais perdido fôlego. Urdia, seu secreto plano: iria ao sonho e de lá retiraria uma paixão de palavras.
Na manhã seguinte, foi de encontro à besta moribunda. O bicho estava agora mais hiena que cão. Uma baba amarela lhe escorria pelo focinho. Apenas revirou os olhos quando sentiu o homem se aproximar.
– Trouxe?
E ele lhe entregou o sonho, as palavras, mais seu inebriamento. O animal sugou tudo aquilo com voracidade. Seus olhos eram os de uma criança sorvendo estória antes do sono.
E assim se seguiram durante umas manhãs. Em cada uma, o velho se anichava e confiava seus elixires. De cada vez, o bicho se animava mais um pouco. No final, a Morte se recompôs com tais pujanças que o velho ganhou coragem e lhe apresentou o pedido, seu anseio de que o mundo se lhe fechasse. A Morte escutou o pedido de olhos fechados.
– Amanhã vou cumprir o meu mandato – anunciou ela.
Nessa noite, o velho nem dormiu, posto perante a sua última noite. Sentindo-se derradeiras, passou em revista a sua vida. Nos últimos anos, ele tinha perdido a inteira memória. Mas agora, naquela noite, lhe revieram os momentos de felicidade, toda a sua existência se lhe desfilou. e sentiu saudade, melancolia por não poder revisitar amigos, terras e mulheres. até lhe assaltou a ideia de escapar dali e reganhar aventuras no caminho da vida. Para não ser atacado por mais recordações – com o risco do arrependimento – ele foi ao rio e caminhou ao sabor da corrente. Andar no sentido da água é o modo melhor para nos lavarmos das lembranças.
No dia seguinte, o velho foi à valeta onde encontrou a Morte. Ela estava cansada, respiração ofegante. E disse:
– Já matei.
– Matou? Matou quem?
– Matei o Tempo!
E apontou o corpo desfalecido do homem alto. A hiena, então, estendeu a trela ao velho e lhe ordenou:
– Agora leva-me tu a passear

Anúncios

NATAL: SUAVE MILAGRE – de eça de queiroz / portugal

“Nesse tempo Jesus ainda não saíra da Galiléia, das margens do lago de Genesaré; mas a nova dos Seus milagres chegara já a Siquém, cidade rica, entre vinhedos, no país de Samaria.
a jesus-nascimento
“Ora, junto a Siquém, num casebre, vivia uma viúva desgraçada entre todas, que tinha um filho doente com as febres. O chão miserável não estava caiado, nem nele havia enxerga. Na lâmpada de barro vermelho secara o azeite. O grão faltava na arca, o ruído dormente do moinho doméstico cessara, e esta era em Israel a evidência cruel de infinita miséria.

“A pobre mãe, sentada a um canto, chorava. E, estendida sobre os joelhos, embrulhada em farrapos, pálida e tremendo, a criança pedia-lhe, numa voz débil como um suspiro, que lhe fosse chamar esse Rabi da Galiléia, de quem ouvira falar junto ao poço de Jacó, que amava as crianças, que nutria as multidões e curava todos os males humanos com a carícia das Suas mãos. E a mãe dizia, chorando:

“— Como queres tu, meu filho, que eu te deixe e vá procurar o Rabi da Galiléia? Obed é rico e tem servos, eu os vi passar, e embalde buscaram Jesus por arraiais e cidades, desde Corazim até o país de Moab. Septimus é forte, tem soldados, e também os vi passar, e perguntavam por Jesus sem O acharem, desde o Hebron até o mar. Como queres tu que eu te deixe? Jesus está longe, e nossa dor está conosco. E sem dúvida o Rabi, que lê nas Sinagogas novas, não escuta as queixas de uma mãe de Samaria, que só sabe ir orar, como outrora, no alto do monte Garizim.

“A criança, com os olhos cerrados, pálida e como morta, murmurou o nome de Jesus, e a mãe, chorando, continuou:

“— De que servirá, meu filho, partir e ir procurá-Lo? Longas são as estradas da Síria, curta é a piedade dos homens. Vendo-me tão pobre e tão só, os cães viriam ladrar-me à porta dos casais. Decerto Jesus morreu e com Ele morreu, uma vez mais, toda a esperança dos tristes.

“Pálida e desfalecida, a criança murmurou de novo:

“— Mamãe, eu queria ver Jesus da Galiléia!

“E logo, abrindo devagar a porta, Jesus, sorrindo, disse-lhe:

“— Aqui estou!”

UMA CIÊNCIA – por luis fernando veríssimo – porto alegre.rs

Uma ciência

Decidiram fazer um churrasco para as famílias se conhecerem. Do lado da Bea havia seu pai, sua mãe, um irmão mais moço e uma tia solteira. Do lado do noivo, Carlos Alberto, mãe viúva, duas irmãs mais velhas, sendo uma com uma Luis-Fernando-Veríssimo-01namorada, e um irmão com a mulher e dois filhos menores. O churrasco seria na casa da Bea, que tinha um pátio grande com churrasqueira, e o Carlos Alberto se prontificou: seria o assador.

Acertaram a logística do encontro Os donos da casa forneceriam as saladas e a cerveja, os visitantes trariam a carne, a sobremesa e os refrigerantes, inclusive zeros para quem estivesse controlando a glicose. E o assador. Tudo transcorreu bem. Uma das crianças ralou o joelho e, segundo o consenso geral, exagerou um pouco nos gritos para chamar atenção, a tia solteira da Bea bebeu demais e caiu da cadeira, mas fora isso, tudo bem. Todos se entenderam, se divertiram – a namorada da irmã mais velha do Carlos Alberto tinha um repertório inesgotável de anedotas – e conversaram bastante. Menos o pai da Bea, o seu Vicente, que passou todo o churrasco emburrado. Sem dizer uma palavra.

Naquela noite, Bea perguntou aos pais se tinham gostado do Carlos Alberto. Seu Vicente e dona Nininha se entreolharam.

– Sei não… – disse o seu Vicente.

Bea se surpreendeu. “Sei não” por quê?

– Para começar – disse seu Vicente – ele botou a carne em espeto baixo com o fogo ainda alto. Não esperou o carvão virar brasa. Vi que ia ser um desastre quando os salsichões vieram queimados.

– Ora, papai. O…

– Outra coisa. Ele usou salmoura na carne, em vez de sal grosso. Ninguém mais usa salmoura. A salmoura foi usada em churrasco no Brasil pela última vez na administração do Washington Luiz.

– Papai, você está dando importância demais ao…

– Tem mais! Ele botou a picanha com a gordura para cima. O certo, o clássico, é com a gordura para baixo. E a costela ele botou com o osso pra cima!

– Está bem, papai. Eu prometo que o Carlos Alberto nunca mais fará um churrasco para vocês.

– Não se trata disso, minha filha.

Não se tratava só daquilo. O importante era o que aquilo revelava sobre o caráter do assador. Alguém que se apresenta como assador sem ter a mínima ideia de como se assa não é apenas pretensioso e irresponsável. É um estelionatário. Demonstra desonestidade, arrogância e descaso pelos outros.

– O churrasco é uma ciência, minha filha. Não é para qualquer impostor.

– Mas papai…

– E o que ele inventou? Corações de galinha num espeto intercalados com pedaços de abacaxi. Não há hipótese de eu deixar minha filha casar com alguém que intercala corações de galinha com pedaços de abacaxi!

– E as sobremesas não estavam grande coisa – acrescentou dona Nininha.

O casamento foi adiado. Bea disse ao Carlos Alberto que precisava pensar.

O simpático Olsen Jr. é o autor convidado desta semana da REVISTA VERÃO / santa catarina.sc

O simpático Olsen Jr. é o autor convidado desta semana Ana ¿Bacana¿ Silveira/Divulgação

Foto: Ana Bacana Silveira / Divulgação
.
A simpatia em pessoa – Olsen Jr. – escreveu este conto só para a Revista de Verão. Mas quando rascunhava, lembrou de alguém e pediu para incluirmos a dedicatória: “Para Green Eyes, que sabe por que”. Além de escritor, é jornalista, formado em Direito e atual inquilino da cadeira 11 da Academia Catarinense de Letras. É o autor de Desterro, SC, livro finalista do Prêmio Jabuti de 2000, classificado pela Câmara Brasileira do Livro como um dos melhores livros de contos daquele ano. Vive atualmente em Rio Negrinho, que fica no Norte do Estado.A mulher do vizinho

O caso aconteceu assim…

Logo que me instalei na nova casa, “longe da multidão estulta”, diria Thomas Hardy, fui retomando velhos hábitos. Um deles era, nos finais de tarde, sentar num canto da varanda e cevar um mate solitário, como faz o índio mais empedernido. Num desses dias, faz algum tempo, foi que percebi uma silhueta feminina na casa em frente. Até aí nada demais, não fosse a distância de 300 metros entre nós e morarmos quase em frente um do outro, como se fosse um espelho e a mulher aparecer sempre nua, os cabelos soltos caídos nos ombros e um corpo de mexer com o instinto de qualquer caboclo menos civilizado.

A mulher ficava imóvel. À vezes, tinha a sensação de um leve balançar da cabeça, o que se denotava pelas flutuaçõs dos cabelos, em pé o corpo todo delineado em suas formas generosas e provocantes, como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Percebi, porém, que ela aparecia todos os dias exatamente naquele horário em que o dia vai perdendo espaço para a noite. Depois sumia sem deixar vestígios. Várias vezes permaneci ali tentando captar os seus movimentos na hora de se ausentar daquele palco que me tinha como espectador aparvalhado e mudo e tentado a ir ao seu encontro. Durante muito tempo aquela imagem era um conforto para um homem solitário e meus finais de tarde eram bem recompensadores.

Um dia, movido por um desejo milenar, sem qualquer planejamento, chamo o meu cachorro Thor e decido na mesma hora que iria até lá, na casa próxima, conhecer aquela vizinha sensual e que já estava me tirando o sono e a paz, deixando em seus lugares apenas um desassossego infernal que me não permitia viver. Thor era um cusco obediente e me entendia ao menor sinal. Naquela tarde seguimos em silêncio dando uma imensa volta por dentro do mato, evitando as trilhas mais batidas e nos aproximando do nosso alvo. Cerca de 20 metros da casa, obedecendo a um mesmo ângulo de visão que dispunha quando estava em minha varanda, achei que era o lugar ideal e me agachei dentro de um capão bem camuflado onde dificilmente seria visto. Thor ficou ao meu lado, em posição de ataque, bastando um leve movimento das mãos para partir em cima do que quer que fosse.

A espera não me incomodava, tinha aprendido com meu pai (que aprendeu com meu avô) aquela técnica do caçador que sabe que o esforço terá sua recompensa. Final de tarde, aguardamos até chegar a hora… Mas o que é aquilo? Não acredito… A imagem vai se formando na varanda… Tenho vontade de gritar, um misto de histeria e desespero… Não pode ser, me recuso em crer no que os meus olhos vendo… Ela está lá, inteira, nua, cabelos vaporosos e flutuantes em seus ombros… Deus meu! Exclamo… Isto não está acontecendo… Vamos embora, Thor, grito, saindo do meu lugar e pegando a trilha… Para casa! — instigo o cachorro — e ele me ultrapassa e sou eu correndo atrás dele procurando sair logo dali.

Corremos pela trilha aberta já conhecida e só paramos quando estávamos próximos de casa… Pouco depois de jogar o meu corpo em cima de um pelego no banco da varanda e abraçar o pescoço do Thor é que comecei a rir e falar sozinho, ninguém vai acreditar… Boa essa… Durante alguns dias da minha vida estive apaixonado, como todo o poeta, por uma mulher que só existia em minha imaginação… A figura ia tomando forma na varanda do vizinho a partir da projeção da sombra de uma árvore com pequena galhada que mexia insuflada por qualquer brisa daquele verão… O tronco era curvilíneo, o sonho irrealizável e o desejo insatisfeito… Acendo a luz da sala e me detenho na fotografia que mandei emoldurar onde aparece o escritor William Faulkner em cima de um trator em uma terra que está sendo arada e me contento com a ideia de que não sou mais pioneiro e nesta fazenda onde me instalei ainda existe muita coisa para ser feita.

Vocábulos de uso gaúcho

Índio – homem do campo
Caboclo – indivíduo nativo
Cusco – cachorro sem uma raça definida
Capão – Área de mato no meio de um descampado
Pelego – Couro de carneiro ou de ovelha que serve para amaciar o acento

.
do DC.

CONTO DE NATAL ou: Demitir em dezembro é muito mais gostoso – por roberto prado / curitiba.pr

Já pressentindo o tamanho do peru de Natal, a extensão da ressaca em Matinhos e a dureza do ano novo, o Coitado é repentinamente chamado à salinha para uma conversa.

– Você pode dar um pulinho aqui um instantinho?

Pelos diminutivos, percebe que boa coisa não é. No país da cordialidade todos aprendem rapidinho que as grandes desgraças corporativas costumam rimar com “inho”. Com trêmula tentativa de vã dignidade ele caminha da mesa de trabalho ao matadouro em câmera lenta, um jeito infantil de retardar o abate que só serve para aumentar insuportavelmente o conteúdo dramático da cena.

Reengenhariazinha. Reduçãozinha. Adequaçãozinha. Enxugadinha. E o empreguinho garantido depois que passasse a crisezinha. Sei! Entre um passo e outro ele lamenta não ter aderido prontamente à Revolução Bolivariana e seguido o seu profeta local na ocasião da histórica Abertura do Mar Vermelho de Curitiba. Os colegas acompanham seu desfile, tensos, mas sem excessos que possam ser interpretados como solidariedade, pois, em tempos de crise, o Vírus Degola é ainda mais contagioso.

O Coitado devolve os olhares bovinos com um olho da rua, vendo que é peixe fora da água, desprezado em silencioso uníssono pelas piranhas, traíras, tubarões, robalos, trutas e lambaris de valeta do escritório. Neste momento o coitado se transforma em coitadinho e acelera em direção ao golpe fatal. A portinha à sua frente não esconde, certamente, o cenário adequado para cheques de bônus, prêmios por produtividade, medalhas por serviços prestados, promoção por méritos ou algo do gênero. Ali era a entrada para a clássica “salinha”, rampa de lançamento em forma de escorregador de parquinho infantil que leva direto para a rua da amargura. Ele mete a mão na maçaneta com decisão: seja como for, mas que seja rápido. Depois, sentado na calçada, observando a água da sarjeta, ele pensaria na volta por cima, na vingança contra aqueles imundos porcos capitalistas.

– Um minutinho. Senta aí, serve um cafezinho pra nós.

À sua frente, gingando na poltrona executiva com amortecedores hidráulicos, a hiena sorridente ao celular, antegozando o prazer de uma legítima demissão em dezembro, decretada depois que o Coitado já esmerilhou o cartão de crédito, vaporizou o 13º e desintegrou a parcela do terço das férias que vendeu. “Definitivamente o Chaves tinha razão, ele e aquele outro, o índio”, matutava, coitadinho, já começando a considerar razoáveis, inclusive, os argumentos daquele esquisitão da Coréia do Norte. De quando em quando o algoz do outro lado da mesa mostra os dentes de crocodilo e agita a mão cheia de bichos pedindo um pouquinho mais de paciência. Finalmente, depois de um sonoro “tá combinado então, cachorrão, passa aqui pegar seu uísque”, larga o telefone, não sem antes dar uma conferida em alguma coisa na tela imensa e reclamar que ganhou o aparelho da mulher, mas não tem a mínima idéia de como atualizar a porcaria de um número. A criatura lupina, finalmente, olha nos olhos do Coitado, pigarreia, apanha a caneta, separa uns papéis, confere alguma coisa com fingida distração, faz o seu famoso silêncio preparatório e dispara:

– Você sabe que tem essa crisezinha aí… … tá ruim pra todo mundo… o trem tá feio, companheiro…

O coitado concorda com a cabeça e acrescenta mentalmente: “bem feito, quem mandou não escutar o Chaves e o Kim Jong II”. O outro continua, girando a cadeira para lá e para cá.

– Vou ser franco… Eu pessoalmente não concordo, mas é coisa do patrão, tá tudo aqui, ó. – A cascavel chacoalha os papéis. – Coisa de chefe, entende? Uma reduçãozinha de despesas.

O escorpião deixa o suspense no ar e o Coitado suspende a respiração.

– Vou ser bem direto. É o seguinte… – prossegue a besta do apocalipse – …neste fim de ano a firma não vai bancar a confraternização… eu achei isso uma tremenda sacanagem e estou propondo que a gente faça uma vaquinha…

O mente do Coitado paralisa, seus olhos esbugalham.

– Calma, rapaz, não precisa se assustar… já fiz até as contas… tá tudo aqui… se você concordar é trintão por cabeça para cerveja, refrigerante, churrasco, salada, uma linguicinha. Vamos fazer lá em casa mesmo, assim a gente fica mais à vontade. Só não me vá entrar de cueca na piscina, olhe lá, hem…

A mão trêmula do Coitado estende as notas amassadas, assina ao lado do seu nome na lista e vai saindo lentamente, mas sua vontade é correr, ir direto ao refúgio do carro com 56 prestações em aberto e voar até a segurança do apartamento financiado em 20 anos. Abre a porta e já está acelerando quando ouve a vozinha vindo do interior da salinha.

– Ah… só mais uma coisinha…

Sua espinha congela, o celular do outro toca o hino do Atlético.

– Avisa a macacada pra ninguém sair sem acertar comigo, que eu ainda tenho que encomendar a carne!

ATIRAR EM MEU PRIMO VLADE – por jairo pereira / quedas do iguaçu.pr

 

Não. Não posso fazer isso, pensei. Não posso, atirar em meu primo Vlade, de jeito algum.Os maus pensamentos que me tomavam naqueles minutos foram pouco a pouco evanescendo em nada e voltei ao normal. Ainda trazia às mãos a arma carregada. Meu primo egresso de certa Casa de Orates recém tinha fugido e perambulou pela BR 277, adentrou bares sujos, capões de mato, como um perseguido da polícia, um cão, um lobo feroz, um monstro evadido das profundas da Terra, até chegar em nossa casa. A mãe (minha mulher a anja) atendeu o tranhinho, como mãe, amiga do ser reverbelíneo. Acelerou acelerado o desgringonado do bem. Louqueou, sofregou na dor e na compulsão ao desconhecido. Atirar em meu primo, eu não, não… não posso fazer isso. Mas cheguei a pensar no retorno do vingadorzinho não se sabe do que, iria ele se vingar, meu primo não veio me visitar nas casas de insanos, nas criptas do reencontro do ser com o ser remixado, transmixado, acelerado que se venceu, transvenceu em mente/corpo. Poderia haver pensado isso o meu primo Vlade, e fiquei de campana ao seu retorno. Poderia pensar o tranhinho, agora vou lá, escapei das amarras, das sessões de choque, dos empurrões, do gesto brusco do são para o insano e vou me vingar matando meu primo esse poeta de merda, abduzido, poeta iludido e doido e anjo vingador dos poetas recusados. Pra mim é fácil, pensar pensou o tranhinho e vinha olhos arregalados passos longos pra encurtar distância de lá pra cá da fronteira do sul para o sul do sul onde lido com meus cavalinhos de pouca venda e muito comer. Tinha pressa o meu primo Vlade… pressa em resolver tudo. Ele sabe onde me encontrar. Sabe. No trabalho sabe, no Nosso Bar, do Altomir Kurek, sabe, na beira do rio Iguaçu, sabe, no mato, sabe, nas estradas sabe, na fazenda sabe. Meu primo retornado pra se vingar do que nunca lhe fiz transfiz refiz deliberei não resolvi atendi o tranhinho bom mas acelerado nos princípios meios e fins base de lítio na pegada diária que nunca termina como é de terminar sarar acalmar desacelerar o bólido atentadinho. Meu primo vindo obssessivamente pra se vingar de mim o poeta que não deu certo o poeta iludido que tanto tentou não conseguiu ganhar a mídia e notoriedade no seu tempo transtempo finistempo destempos. O poeta arrogante megalômano que sempre quis ser mais do que realmente é projetou ousou realizou. Meu primo vindo de arma em punho tenso determinado a findar a vida de seu primo o poeta amargurado o poeta de não ser não conseguir resolver os problemas sérios do mundo o poeta participante o poeta sem-terras daquela vez transvez revez o poeta atentado que acredita piamente em seres extraterrestres e que já foi abduzido o poeta messiânico que foi um dia salvador dos mundos o poeta contraditório nos ditos o poeta construtor de estéticas e filosofias que não grassaram entre os ímpios. Meu primo assassino de primo vindo com uma ideia de só matar seu primo poeta liquidar a besta das palavras não assimiladas pelos puros não entendidas pelos gramáticos não amada pelos simples não estudada pelos estudiosos o poeta da vida nova da palavra o poeta da esteira lúmina da poesia crispado de cipós-açus e veios vias vasos meios de conhecer outros mundos no cimo das árvores. O poeta que transitou nas redes sociais, amou, sonhou, iludiu e desnorteou tanta gente. O poeta que se fastou dos amigos, dos parentes, das belas mulheres que amou e se desvencilhou da aventura de viver presente, visível no seu mundo que não é o seu mundo terreno. O poeta que partiu pra outas esferas, orbes, conquistas de espaços e conteúdos, línguas, linguagens e pensamentos. Meu primo enlevado em Deus onipotente sempiterno portando armas de grosso calibre e vindo pra matar liquidar matar transferir o importuno poeta de sua vida… vida fodida vida enganadora e tranceira. Vencida a dor da vertigem a dor da descoberta da estranha doideira de meu primo soltei a arma sobre a penteadeira do quarto e espiei pela janela a mãe tratando em fala o primo reverbelíneo transurtadino ambos de pé próximo à garagem do carro, o primo recém-vindo olhos parados andar nas nuvens flutuante primo do planeta Terra egresso agora de outras esferas patrocínios chancelas. Cósmico meu primo, o acompanhei desde quando apertou a campainha pela primeira vez. Como disse: estava de campana, já o esperando. Palavra de mãe, palavra de provecção gestão dos símbolos organização dos curtos circuitos a mãe pondo o primo assassino de poeta nos trilhos o primo obsecado com a ideia de morte do primo primo poeta e salvador da vida poética recusada da Terra das Galáxias do Cosmos e mais se fosse possível. Deixa o primo viver. Deixa o primo padecer. Deixa o primo ir levando a vida nesses universos vida-morte que a poesia o leva. Atirar em meu primo Vlade, precipitar a reação à ação do mesmo, não posso não poderei… desde criancinha dos Campos do Senhor do Sul é que o acompanhei na sua vida de mãe pra vó e vó pro mundo e do mundo pra mulher e filhos e divórcio e separação e dor e incompreensão e revisão da vida que ficou pra trás repete-se transtorna o dia e sacrifica o futuro. Meu primo assassino de primo poeta assassino de poesia assassino de palavra assassino de lesma desenhando em tijolos assassino de sóis noturnos e luas do dia meu primo encafifado de ódio meu primo relimpando a Terra em suas vinganças em primeiro é o primo poeta e filósofo protonathural que deve ir em primeiro é o poeta que deve adentrar a noite grande em primeiro é a vida latente do que mexe com as palavras mexe dorme acorda trabalha encanta e tiraniza a vida dos sons e dos significados… o poeta o ser repulsivo o ser escroto da esfera o poeta o sobrado do charco o recusado da matéria e da glória da vida. O poeta que quer revolucionar subverter transverter criar problemas de entendimento. Meu primo Vlade vindo fazer a limpeza a faxina da Terra e primeiro sim… começar com seu primo o imundo o deslocado o agressivo o grosso o letargido o monstrengo insensível o transignificado que não pode ser lido aberto em luz desvelado clareado. Seu primo o sacrificado na tela clara do futuro que pouco ou tanto lhe diz. Meu primo de arma em punho arma armas calibres grossos gatilhos acionados até os estampidos ruidosos que põem fim à vida. Meu primo Vlade vindo vingar o desvingado o que não morre suspende-se para o infinito o que persegue monadas em trânsito comunica-se com o desconhecido e falseia verdades de se viver passíveis de serem salvas do mal. Meu primo contra tudo que reside na palavra tudo que mexe com sílabas metáforas semas semantemas versos semioses de ditos e imagens. Meu primo botando fogo em Roma fogo nos livros fogo nas imagens não nascidas fogo na usina produtora dos signos. Assim foi que imaginei me armei e me defendi disparando vários projéteis contra meu primo Vlade atirando e não acertanto atirando pra defender a mãe de um ataque repentino atirando pra se proteger atirando pra livrar a vida da palavra a vida da poesia da vida da carne da vida da vida transnacida da vida repartida que não encontra guarida nessa vida. Adeus, meu primo Vlade. Foi. Fui. Tamo indo. Já fomos!

 

 

 

 

(Um conto de jAiRo pEreIrA,

do livro inédito OWERLUX)

 

Os apuros de Kevin – por omar de le roca / são paulo/sp

 

O dia amanhecera daquele jeito que só quem mora em São Paulo sabe. Nem quente e nem frio. Se colocasse agasalho, Kevin sentiria calor. Se tirasse sentiria frio. Optou por sentir calor e abrandar o passo. Estava preocupado pois  hoje era sexta feira. Tinha visitas para fazer no Tatuapé. Mas não eram as visitas que o preocupavam. Havia combinado com Omar e Sergio aquela famosa cervejinha no final do dia. Pegou o metro no Jabaquara até o escritório. Tentou ler mas não conseguiu se concentrar no livro. Seus amigos o haviam intimado. Hoje era o dia dele contar uma estória . “ Tenho vontade de contar tudo,mas tudo é muita coisa.Mas se não contar tudo como poderão entender o contexto ? “ Ficava se questionando sobre qual a melhor abordagem,que palavras iria usar,até onde poderia ir sem perder a amizade que tanto prezava ? “ Bom , posso contar sobre a violência sexual sofrida quando criança.Mas será que não iriam ter suas próprias idéias e desvirtuar tudo ? Será que a própria menção da agressão sofrida não iria desencadear uma série de dúvidas  ou pena que não preciso? Não, isso é coisa de minha cabeça. Nos damos muito bem e com certeza não os iria perder.” Passou mais uma estação e o metro estava superlotado. Por sorte havia conseguido se sentar. Pegou novamente o livro mas O Silmarillion de Tolkien estava recheado  por demais com personagens que iam mudando de nome durante a estória e precisava de muita atenção para acompanhar. “ Não , isso não posso contar.” Lembrando-se de quando entrou na empresa há seis anos atrás e havia um rapaz que o interessara. Ele até evitava de falar com ele de medo que percebesse o seu interesse. Na primeira vez que conversaram, o coração dele começou a bater com força e ele teve dificuldade de conversar. O condutor do metro avisava para não segurar as portas. Abaixou a cabeça embaraçado ao lembrar daquele dia em que se encontraram por acaso na hora do almoço. Omar e Sergio tinham saído para ir ao banco e Kevin havia atrasado devido a um problema no seu computador. Ele tinha acabado de se sentar quando o rapaz o viu e veio com abandeja em sua direção. “ E ai cara ? Tudo bem. “ “ Tudo na paz.” Costumava responder Belê mas ficou com vergonha. O rapaz sentou-se em frente dele.Era uma mesa apenas para dois naquele restaurante por quilo ao qual iam de vez em quando. Hoje tinha salmão que por coincidência os dois gostavam. Kevin estava meio sem jeito e precisava se esforçar para sentir o sabor do peixe.O rapaz falou bastante sobre si próprio e sorria com freqüência. Em determinado ponto,o rapaz ainda rindo, tocou o braço de Kevin. O garfo caiu no prato, ele teve um pequeno tremor e tossiu para disfarçar. Sem querer que ninguém percebesse  a  pequena mancha que is se espalhando por sua calça. Por sorte estava de paletó e conseguiu ir ao banheiro sem chamar atenção.    ” Não cara, você esta louco ? Não poderá contar isso a ninguém . “ Então pensou em contar sobre a adolescência. Os anos de sofrimento, entre querer contato masculino e a vergonha de querer. O sexo sempre fora estigmatizado na família dele. Tudo relacionado a ele era doentio e sujo.Tudo era errado. E ele foi crescendo entre o freio e a espora. Ser veado, que era como se dizia na época, era a vergonha das vergonhas. Eram pessoas que ficavam sempre a margem. Lógico que havia os exageros, os exibicionismos. Moravam perto da Record e um ramo da família tinha contato com algum artista. Que se comprazia em dizer quem era e quem não era. E ele não sabia o que. Nada era conversado nada era esclarecido. Na família era assunto tabu e pelo que ele já vivenciara, sabia que nunca poderia abordar suas dúvidas. “ Pô cara, primeiro eles nem vão ouvir. E depois o que iriam falar ? e pensar ? “ Desceu em sua estação e seguiu para o escritório. “ Poderia falar de quando comecei a ter ereções nos lugares mais incômodos e ficava aterrorizado que alguém visse. E que recorri aos livros para aprender alguma coisa e abrandar meus conflitos.E quando aprendi com amigos de classe o que era masturbação e a experimentei, cheio de culpa no banheiro de casa.  Mas acho que não iriam se interessar. Ou quando descobri aquele livrinho que falava sobre a vida sexual da Belinha, escondido de meu pai. Ou quando, cedendo ao desejo, comecei a usar objetos. Puta merda cara ! Não tem mais nada que você possa pensar?” Depois de abrir seus e-mails, pegou os endereços que precisava e saiu para as visitas. O sol não havia saído,mas não estava frio. Pegou o metro, folheou a revista que pegara emprestada e falava sobre combinações de alimentos. Chegou ao Tatuapé e fez as visitas. Gostava de conversar com o gerente de uma das agências, que lhe lembrava daquele rapaz. Mas ele havia saído para tomar café e ele não conseguiu motivo para prolongar a conversa. Voltando a rua, passou por um sebo e procurou entre os livros em inglês. Acho um de Anais Nin e abrindo ao acaso achou a passagem que ela dava um tratamento manual ao outro personagem. Lembrou-se do trecho de  Quarenta tons de cinza . E saiu rápido da livraria com culpa de imaginar-se na posição dos personagens. Fez mais uma visita, e depois outra. Sem problemas. Seguiu para o shopping pensando que alguma coisa poderia acontecer no banheiro de lá. “ Acho que não interesso a mais ninguém.” Pensava quando cruzava com alguém e espichava o olho. “ Poderia falar do tormento de querer e não poder por vergonha ou por ser considerado errado. De sonhar acordado sem poder concretizar o sonho,por medo de ofender aos outros , com vergonha de não ser normal. Repetiu para si mesmo a mesma frase que dizia a uma amiga “ Não nascemos para ser normais.” E lembrou-se que ela questionara na época sobre o que é ser normal ? Pelo caminho ia pensando no almoço. Queira uma massa.A menos que tivesse Pizza Hut. Havia e ele pediu. Passou pelo banheiro para escovar os dentes mas estava vazio. “ Os bons peixes já foram fisgados”. Era um pensamento recorrente. Mas procurava manter o otimismo.Vou continuar tentando.Com certeza acharei alguém. “ Só gostaria de ter contato com alguém que fosse decente.Não precisava ser nenhum monumento.” Mas é claro que queria sim,um corpo bem desenhado. Mas alguém que não fosse vazio. E pensava nas inúmeras pessoas com quem havia cruzado durante a vida e que,apesar de terem uma aparência interessante, ao abrirem a boca, estavam automaticamente desclassificadas de seu interesse. Dependendo da época, até procurava puxar conversa com alguém sabendo que ira desencanar da pessoa na sequência. Voltou ao escritório. Havia alguns e-mails ainda por responder. Um relatório para atualizar. Algumas ligações. Quando olhou no relógio, já estava na hora de sair. As sextas saiam meia hora mais cedo. Omar lhe mostrou o pulso com o dedo, como se dissesse ‘ É hoje’. Sergio foi ao banheiro. Kevin respirou fundo, arrumou a papelada,desligou o computador. Com a mão mesmo ajeitou o cabelo. Assoou o nariz ali mesmo, com uma toalha de papel que havia trazido do banheiro do shopping, quando o faxineiro não estava olhando. Pegou sua valise, acenou para a loira da contabilidade, que lhe mandou um beijo. Sentou-se na poltrona giratória do hall dos elevadores para esperar seus amigos. Eles não demoraram. Mas demorou o elevador, que descia sempre cheio. Enfim acharam lugar. O sol estava se pondo. O céu estava imenso a seus olhos.Foram caminhando para o bar na prainha ( que de praia não tinha nada, era tipo um calçadão a que davam este nome para ficar mais atraente).Pediram uma mesa abrigada, que nunca se sabe quando pode chover. Sentaram-se e começaram a conversar.Então  Kevin, criando coragem, limpou a garganta e começou com Era uma vez…

Era um amanhecer daqueles, em que o céu acabara de se separar do mar e tingia-se das cores mais suaves de uma aquarela. Daquelas manhãs que o tempo parecia um tempo entre os tempos e que os sonhos  sonhavam com sonhadores de olhos abertos. Eu havia passado a noite observando as estrelas cadentes que sempre apareciam naquela praia deserta. Não havia a sensação nem de frio e nem de calor, a brisa soprava tranqüila e meus sentidos estavam aguçados. Pisquei os olhos para ter certeza do que estava vendo. Era um barco?      Sim , mas mal se destacava entre as ondas.Observando melhor ele se aproximava rápido como se deslizasse sobre elas firme e inabalável. Era de madrepérola e as velas, mostravam cores que eu não conhecia, mas sempre suaves. Pássaros marinhos faziam o cortejo, e os golfinhos saltavam ao redor. A praia era como uma meia lua de areia cercada por penhascos altos e o acesso era difícil. O barco agora diminuia a velocidade aos poucos e foi chegando na areia enquanto os pássaros se afastavam brincando com os golfinhos.Uma figura se destacava na proa. Ela tinha olhos verdes que brilhavam com as estrelas de Órion e cabelos pretos e curtos e vestia um longo vestido lilás que tremeluzia como se milhares de pequenos  pontos  acendessem e apagassem  captando os primeiros raios de sol.O barco parou e uma passarela foi descida, com cuidado para não ferir as estrelas do mar que levantavam suas cabeças em saudação ,para que ela chegasse na areia sem molhar os pezinhos. Começou a andar em direção a parede rochosa. A cada passo que ela dava, brotavam de suas pegadas  pocinhas de água  onde minúsculos peixinhos cor de cobre polido brincavam e pulavam de uma pegada a outra seguindo-a. Continuou na direção do penhasco. Quando estava a poucos passos, a rocha se transformou em uma parede de cristal liso e transparente e uma pequena porta abriu-se para o interior luminoso. Um pequenino pássaro cinzento sobrevoou e ela estendeu a mão para que ele pousasse nela. Atravessou o portal cristalino e saiu do outro lado que eu ainda desconhecia. O pássaro cinzento havia se transformado num beija flor branco com rabo longo que mostrava todas as cores do topázio. Havia mais um trecho de areia e logo mais a frente uma ponte de pedra, mais antiga que o tempo, levava ao outro lado também de areia. Quando  ela atravessou a ponte e pisou no chão, a areia ia se transformando num gramado verdejante com florzinhas azuis e as rochas no fundo em árvores muito verdes com frutos dourados e prateados. No meio da clareira mágica, ela fez um lento rodopio . Então, de seu vestido ( que era verde azulado ,ou azul esverdeado ou turquesa, ainda não sei ) voejaram milhares de borboletas lilases que pararam por um segundo ao redor dela, brilhando intensamente  e que seguiram como uma nuvem de lavanda para as árvores próximas . Ela fez  uma pequena mesura, e traçou  um sinal secreto no ar ao qual um pégaso fantástico, com asas de  penas muito brancas  atendeu, permitiu que ela subisse nele e partiram para onde o céu encontra o mar,onde o fogo encontra o ar e a água encontra a terra. E eu fiquei ali. Sem ter certeza do que se passara. Sem saber do tempo que era. Olhei para trás e só vi minhas pegadas que o vento forte ia apagando na areia.

Kevin ficou encabulado com os aplausos das mesas próximas.Não havia percebido que chamara tanto a atenção.Omar e Sergio levantaram-se para abraça-lo. Curvou-se meio de brincadeira para agradecer o carinha enquanto sua mão subia ao rosto para espantar uma lágrima.

 

 

Lembranças de Loup de Mer – conto – de daisy carvalho / rio de janeiro.rj


Aproxime-se, mon ami. Estou muito velho.

Aqui é um porão – como vês -, onde vivi feliz com minha família por um bom tempo. Nunca foi muito arejado e nem farto de comida, contudo, o que mais importava era que nada pagávamos.

Possuo muitos livros. Revistas antigas, jornais velhos e amarelados. Não sou um colecionador. Adquiri tal hábito para ajudar nas noites de frio. Todavia, meus livros não! Estes eu guardei como pude, embora, ao longo do tempo, as crianças tenham danificado alguns. Assim, é com tristeza que observo a uns sem capa; e outros, até faltando preciosas páginas.

Este aqui eu guardo com carinho e dor. É um clássico da literatura mundial. Chama-se Fome. O dono é um americano chamado Knut Hamsun. Este eu li várias vezes – Oh! Pardonnez-moi! –  Perdoe-me!… Eu jamais soube ler, confesso. Minha sabedoria consistiu em observar e ouvir as pessoas falarem sobre literatura. Minha senhoria é a professora Cécile Legrand. E, graças à sua intelectualidade, muito aprendi.

Sempre gostei de Fome porque eu me comparava ao homem da estória. Sentia sua agonia; sua fome era maior do que a carne. Aliás, a verdadeira necessidade dele era de ser reconhecido como escritor. A parte em que ele come cascas de laranjas do lixo era onde eu sempre chorava.

Sei o que a fome pode causar. Antes de trazer minha família para cá, eu mendigava pelos portos desta América. Gosto deste lugar em que vivi até hoje. É um país pequeno, mas justo. Eu nunca mais voltei à minha Europe.

Eis meu livro preferido: a Bible Sacré. Dela, tirei inspiração para orientar meus filhos, minha esposa, e muitos membros da família. Eles me respeitavam como a um sábio. Não obstante, minha “sabedoria” não salvou suas vidas.

Apesar de nos acolher, a senhoria não era nossa amiga. Não obstante, em sua infinita generosidade, ela convivia bem com a nossa presença, ainda que nos ignorasse. Esta senhora possui a frieza de uma inglesa, apesar de ser francesa.

Todas às quartas-feiras, ao entardecer, e nos domingos pela manhã, algumas pessoas se reuniam lá em cima para estudar a Bible.  Armand, meu primogênito, dizia sempre que tal livro era racista, pois nem lá nosso povo fora mencionado. Eu tentava explicar que as lições que tirávamos dela eram espirituais, mas meu Armand tornou-se ateu, o que muito me entristecia. Touxsanglante! Maldita tosse…

Criei meus filhos dando-lhes liberdade, porém o primogênito era diferente de todos. Provavelmente – embora eu abominasse acusações – meus quatro filhos estariam vivos hoje, não fosse aquela infeliz ideia de meu rebento.

Éramos seis. Pardom, eu sou Loup de Mer, ou Lobo do Mar – epíteto adquirido por tantas viagens náuticas ao redor do mundo, antes de conhecer minha Celine. A doce e dedicada esposa era como poucas mulheres. Esbelta e feliz transitava pelos aposentos com graça e leveza, compensando nossa miséria com fartura de amor.

Armand era um rapaz de opinião forte e mordaz. Já Andrew, o segundo a nascer, sempre fora calado, e prestava atenção em tudo que se dizia. Provavelmente seria o próximo contador de estórias (era aficionado no Holocausto). E, finalmente, as gêmeas Nicole e Noelle, meninas meigas e educadas, contudo, eu sempre soube, pelo brilho de seus olhos, que queriam, assim como eu, viajar pelo mundo.

De tudo que perdi, sinto mais falta das conversas sobre as guerras. Há gerações, nossos patriarcas são contadores de estórias sobre grandes batalhas; desde os combates navais, milênios a.C., até aos dias atuais. As lutas que acabaram com a Idade Antiga, fazendo Roma cair, no ano de 476 d.C., era a que meu pai gostava de contar. Meu avô, mais informado, narrava a guerra liderada por um monarca chamado Suppiluliuma II, que era o rei do Império Hitita, povo indo-europeu, que hoje é a Turquie.

Meu tio e eu discutíamos sobre as cavalarias de Alexandre, o Grande; e de como ele abocanhara o Império Persa. Empolgávamo-nos com as armas. O arco e flecha, e as poliarmas como as lanças, foices e pilos – uma lança composta de uma parte de ferro mais pontiaguda, e outra ponta de madeira, maior e mais pesada. Porém eu preferia as armas de corpo a corpo, como espadas, lanças, porretes, machados e facas. Ah, as catapultas!… (Dieu! Tirai-me esta tosse!). Enfim, esta era a tradição da família.

Entretanto, eu resolvera falar de uma guerra que ainda não havia acontecido. Por um lado, eles ficavam encantados; não obstante, eu sabia ser um risco, podendo quebrar a tradição da família. Todavia, eu e a Senhorita Legrand acreditávamos que ela aconteceria.

Eu, Loup de Mer, só falava do Armagedom!

Lembro-me bem da última vez em que os reuni, a minha adorada famille, para, mais uma vez, contar-lhes a estória desta verdadeira Conspiração que eu chamava de Dieu de la Guerre! – A Guerra de Deus.

Os meninos ouviam fascinados. Ante a cética expressão de Armand, Celine argumentava que eu poderia ser um profeta. Ele, que ouvia de má vontade, relutava em seu íntimo. No entanto, esforçava-se em respeitar o antigo hábito de nossos antepassados. Guerra era guerra, ele dava de ombros.

O Armagedom, eu falava animado, seria a mais magnífica de todas as guerras. E tudo começara há muito, muito tempo atrás…

Lúcifer fora uma poderosa criatura do Grande Céu, um planeta de excelência onde Dieu, anciãos, maravilhosos animais falantes e seus anjos fiéis, viviam em perfeita harmonia.

Após discordar do Soberano Ser, e invejá-lo, achando mesmo que poderia ser tão poderoso quanto ele, Lúcifer foi expulso daquele habitat divinal. Dieu, onisciente, sabendo da conspiração contra seu Reino, criou um Arcanjo (anjo de guerra) chamado Miguel, especialmente para expulsar os anjos da conjuração.

Um terço de tais criaturas aliara-se ao terrível Démon. Um terço era um número incalculável, dizia a Senhorita Legrand. Chamava de miríade de anjos. Eles reuniam-se em um planeta um tanto afastado daquele de Dieu, lá pelas bandas no Norte, dizia a Bible.

Lúcifer era maestro. Fora criado com todo amor de Dieu para fazer música no Grande Céu. Quando andava, tilintavam notas e mais notas em seu ser. Afirmava a senhoria, que ele era capaz de humilhar qualquer Beethoven ou Charles Gounod; este último um artista que compunha óperas e músicas religiosas.

Então, o arcanjo Miguel chegou a tal planeta conspiratório, provocando grande alarido com suas asas. (Aqui eu parava para explicar que asas poderiam ser alegoria, pois eu penso que eles se locomovem em naves espaciais que são os chamados ovnis; até porque o velho profeta Ezequiel vira discos reluzentes no céu, há milhares de anos, referindo-se a anjos).

O traidor Lúcifer, alarmado e surpreso, perguntou a Miguel quem era ele, pois jamais o vira antes. Este novo arcanjo respondeu com a tradução de seu nome, numa intimidadora voz de trovão: “Meu nome é: “Quem Quer Ser Semelhante a Dieu?!

Armand apenas sorria, enquanto seus irmãos estremeciam. Eu continuava, escolhendo bem as palavras, reproduzindo-as com deferência e fidelidade.

Esta miríade de anjos caídos é assim denominada porque, de fato, fora habitar em um planeta inóspito e escuro, muito abaixo do Grande Céu. Ficaram submersos em águas amargas, e um grande Espírito pairava sobre eles como um divino carcereiro; enquanto o próprio Dieu realizava o seu sonho – a criação do ser humano! (eau potable, preciso de água).

Minha mulher se agitava porque, conhecendo o final da estória, sabia que corríamos risco de vida, afinal, esta não era nossa crença e jamais poderíamos ser aceitos como devotos deste Ser.

Pois bem – eu continuava – o Armagedom é uma grand conspiration politiqueenvolvendo todas as Nações. Este anjo rebelde passou a ser alcunhadoSatanás, que significa “Adversário”. A partir deste novo cognome, dado pessoalmente por Dieu, a guerra fora declarada intergalacticamente. Satanás vive aprisionado em um planeta tenebroso. Perdeu toda formosura depois de tamanha traição. Diz a Bible que sua aparência hoje é medonha, e que um dia os chefes das Nações o humilharão por sua desgraça, perguntando entre si: “Era este o anjo com timbales, formoso e belo de Dieu?”  – Habitando em uma espécie de caverna, ele comanda os ex-anjos, agora conhecidos por demônios, e estes são os tais que ainda conspiram contra a paz universal. Contra o poderoso Dieu! E enganam o mundo, convencendo-o de que Este não existe.

Neste ponto, Armand sempre perguntava por que tale Dieu simplesmente não destruiu este merd tão sórdido e nocivo à raça humana e à natureza. Eu, mais do que depressa, rebuscava as respostas da Senhorita Legrand:

‘’Porque este Ser Criador e Gerador de todas as energias não se contrapõe a nenhuma criatura Sua, pois Ele é único. E, sabedor de todas as coisas, declarou que Satanás poderia pintar e bordar, mas que no fim, a vitória seria d’Ele! Porquanto um de seus nomes era O Senhor dos Exércitos! E jamais perdeu uma batalha sequer! Graver Satan! Queime!’’

Pairando o Anjo Maligno na Terra nestes últimos tempos, uma nova era se avizinha. Dentre tantos sinais da vinda de seu Governo, o que mais me apavora é que os homens terão que usar um chip na testa ou na mão. Este acessório altamente tecnológico será a Marque de la Bête, ou, a Marca da Besta. Sem tal chip, não se comprará e nem se venderá coisa alguma. É um chip de identificação. E os que forem contra a nova ordem estabelecida, estarão perdidos e condenados à morte por este que será o Grande Chefe das Nações. Deves saber que tais chips já estão sendo experimentados no Japão e na América, pois não, mon cher?

Este maligno homem, de espantoso poder, fará pactos políticos e econômicos com o Estado de Israel por sete anos. Entretanto, na metade deste tempo, ele se mostrará um traidor e assentar-se-á no trono de Salomon.

Israel, obviamente, declarará guerra ao Anticristo. Todavia, ele estará com a maioria das Nações sob seu controle, fazendo com que o mundo se declare inimigo daquele Estado. E as Nações o obedecerão porque, de fato, falaz e patranheiro, o enganador trará prosperidade e riqueza a todos! (Aguarde… preciso respirar…).

Nicole e Noelle gostavam muito desta parte derradeira, pois, assim como sua mãe, ansiavam pelos finais das guerras. E todas, sempre, tinham que ter fim.

A Senhorita Legrand parecia entrar em êxtase nesta hora – e até pronunciava línguas desconhecidas por mim – quando afirmava que o povo judeu clamaria! Finalmente chamaria por seu Dieu, um Ser tão desprezado e desacreditado por tanto tempo!

Eu ficava a imaginar esta guerra que reunirá tantas Nações… contra um único Estado. Só um poder sobrenatural para livrá-los.

Armagedom, que significa Montanha de Megido, é o nome de um campo de batalha, onde as Nações do Anticristo serão confrontadas por este Ser Guerreiro que virá em socorro de inexequível guerra. Jamais se terá notícia de confronto tão espetacular! Segundo a Bible, o próprio Dieu derrotará e julgará todas as Nações. As condenadas não serão dizimadas, mas lançadas fora, em lugar de desterro. (F-frio…)

Não cheguei a terminar a estória, pois ainda teríamos mais umas quartas-feiras para os estudos do Apocalypse; mas creio que entendera o suficiente.

E este foi o último dia em que vi meus filhos, já que Armand, verdadeiramente iracundo, entrou em um navio com seus irmãos, em busca das terras de Israel. Ele precisava conhecer esta estória de perto, disse à mãe, na minha ausência.  Entretanto, desconfio que meu filho queria mesmo era sair pelo mundo. E que sempre seria athée, meu adorável ateu.

Duas semanas depois, soubemos que foram massacrados por marinheiros como eu, dos quais me envergonho. Eu, Loup de Mer, traído por navais! Foi uma punhalada cruel nas minhas costas. Todos os meus filhos mortos de uma só vez era difícil de suportar. Minha esposa morreu de desgosto dias após a funesta notícia.

E eu me pergunto por que o racismo do homem alcançava proporções tão monstruosas. Por que, tendo um Dieu tão grandioso, eles ainda guerreavam entre si? Estaria Armand tão errado em não acreditar em nada?!… (pardom, a tosse).

Hoje, percebo que sempre falamos das guerras para buscar entender este explícito ódio do homem para com seus semelhantes.

Pensei em me despedir da Senhorita Legrand. Mas, decerto, ela nem perceberá a minha ausência. Eu estou de partida. Não para o mar, uma nova viagem. Pas, não!

Apenas encontro-me velho demais. Cansado ao extremo. Cego, já não enxergo meus livros. Eu morrerei, talvez, ainda esta noite. Como vês, tremo de frio sobre os jornais amarelados. Nada tenho para comer. Ainda assim, agradeço vossa atenção, mon ami.

Minha raça está em extinção. Hoje em dia, quase não se tem notícias de nós, Ratos, viajando em navios, ou vivendo decentemente, sem termos que passar fome e humilhação.

Só lamento não ter tido tempo para entender um pouco mais o vosso Dieu

Eternamente Yolanda – por otaciel de oliveira melo / fortaleza.ce


Os dois se encontraram num desses lugares barulhentos, uma mistura de bar, restaurante e lanchonete com comidas e bebidas para todos os gostos e bolsos. Num desses lugares com vários televisores ligados em canais diferentes e música ao vivo ao mesmo tempo. Não era possível ouvir o que o outro dizia, ainda que os dois estivessem sentados numa pequena mesa encostada a uma parede e seus rostos se encontrassem a menos de 30 cm de distância. O barulho era ensurdecedor, mas eles não precisavam falar absolutamente nada para descreverem o que estavam sentindo um pelo outro naquele pedaçinho de inferno: seus olhares os traiam.

Num ”palco” mal iluminado, dois jovens imitavam uma dessas duplas sertanejas que tanto irritam nossos ouvidos com letras de músicas que rimam amor com dor, tristeza com frieza, transar com amar, saudade com felicidade e paixão com solidão. Era preciso apurar bastante os sentidos para perceber que naquele momento eles estavam tentando cantar algo que no burburinho de tantas vozes podia ser percebido como “é o horror, que mexe com minha cabeça e me deixa doidinho, que faz eu pensar que você é um grande monstrinho, que faz eu esquecer
que a vida é feita pra morrer”.  Em suma, aquele era um ótimo lugar para alguém pensar em suicídio pela primeira vez na vida.

Mas foi amor à primeira vista e logo Carlos e Do Carmo estavam apaixonadíssimos um pelo outro e continuaram a curtir intensamente as noites recifenses. Mas depois de algumas semanas de namoro, Do Carmo observou que o Carlos tinha sempre preferência por barzinhos vagabundos, semelhantes ao primeiro onde se encontraram, embora tivesse um poder aquisitivo de um funcionário concursado de um grande banco estatal, o que lhe permitia frequentar ambientes mais sofisticados e tomar de vez em quando um bom uísque ou uma cerveja importada. Do Carmo era dentista e, como colaborava com as despesas, inclusive com as dos encontros eventuais em motéis, passou a conduzir o namorado a barzinhos mais limpos e saudáveis. O Carlos gostou da orientação da namorada, mas impôs uma condição: “nós nunca iremos a barzinhos e restaurantes com música ao vivo; eles são muito barulhentos, cobram couverts artísticos muito caros e as músicas são quase sempre as mesmas.

Do Carmo, que também se chamava Yolanda, estranhou a exigência do namorado, mas logo esqueceu o local barulhento e com música ao vivo do primeiro encontro. E o namoro prosseguiu às mil maravilhas.

No contato com os amigos, o casal era pródigo em frases e lugares comuns para descrever o que sentia um pelo outro, tais como “eu e a Do Carmo somos a corda e a caneca; sem ela eu não sei como estaria minha vida; estou arriado os quatro pneus.” Já Do Carmo se inspirava nas novelas da Globo para expressar seus sentimentos:   “Carlos é minha alma gêmea; o amor é lindo; nascemos um para o outro; nosso amor é para sempre”.

O relacionamento foi se intensificando até que um dia Carlos aceitou o convite para conhecer os pais da Do Carmo. E no domingo escolhido, sogro, sogra, irmã caçula e amigos da família  da Yolanda estavam  reunidos e receberam o casal com um churrasco à beira de uma piscina de um condomínio de luxo situado em Boa Viagem, zona sul do Recife. Durante o churrasco, a sogra do Carlos, a Ivone, que era psicóloga, estranhou o fato do namorado da filha nunca tratá-la por Yolanda Maria do Carmo Rebouças (seu nome completo), ou pelo menos por Yolanda, mas sempre por Do Carmo.  Observou também o desespero do Carlos ao tentar, mas sem sucesso, lembrar o primeiro nome da filha. E concluiu como uma profissional experiente: “tem alguma coisa errada com a cabeça desse meu futuro genro”.

Durante a semana Ivone ligou para a filha e comentou o fato. Perguntou a Yolanda sobre o comportamento do namorado e ela disse que o Carlos era bacana, sempre muito educado, nunca tinha brochado (se era isso que a mãe queria saber), e que os dois estavam pensando em casamento. Mas reconheceu que ele nunca a havia tratada pelo seu primeiro nome.

Então Ivone sugeriu à filha que levasse Carlos a um psicólogo para descobrir o porquê desse lapso recorrente de memória.

Ato contínuo, Yolanda ligou para Carlos e perguntou:

– Alô, Carlos?

– Sim, é ele.

– Meu amor, você já decorou o meu nome por inteiro?

Do outro lado da linha, silêncio absoluto.

– Carlos, você está me ouvindo?

-Sim, estou Do Carmo.

– Então diga como é o meu primeiro nome.

– Do Carmo, por quê?

– Não, meu querido. Meu primeiro nome não é Do Carmo, mas sim Yolanda. Repita: Yolanda.

Silêncio absoluto. E a dentista complementou:

– Precisamos conversar urgentemente.

À noite daquela quarta-feira os dois se encontraram num barzinho em Piedade onde uma dose de uísque Red Lable custava R$ 20,00 (este era o preço a pagar pelo som do silêncio) e a Yolanda, ou melhor, Do Carmo, abriu o jogo: “meu tesão, você tem um parafuso frouxo na cabeça e precisamos arrochá-lo antes de nos  casarmos. Que diabo acontece com você que não consegue pronunciar o meu primeiro nome? Eu já marquei com uma amiga da minha mãe, que é também psicóloga, uma consulta para a próxima segunda-feira. Vamos juntos e não me decepcione: responda tudo que a Doutora Irene lhe perguntar”.

O consultório da Dra. Irene era um luxo. O ar condicionado propiciava uma temperatura tão agradável que fazia lembrar os motéis que o casal frequentava na capital pernambucana, e os dois tiveram vontade de fazer amor ali mesmo, no sofá divã da Psicóloga, e na frente da mesma. Foi com muito sacrifício que se contiveram.

Deitado sozinho naquele sofá cama, longo, estreito e reclinável, Carlos começou a falar de sua vida pregressa. Não tinha sido fácil a sua caminhada rumo ao banco estatal. Já havia trabalhado de garçom, de vendedor de rosas em casas noturnas, de leão de chácara, de gerente de inferninhos e foi com muito sacrifício que havia terminado um Curso de Direito da FGV Online e milagrosamente tinha passado no teste da OAB. Mas agora a vida era outra e ele procurava esquecer as coisas ruins do passado.

A Doutora Irene notou que faltava alguma referência a algum tipo de atividade que o Carlos havia detestado.

– Pense em mais alguma coisa – solicitou gentilmente ao paciente.

Mas a primeira consulta acabou sem muito progresso.

Conversando com a namorada durante a semana, Carlos Antônio Figueira de Mello começou a ficar mais leve, mais receptivo a ideia de uma segunda visita a Dra. Irene, porque, como dizia Yolanda, “nos tempos em que nós vivemos todas as pessoas são loucas e de vez em quando elas precisam de um profissional da alma humana para se reequilibrar”. Na realidade o que a Yolanda estava querendo dizer é que ninguém quer ser louco sozinho. Já o Carlos pensava de maneira diferente: para ele loucos eram sempre os outros.

E foi na segunda consulta que Carlos tocou num assunto que, segundo a psicóloga, seu inconsciente reprimia e o fazia esquecer o primeiro nome de sua querida namorada: Carlos já havia tocado violão e cantado em barzinhos.

Então a Dra. Irene perguntou:

– Qual foi a música que você, Carlos, mais tocou e cantou em toda sua vida na qualidade de músico de barzinhos?

Diante desta pergunta o Carlos começou a transpirar como um urso polar em clima tropical e começou a passar mal. Suas mãos tremiam como as de um diabético numa crise de hipoglicemia, sua voz ficou embargada, seus olhos arregalados e sua boca seca. Seu corpo por inteiro tremia como que arrebatado por um espírito maligno. E a Dra. Irene percebeu que estava no caminho certo e insistiu na pergunta.

– Qual foi a música que você, Carlos, mais tocou e cantou em toda sua vida na qualidade de músico de barzinhos?

E Carlos, num esforço sobre-humano e tropeçando nas sílabas, respondeu:  “gigo-lân-dia”.

– Carlos, ninguém conhece essa tal de “gigo-lân-dia”. Vou reformular a pergunta: por que você deixou de se apresentar em barzinhos?

– Porque as pessoas pediam para eu tocar 10 a 15 vezes uma determinada música numa mesma noite. Quando foi um dia eu estava no palco e quando alguém me pediu para cantá-la eu comecei a me tremer feito uma vara verde. Meus dedos não obedeciam ao meu comando e eu não conseguia tirar mais nenhum acorde do violão. Comecei a gritar bem alto e fui levado às pressas para um hospital psiquiátrico onde me aplicaram uma injeção cavalar de gardenal. Para completar, eu perdi o meu emprego e a partir daquele momento eu passei a sofrer um bloqueio sistemático de memória todas às vezes que tento me lembrar do nome da referida música. Como a senhora explica esta situação?

–  Bem, não é difícil compreender o ocorrido. Você adquiriu uma profunda ojeriza a esta música por que a executou centenas, talvez milhares de vezes. O nome da música é Yolanda, por acaso o nome da sua namorada. A música é bonita, é de Chico Buarque de Holanda, mas quando executada ou ouvida por muitas vezes pode levar o executor ou o ouvinte à loucura.  Como músico de barzinho, talvez você tenha tocado mais ‘Yolanda’ do que ‘parabéns pra você’. Portanto, está explicado o seu trauma e esta sua profunda rejeição a esta música. Agora, você precisa voltar a pronunciá-la corretamente de maneira a tratar sua futura mulher pelo seu primeiro nome. Vamos tentar mais uma vez. Diga Yolanda.

– Irgovânia.

– Está melhorando. Mas talvez você precise de mais umas vinte consultas para voltar a pronunciar de alto e bom som YOLANDA.

O DIA A DIA DA INFORMÁTICA – karlos bettega / ilha de santa catarina

Haroldo tirou o papel do bolso, conferiu a anotação e perguntou à balconista:– Moça, vocês têm pendrive?

– Temos, sim. 

– O que é pendrive? Pode me esclarecer? Meu filho me pediu para comprar um. 

– Bom, pendrive é um aparelho em que o senhor salva tudo o que tem no computador. 

– Ah, É como um disquete… 

– Não. No pendrive o senhor pode salvar textos, imagens e filmes. O disquete, que nem existe mais, só salva texto. 

– Ah, tá bom. Vou querer. 

– Quantos gigas? 

– Hein? 

– De quantos gigas o senhor quer o seu pendrive? 

– O que é giga? 

– É o tamanho do pen. 

– Ah, tá. Eu queria um pequeno, que dê para levar no bolso sem fazer muito volume. 

– Todos são pequenos, senhor. O tamanho, aí, é a quantidade de coisas que ele pode arquivar. 

– Ah, tá. E quantos tamanhos têm? 

Dois, quatro, oito, dezesseis gigas… 

– Hmmmm, meu filho não falou quantos gigas queria. 

– Neste caso, o melhor é levar o maior. 

– Sim, eu acho que sim. Quanto custa? 

– Bem, o preço varia conforme o tamanho. A sua entrada é USB? 

– Como? 

– É que para acoplar o pen no computador, tem que ter uma entrada compatível. 

– USB não é a potência do ar condicionado? 

– Não, aquilo é BTU. 

– Ah! É isso mesmo. Confundi as iniciais. Bom, sei lá se a minha entrada é USB. 

– USB é assim ó: com dentinhos que se encaixam nos buraquinhos do computador. O outro tipo é este, o P2, mais tradicional, o senhor só tem que enfiar o pino no buraco redondo. O seu computador é novo ou velho? Se for novo é USB, se for velho é P2. 

– Acho que o meu tem uns dois anos. O anterior ainda era com disquete. Lembra do disquete? Quadradinho, preto, fácil de carregar, quase não tinha peso. O meu primeiro computador funcionava com aqueles disquetes do tipo bolacha, grandões e quadrados. Era bem mais simples, não acha?

– Os de hoje nem têm mais entrada para disquete. Ou é CD ou pendrive. 

– Que coisa! Bem, não sei o que fazer. Acho melhor perguntar ao meu filho. 

– Quem sabe o senhor liga pra ele? 

– Bem que eu gostaria, mas meu celular é novo, tem tanta coisa nele que ainda nem aprendi a discar. 

– Deixa eu ver. Poxa, um Smarthphone! Este é bom mesmo! Tem Bluetooth, woofle, brufle, trifle, banda larga, teclado touchpad, câmera fotográfica, flash, filmadora, radio AM/FM, TV digital, dá pra mandar e receber e-mail, torpedo direcional, micro-ondas e conexão wireless….

 Blu… Blu… Blutufe? E micro-ondas? Dá prá cozinhar com ele? 

– Não senhor. Assim o senhor me faz rir. É que ele funciona no sub-padrão, por isso é muito mais rápido.

– Pra que serve esse tal de blutufe? 

– É para um celular comunicar com outro, sem fio.

– Que maravilha! Essa é uma grande novidade! Mas os celulares já não se comunicam com os outros sem usar fio? 
Nunca precisei fio para ligar para outro celular. Fio em celular, que eu saiba, é apenas para carregar a bateria… 

– Não, já vi que o senhor não entende nada, mesmo. Com o Bluetooth o senhor passa os dados do seu celular para outro, sem usar fio. Lista de telefones, por exemplo. 

– Ah, e antes precisava fio? 

– Não, tinha que trocar o chip. 

– Hein? Ah, sim, o chip. E hoje não precisa mais chip… 

– Precisa, sim, mas o Bluetooth é bem melhor. 

 Legal esse negócio do chip. O meu celular tem chip? 

– Momentinho… Deixa eu ver… Sim, tem chip. 

– E faço o quê, com o chip? 

– Se o senhor quiser trocar de operadora, portabilidade, o senhor sabe. 

– Sei, sim, portabilidade, não é? Claro que sei. Não ia saber uma coisa dessas, tão simples? Imagino, então que para ligar tudo isso, no meu celular, depois de fazer um curso de dois meses, eu só preciso clicar nuns duzentos botões… 

– Nããão! É tudo muito simples, o senhor logo apreende. Quer ligar para o seu filho? Anote aqui o número dele. Isso. Agora é só teclar, um momentinho, e apertar no botão verde… pronto, está chamando. 

Haroldo segura o celular com a ponta dos dedos, temendo ser levado pelos ares, 
para um outro planeta: 
– Oi filhão, é o papai. Sim. Me diz, filho, o seu pen drive é de quantos… Como é mesmo o nome? Ah, obrigado, quantos gigas? Quatro gigas está bom? Ótimo. E tem outra coisa, o que era mesmo? Nossa conexão é USB? É? Que loucura. 
Então tá, filho, papai está comprando o teu pen drive. De noite eu levo para casa.

– Que idade tem seu filho? 

– Vai fazer dez em março. 

– Que gracinha… 

– É isso moça, vou levar um de quatro gigas, com conexão USB. 

– Certo, senhor. Quer para presente? 

Mais tarde, no escritório, examinou o pendrive, um minúsculo objeto, menor do que um isqueiro, capaz de gravar filmes! Onde iremos parar? Olha, com receio, para o celular sobre a mesa. “Máquina infernal”, pensa. Tudo o que ele quer é um telefone, para discar e receber chamadas. E tem, nas mãos, um equipamento sofisticado, tão complexo que ninguém que não seja especialista ou tenha a infelicidade de ter mais de quarenta, saberá compreender. 

Em casa, ele entrega o pen drive ao filho e pede para ver como funciona. O garoto insere o aparelho e na tela abre-se uma janela. Em seguida, com o mouse, abre uma página da internet, em inglês. Seleciona umas palavras e um ‘havy metal’ infernal invade o quarto e os ouvidos de Haroldo. Um outro clique e, quando a música termina, o garoto diz: 

– Pronto, pai, baixei a música. Agora eu levo o pendrive para qualquer lugar e onde tiver uma entrada USB eu posso ouvir a música. No meu celular, por exemplo. 

– Teu celular tem entrada USB? 

– É lógico. O teu também tem. 

– É? Quer dizer que eu posso gravar músicas num pen drive e ouvir pelo celular? 

– Se o senhor não quiser baixar direto da internet… 

Naquela noite, antes de dormir, deu um beijo em Clarinha e disse: 

– Sabe que eu tenho Blutufe? 

– Como é que é? 

– Bluetufe. Não vai me dizer que não sabe o que é? 

– Não enche, Haroldo, deixa eu dormir. 

– Meu bem, lembra como era boa a vida, quando telefone era telefone, gravador era gravador, toca-discos tocava discos e a gente só tinha que apertar um botão, para as coisas funcionarem? 

– Claro que lembro, Haroldo. Hoje é bem melhor, né? 

 Várias coisas numa só, até Bluetufe você tem. E conexão USB também. 

– Que ótimo, Haroldo, meus parabéns. 

– Clarinha, com tanta tecnologia a gente envelhece cada vez mais rápido. Fico doente de pensar em quanta coisa existe, por aí, que nunca vou usar. 

– Ué? Por quê? 

– Porque eu recém tinha aprendido a usar computador e celular e tudo o que sei já está superado. 

– Por falar nisso temos que trocar nossa televisão. 

– Ué? A nossa estragou? 

– Não. Mas a nossa não tem HD, tecla SAP, slowmotion e reset. 

– Tudo isso? 

– Tudo. 

– A nova vai ter blutufe?

– Boa noite, Haroldo, vai dormir que eu não aguento mais…


PELA BOLA SETE – por plinio marcos* / são paulo.sp

O Bereco era do devagar. Não queria nada com o batente. Seu negócio era sinuca. E nisso ele era cobra. De taco na mão, fazia embaixada. Conhecia os trambiques do jogo e sabia como entrutar o parceiro. Então, estava sempre com a bufunfa em cima. Sabe como é o lance. Sempre tem um panaca pra desconhecer o nome do mandarim. E o Bereco ajudava. Se vestia como um Zé Mané qualquer. Neca de beca legal. Isso espanta o loque. O babado era se fazer de besta. Tirar onda de operário trouxa, desses que dão um duro do cacete de sol a sol, se forram de prato feito e na folga vão fazer marola em boteco. Daí, sempre tem um malandrinho pra tomar os pixulés do otário. Se fazer passar por coió era o grande trambique do Bereco. Com essas e outras, ele engrupia até muito vagau escolado. Até no Bar Seleto de São Vicente, ponto certo dos grandes tacos do mundo, o Bereco deu esse deschavo. E grudou. Pensaram que ele era pão-ganho e ele tomou o sonante dos pinta. E assim o Bereco ia remando seu barco em maré mansa. Só ganhando. Um pato atrás do outro era depenado. Sem dó. Que, nas paqueras da vida, é cada um pra si. Até que um dia aconteceu um esquinapo.

Era fim de mês. Dia de pagamento da Refinaria de Petróleo. O Bereco, que estava por dentro, se picou pro Cubatão. Se plantou num salão dos bordejos da refinaria e ficou na moita. Logo foi baixando a freguesia. Tudo de capacete de lata. A patota estava contentona, de envelope no chorro. E o Bereco só espiando o lance. De vez em quando, tirava um paco de nota pra pagar uma Coca-Cola. Era a milonga. Logo, um capacete de lata mais afobado se assanhou com o dinheiro do majura. Sentiu a muquinha pega e quis tomar. Mediu o Bereco e foi no chaveco do pinta. O capacete de lata tinha um joguinho enganador. Desses que funcionam em mesa de sindicato. Mas levou fé em si e nenhuma no Bereco. Encarnou no moço:

— Como é, parceiro? Quer fazer um joguinho?
O Bereco não deu pala:
— Não jogo nada.
O capacete de lata cercou:
— A leite de pato.
O Bereco deixou andar:
— Se é brinquedo, vamos lá.

E começou o jogo. O Bereco sentiu o parceiro e tirou de letra. O capacete não sabia nada. O Bereco deu o engano. Os primeiros dez mirréis, os segundos e os terceiros, o Bereco empurrou pro trouxa. E se fez de bronqueado. Partiu pros vinte, pros cinqüenta e pros cem mil. O capacete de lata estava se deitando. Era seu bilhete premiado. Com o dinheiro que ganhou do Bereco e o seu ordenado, já tinha um milheiro no porão. Daí, o Bereco selou:

— Ou tudo ou nada.
O capacete de lata nem balançou:
— Um milhão na caçapa.

Todo mundo de botuca ligada na mesa. O capacete de lata saiu pela cinco. Errou. O Bereco se tocou que o xereta estava nervoso. Teve que maneirar. Cozinhar o galo. Senão, ia ficar escrachado o perereco. Errou na cinco, que estava cai, não cai. E o joguinho ficou de duas muquiranas. Só na bola da mesa. O Bereco não embocava. Só colhia as mancadas do capacete de lata. Se o bruto metia uma três, o Bereco fingia que era sem querer e deixava uma sinuca de bico pro inimigo. E na catimba do Bereco e no virador do capacete de lata, o jogo foi comprido paca. Os sapos nem chiavam. Seguravam as pontas. Era tudo torcedor do capacete de lata. Trabalhadores da refinaria. Mas o Bereco nem estava aí. Já contava com o dinheiro da caçapa. Aí chegaram na bola sete. Só a sete estava na mesa. E o jogo estava por ela. O Bereco, folgado, muito à vontade, encostou a negra na parede. O capacete de lata tremia, suava. Estava com o motor batendo acelerado. Fez mira. Começou a pensar que tinha quatro filhos no seu chatô, aluguel de casa, rango, escola, remédio e os cambaus. Pensou no que ia dizer pra mulher. Com a cabeça cheia de minhocas, deu na cara da bola. Uma chapada. A negra rolou pra um lado, a branca, pra outro. O capacete de lata sentiu um alívio. Pelo menos acertou na bola. Mas o recreio durou pouco. Quando as bolas pararam, a sete estava na boca da botija. Pedindo pra cair. E a branca, no meio da mesa. Ninguém, por mais cego que fosse, errava aquela bola. O Bereco sorriu. Deu a volta na mesa devagar. Bem devagarinho. Enrustido, sem dar bandeira, ia gozando as fuças dos otários. O capacete de lata só faltava abrir o bué. Deu a volta e ficou atrás da caçapa em que a bola ia cair. O Bereco deu uma dica de leve:

— Vai secar?

O capacete de lata quis falar, mas não deu. Se engasgou. O Bereco não se flagrou no olhar do panaca. Se tivesse visto as bolas de sangue nas botucas do capacete de lata, ia ficar cabreiro. Não viu e fez a presepada. Passou giz no taco, com calma. Se ajeitou na mesa, com calma. Aí, levantou a mira. Viu a bola branca, a sete, a caçapa, atrás da caçapa um revólver quarenta e cinco e, atrás do revólver, o capacete de lata. O Bereco quis saber:

— Que é isso, meu compadre?
O capacete de lata espumou, babou e resmungou:
— Se meter essa bola, eu te mato.

O Bereco viu logo que era jura. Se fechou em copas. Deu na bola de esguelha, o taco espirrou. Raspou na sete e as duas ficaram na berba da caçapa. Coladas. O Bereco fingiu que não havia nada. Deu a treta:

— Ficou pra você, compadre.

O capacete de lata guardou o revólver, a raiva e tudo. Foi de cabeça. Deu no taco e bimba. A branca e a negra mergulharam juntas. O Bereco ficou só olhando. As lágrimas correram dos olhos do capacete de lata. Estava tão por baixo que não dava pra pegar a arma e aprontar o salseiro. Só deu um lamento:

— Tenho quatro bacuris.

O Bereco fez que não escutou. Recolheu a grana e saiu de fininho. O capacete de lata saiu logo atrás. Ninguém se mexeu. Passou um tempo e veio o estouro. Meio mundo foi ver as rebarbas. No meio da rua, o capacete de lata estava estarrado. Tinha o revólver na mão e uma bala na orelha. Se acabou. O Bereco só teve pena de nunca mais poder dar grupo em trouxa do Cubatão. Perdeu um grande pesqueiro.

PLINIO MARCOS faleceu em 19 de novembro de 1999.

Ciranda de mãos soltas no aniversário de Zuzu – por omar de la roca / são paulo

Primeira volta ( 10/10/11)

Queria estar naqueles dias inspirados para escrever alguma coisa muito especial para o seu aniversário.Que falasse de portas e janelas abertas para o céu para o mar, que falasse de gaivotas ao vento de terras distantes. De temperos, sabores, cores e perfumes exóticos. De risos soltos,pés na areia, correndo da onda que vem branquinha.De caminhos que se cruzam ao entardecer,ao por de sol descansado. De mesas postas , de horas cheias, de liberdades poéticas, pelos menos. Da chuva caindo mansa, ah a chuva.Da agua santa do coco verde, do peixe fresco pulando.De olhos brilhando na tranquilidade da solidão.De mentes libertas pensando nas flores, fontes, folhas, pedras e palavras tardias.De mãos estendidas para o giro e para o sol,de corpos dançando nus na lua cheia. De cabeças frescas , de problemas resolvidos .
Infelizmente me falta a inspiração.  Mas não para desejar que este ano que se inicia possa te trazer muita paz,muita luz e a tão sonhada liberdade.

Segunda volta (11/11/10 )

Acho que acordei encontado hoje.
Vim pensando em falar sobre flores de cerejeira espreguiçando e alisando as roupas para bem receber o beija flor que vem de mansinho contar seus segredos ( que elas já sabem). Ou o som da harpa distante do bardo improvável.Do espelho que reflete as cores outonais da floresta. Ou do sol dourado cochichando para as montanhas azuis. De flores se abrindo no jardim para as borboletas coloridas. Da brisa suave carregando o polén e o perfume. De meus sonhos pendurados em cabides num canto, onde vou de vez em quando só para tirar o pó deles. De minhas palavras, que só são minhas porque eu as disponho a minha vontade. Ou, coloco minhas palavras a teus pés, ( e não meus sonhos ,pois só elas tenho ) , pisa com cuidado pois estás pisando em minhas palavras. Da comédia de todos os dias,que as vezes fazemos de drama talvez para chorar um pouco e nos sentirmos melhor. Mas escolho a comédia, mesmo que chore com ela.Pensei em conchas brincando com as marés,se enrolando nas algas. Gaivotas de origami pousando em páginas de livros. Haicais perfeitos declamados pelo mestre adormecido. Místicos avatares rodando enquanto rezam . Uma folha verde que cai em minha mão quando passo pela árvore do bosque imaginário. De todas as minhas invenções , delírios inofensivos , viagens imaginárias. De todas as palavras tolas , imaturas . De todo sentimento guardado como uma poesia escondida num livro antigo no fundo de um armário. De coisas que vem a tona quando menos esperamos e nos ferem e nos fazem querer esquecer. Da memória que,como a fotografia que não foi tirada , se amolda a paisagem ideal de nossos sonhos . De águas límpidas , pouco exploradas, que a cada um só interessa a própria margem .
Mas é apenas um conto, que já parece mais um capítulo.Como este que se inicia hoje. Apenas mais um capítulo. Que a comédia seja o tom dele. Que a tranquilidade esteja presente em todas as páginas.Que passe rápido se você assim o quiser. E que a imaginação ( esse grande desafio ) possa impregnar cada linha , libertando a mente de todas as âncoras as quais insistimos em segurar .

Esperando Solon – por amilcar neves / ilha de santa catarina

Ligaram várias vezes. Vezes sem parar, quase se poderia dizer. A primeira vez foi mais ou menos assim:

– Solon B. S.! – a voz da moça do televendas é impositiva, imperativa, revestida da autoridade típica das pessoas que têm muita pressa, muitos objetivos a atingir e não podem, portanto, ficar perdendo tempo com conversa fiada, não estão aí para jogar conversa fora, pois, como se diz, tempo é dinheiro; a identificação da circunstância de ser uma ligação de televendas, mais do que pelo tom de voz contrariado, se faz pelo som ambiente do local de onde parte a chamada telefônica, altamente ruidoso e agitado, além do fato característico de o telefone tocar e a pessoa, ao atender, ver-se pendurada na linha por longos segundos até que, do outro lado, a moça (sempre botam uma mulher para te ligar) se digne a falar. E, quando fala, ela o faz dando-te ordens.

– Ah, Solon B. S., claro! – o homem responde. – Que que tem? O que houve com ele? E quem quer saber, por favor?

– É da Cartão de Crédi. Ele se encontra?

– Olhe, pelo tom da sua voz, diria que ele se perdeu. Acho que se trata, o dele, de um caso perdido.

– A que horas ele chega?

– Parece que não chega, meu amor. E não tenho a menor ideia de quem seja a figura, sinto muito – e ouve baterem o telefone em seu ouvido.

Cinco vezes, todo dia, aconteceu assim. No sexto:

– Solon B. S.!

– Olha, moça, já cansei da brincadeira. Não existe nem nunca existiu qualquer Solon B. S. neste número – eles sempre falam o nome completo do sujeito, com sobrenome e tudo, mas aqui, de público, não podemos fazer o mesmo, ou seja, citá-lo nominalmente com todas as letras, sob pena de processos judiciais – geralmente acatados pelos juízes e bem sucedidos nos tribunais – pedindo polpudas indenizações por danos morais e à honra dos nominados. – Peço que tirem meu número dessa lista e não me liguem mais.

– Impossível, senhor. O número está no banco de dados da empresa, não tem como ser removido e nos será apresentado sem parar até que o Solon B. S. Atenda.

– Mas já disse que não há Solon algum por aqui! Vocês têm que tirar o meu telefone da lista.

– Impossível, senhor, já lhe disse.

– Muito bem. Então chame o seu supervisor, quero falar com ele.

– Nossos supervisores não falam ao telefone.

– Perfeito. Então diga-lhe que farei um boletim de ocorrências na delegacia do bairro se vocês me perturbarem de novo. Aí é a Cartão de Crédito mesmo ou alguma terceirizada?

– Não, senhor, a Cartão de Crédi não terceiriza serviços – e desliga.

Continuaram ligando, óbvio. Um bom profissional não se abate com um mísero não, não se intimida com uma vaga ameaça. O bom profissional persiste até o fim.

– Solon B. S.!

– Ele não está no momento. Pode ser com Soloff B. S., o russo?

Duas horas depois:

– Solon B. S.!

– Vou chamar. Solonzinho, telefone pra ti! – e o telefone dorme, ligado, em frente ao aparelho de som, ligado, até a moça desistir.

Passaram a ligar literalmente a toda hora. Só no sábado foram seis ligações, tarde a dentro, a última às 16h15, meia hora depois da penúltima.

– Solon B. S.!

– Claro, espera um pouquinho só. Sol! Solzinho, vem cá!

Nunca, talvez, o pessoal do televendas tenha escutado tanta música, embora não mais do que escutamos quando precisamos falar com uma empresa. Agora, na casa, sempre existe um som ligado para receber a chamada urgente e irremovível para um certo Solon B. S., o procurado.


A nova era na roda do chope – por joão ubaldo ribeiro / rio de janeiro

Tou te achando muito quietinho, ultimamente, muito caladinho… Não pode ser só o Botafogo. Todo caladinho, sem dar palpite em nada…

– Não tem nada disso, cara, tu tá querendo é me provocar, eu estou a mesma coisa de sempre. É que aqui nessa mesa só sai besteira e não é sempre que eu estou disposto a dar palpite em besteira.

– Deixa de ser cara de pau, aqui nesta mesa um dos que mais falam é você, os outros tu pode enganar, a mim tu não engana. Responde com toda a honestidade, sem subterfúgio nem meias palavras, é a presidenta, não é? Só dá pra falar bem dela e aí tu cala a boca. Eu te manjo, cara.

– Você quer dizer “a presidente”. Eu me recuso a usar esse barbarismo.

– Já está no dicionário e é como ela prefere, até nisso tu tem má vontade. Mas eu não quero discutir gramática, quero discutir fatos concretos. A faxina que ela está fazendo no Ministério dos Transportes, somente isso.

– Ela demitiu uns caras, eu li.

– Demitiu uns caras? Já rodaram bem uns 20 e você diz “uns caras”? Uma faxina desse porte?

– Não sei o que é que você quer dizer com “desse porte”. Nesse ritmo cata-piolho, ela não dá conta nem de uma ala do ministério antes do fim do mandato. Tinha que fazer era fumigação total e na máquina toda, ministério por ministério, repartição por repartição. O governo ia ficar bastante desfalcado, mas só fumigar é que dá jeito, catar piolho não vai levar a nada.

– É impressionante como os caras como você ficam insatisfeitos, por mais que se faça.

– Já eu acho impressionante como os caras como você ficam satisfeitos, por menos que se faça. Houve as demissões e está tudo bem, não é isso? Ela fez as demissões por quê?

– Ora, por quê. Porque todo mundo sabe que os caras estão envolvidos com os esquemas de corrupção do ministério. Aliás supostamente envolvidos, hoje a gente tem que ter cuidado com o que fala. Sim, os caras são suspeitos disso. E então? Ela foi lá e demitiu.

– Era pra condecorar? Se ela demitiu, foi porque sabia de alguma coisa. Ou de muitas coisas, senão não ia demitir. E aí eles, castigados pela demissão, vão ter que ficar mais ricos montando consultorias, triste exílio para quem trabalhou no governo. Eu tenho a impressão de que até o homem do cafezinho dos palácios vai abrir consultoria para futuros homens do cafezinho, muitos deles ganham bem mais que um professor, você sabia?

– Bem, eu não li nada sobre o assunto, mas é claro que, se houver indícios de irregularidades contra os demitidos, eles serão investigados e…

– …E, se considerados culpados, serão condenados, devolverão o que ganharam ilicitamente e assim por diante. É isso que você quer que eu comente, não é? Não era melhor a gente comentar o enredo completo da Bela Adormecida, não? Ninguém merece. O cara chega aqui no domingo, para beber um chope sossegado com os amigos e esfriar a cabeça e aparece logo um mané que quer ser enrolado novamente e não se cansa nunca de ser enrolado. Vê se te manca, cara, qual é a tua, com esses papos que são sempre a mesma coisa, embora querendo mostrar outra cara. Não mudou nada! Aliás, minto. Manda a honestidade eu reconhecer que ela demite e ele não demitia. Ele deixava estatizado mesmo, ela prefere privatizar. Bonita diferença. Fica tudo como era antes, com essa diferença de estilo, que sem dúvida marcará a história da República: um não demitia, a outra demitia; e ambos permitiam.

– Você está sendo sarcástico, assim não dá para conversar. Você é desses caras que se recusa a ver que as coisas estão melhorando. Isso não é bom, acaba se voltando contra a própria pessoa. Eu não, eu observo tudo com otimismo. Otimismo equilibrado, mas otimismo. Você não tem acompanhado esse movimento da busca da felicidade, tem? Agora tem um movimento da busca da felicidade. Já era estabelecido na Declaração da Independência americana, vai ser estabelecido entre os direitos humanos nas Nações Unidas e na nossa Constituição. De agora em diante, todo ser humano tem direito nato à busca pela felicidade.

– Vai estar na lei?

– No Brasil, provavelmente.

– Ah, então será criada a Agência Nacional da Felicidade, com delegacias em todo o território brasileiro. E aí, depois de muita discussão, se estabelece o Padrão Nacional de Felicidade, em que se tentará enquadrar todos os cidadãos, sem distinção. E fazer o teste da felicidade será como o voto atualmente: é um direito, mas também uma obrigação, todo mundo vai ter que fazer. Quem for reprovado no teste, recebe uma Bolsa Felicidade de seis meses, após o que faz novo teste. Se reprovado outra vez, será incluído no Cadastro Nacional de Brasileiros e Brasileiras Infelizes, tido como doente e obrigado a submeter-se a tratamento em clínicas públicas ou credenciadas. E, enquanto não dispuserem de seus atestados de felicidade, o brasileiro e a brasileira não poderão tirar passaporte, candidatar-se a cargo eletivo, comprar casa própria e assim por diante.

– Você sempre vê tudo dessa maneira descrente e debochada.

– É o hábito, eu moro aqui há mais de 60 anos.

– Mas não vai ser nada como você está pensando.

– Eu sei, vai ser pior. Eu também sou otimista.

O ANJO VINGADOR DOS POETAS RECUSADOS (fragmentos) – de jairo pereira / quedas do iguaçu.pr

Sentidos pouco sentindo no
marasmo dos dias thorpes. Sentidos vãos quando tudo está certo equilibrado no
tempo do sem-tempo. Para um herói qualquer dia é dia e a vingança não pode
durar mais q. alguns segundos.

Os
mortos vivos vão saindo das tumbas e vindo pro lado do anjo vingador vindo
trançando figas e coroas de flores os mortos vivos alarmados com algo q. não os
deixa dormir em paz algo q. passa pelo vão das pedras e não é formiga algo como
posso dizer estranho por nascença energia branda q. atormenta até morto
redormido. As almas pusthulentas interagem com algo q. está no ar e vagam os
espaços noturnos: estradas, beira de matas, costeando rios e cercas, sob pontes
e viadutos. O anjo cansa de ver as presenças negras nos mapas q. transita e
chega cumprimentá-las nos encontros acidentais. Ver a morte sempre de perto a
morte transnascida naquelas almas noctívagas refresca o pensamento de quem está
vivo :vivo: vivíssimo cheio de energia boa pra queimar pensamento no pensamento
criação na criação poema no poema prosa na prosa melodia na melodia rosto na
argila Cego
um poeta conta estrelas cego um poeta se avizinha do precipício cego uma alma
geme transmundos na fala. Lingüista algum explica!

A
diferença hoje é escrever com signos bólidos tridimensionais no espaço e não
com frases sentenças empoladas onde os signos da composição ficam entremamente
dependentes uns dos outros. Os signos avançam em todas as direções como vespas
autônomas sem destinação e é só apreende-las no espaço e lhes impor contexto
ludoespacial. Poetas gostam de complicar o simples e simplificar o complexo.
Poetas sabem fazer sopa de signos só pra ver no q. vai dar. Poetas refazer o
benfeito desconstruir reprojetar o estabelecido no tempo como forma de animar a
vida e a arte. Poetas, adoram abrir caroços dos frutos pra ver o q. tem dentro.
Poetas, impor significados às coisas não nascidas. Poetas, criar problemas de
entendimento. Contradição na contradição: existe o mundo do incriado, onde as
coisas ainda não nominadas animam sem rigor ou finalidade a vida. Poetas
mergulham nesses pântanos pra pinçar o q. se pode aproveitar, nominar, e fazer
existir pra todos. Comigo é assim e com meus irmãos deve ser muito pior.

De
tanto andar corpo a corpo com o chão o ser impoverteu-se: melhor dizer q. virou
pó.

Subi
naquela velha caixa de maçãs (não sem antes cortar o pedaço duma pro meu
pássaro yogurt) e proferi palavras de baixo calão enquanto moças brancas de Curitiba papel de
celofane no olhar e sandálias plásticas sorriam sobranceiras minha patética
figura naquele estado digamos assim rifutembho de aprofundamento poético
ficto-ético-esthético-existencial. Sim pois pra dizer o q. diria não dava pra
pensar outra coisa um paraíso na terra com belas polakas e um inpherno no céu
com gente te mandando trabalhar te impondo salário subordinação horário pra
cumprir dependência até pra limpar o cu cheio de limalhas pratas com círculos
preciosos do torno mecânico q. as criou por acidente. Um acidente dos sentidos
mentir q. se é o maior de todos os heróis anti-heróis personas erigidas por mentes prodigiosas. Mentir q. se é o maior
pra si mesmo compor filmes apavorantes com muitos corpos destroçados nos campos
de batalha e beber um vinho tinto suave temperatura ambiente depois do almoço
sobremesa de pêssego com calda e creme de leite uma polaka nua no quarto do
andar de cima de cima da terceira nuvem do viajante cósmico (nua e lúbrica
raspando a língua no batom vermelho dos cantos da boca) o anjo vingador q.
chegou pra vingar as polakas recusadas e amar a todas todas todas mantendo um
polakário particular no sítio das estrelas onde se recolhe trezentos e sessenta
e três dias por ano claro q. pelo menos umas horas se deve descansar nesse
pérphido ofício e périplo desregrado inglório de anjo vingador dos poetas
recusados. Afinal de contas ninguém é de estanho e estranho q. as puthinhas da
quinze deram agora de grudar no celular suas orelhas calejadas de golpes de
pica. Não se fazem mais programas como antigamente trintão por pegada boquet’s
grátis e massagem de língua na glande inflada. Vá pra casa mano, cuidar o filho
teu com a empregada, antes q. descubram tudo. Não deixe o piá passar sede
fome… te vira malandro. O anjo vingador dos poetas recusados tem mais de mil
e quinhentos polakinhos por esse orbe infielíssimo e nunca tu ouvirá reclamação
de um dente por fazer nos pirralhos. O anjo toma conta de tudo, claro q. sob a
regência das centenas de polakas q. compõe seu sórdido (e convenhamos
maravilhoso!?) imaginário. É responsa mano. Responsa, sabe o q. é isso!? Sabe
porra nenhuma, nem lavou o cê-u hoje e tá cheirando a sulampra do mês passado.
Sulampra pra quem não sabe é aquela porrinha de mnerda q. fica grudada nos
pentelhos do cu fazendo o maior estrago sujando a cueca às vezes até a calça e
dando ao agente detonador da nathureza (o trouxão) aquele cheiro característico
de prustifructo singular. AH VÁ TE PHODER ESPECTRO REVERTIGO DE SUPREMA
CUTILEDÔNEA SPRIÊNCIA LÚBRICA NUS TREE LENÇÓIS! Vou dizer e digo blasfemo
ensandeço contra o infinito. É só me tirar uma polaka e veja como fico.

Muitas
almas me freqüentam esplendoríndeas muitas almas muitas vidas de contra-favor
onde estou não fico onde fico não estou transmudo-me entre as raízes retorcidas
da paisagem.

Escrever simples e
complexo escrever erudito e popular escrever pra professores e estudantes
escrever pra poetas e pintores escrever por escrever sem ter q. dizer porque
pra que e pra quem eis a vida do anjo no solitário ofício de lançar palavras ao
espaço seus  signos de artifício o anjo e
sua sanha de desvelar os mundos escondidos do saber as verdades q. estavam ali
na pedra sob as árvores e ninguém imaginava o anjo em prospecções inúteis procurando
dar significado e nominação às coisas não-nascidas q. faz nascer a força um
anjo investido de sóis estranhíssimos nessa terça-feira de tédio e tentações.
Os convites são mais q. sedutores: o diabinho da direita diz q. é pra nadar
desnudo no rio o da esquerda incita a mandar um poema pra gata de olhos
amendoados q. tá na garupa do grandão supertatuado da motocicleta. É sempre
assim correr os riscos das tentações a cada momento e nunca deixar a peteca
cair. Todas as vezes q. sentir prazer escondido renegue-o para o bem da vida.
Prazer tem q. sentir-se às claras de olhos bem abertos e com amor amor amor q.
é tudo q. mais interessa nessa porra de vida onde estamos condenados a sofrer e
ser enganados e nos roubarem a moto e nos despedirem do emprego e nos
atormentarem com propostas indecorosas e nos fazerem crer q. o paraíso é pra lá
do mundo dos vivos e nos torpediarem dia-a-dia com aquela história de camisinha
de evitar a aid’s de evitar as nocivas relações promíscuas. O agiota, fia da
putha, tá pouco interessado em algo fora dos juros sobre juros a receber dos
trouxas, o agiota bancado pela vida q. não quer trabalhar. Tudo q. não presta
no olhar do crúsphito encostado no muro do colégio vendendo drogas aos
pequeninos. Uma mnerda a vida em meio a essa corja sem escrúpulos. Pureza nas
relações pureza na vida longe dos pais difícil acreditar q. alguém entenda o
mundo dos q. estão por vir e já devem estar a caminho. Com teus pais uma vida
grampeada no amor amor sobre todas as coisas vivas e mortas desse mundo. Lá
fora, além do pátio só martírio sacrifício de mano só pra ver a vida gemer. Te
liga transfirmotente em meus delírios de vingador te liga q. uma nuvem de
signos obnubla o quarteirão e são de minha lavra os proliferados vociferinos
contra os pulhas a corja as eminências pardicenthas do mal q. não as vejo mas
sinto de próstata inchada e impotência irreversível sobre aquelas velhas
cadeiras de espaldar.

reflexos nos espelhos
espetacular jogo de luz espelhar na sobrevivência. Os mortos vivos impõem o
contraponto do viver na sua inútil condição de seres nacaráctios. Para um anjo
q. viaja todos os orbes nada surpreende. Fogos de artifício nathurais cobrem de
luz os espaços negros da criação. Entre os raios lanchispantes vivas-almas
conquistam espaços novos nas relações, campos onde progridem os pensamentos
bons. Se há campos de pensamentos bons, há também os dos ruins. E ali onde
maltratam poetas, um dia haverá um circo pra mostrar os pulhas ao público. Os
pulhas q. sempre ficam atrás das cortinas, nos gabinetes dos maus espírithos,
elocubrando perversas ações. Os pulhas e seus patrocinadores não menos pulhas,
sem mulheres e sem amor, sem poesia e sem emoção. Os pulhas, cus de peixes,
frios e resistentes, em suas campanhas de tudo aniquilar, quando se trata de
arte, cultura, criação, talento & ímpeto. A garotinha q. tá fazendo Letras,
não entende ou não quer entender minha sacrossanta indignação. Pobrezinha…
nas mãos de tolos acadêmicos, vai perder parte da visão, parte da vida, parte
do entendimento estético, parte da ideologia poética, parte de parte da parte
da partitura. Para um anjo menina de belas intenções uma ópera se compõe em
poucos dias uma ópera como apoteótica revelação da vida abaixo da razão a vida
do mnerda q. somos sobrevivendo como rato de bueiro barata de pia mosca de
potreiro sempre a entornar o podre o q. fede o q. esterquilina. Um gole de água
tônica q. tem quinino pra tirar esse gosto amargo de mágoa na boca esse gosto
de revolta contra o sistema e a vida dos pothenthori’s com suas mãos pegajosas
de betume derretido acrescido de ranhos sangue veneno de cobra cuspe de sapo e
fezes de lagarto.

Muitas
almas me freqüentam esplendoríndeas muitas almas muitas vidas de contra-favor
onde estou não fico onde fico não estou transmudo-me entre as raízes retorcidas
da paisagem.

Escrever simples e
complexo escrever erudito e popular escrever pra professores e estudantes
escrever pra poetas e pintores escrever por escrever sem ter q. dizer porque
pra que e pra quem eis a vida do anjo no solitário ofício de lançar palavras ao
espaço seus  signos de artifício o anjo e
sua sanha de desvelar os mundos escondidos do saber as verdades q. estavam ali
na pedra sob as árvores e ninguém imaginava o anjo em prospecções inúteis
procurando dar significado e nominação às coisas não-nascidas q. faz nascer a
força um anjo investido de sóis estranhíssimos nessa terça-feira de tédio e
tentações. Os convites são mais q. sedutores: o diabinho da direita diz q. é
pra nadar desnudo no rio o da esquerda incita a mandar um poema pra gata de
olhos amendoados q. tá na garupa do grandão supertatuado da motocicleta. É
sempre assim correr os riscos das tentações a cada momento e nunca deixar a
peteca cair. Todas as vezes q. sentir prazer escondido renegue-o para o bem da
vida. Prazer tem q. sentir-se às claras de olhos bem abertos e com amor amor
amor q. é tudo q. mais interessa nessa porra de vida onde estamos condenados a
sofrer e ser enganados e nos roubarem a moto e nos despedirem do emprego e nos
atormentarem com propostas indecorosas e nos fazerem crer q. o paraíso é pra lá
do mundo dos vivos e nos torpediarem dia-a-dia com aquela história de camisinha
de evitar a aid’s de evitar as nocivas relações promíscuas. O agiota, fia da
putha, tá pouco interessado em algo fora dos juros sobre juros a receber dos
trouxas, o agiota bancado pela vida q. não quer trabalhar. Tudo q. não presta
no olhar do crúsphito encostado no muro do colégio vendendo drogas aos
pequeninos. Uma mnerda a vida em meio a essa corja sem escrúpulos. Pureza nas
relações pureza na vida longe dos pais difícil acreditar q. alguém entenda o
mundo dos q. estão por vir e já devem estar a caminho. Com teus pais uma vida
grampeada no amor amor sobre todas as coisas vivas e mortas desse mundo. Lá
fora, além do pátio só martírio sacrifício de mano só pra ver a vida gemer. Te
liga transfirmotente em meus delírios de vingador te liga q. uma nuvem de
signos obnubla o quarteirão e são de minha lavra os proliferados vociferinos
contra os pulhas a corja as eminências pardicenthas do mal q. não as vejo mas
sinto de próstata inchada e impotência irreversível sobre aquelas velhas
cadeiras de espaldar.

não tem ninguém

nessas miragens

heras sobre as pedras

o sangue dos mártires secou

como secará o meu

em teu amanhã de mentiras

Um
anjo vingador vingar passado presente e futuro do q. ainda nem nasceu nascerá
como é de se nascer apto a consertos. Meu périplo de anjo salvador vingador dos
poetas recusados começa num dia de sol soliníssimo de segunda-feira e passa por
noites de pau d’arcos com Augusto dos Anjos Pedrinho da Mampusheira o rude
Orástino da Silva o lírico Meliandro do Ingá o neobarroco Neco Ripo o sexínio
Ertho Murthis o inventor de linguagens q. criou poemas cut-ups (cutapes em
tupiniquim celerado) transgressoras colagens alla literatura de William Burroughs
Carlo Ferri q. esculpe no gelo seco universos paralelos com imensas naves
torres e ovnis Artur Landis q. apavora na noite com seus poemas sinistros de
supra-realidades, sempre depois da meia-noite nos bares, estrepa-se na Ilha da
Magia daqueles tempos com Cruz e Souza transgride com os loucos letargidos, os
pictóricos desassistidos e atola seu cavalo monet na mnerda da mediocridade. Um
quê de anjo todo mundo tem vingador se revelar consertador das coisas
incompreendidas dos atos pensamentos retornados sem sentido da vida q. alumbrou
ser estenuou no não-viver. Em muitos campos desolados brandi minhas espadas de
lata. Aquela vez q. invadi o Projac da Rede Globo Televisions transvi
tressaltos de desencantos. Minha fúria hostil não encontrou escora no entre
câmeras. Madames atrizes diretores bichas produtores pan-livrertinos &
marqueteiros vendedores de mães evoluíram seus desajustes. Siga bem condoreiro
anjo vingador dos poetas recusados. Sigo tresando nos meus dias negros. Esphias
nas esphias séphias, um galo há de brigar sempre pela mesma franga. Falar nisso
mano, manja a farsa dos dias enuviados com absinto falsificado!? Não erijo
transmundos por brincadeira nomino coisas só pro gasto e tudo tem seu ofício de
permanecer em mim. Te
transfiro um pouco de minha ira santa. Desbancar os bancados q. nos oprimem.
Teu bus de papelão vaga essa cidade neferthímora. Quantas vidas entornadas no
lixo!? Minha poesia nossa vossa adentra as searas sujas da periferia. O anjo
vingador está aqui. Me anuncio implume pássaro no carnaval polako. Já deves
estar putho com essa história forjada de um anjo vingador q. vem da linguagem
para a vida do nojo do signo transfimortente para a morte. Vá te cagar pentelho
espectral de aziagas noites. Nada te devo de meus arroubos operísticos. Um
doido convicto inventar conflitos só por prazer confluir as forças anímicas pra
tomar uma gelada no Bife Sujo. Da última vez o cézinha me trocou um cheque
voador de duzentas pratas q. atravessou três vezes a nado o Iguaçu. Vate
transfivatente dou gorjetas aos meus garçons preferidos. Nas vinhas do amor a
polaka espessa de sexo beija minha boca suja. Beija, suga, embaba de língua,
enosa chiclet’s e drops de hortelã untados de saliva energética. Signos
espérios meu garoto lambem o dizer criptofilho do chão.

A
coisa vinha vindo trinha sido tranha signos símbolos na minha língua grossa de
veios thérvios. A cornucópia do poeta é cheia do líquido precioso dê sua língua
à minha língua seu verbo thurvo a minha thurva esphia. Jesus nega os insensatos
e com toda razão des-razão apruma my verbo novo. A nathura q. louca amamos não
é por acaso também insensata em seus cataústricos!? Um poeta esmerilar os
signos nas amplas pedras do deserto. Como uma bala de fuzil cada nominata
dirigida a um inimigo. Nomeio coisas troisas pfscoisais loisas froixsas nos
meus desígnios. Um doido tirando formigas do formigueiro abandonado o anjo
vingador espalhador de ditos tranfusiados nichos de só-pensar. Elos nos elos
desengonçados. Perdida a febre terçã inicial da palavra e dos atos. Não é assim
q. se fazem heróis. Não é assim q. se fazem anjos vingadores. Um anjo vingador
dos poetas e artistas recusados se faz com ação conflito e solução do enguiço.
Este q. te fala é charlatão malquisto não age nada resolve não interage com o povo
e molesta polakinhas desprevenidas. Me entrelaço nas clareaduras de tua fala e
masco ervas amargas pra dizer-se só excluído recusado pelos editores atropelado
pelos mercadores marcado na volta da paleta pelos trívios políticos. Sou-me
risolentho esthertorante reflexímoro no mar do sonhar o ser sonhado e não deixo
visgo no meu rastro imundo. Tortilhas sonethárias nos jantares sob as
santas-bárbaras do norte do Paraná. Desci dali dos cafezais abandonados rio
Tibagi até o Piquiri e depois angulei ao Iguaçu o rio meu por excelência
agrilhoado em usinas.
Teus grilhões meu rio o anjo vingador romperá com dentes de
aço da terceira dentadura q. lhe deram em vida. Thorpes, essas
ogivas nas balas de hortelã não acalmam ninguém. Meu empresário vendeu um poema
por um prato feito em frente ao Passeio Público poema com gosto de carpa
húngara cravejada de poucas escamas douradas q. me roubou no acerto de contas.
Já viram o anjo vingador acertar suas contas com o empresário de sua poesia
recusada!? Só por deus ainda se fazem homens desse naipe enlevados no ofício de
sobreviver. Tangiro vencer o desvencido. Intenciono renovar o embolorado.
Minhas catanas descida dos triminhões das canas. Minhas armas de verdes hastes
embebidas no líquido espesso da cornucópia do poeta. Bom pra ti meu caro, esse
passeio pela língua do poeta o anjo vingador q. mata o passarinho de seu ofício
pra achar a pedra na vesícula.

Uma cobra escorregar pelo
barranco esgueirar pelos porões dos signos como uma língua extensa transverbal
uma língua eu-lúrica & magistral.

Um
pássaro é um pássaro uma formiga uma formiga um phósphoro um phósphoro uma
chave uma chave uma pedra uma pedra um caminho um des-caminho.

Um
anjo, manja de tudo um pouco e quando nada manja, arrisca. Se é pra vingar o q.
há de ser vingado, todas as armas são válidas, inclusive as do pensamento
enlevado. Poeta não pode ser o mnerda alienadão, q. pega uma receita de bolo e
fica naquela. Poeta q. é poeta arrisca tudo no conhecer em sendo, a fim de
trazer do nada o tudo q. ilumina a vida do poema.

Noutra
vez traveis desveis desci as escadarias da ampla Biblioteca de Alexandria e
naquela época pequenas moedas de lata tinham muito valor. Lascas de minha
espada como dinheiro naquelas soledades do deserto, trocadas por especiarias,
tapetes persas, sândalo, damasco, etc e tal. Com meu cavalo e uma criança li
livros herméticos naqueles templos. Livros costurados à mão. Livros dos
impérios do poder e da emoção. Sabe como se lê um libro hermético mi cidadon?
Cheirando-o. Os signos tem cheiro sim. Aprendi isso com as abelhas em colméias
abandonadas. Meu pai sempre fazia isso também cheirar os livros. Um anjo
vingador tem pai meu amigo pai como cada um de vós tranceiros duma figa. Um pai
progride com seu filho em suas loucuras de criação. Quantas vezes meu pai
imaginou seu louquinho-bom ganhando o mundo fudendo-se como espectro ambulante
alla 4Claudinei Ramos no seu périplo de três dias. Dá nojo enganar
polakinhas a troco de sexo, quando se é gerente de loja de eletrodomésticos em plena Marechal Deodoro,
próximo aos Correios. Um pai um sogro tios tias primos primas e amigos q.
desconsolo nos conhecerem em nossos repentes de imaginação. Um louco-bom
repercute em Santa
Felicidade a noergologia: 5Jacob Bettoni. O anjo
vingador dos poetas recusados o encontra escovando a bela égua alazã quarto de
milha. Ele vem noeticamente e enuncia conceitos revolucionários no paradigma
novo da psicologia. Um louco-bom como um arauto dos novos tempos, peripatético
sempre revoluteando as coisas. Jacob Bettoni me acena com a possibilidade da
protonathural philosophia estética e a noergologia comporem um único bloco
monolítico sapienthi’s pra enfeitiçar almas letargidas nas manhãs de
segundas-feiras ante as chaminés do pólo petroquímico. Um louco-bom sou eu
também poeta coça-saco de a pé e a cavalo, como diz o ditado-deitado paradão
cheio de chatos no acrílico onde o bus sosfrega e não vem. Um anjo vingador não
conhecer limites em sua luta de tudo levantar expandir como ofício de viver e
ser vivido amar e ser amado matar e ser matado. Nas barrancas daquele rio (o
Iguaçu) erigi transmundos só pra ver no que ia dar e deu: uma nau de carbono
luminosa crispou de lux trilux overlux o denso da floresta naquela noite. Tenho
certeza q. tinha gente dentro do tribuliço. Gente com olhos grandes e braços
abertos. Focos concêntricos para um mesmo (alvo) ideal, invisível. Um sinal,
era o sinal. E, o sinal era de signo ingos nigos sonigs perdido no
signário-vida e tive q. sair dali conquistar outros espaços com minha arte
singular de tudo transverter. Vem de príscas eras essa ânsia de inventar o
desinventado e interferir nos espaços sagrados da criação como um mephisto
invasor o anjo autoproclamado de salvador dos artistas recusados. Minha ira
santa enlevar o raso o letargido o transvencido como forma de animar a vida.
Meu castigo a incompreensão dos árvios iletrados dos púrcios néscios soberbos
em seus atóis. Para uma polaka de meu amor consagro essa verve: de primeira
insensata de segunda interferente de terceira auto-flagelada. Não se fazem mais
Cândidos ou o optimismo como antigamente, Dom quixotes, Macunaímas, heróis e
anti-heróis integrais em seus ofícios. Rapsódia nóia. Rapsódia nóia, ver,
sentir… tudo com o espíritho da vingança. A farinha q. o anjo vingador come é
q. traz os espectros sígnicos de sua verve alucinada e o pão q. a mesma amassa
é o pão de sua verdade representação esplendorosa do seu ser escroncho.
Inverossímil a linha de uma vida assim como a vertida agora. Nem um anjo
vingador satisfaz público empresário mecenas mídia loquaz pelo contrário um
louco deambulante pelos signos criar problemas de entendimento perverter as
mentes juvenis alardear significação como farsa às coisas não-nascidas.
Nascimento vida morte de um herói super-convicto q. acredita em correção do tempo
dos atos enfins dos homens para com os homens na história. O SOL eleva-se sobre
todos e distribui na mesma proporção quântica seus favores. O anjo vingador
também delibera e vence contra todos os inimigos comuns. Com esse ofício de
fazer poemas muitas almas penaram nos céus inphernos e purgatórios do Sr.
Dante. Selva selvagem selvagínia não há ninguém a minha espera ninguém nem um
sol de contra-favor a enovelar meu grito. Meu cavalo monet galopa por uma
estrada branca como uma polaka estirada em lençóis verdes uma estrada uma
polaka um oásis de prazer muito prazer na pororoquinha da marthininha muito
prazer lubricidade comesura de olhar uma polaka como uma flor sensual em seus
ofícios de amar amar sobre todas as coisas frias dessa cidade esses pontos de bus
cercados de cadeados invisíveis onde as almas esperam esperam o caixote de
papelão chegar combinado com outros caixotes e a vida repetindo-se sempre no
mesmo ritmo. Ritmo de lesa-vida meu irmão, sentido de pouco sentido, persigos
sobre persigos. Meu cavalo uma cancha reta como um louco evadindo-se do
inpherno de Dante. Atrás de nós as silhuetas dos trúmphicos imperiais do baixo
império/espíritho, almas trivilinas, soltando fogos pelas bocas. Siga comigo
seu verme strúnhio nesse domingo aziago. Vamos ver a fonte de onde vertem as
profícuas almas lângues. O que é uma alma lângue? Não tá viva, não tá morta, é
cruiféiz estaca no descampado da vida. Acabas por saber q. é uma expressão de
linguagem recém-criada como posso te dizer nefhertímora (nojenta, escabrosa,
escorchante). Não sabes com quem falas, pobre parvo espiroguentho. Comigo
aprenderás da vida seus melhores momentos. Q. bela polaka estirada no hall daquele hotel de terceira!? Q.
belas ancas no desperdício dos dias!? Já sei, não me venha com esse blá-blá-blá
de q. futebol é o q. interessa. Futebol antes de tudo e depois. Tá por fora
pica de trapo. Olor de creolina exposta ao sereno. O carinha do tênis, nos
iludindo com sua polpuda conta-bancária, bancado pelos nikteiros. Ora vejamos
pronóbis saturno nublinheski monte nardines pega o curtis o cavalo outro cavalo
como reforço providencial ao meu monet o meu crunspício (aquele q. sofre junto)
e vamos enveredar pro Sul. Farroupilhas hastes naquelas clareaduras de campos,
coxilhas, sangas e restingas. Digo q. mato e limpo o jaracatiá borbhota
sorthinífero no topo da canjarana e limpo com farpa de angico. Rude minha lide
nesses vergéis antigos. Na linha desse dizer muitas palavras se perderam nos
cimos das árvores muitos cascos gastos em cavalgadas inúteis. Esse dizer q.
atravessa eras e repousa no ombro esquerdo do anjo vingador dos poetas
recusados, como uma coruja, pássaro de bom ou mau agouro. Não esqueço nunca
daquela dos trezentos viúvos de polakas, lembra? Ou trezentas polakas viúvas de
defuntos vivos até o embate. A procissão dos mortos vivos reage em meus sonhos
quando estou fraco e cansado. A cabeça em recosto nas barbas de pau sob aquelas
árvores. Fraco e cansado, isso pouco acontece, mas enfrento meio-dormindo a
reação escrota dos mortos-vivos. Comigo é assim e com meu irmão o Birão é muito
pior. No asteróide ASPHIZ 8800 só de passagem quando me viram muitos
esconderam-se nos escombros da velha nave muitos morreram de medo do anjo
vingador q. mata e seca só de olhar. Uma vez uma tribo de Panfluetha’s mistura
de panviados com punhethas adentrou um trigal imenso e com minhas espadas
revistentes desnudei-os de um por um. Nada contra e nada a favor o milho cresce
nos amplos espaços do verso livre. Viu como se sai pela tangente!? O anjo
vingador do futuro guturaaaaaa… seu
grito de guerra com papel celofane na boca e um pente carioca pra
convocar legionários ao bom combate. No bom combate há o imperativo odiar
reconhecer o tranho e o perigo não se pode simplesmente atacar o q. sequer se
conhece ofereça perigo e tal e tal isso da guerra da luta fratricida coisas de
peleja tudo mundo deve saber de cor e salteado. A mesa dos Deonísios e
Philosísifos sentam-se os mnerdas das construções sígnicas. Os mnerdas e seus
afiliados sempre pardos eminentes nos gabinetes dos maus espírithos tramando
despautérios sacrifícios. Flagelos de vozes no degelo. Nada se cria e tudo se
copia na mesmasséia dos profedídithes. Massa mano, essas hastes de boas-falas
q. reverbero no espaço como biscoito protonathural. Não tem meu Sr. não pode
não haverá nunca de acontecer um anjo vingador vingar o já vingado amar o já
amado matar o já matado.

Uma
língua aderida de ciscos signos símbolos sinais pós asteriscos uma língua como
uma esteira luminosa na noite grande uma língua antropomística &
polissimbela.

Anjo
vingador dos poetas recusados venho quente na haste núbila abrir clareiras na
floresta escura para um colóquio estranho. Nem só de colóquios vive o homem e
tranço termos de ficar em tua vida pro que der e vier. Nos amplos horizontes a
escatológica vertigem todos mortos: o padeiro, o açougueiro (q. não perturbará
a mulher de mais ninguém), o vidraceiro, a prostituta, o padre, o militar, o
professor, o dentista (q. virou gangster), a enfermeira, a psicóloga (confusa),
o camelô, o advogado, o servidor público municipal, o político… todos mortos
sobre as folhas da relva ainda úmida do sangue dos poetas recusados todos
mortos e a cornucópia do poeta passando de mão em mão com seu líquido espesso
q. não é sangue e não é mel e não é vinho e não é leite e não é refrigerante e
não é cerveja e não se sabe e nunca se saberá ao certo o q. é q. é. Morta a
vida q. nunca nasceu cresceu expandiu como espera o anjo vingador em
conhecimento artístico reconhecimento do artífice q. faz e projeta e delibera e
inventa reinventa a vida como pode e deve. A cornucópia do poeta é invisível e
vc aí esperando o busão já bebeu desse líquido precioso-néctar meu Sr. meu Sr.
de muitas fábulas invertidas, sem moral e sem história. Vais contar tudo amanhã
ou depois, q. ninguém em sã consistência de gente ficará sem verve pra dizer e
oportunizar a todos sua experiência. No líquido espesso derramado em tua língua
a vida a vida de força de investimento nos atos fatos pensamentos te revelará
meu Sr., a glória de dizer o indizível de vencer o invencível tomará conta de
tua anímica força. Somos mais q. muitos imaginam. Mais q. tantos sonharam,
sonhamos. Muitos anjos vingadores nascidos da cornucópia do poeta do beber o
seu líquido espesso e agir e sonhar e deliberar e construir e reconstruir sobre
o lux owerlux trilux da vida e as trevas da morte. Um pai não procura defeitos
nos seus filhos. Um pai toca com as mãos os seus pupilos rumo ao futuro. Eu o
anjo vingador dos poetas recusados, unjo-te menino de boas falas um caminho muitas
sendas desígnios profícuos em tua vida. Naquele bar de beira de estrada parei
com meu cavalo monet. A moça loira (polaka) como era de ser me enovelou em suas
histórias de ficar. Fiquei. Meu cavalo estercou nas pedras da estalagem antiga.
O curió curioso deu uma cagadinha no ombro da bela e ensaiou três coices pra
cada lado, depois em sanha de urutago urucubou as coisas pro meu lado.
Sacatrapo du carilho pequetito estribilho de grilo, te mato fia da putha com
palito de dente afiado! Pra Curitiba hei de ir, pensei, sonhei, despensei,
ergui acampamento e com polaka e tudo parti. Entre um beijo e outro, costuras
de olhar, pegação, zanzeira com barrotranquira e cipó nas coxas grossas e pólem
viajante nos olhos amendoados. Pinecpecki no profhuri. Vindecthine soporhu
ghudam.

um superpesadelo negro nesta noite fria

como um flagelo demoníaco

suspendi a lança & cortei em cruz

três vezes os strúnhios inimigos

os inimigos não se afastaram

(demônios superconvictos)

mas saí pra fora do lúgubre transe

Menino e Cão – por jorge lescano / são paulo


In memoriam Dimitri Lescano

 

–    Pai, paiê, papaiê! Dimitri gritava e Pancho I latia e pulava em

torno  dele, a boca  procurando uma  bolacha na mãozinha que

que se abria e fechava no chamado.

Eu fingia não ouvir forçando minha atenção na leitura.

–    Papaiêêêêêêê!!!

–          O que é que você quer? – voz de baixo e carranca que  não

impressionavam  nem  o  cachorro  que  ladrava-pulava-latia e

pensava: é festa!

–          Vem  cá – disse  Dimitri  soltando  um  pontapé.  Pancho I

soube evitá-lo.

–          Estou ocupado – tinha a vã esperança de que me deixasse

em paz.

–          Vem cá, paiê!

Eu fui. Que outra coisa poderia fazer?

Dimitri colocou sua mãozinha dentro da minha. Com o dedo in-

dicador da mão livre  mostrou o céu  vermelho  de  crepúsculo.

Enquanto  Pancho I abanava  o rabinho  olhando para cima, Di-

mitri me encarou sorrindo e, maravilhado, disse:

– A lua, paiê.

ARIJO, O ESCOLHIDO – por jairo pereira / quedas do iguaçu.pr


 

 

ficção caseira

 

 

Três da manhã. Não poderia sair da Fazenda Poema tão tarde, mas o fiz naquele dia. Lembro que desci do carro, nos mil metros da saída, pra atirar na cascavel. A malhada escalava o barranco, entre a estrela africana, quando detonei cinco vezes, acertando três chumbos quentes. A seguir, passei pela sanga do Gervásio, onde dizem, costumam aparecer coisas. Não tava com isso na cabeça. Só lembrava da bela mulher, do caso do Iguaçu daquela vez que tentamos catar um tesouro enterrado. A bela, a esteira e a noite grande.

Pensepensando, elétrico com o assassinato da crotalus terrificus, assim indo ia, até que, outra vertigem, de repente no lado esquerdo da estrada, dois vultos. Uma névoa, aquelas horas, cobrindo tudo. Parecia uma junta de bois, baios, rente ao capinzal. Mas não era. Fundiam-se as imagens, parece, dum homem e uma mulher em claras vestes. A coisa, distendia-se, clareava e escurecia. Parei a camionete quase ao lado, e fixei os vultos. Os seres não poderiam ser desse mundo de nosso Deus. Não se viam os rostos, mas só o gestual e uma voz nasalada. Cobertos com mortalha, ziguezagueavam, na beira da mata. Ziguezagueavam, em círculos, mas sem se afastar. Compreensível a linguagem. A ordem foi: – És o escolhido. Desliguei o motor do carro, nem tentei forçar escape. A coisa, o carro, nada obedecia mais aos meus comandos. Parei por ali, estático, só ouvindo: – Precisamos de alguém aqui. Você é a pessoa ideal. Redargui:

– Calma pessoal, eu não entendo. Não sei do que estão falando… A que um dos germinados me trucou: – Sabe sim, desde aquela lá de Ibirapuitã. Puxei pela memória, terra de meu pai, meus tios no Rio Grande amado. Não sei… não lembro, o espirithado era um primo meu, não o poeta, o parvo de pouca verve, como fui e sou. O espirithato era o outro, que via gente cirandiando a sua frente, pessoas de trajes coloridos em lugares ermos. Meu primo, o Jandir, assombrado, pensei. Devem ter se enganado. Embora, vinha nítida a imagem da visão que tive lá em criança, a grande tela em amarelo e as revelações poéticas. – Não fui eu aquele. Aquela vez… Era o meu primo, argumentei. Ao que sentenciaram que não adiantava blábláblá… que minha índole, minha psique, meu tipo, levava a isso, ao encontro. Pê da vida, tentei mais uma vez a dissuação: – Encontro de quê, tô fora, não sei de nada… Senti o corpo todo pesado e vi um imenso túnel a minha frente. Um túnel que fazia curvas e mostrava lugares, estranhas vias celestes, seres em trânsito, estrelários. Módulos de linguagens, cinéticas aparições. A voz pausada e dupla dos visitantes, me tirou daquilo: – Vai ficar a nossa disposição, sempre que for instado a fazer algo. Isso inclui, contar coisas, relatar em linguagens poéticas ou não… Pá pá pá pá pá pá pá pápápá… Pensei não posso assumir esse compromisso com o além, essas criaturas do espaço, sei lá de onde!? Disse: – Pensem bem, não sou nada, tenho dívidas, problemas, ouço coisas, faço poemas, tô fora daqui, noutra… Peguem alguém daqui mesmo, (da Terra) um cara firme de pés no chão. Uma pessoa centrada, normal. Normalíssima. Até citei, pra enganar os ditos, uns nomes conhecidos de políticos bem sucedidos, mais o padre, uma psicóloga e uns dois ou três vigilantes noturnos. A resposta foi não e não e não. Tinha que ser eu por isso e por aquilo… te te te teteteeeeeeeeeeeeeeeee. Caracas. Que enrosco, pensei, fui me meter. Azar da cobra assassinada. Mal presságio na vinda. O vinho azedo de garrafão, sei lá! Digo pro que restava de mim, melhor partir pro combate. Tentei erguer os braços, naquele golpe de Taekwondo que aprendi em mais de ano e: nada. As pernas então, pareciam de metal e parafusadas ao carro. Só me restou concordar com tudo: de que teria que marcar pessoas interessantes, de bom intelecto, cultura, e vocacionadas ao mistério, e às viagens astrais. No mínimo selecionar seres além do normal, do que é um viver de terráqueo. Cuidar como cuida um filósofo de seus preceitos, temas, vendo o comportamento dos irmãos pés no chão, pra identificar e delatar aos (ora ali) tenebrosos do espaço. Essa era apenas uma parte da esplendorosa e fácil missão que acabavam de me impor. Aos poucos as figuras foram se afastando, mas as vozes, os mandamentos a mim endereçados, vinham claros, claríssimos. Dentro da mata, na pequena clareira, via-se a nave, recheada de luzes intermitentes. Uma figura esguia, de (calculo) uns dois metros e meio com um capacete metálico, e tipo um microfone, onde seria a boca, falava pelos seres assombrosos que me cercavam. –Tem que ser este. Dizia a figura horrenda, provavelmente o chefe da missão. Meus argumentos de haver pessoas mais preparadas do que eu para o que eles queriam, resultava em nada. Nada. Falei:

– O padre Reginaldo, a psicóloga, a repórter Esso, o médico, são pessoas superpreparadas pros vossos objetivos, detém muito mais conhecimento espiritual, mais conhecimento da alma humana do que eu que sou um desastre em conhecer (sequer) sobre mim mesmo…  dos outros então, nem se fala. Etc. etc… Acrescentei ainda: – Sou meio meio-bipolar, sonambulizo as vezes… E mesmo assim a voz do chefão, ecoava como uma serra elétrica, autoritária, alardeante.

– É você que precisamos. E vai ser assim… Falou o dito cujo tremeluzente, que eu deveria especular pessoas, interferir na esfera das relações alheias, freqüentar todos os espaços participados por homens e mulheres e dedurar todos os de seus interesses. Ruim, heim! Ainda mais eu que pouquíssimo me interesso pela vida dos outros. Embora não deixe de ser solidário, na minha prática cristã. O interesse deles era de gente de boa bagagem intelectual, com expansão de consciência, aptas a serem apresentadas nas mais diversas nathuras cósmicas, até como modelos (no campo do ético e do estético), tomadas de conteúdo bom, beirando a sã loucura da criação… algo assim, pelo que entendi. Desesperado, me atirei por nada: – Fiquem com meu carro, minha terrinha, aquelas cabeças de gado e até os cristais de rocha que (nasceram a alguns milhões de anos) e estão enterrados bem fundo ali, perto daquela velha araucária… Mas a resposta era sempre a mesma. – É contigo e mais ninguém. Enloucaram os tranhos que tinha que ser comigo e a madrugada ia passando e nenhuma solução pro debate que se estabeleceu ali. Por derradeiro, apelei pro meu novo livro, em fase de revisão, mil e tantas páginas de ARIJO – O ANJO VINGADOR DOS POETAS RECUSADOS… que estava pra sair logo por uma editora paraguaia… já publiquei um em Assunção, pela nanica YiYi Jambo… que era  importante pra mim, concluir a obra, obsessivamente. Eeeeeeeeehhhhhhhhhhhh… É…  não tenho editor em meu país. Aqui os editores são muito pobres. Querem que o author pague o livro de seu próprio bolso. Ahhhhhhhhhhhhhhh. Um livro (esse meu inédito) grosso, místico, semiótico e subletrado. Um livro maldito, no bendito da invenção. Na enteléquia da proseletílica encontrei você, vestida de branco, envolta num poema úrbico… Deixa pra lá… Um livro que quase deixou um primo meu investido da personagem principal pra sempre, em vingando os não-vingados do planeta. E bastou ele ler apenas três páginas. Perigoso. Muito perigoso esse objeto sígnico. Recebi, quando quase os convencia de não ser a pessoa ideal aos seus intentos, a definitiva sentença.

– Isso, agora tá confirmado, o livro já foi lido, relido por nós e é a chave da sua transferência aos nossos mundos. Não temos mais dúvidas.

Tive um choque, suava frio e tremia. Eu transferido, pra que mundos, meu Deus! Quero só terminar meu livro, cuidar das crianças, tratar aquele gadinho, vitaminar umas éguas de cria, amantes do cavalo Tigre, o Paint Horse, que parece vai me dar bons produtos pra venda. Claro, manter um pequeno sonho de alguns poucos milhares de reais de direitos de author… coisinha de nada… de quem se habilita a criador de casos intelectuais, também serve. Ehhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh. Curucaca da campina. Pensepensando, astuciei de aceitar tudo, (de mentirinha é lógico) ante o inevitável: – Tá bom eu aceito. Mas minha mesa deve estar sempre farta do melhor alimento, bom vinho, boa cama e sonhos transdeliciosos. A bela do Iguaçu, que correu a esteira da nave aquela vez do tesouro perdido, sempre invadindo nossos espaços terrenos, para o bem da vida, da arte, da literatura, da música, da sensualidade, do desejo e fuga enfim dos problemas.

O poderoso chefão alienígena assentiu que atenderia aos meus pedidos. Lentamente, a nave levantou da clareira, com os seres obscuros da beira estrada e o comandante em chefe, além de outros tripulantes esguios e melancólicos que se encontravam no bólido. Um leve aceno, pairou, suspenso no ar. Aceno de acordo firmado e registrado em cartório do espaço. Coisa de arrepiar…

Ficou pra mim (esse quase-nada) a obrigação, estampada num contrato telepático de alta resolução, de marcar indivíduos, e a cada troca de lua, SINALIZAR AOS CÉUS os caracteres (qualidades) as mais estranhas que sejam com relação aos demais seres terrenos (selecionados).

Como a comunicação se dá telepaticamente, os instrumentos já estão instalados em receptores e emissor (eu no caso) que nunca tive uma dor de cabeça. Agora sofro uma enxaqueca prolongada em certos dias. Sem contar a preguiça, que remete aos orbes mais distantes do espaço infindo, onde o trabalho não existe pra poucos e tudo se resume a transdelírios e viagens interespaciais, após (em regra) ser pago o aluguel, educados os filhos, trabalhado doze horas por dia e enfrentado a fila do SUS, num dos amplos e sem-médicos hospitais da Via Lexyton hidv 5010.

 

 

 

 

 

 

 

O Sofá – por omar de la roca / são paulo

É meu costume deixar o despertador adiantado quinze minutos.Podia deixar na hora certa também e colocar para despertar quinze minutos antes.Mas é o meu jeito. Hoje de manhã acordei, depois de um sonho meio agitado.Esfreguei os olhos e comecei a lembrar do sonho.Me lembro que fazia referencia a um sofá.Sacudi a cabeça e sorri.Apenas um sonho.Peguei meu anel que estava no criado mudo e só então me lembrei do folheto.Estava debaixo do anel. Alguém colocara em minha mão na saída do metro Brigadeiro e eu distraído,coloquei no bolso de trás das calças. Mais tarde ao pendurá-las, encontrei o folheto.Então o sonho todo fez sentido.Reli o texto. Falava de um sofá que apagava as memórias. O texto não era muito longo, não dava maiores explicações. Era um sofá que você sentava, após assinar um contrato,que apagava as memórias que você havia escolhido previamente.Dizia que haviam se esmerado para decorar cada instalação ( que é como chamavam as lojas de esquecimento ). A que ficava nos Jardins era minimalista. Uma sala branca , um sofá branco de couro ( falso ,ecologistas ), um tapete branco e uma televisão de LCD de 52 polegadas. No centro antigo, era uma sala menor, de paredes amarelas, tapete azul e quadros escuros. A TV era de LCD, mas de 32 pol. Na Berrini era uma sala toda preta, com um sofá escuro.Parecia um confessionário do BBB. Tudo era pensado para garantir o conforto. Três outras lojas estavam em fase de acabamento no Rio de Janeiro. Havia ainda uma pequena descrição do método usado. Colhia-se um pouco de sangue para verificar a coagulação e outros itens.Media-se a pressão sanguínea. De cara desconfiei que era armação. Colocavam musica New Age em seus ouvidos,na TV vídeos de animais da Nat Geo ( a sua escolha ), incenso indiano  e colocavam sob a língua do requisitante uma suspeita pastilha de hortelã. Ah, detalhe , funcionava vinte e quatro horas. Mas não informava os preços. Como ainda era cedo, não me contive. Peguei no telefone e liguei para o primeiro numero da lista ( cada instalação tinha seis números diferentes ! ).Pensei que era um negocio em expansão que exigia  que os contatos fossem  imediatos. Uma voz eficiente atendeu antes do segundo toque. Dei meu nome e solicitei algumas informações. A voz que amavelmente se identificou como Maria ( Hum ! ) disse que estava as minhas ordens. Comecei perguntando sobre os preços.

– Depende da distancia que a memória escolhida esta do presente, senhor. Quanto mais distante, mais cara.

– Porque ?

– Porque dispende maior quantidade de energia para obter o efeito do relaxamento  (esquecimento ).

– E posso fazer um pacote de memórias a serem esquecidas ?

– Sim senhor,numa única sessão podemos relaxar ate quatro memórias, desde que de épocas próximas.Não podemos por exemplo relaxar uma memória sua aos sete anos e outra aos dezessete. Tem um arco máximo de três anos.

– E posso apagar, digo relaxar longos períodos ?

– Infelizmente ainda não temos autorização para relaxar longos momentos.Usamos o método americano que ainda é o mais seguro. Estão desenvolvendo relaxamentos de períodos mais longos, mas ainda não temos tecnologia segura e nosso presidente ainda não autorizou.

– Da empresa ?

– Não senhor, da republica. Os russos estão em fase adiantada de testes para relaxamentos longos. Comenta-se na Internet que conseguiram relaxar a infância de uma senhora que viveu esta época de sua vida durante  a ultima grande  guerra.Só não comentam o resultado,mas parece que ela ficou mais alegrinha.

– E é caro ?

– Não senhor, a relação custo benefício é excelente.

– E quanto seria para uma memoriazinha de infância ?

– Desculpe me senhor, só informamos preços pessoalmente.

– E o governo brasileiro, não faz nada para tentar abaixar os preços ?

– Os preços não são altos senhor. No momento os parlamentares estão mais preocupados com aumentos do que com descontos. Não devia comentar com o senhor mas os preços das memórias de guerra estão entre os mais altos.É que normalmente estas pessoas podem pagar mais.

– E o que vocês fazem com as memórias ?

– Depende do senhor. As memórias podem ficar armazenadas conosco por ate dez anos.Ou por um extra podem ser irreversivelmente destruídas.

– Destruídas ?

– Sim, se for uma coisa que o senhor tem certeza de que não quer mesmo mais saber…

– Pensei um pouco,memórias . Mas Maria ainda estava na linha e batia o lápis no caderno.

– Pode me explicar um pouco do procedimento ?

– Não sei muitos detalhes. Já fiz uma vez para esquecer uma coisa de que não gostava. Mas não dói. Não é como tatuagem.

– E o que você queria esquecer ? Existe devolução ?

– Desculpe me mas não me lembro.Fiz o pacote econômico, que guarda a memória por dois anos. Ao fim deste período poderei optar por lembrar a memória ou ela será destruída. Mas o nosso índice de desistência de esquecimento é mínimo. Depois que a pessoa esquece, dificilmente se lembra de pedir devolução do produto.

– E onde as memórias ficam guardadas  ? Não existe perigo de roubo ?

– Não senhor. As memórias são codificadas duas vezes antes de serem enviadas ao cofre em Brasilia. As senhas de acesso a cada uma delas ficam em poder de nosso presidente.

– Da república ?

– Não senhor, de nossa empresa. Nomeado pelos conselheiros americanos.

– Fingi que alguém falava comigo, pedi um minuto,cobri o fone com a mão e pensei.Será que é verdade? Que memórias, por mais difíceis, deveríamos esquecer ? A vida já não se encarregar de faze-lo ? Mas não. Existem coisas que nem a vida consegue varrer de nossa memória.

– Senhor Omar ?

– Desculpe me Maria, já retorno. Memórias tristes, que se agarravam a meus pés. Memórias que gostaria de deletar por definitivo. Mágoas, incompreensões, abusos.Poderia deleta-los todos, com uma só sessão. Só para começar. Depois estudaria as outras mais recentes.

– Maria, e quando vocês tem hora ?

– Só um momento senhor Omar,vou consultar em todas as lojas.

Ouvi o som to teclado sendo tocado rapidamente.  De novo.

– Só mais um momento senhor Omar.Me parece que a loja dos Jardins, esta com uma desistência para Novembro do ano que vem.

– Novembro ? Mas estamos em Dezembro !

– Nosso procedimento exige um período mínimo de seis meses durante o qual o paciente é acompanhado por psicólogos para ter certeza de que quer mesmo esquecer.

– E não existem exceções ?

– Sim senhor Omar, mas só são autorizadas pela presidente.

– Da república ?

– Sim senhor. Agora no final do ano damos entrada dos processos urgentíssimos, que serão julgados em no máximo três meses.Mas adianto que apenas alguns privilegiados conseguem. Ca entre nós, custa muito caro. Apenas alguns políticos conseguem.

– E a tecnologia é segura? Não corro o risco da memória voltar expontâneamente ?

– Olha senhor Omar, temos ordens de não dizer nada sobre isso. Mas gostei do senhor . Alguns de nossos pacientes esqueceram-se  de  mais do que deveriam. Mais do que constava no pacote. Estão com amnésia . Não conseguimos fazer as memórias voltarem. Nunca mais serão os mesmos. Mas se o senhor disser que eu contei , nego ate a morte. Para sua segurança as ligações não são gravadas.

– E nesse caso que você ( não ) me contou,o dinheiro é devolvido ?

– Não senhor. Após o procedimento realizado não há devolução. É feito apenas acompanhamento do paciente e da família.Esta é uma das cláusulas do contrato.

– E ninguém reclamou ?

– Achamos que algumas reclamações serão enviadas a nossa presidente no ano que vem.

– E como pretendem lidar com elas ?

– Isso fica a cargo da gerencia senhor Omar, sou apenas uma atendente.

– Desculpe me Maria, mas este emprego é bem pago? Você ganha comissão ?

– Esta acima da média do mercado,senhor Omar.Temos um adicional de contratos firmados. Deu para reformar nosso apartamento no Guarujá, no ano passado.

– Ah, entendi.Tem plano de saúde? Cartão alimentação ?

– Senhor Omar, o senhor não é repórter , não é ?

– Não, não, escritor.

– Então ta. Nossos benefícios incluem  os melhores hospitais e os melhores restaurantes.Podemos ate optar por esquecer algumas memórias por preço promocional.Mas depois que fiquei sabendo dos problemas, não me arrisquei mais.

– E a igreja, não é contra ?

– No começo o papa quis impor restrições no relaxamento. Memórias religiosas não poderiam ser incluídas. Mas somos contra o sofrimento e conseguimos passar por cima das imposições.Tudo que o paciente quiser,podemos relaxar.

– Ta bom Maria, não vou te perturbar mais.Obrigado.

– Não tem problema senhor Omar, venha tomar um café conosco quando estiver por perto. O senhor será sempre bem vindo. Diga que falou comigo, que o segurança o deixará passar.

– Esta bem Maria. Prometo passar por ai qualquer dia destes.Obrigado pelas informações.As guardarei sempre em minha memória.

– O senhor é quem sabe. Qualquer coisa podemos dar um jeitinho pro senhor. É o nosso negócio.

– Ok Maria, agradeço novamente, bom ano novo.

Coloquei o folheto dentro da gaveta do criado mudo. Preciso pensar. Será que algum dia vou me arriscar a deletar algumas memórias? Como irei me sentir ? Irei sentir falta delas ? Se me arriscar, não ficará um buraco em meu passado ? Será confortável ? Ou será como uma coceira que não se consegue coçar ? Por enquanto acho que vou ficar com elas. Boas ou más, a elas estou acostumado.Criei couraças. Mas de vez em quando as defesas caem. Só ai então irei me decidir a tomar um café com Maria e quem sabe agendar um relaxamento.

O TESOURO & A HISTÓRIA DE UM AMOR EXTRATERRESTRE de jairo pereira / quedas do iguaçu.pr


Duas horas da madruga. A lua deitava por trás da mata, do lado de lá do rio Iguaçu. Já havíamos cavado mais de metro e meio de terreno pedregoso. Nada do tesouro que vi no pêndulo de aliança, com fio de costura. É faço isso de vez em quando: acionar um pêndulo com a aliança presa num fio, nos lugares mais estranhos. Ali, as margens do rio, é que pude ver na fúria do pêndulo nos movimentos do relógio, o tesouro subterrâneo. Provavelmente um caixote ou panela de barro, cheia de moedas de ouro. Moedas, barras de ouro, relicários em jóias e até diamantes. Dá mais certo que com qualquer aparelho tecnologicamente sofisticado. Já acertei várias, mas tudo rapela. Moedas da coroa portuguesa e patacões de pouco valor econômico. Dessa vez acertamos no alvo, eu, o Landio Kanigoski e o Charles Soboleski. O Landio bebe muito, e já estava a meio litro de Jamel, quando batemos no casco do tesouro. Pedi ao Charles pra sair de lado, e aventei de amarrarmos o Landio que laborava com um enxadão perigoso. Muito perigoso. Bêbado, já dava sinais de transtorno psíquico. Os olhos giravam dum lado ao outro. Acho, pressentia a riqueza em suas mãos e de repente já pensava em apoderar-se sozinho do achado. Era um perigo pra nós. Não deu tempo, sequer de amarrar bem o Landio Kanigoski. A supernave que apareceu ali, primeiro sobre o meio do rio Iguaçu e depois vagando pela margem onde perfurávamos, perto em torno de 60 metros, apavorou e truncou tudo. Aquietamos com o bebum, dando trabalho, sob uns sarandis no barranco e prestamos atenção na nave, agora estacionada a menos de 5 metros de altura no capim seco da fazenda. Uma esteira longa e luminosa desceu do trambolho. O som era suave e penetrante. Uma névoa fina, envolveu a parafernália pratametálica. Sobre a esteira, uma mulher de metro e oitenta, pele clara, mas não loira, desfilou alguns metros. Do nada, surgiu um homem magro, todo de negro. Um traje bizarro, de botões luminosos na lapela do casaco e nas laterais das calças e botas. Dava pra ver o rosto do vivente, moreno, nariz adunco e olhos fundos. No encontro com a pele marfim, claríssima, beijaram-se. O Charlinhos Soboleski, disse: eu conheço aquele cara, é o Jarbas de tal, da Bandeirantes, aqui de Quedas. Falei, não viaja Charles, esse cara não existe. Isso aí é alucinação nossa… por causa do buraco que abrimos na fazenda do homem aqui, sem licença. O bebum, se alterou e: deixa que eu me acerto com esse aí… eu… eu. Demos um chega pra lá nele e o enliamos em aperto com uma corda comprida nos caules do sarandi. Os amantes, na esteira luminosa e longa, no maior transe. Um som diferente, tomava o ar, quase uma música eletrônica. Falei pro Charlinhos, que deveríamos, deixar picareta e enxadas ali e cair fora. A cerca era perto, e a camionete aparecia estacionada numa lombada de chão batido. O Charles, observou que os amantes entravam na nave. Ela linda. Exuberante, no balanço e andar. A esteira ia sendo recolhida com vagar. A nave levantou vôo, primeiro em vertical e depois meio de lado, costeando a barranca do rio. O mistério. Matutamos. Quem era aquele cara estranho!? Parece até, usava um revólver niquelado na cinta. E a moça, linda de matar. Pescoço comprido, fino e claro. Orelhas pontudas como personagem do Guerra nas Estrelas. Sobrancelhas bem definidas. Testuda. A boca, dá licença, desenhada em carmim. Lábios finos e perigosos. Pele marfim, clara, claríssima, roupa colante como escama de peixe. Pareciam mesmo, escamas de peixes pelo tórax, cintura e pernas. Cabelos longos, seios grandes, cinturão azul, translúcido. Me belisca disse o Charlinhos Soboleski, isso não pode ser verdade. Eu disse calma Charlinhos. Calma. Como diz o nosso amigo Betão da Pedreira. Deixa quieto. Xá quieto. O Landio Kanigoski, resmungou algo incompreensível. Ainda amarrado nos galhos, só pedia mais uns goles da boa. A garrafa da Jamel tombada de lado no mato. Demos uma talagada da outra, a do Sr. Stachelski, nossa de Kedas a ótima, num litro branco. Tirei a linha do pêndulo, pus a aliança no dedo e joguei uma pedra no imenso buraco que fizemos na fazenda do homem. Deu um estouro na tampa do truvisco miliardário. Tava ali o negócio. Tava ali o compensário de privações passadas, o tal de sempre querer e nunca poder. Quando o Charlinhos abaixou-se pra abrir a tampa cinza, corroída de tempo e ornada de formigas verdes, ouvimos novamente o som estridente da supernave que havia aportado a pouco ali e nesse instante retornou. No mesmíssimo lugar, a esteira estendeu-se luminosa, e de dentro da belíssima composição metálica, saiu o cara de preto, (horrível composição) como se caminhasse sobre uma ponte. A arma, tipo revólver niquelada, lampiando na escuridão. Era o demo… A bela, acompanhou-o por alguns metros, beijaram-se e ela retornou ao interior da nave. O Landio, esbravejava, pra que o soltássemos. Empurramos umas pás de terra sobre o tampo do tesouro e não vimos mais nada. Aliás, consegui juntar o talão de cheque, a chave do carro, um cartão de telefone celular e umas moedas que me caíram do bolso. Depois não vi mais nada. Algo, nos tirou de nós. Um som fino, nos tomou e desmemoriou. Nos fez dormir, quedar silente. Quando acordamos, o bêbado ainda estava bêbado e brigão. O buraco, reaberto, e nem tium do tampo do tesouro, ou mesmo tesouro que juramos havíamos batido em cima. Será que o cara de negro, amante da bela extraterrena, nos surrupiou o negócio!? Será o comandante invisível da navemãe, num jato de luz aspirou o moedário pra dentro do engenho!? É só o que falta, (pensei) extraterrestres nos passarem a perna… tudo frustrado, quando batemos encima da coisa. Perguntas e respostas ficaram no ar. Ficam. Ficarão pra sempre. A nave já era pra nós. Nem sinal nos céus nebulosos. Passava das quatro e meia. O dia quase clareando. Varamos a cerca de arame liso da fazenda, com o bebum pronunciando palavras ininteligíveis, como se dominasse uma outra língua. Muitos xis e erres nos compostos de palavras. Jogamos os instrumentos de trabalho na carroceria da camionete e vazamos dali. O Charlinhos ainda insiste que o cara de negro, aparecido do espaço, sobre a esteira da supernave, era conhecido de algum lugar. Algum lugar, de que lugar!? Só Deus sabe. Falei: Charlinhos foi tudo alucinação nossa, coisa emanada do próprio tesouro que encontramos ou eu acho apareceu pra nós. Essa mulher não existe, esse cara não existe, essa nave é coisa ruim que nos tomou inteiros. O Charlinhos, não, não e não. Eu vi, eu conheço o cara Jairo. Esse cara tinha uma bodega, perto da Barra do Mato Queimado, e coisa e tal. O Landio, estirado na carroceria da camionete, compunha belos textos em língua extraterrestre. Poemas até, parece, feitos de xis e erres, emendados com soluços e arrotos, próprios de quem bebeu um pouco demais. Ficou pra nós a estampa da bela, atordoante em estética Et, que nenhuma poesia, filosofia, estética propriamente terrena teria condições de configurar, compor. Ousei, outra explicação ao fenômeno: Charlinhos, isso aí é coisa do tranho, o furfulhoso, o rebodoquenho’s… foi uma ilusão coletiva que tivemos. Ilusão, alucinação, zonzeira… e tudo era nada, só quartzo, pedra branca esmigalhada no enxadão e picareta. Além do mais a cachaça Jamel e a do Stachelski, se estranharam e deu pane em nós. Misturamos demais… com vinho e aquele litro amarelão de plasma de besouro, de três e cinqüenta reais.

O Charlinhos, não. Não e não. Foi tudo fato pra ele. Bebi só hoje. Não costumo beber, misturar, não fumo e não alucino a toa, falou. Depois dessa recolhi o pêndulo e o ímpeto de aventurar novamente os tesouros escondidos por jesuítas e aventureiros, às margens do rio Iguaçu. Tínhamos plano duma outra incursão em poucos dias, próximo à Foz do Chopim. Plano abortado de vez. Quem sabe, o maior tesouro, foi vermos a bela, clara, claríssima, lunática, transreal, extensiva em beleza na esteira, antes do aparecimento do cara de negro, chapéu de corvo, revólver niquelado, olhos úmidos e fundos, lampiado das trevas como o capeta em forma de gente.

A QUARTA PAREDE por jorge lescano / são paulo


No retorno do segundo ato, no centro da sala, Bernarda ocultava o rosto no interior do cotovelo esquerdo, esticava o braço direito nu à sua frente, a mão espalmada, os dedos trêmulos e, cambaleando, vinha para ele.

Por cima da curva branca que uniria a manga ao corpo do vestido, surgiu a axila. Era suave a penumbra aveludada de penugem, e Abeillard a sentiu com maciez de pluma. Foi uma visão fugaz – a rubrica exigia que ela deixasse cair os braços ao longo do corpo para expressar cansaço, impotência ante as “provas” que se acumulavam para culpá-la –, mas ele soube que nunca estivera tão perto da intimidade feminina. Mais tarde relembrou aquela depressão da carne e concluiu que essa axila era um milagre.

Cada noite Abeillard, corretamente vestido, esperou esse momento com uma ligeira mágoa. Renovava-se, também, o temor de que o milagre se desfizesse a força de repetição.

Sistematizou os sentidos. Precisava saber se era o balbucio tímido, ou o brilho acetinado do vestido (Não o enfeitou ontem com a camélia que lhe enviei?), ou o tremor dos dedos da mão pálida, ou o silêncio que se seguia à sua fala, enquanto seu braço descia e ocultava seu tesouro – mas era isto o que estava em causa –, ou ainda a voz rouca de emoção contida pelo reencontro e a atitude crítica de Constantin, os que envolviam de encanto aquela sutil fuga do corpo sob o ombro suavemente esférico, apesar do músculo fino aderir ao plano oblíquo do osso que o modela, ou se o efeito provinha da luz, que ao descer, como um luar de inverno depositava no ombro seu diamante e devolvia à pele sua cor rosa chá.

Notou, a partir da terceira noite, que a simpatia pelo marido, com quem se identificara no primeiro ato, diminuía. Sua eloqüência não lhe parecia tão justa. A solidez do caráter, minuciosamente construído pelo autor e elogiado pela crítica na crônica especializada, era a máscara por trás da qual se escondiam egoísmo e insegurança. A mulher, apesar da caleidoscópica fragilidade, resistia melhor às agressões de que era vitima em virtude daquela mesma fraqueza do marido, que Abeillard, tenso na poltrona, percebia com toda nitidez.

Na sequência, Bernarda voltava-se vagarosamente, deixando à mostra um triângulo perfeito de suas costas. Após um instante de hesitação – era perdoada de uma culpa incerta –, com os braços enlaçava o corpo de Constantin.

Para Abeillard, o gesto era teatral demais. Muito elaborado para ser autêntico. Isto o aliviava de certa inquietação sobre os verdadeiros sentimentos dela. Bernarda era obrigada pelas convenções a abraçar àquele homem que no seu íntimo repudiava. Agora ela também conhecia o verdadeiro estofo do marido, não importa o que dissessem os jornais. Abeillard compreendeu isto no olhar perplexo do ator. Porém, duvidava do significado da pressão de sua mão na cintura dela, a ponto de repuxar a bainha do vestido sobre a perna admiravelmente modelada. Tinha Constantin ainda essa prerrogativa? Até quando?

Eis que Bernarda aceita o direito de propriedade sobre si. Um direito que o pacto social do casamento outorga tacitamente àquele homem pelo qual já não poderá sentir amor (conto com que tenham lido meu bilhete). Ao mesmo tempo, é previsível que a compaixão, provocada pelo seu desastre financeiro, faça com que continue agindo (por quanto tempo?) segundo o que se espera nestas circunstâncias e no seu papel de esposa e mãe. Contudo, no caso, a fidelidade conjugal não é traição a si mesma apenas.

No terceiro ato sentia vontade de abandonar a sala e desistir da fuga. (Não aprovo a submissão de Bernarda. Ao lado de Constantin sua vida será erma, depois da atroz cena da carta anônima. Prova-o a maneira de avançar o braço e procurar apoio na parede inexistente no proscênio.)

Na cena final Bernarda volta corretamente vestida pela porta da esquerda, no fundo do palco, e vem para a direita do proscênio. Constantin, corretamente vestido e de três quartos de perfil para o público, está no local do milagre. Bernarda esconde as lágrimas abaixando os olhos numa reiteração das anteriores (Falsas!) reconciliações.

Cada noite Abeillard espera que ela, em vez de separar os lábios suculentos para o beijo e pousar suas alvas mãos de mármore nos ombros de Constantin (o que me permite adivinhar o doce vale de sua axila), continue andando, o deixe para trás sob a luz potente de um único spot (aumentando assim o efeito de vazio), e numa atitude altiva e corajosa (Por que esse olhar apreensivo na minha direção?), sem veneno nem punhais, abandone definitivamente a casa descendo os três degraus que levam à platéia (defronte à minha poltrona).

O POUSO DO PASSARINHO – de guilherme cantídio / natal

No tape-deck alternavam-se Tim Maia, Rita Lee, Barry White…ora um rock agitado, ora um som pra se dançar mais agarradinho. Dessa vez a festinha era no apartamento de Magnólia, colega de trabalho, divorciada, sem filhos, um pouco mais velha do que a média dos convivas mas, sem dúvida, a mais animada; sorriso aberto, gargalhada fácil…a simpatia em pessoa.

Aquele tipo de festa íntima entre amigos era tradicional em Brasília. Se é que alguma coisa  podia ser considerada tradicional na ainda jovem Brasília do final dos anos setenta. A escassez de opções de diversão, combinada com a privacidade proporcionada, dava um toque todo especial às “festinhas”, como eram conhecidas pelos candangos.

“Cheguei pra terapia” foi a saudação de Ivo, ao lhe ser aberta a porta pela anfitriã. Referia-se, jocosamente, a um relacionamento amoroso recentemente terminado, e que havia durado pouco mais de três anos, deixando-lhe emocionalmente bastante abatido, cheio de sentimentos conflitantes no coração: saudades, ciúmes, sensação de liberdade e, por fim, uma vontade incontida de divertir-se para, se não curar, pelo menos  esquecer-se daquele turbilhão de sentimentos.

A gargalhada de Magnólia se fazia ouvir a intervalos cada vez menores e contagiava a todos, que passaram a imita-la em coro, cada vez que ecoava pela sala. O ambiente não podia estar mais animado.

Ivo estava saindo da cozinha de volta para a sala, quando a campainha tocou, no momento em que se encontrava bem defronte à porta de entrada. Como tinha certa intimidade com a anfitriã, fez as honras da casa. Abriu a porta para dar as boas vindas aos novos convivas.

– Oi! É você? – perguntou Laura, com um sorriso de orelha à orelha, e um ar de surpresa indisfarçável. Laura era mais uma colega de trabalho que já havia dado em cima de Ivo um sem número de vezes, sem ter sido correspondida. Na verdade, nem mesmo Brigitte Bardot, em seus melhores momentos dos anos sessenta, teria conseguido fazer com que Ivo cedesse à uma cantada, nos últimos três anos. Estava acompanhada de uma linda morena. Magra, pouco menos de um metro e setenta e um olhar maroto, quase insinuante, segundo pareceu a Ivo.

– Eu mesmo. Tudo bem? Não vai apresentar?

– Ah, claro! Essa é a Mille, minha amiga.

Se o olhar da morena pareceu insinuante, a atitude confirmou. Com o braço esquerdo enlaçou Ivo por sobre os ombros, puxando-o carinhosamente para aplicar os dois beijinhos tradicionais de apresentação. No primeiro, displicentemente o beijo escorregou da bochecha para o canto da boca; o segundo foi um selinho sem disfarce algum, dessa vez com a ativa colaboração de Ivo que, ato contínuo, abraçava-a pela cintura.

Enquanto entravam sala adentro Ivo não pôde deixar de notar um ar de reprovação por parte de Laura. Ciúmes, nada mais. Até mesmo Magnólia que se aproximou para dar as boas vindas, acompanhada de um sujeito bem estranho, de cabelos rastafári,  percebeu que ali havia se formado um triângulo amoroso e conseguiu captar, como uma especialista, tanto o ciúme de Laura como o clima de “love is in the air” que envolvia Ivo e Mille. Espirituosa, do tipo que perde o amigo, mas não perde a piada, encarou Ivo e falou:

– Sua terapia está indo muito bem, mas cuidado com algum efeito colateral! –  enquanto pronunciava “algum efeito colateral” retorceu a boca em direção à Laura.

Mais uma risada retumbante de Magnólia se fez ouvir. Todos imitaram. Atravessaram a sala e sentaram-se no chão, em um dos cantos, próximo da janela. Laura, ainda exalando ciúmes, teve sua oportunidade de ouro de dar a volta por cima ao aceitar, de pronto e entusiasticamente, o convite pra dançar que recebeu de um sujeito bem apessoado, um dos poucos desconhecidos, provavelmente convidado de algum colega de trabalho. Com a área livre, Ivo e Mille se entendiam cada vez melhor e formavam um casal simpático e apaixonado.

– Sabe, MIlle, estava me sentindo desambientado aqui na festinha, embora conheça quase todos aqui. Mas no momento que abri aquela porta e nos vimos pela primeira vez a sensação que tive foi de um lindo passarinho pousando suavemente bem aqui, na palma de minha mão.

– Interessante você dizer isso. Olha só…fazia bastante tempo que não me divertia…muito trabalho, muito estudo. Hoje, antes de vir pra cá disse para mim mesma: hoje estou pronta pra voar. Passarinhos voam, né? olha só onde vim pousar…

– Aqui, na palma de minha mão.

Um beijo apaixonado selou aquele momento romântico de pura poesia.

Todos se divertiam, inclusive Laura. Estranhamente, apenas Magnólia estava com um semblante de preocupação. Agachou-se de joelhos onde estavam sentados Ivo e Mille e disse, com jeito de preocupada e decepcionada:

– Ivo, temos um probleminha básico aqui: faltou bebida. Você está de carro aí?

– Claro, conte comigo.

– Ótimo! Estou fazendo uma vaquinha e já te passo a grana…mas, – olhou no relógio de pulso, que marcava 01:15 hs. – será que tem algum lugar aberto a essa hora?

– Deixe essa parte comigo. Tenho um amigo que é gerente de um Pub aqui perto. Em meia hora devo estar de volta com os “birinaites”. Uma grade de cerveja e duas vodcas. Acho dá.

Ivo convidou Donato pra ajudar na “estiva” que, bem acompanhado de uma loura lindíssima, declinou. Donato era um bonachão, sempre com um sorriso no rosto e uma piada para contar.

– Me dê um motivo pra eu largar esta loura quentíssima aqui e me agarrar com vinte e quatro louras geladas que não falam, não beijam não abraçam…

– Nossa amizade – bradou Ivo, entrando no clima de humor de Donato, – é um bom motivo.

– Não basta! bote mais peso no prato dessa balança.

Nesse ponto da conversa tudo já tinha se tornado um teatro. Inclusive com plateia. Os convivas rodeavam Ivo e Donato às gargalhadas, conhecedores que eram da fama que Donato conquistara de humorista nato, e que agora tinham oportunidade de presenciar uma apresentação ao vivo, por assim dizer, sem ensaios nem scripts a seguir.

– Tá bom, Donato – ponderou Ivo, dando prosseguimento ao jogo de cena que Donato desencadeou – reconheço que sua loura é muito mais agradável de se olhar e muito mais apetitosa, mas só da boca até a garganta. Daí pra frente (ou pra baixo, melhor dizendo), as lourinhas geladas que vamos buscar vão nos alegrar muito mais.

Agora tudo parecia mais um duelo de cantadores violeiros de improviso. A turba se contorcia de tanto rir.

– Ivo, você é um tarado. Deixe minha loura de fora dessa que por dentro eu cuido, né bem?

– Eu, hein! – disse a loura, encabulada. – você e seus trocadilhos…

– Donato – interrompeu Ivo – você não percebe que trata-se de uma questão de utilidade pública? olhe para essas pobres criaturas carentes de alegria e emoção que esperam que nós  cumpramos a missão nobre de adquirir combustível para alegrar a todos nós.

– Agora eu me emocionei. Estou quase convencido. Me dê o argumento final.

– OK, está aqui: vamos agora mesmo porque se você não vier vou lhe encher de porrada.

Enquanto ia falando aproximou-se de Donato e fez o gesto de pega-lo no colo, mas antes de consumar o ato Donato, de puro improviso, jogou-se no colo de Ivo e assim saíram os dois, como recém-casados adentrando a alcova, porta afora, sob os assobios e aplausos dos convivas.

Ivo calculou bem o tempo da empreitada. Em menos de quarenta minutos estava de volta. Enquanto acomodava as bebidas na geladeira Magnólia, mais uma vez com ar de preocupada, relatou que enquanto estivera fora aconteceram duas coisas chatas.

– Bom, primeiro, – começou Magnólia – você ainda não foi na sala pra ver que quase metade das pessoas foi embora. Mas o pior não é isso…é que …sabe a menina com quem você estava?

– Sim.

– Pois é…dê uma olhada lá. O cara que estava comigo está lá conversando e dando em cima dela desde que você saiu. Estava aqui pensando se não tinha uma maneira de nós dois darmos um jeito nisso.

– Vou lá. Vamos ver no que vai dar. Xi! o rastafári é grande, hein?

Ivo pegou uma cerveja e dois copos e dirigiu-se à sala. Estavam lá dois casais sentados em círculo, além de mais umas dez pessoas, entre homens e mulheres. Sentou-se, atrevidamente, entre o rastafári e Mille. Beijou-a e foi beijado de volta. Encheu um copo de cerveja, entregou-lhe; encheu o outro e por pouco não o esvaziou de um só gole; completou o copo, olhou para o lado esquerdo e lhe pareceu ver sair fumaça das tranças do rival; olhou para baixo e completou o copo dele com cerveja.

– Pô! tou bebendo vodca

– Ops, desculpa aí, cara! tem mais vodca aí. Acabou de chegar.

– Cara mais desligado…que merda!

O rastafári grandão saiu reclamando e falando palavrão. Foi direto para a cozinha, onde estava lhe esperando Magnólia, cheia de amor pra dar. Dez minutos depois foram para o quarto de casal. Entraram e menos de um minuto depois Magnólia sai, sozinha, em direção a Ivo e lhe diz no ouvido: “Você salvou meu dia. Se precisar do outro quarto a chave está na fechadura, pelo lado de dentro”. Voltou correndo para o lugar de onde tinha vindo, toda sorrisos.

Ivo se levantou e ajudou Mille a fazer o mesmo. Tomou-a  nos braços e sem trocarem palavra, foram ao quarto. Com certeza Mille havia escutado o sussurro de Magnólia e adorou a idéia. Trancaram a porta e começaram a dançar, ao tênue som que vinha da sala, na voz sensual de Rita Lee cantando Mania de Você”. Em cinco minutos o chão ao redor do casal acumulava, aleatoriamente espalhados, um par de sapatos, um par de sandálias, uma camisa, uma blusa, duas calças…

No centro de toda essa bagunça batiam dois corações loucos de paixão, no ritmo acelerado, típico das circunstâncias. Mas não eram só os corações que batiam. A porta também batia. Ou melhor, alguém batia freneticamente na porta.

– Mille!, Mille! – chamava insistentemente Laura, pondo uma ducha de água fria no clima de romance tórrido, prestes a se consumar.

– O que aconteceu, Laura?

– Vamos embora, Mille. Agora, por favor. – completou, chorosa.

– Só mais um pouco e já vamos, Laura. Tenha paciência.

Nem Mille nem Ivo sabiam o que tinha acontecido na sala, mas desconfiaram: Laura, de alguma forma, tinha se dado mal com seu par. Uma mulher com ciúmes, sabe-se, é capaz dos atos mais desvairados; uma mulher com ciúmes e, ainda por cima, ferida em seus brios de mulher pode protagonizar atitudes ridículas, como essa que agora presenciavam.

– Mille, por favor. Lembre-se do que combinamos quando viemos pra cá.

– Que foi isso? – indagou Ivo, baixinho, a Mille.

– É verdade, confessou Mille. Antes de sairmos combinamos que sairíamos juntas e voltaríamos juntas. Além disso ela vai dormir lá em casa.

Nocaute. Não havia nada a fazer. Lentamente cataram suas peças de vestuário. Abriram a porta. Laura chorava. Ou fingia. Nunca saberão.

Ivo acompanhou-as até o elevador, sem proferir palavra. Antes de entrar Mille tornou-se para Ivo, com os olhos úmidos. Com dificuldades pronunciou apenas uma palavra, quase inaudível, que traduzia vergonha e decepção:

– Desculpe.

Duas lágrimas rolaram então de seus olhos e, sem conter-se, levou as mãos ao rosto enquanto o elevador seguia seu curso.

Ivo voltou ao apartamento onde, no tape-deck, ouvia-se John Lennon cantando Norwegian Wood (This bird has flown).

Só então percebeu que seu passarinho tinha voado.

Apanhados de uma carta encontrada num antigo livro. Ou esboço para um longo poema de amor. – por régis fernandes / ilha de santa catarina


Seu corpo levantou da cama. Permaneci deitado, não conseguia dormir, tentei por uns quarenta minutos. Ela estava se arrumando. Precisava de quinze minutos com ela e tudo estaria resolvido.

Foi para porta, se despediram e saiu. Levantei, não disse nada, fui atrás. Ela percebeu e não fez comentários. Descia as escadas. Atravessou o saguão do prédio e comentou a esmo que estava atrasada, não sei se foi para mim ou para o porteiro sempre estável na mesma atitude que dá nome a sua profissão. Nada o incomodava, nem pessoas e seus cachorros, síndicos ou pequenos aposentados. Alugueis atrasados ou entra e sai de gente estranha.

Viu duas figuras de olhos fundos, carregando ou sendo carregados pelo fim da brisa noturna. Seus semblantes cadavéricos. Revelava o peso da noite mal dormida, a esperança continua de mais um papel, mais uma dose. Era esse o motivo do entra e sai? Pequenos traficantes, aproveitadores, artistas, desocupados, amigos e não amigos, uma fauna vazia. Destruições magnéticas, rondas sinistras. Cercando a cabeça dos pequenos suicídios.

No estacionamento, entrou no carro pela porta do motorista, abriu a porta do passageiro. Entrei, entramos. Teve um leve sorriso de ambos.                                                                                                                          Iniciar uma conversa? Mas sem resultado fiquei quieto. Manhã sonolenta, a luz é como um tiro de máuser atravessando meus ânimos. Um nó na garganta fazia o gosto amargo circular. Queria esquecer que existia.

As vísceras do dia surgiam como chumbo pendurado. Precisava dizer, faltava coragem. Tão cedo, um congestionamento centopéia, invadia a cidade, suas ruas entrando em pessoas mal humoradas, gentilezas  banais. Ela ali do meu lado, pouco importava se tudo ia mal. Ela ali do lado, não sabia como dizer, nem mesmo conseguia desviar minha atenção daquele rosto púrpura.

“E o que vamos fazer?” perguntei com voz trêmula. Comecei mal, devia continuar? Olhou-me com olhos verdadeiros e negros. Eram tão fortes que faziam  meu estômago urrar, suspenso no abismo. Segurei  sua mão. Uma despedida?  Quase chorei, sem álcool, nem cocaína. Seu olhar, aquele que sempre quis receber, sincero.  Mãos juntas, até trocar de marcha. “O que vamos fazer?” Perguntei com firmeza. “O que você vai fazer?” Retrucou ainda séria. “É cedo, estou indo para um emprego de merda, não quero falar sobre isso agora.” Acelerou mais, olhou para frente. Como fazem as pessoas decididas. Com a mão deitou o cabelo para trás, trocou a marcha e procurou a minha. Pediu desculpas, aceitei.

Lá fora, um frio danado, dentro também. Queria ir embora.

Pessoas com pressa atravessavam as ruas, o sol não chegou. Estava atrasado, provavelmente não viria, tudo escuro. “Vem comigo, vamos embora agora, vamos ficar juntos, vem?” Era isso que queria dizer, fazia três semanas, só pensava nisso, dia e noite. Ela toda, só isso, juntos. Podia aceitar, podíamos ir embora, a cidade não me queria mais.

Fez uma curva, entrou na avenida. “Você ficou maluco acha que posso ir assim? Abandonar tudo e ir? Não consigo entender a cabeça de vocês. Acho que devemos ficar um tempo sem se ver. É melhor darmos um tempo.” Fingi que não escutava, não era real, a sua resposta rasgava.

Não era brincadeira. Segurava minha mão em seguida soltava para trocar a porra da marcha. Enquanto falava, não voltou a segurar. “Sabe que não podemos ficar juntos é melhor terminar com isso.” Tentei concertar, disse que não precisávamos fugir, mas continuaríamos juntos. Quem sabe moramos juntos os três? Riu e me pediu para não ficar chateado. Mas não dava mais.

Parou o carro, descemos, falei que ia esperar voltar.

“Entenda. Acabou não precisa me esperar. Não quero, é melhor ir embora!” Realmente brava. Com as mãos no bolso, esqueci o que fazia ali, fui para outro lugar, queria voltar para casa. Dormir um pouco, descansar.

Com um sorriso, pediu desculpas. “Deu as costas e foi embora.” Não! Espera!”gritei, voltou à cabeça. Acenei e ela voltou com o olhar me dizia adeus, seu corpo todo dizia adeus. “Vamos pensar melhor, te amo e nada de mal vai acontecer, em outro lugar podemos ficar juntos. Vem comigo?”

Do outro lado da rua, uma velha seguia para seu emprego, lépida, contagiada por milhões de enterros. Na minha frente, respirou fundo, queria se livrar daquela situação. “Não posso ir com você e sabe muito bem porque, não agüento mais isso. Nem minha vida e muito menos essa cidade. Mas não posso desistir de tudo agora. Se nada der certo na minha vida como já está acontecendo vou embora da cidade, do país, ou melhor, do mundo, vou sozinha. Desculpa fazer isso, mas preciso ir embora, quero que vá também, ou depois conversamos, estou atrasada. Fica bem, até!” Me deu um beijo e foi.

Usava saia preta bem justa, não andava bem de salto. Foi sem olhar para trás, uma única vez.

Na calçada, do lado do carro. Perdido, entre postes e seus fios, queria a palavra exata, queria que me batesse na cabeça. Olhei novamente e desapareceu.

As ruas e suas pessoas. Seus empregos. Esperava eles jogarem terra, para não ter mais que fingir. Isso não aconteceu? Levantei. Minhas unhas sujas, roupas em trapos. Fui para o centro. Caminhando pela Paulista.

A última visão, do lugar. Onde andei todo esse tempo? Uma voz gritava ao meu ouvido. No meu crânio milhões de velas, não reconhecia a voz. Isso já não importava apenas uma idéia, era o bastante.

Conduzi ou conduzido, na longa caminhada. Sonho hermético que não se realiza, campo urbano, perdido em eixos imaginários, circulava meu eterno adeus. Porém não terminava. Sete dias e a serpente encontrou o rabo.

A cidade cantou meu testamento, escutei os versos, parado em uma esquina, seu adeus.

O farol indo do verde para o vermelho. Faixas com pedestres. E a rua é um cemitério pavimentado. Na linha da minha mão, o metrô seguiu uma enorme sala de estar vazia. Nenhuma pequena humanidade, um palco vivo sem acontecimentos.

De cima do viaduto do Chá, vi pequenos desenhos dos ladrilhos, lá em baixo. Queria esquecer Ana,  precisava ir embora. Para onde? Foi quando encontrei… (aqui termina a carta).

PROBLEMA CONJUGAL por hamilton alves / ilha de santa catarina

Maria e José se encontraram um dia em circunstâncias que nunca souberam se explicar. Pouco tempo depois se casavam.

Ele era jornalista, ela professora.

Tudo ia  bem no início com o casal. Até que um dia…

Na vida de um casal, seja qual for, há sempre um dia.

Esse dia não demorou muito.

José era homem prático, sem protocolos nem formalismos. Ao contrário de Maria, que era amante dos detalhes (aliás, como a grande maioria das mulheres).

Num certo dia, José entrou porta adentro informando a Maria que no dia seguinte, à noite, compareceriam a um jantar na casa do editor do jornal em que trabalhava. Se topava o convite.

Maria gostava de umas festinhas desse tipo para encontrar as amigas, algumas delas colegas de trabalho do marido.

No dia seguinte, antes de sair para a redação, José lembrou à esposa que tinham o compromisso do jantar. Deixou-lhe dinheiro para que comprasse um bom presente para o casal anfitrião.

José retornou cedo, fora de seus hábitos, à casa.

Sabendo que Maria levava tempo para se arrumar, enfiou-se primeiro no banheiro, dando todo o tempo para ela.

Quando foi a vez de Maria, demorou-se no banho. Quando deu com José na sala, estava de terno, gravata, lendo o jornal daquele dia, pronto para sair. Só à espera que Maria se arrumasse.

– Só agora que você saiu do banho? – perguntou, vendo-a embrulhada na toalha. – Vamos nos atrasar.

– Me arrumo rápido. Um instante só.

José já tinha lido todo o jornal. Até a seção de palavras cruzadas tinha resolvido quase toda.

– Mariaaaaaaaa! São quase nove horas!

– Não se apresse, meu bem. Há tempo para tudo na vida.

– Não podemos dar o vexame de chegarmos atrasados. É uma indelicadeza. Além do mais…

– …você é muito nervoso, espere um pouco… o mundo não vai se acabar por um pequeno atraso.

– Já pensou no congestionamento, na distância que tem de nossa casa até à do Demerval (nome do editor chefe)?

– Levou mais uma meia hora para dar-se por pronta.

Quando deu com José, estava de pijama, chinelo, lendo o mesmo jornal, tendo concluido as palavras cruzadas.

– Estás pronto? – perguntou-lhe.

– Estou, vamos pra cama!

Maria saiu porta afora, não sem antes arrancar a aliança do dedo e jogar na cara do marido. Pegou um taxi e foi dormir aquela noite na casa dos pais.

José, sem saída, foi resolver  palavras cruzadas.

A N O I T E D O P U M A – por jorge lescano

É o infortúnio, rainha, que nos separa?
É a desgraça, princesa, que nos separa?

É por ser tu minha florzinha azul, minha flor amarela?


[…] Como um espelho de água és uma ilusão.
Como um espelho de água és um engano.
Cantar de amores inca.

A mulher dissera que viria encontrá-lo ao pousar a lua na testa do puma. A silhueta da montanha erguia-se contra o céu translúcido, em breve a pedra do Puma levantaria a cabeça. A astúcia e a beleza do felino, a solidez da pedra, guardavam na noite vazia o templo do amor do Inca.

Apenas Ele, o grande sacerdote de Inti, os eunucos e algumas velhas, tinham permissão para entrar na Casa das Escolhidas.

Foi o olhar da coya – entre todas ela, a irmã e esposa do Filho do Sol – que o despertou para isto que agora o prendia junto ao muro da Aclla-Huasi, sentindo tremer o peito e latejar as têmporas.

A mulher dissera que a irmã da princesa, tão bela e exclusiva quanto ela, duas pétalas da mesma flor, acalmaria seus anseios. Jurou que também a coya sofria, por isso concordara e facilitaria o encontro. Daquela hora até o amanhecer, o Inca deveria participar da cerimônia de imolação de um jovem casal; teriam assim liberdade absoluta para se amar, por algumas horas.

A mão que o guiava era fina e suave. Também esta mulher havia sido uma das Escolhidas. Agora o abandonava na porta da câmara; sem uma palavra, a velha se afastou deslizando no clarão da lua. Começou então um tempo impossível, como vivido por outro homem.

Na luz dourada da tocha, a mulher pareceu surgir do nada. Apenas o olhar vivia na tensão do rosto. Luzia na testa uma diadema de ouro, sobre a qual brilhava uma lua de prata, símbolo da hierarquia da coya; oferecia-lhe um manto púrpura e uma réplica do llauto, o turbante que três vezes envolvia a testa do Inca, com uma borla auro-rubra a cair  na sobrancelha esquerda.

– Somente assim paramentado o Filho de Inti tem acesso à carne da aclla — as palavras tremeram levemente. — Seremos eles durante nossa cerimônia.

A borla bateu com suavidade na fronte. Talvez naquele momento sentiu a enormidade do seu ato, e o castigo pareceu-lhe justo. Nada menos que a morte merecia quem, violando seu espaço sagrado, lhe usurpasse a dignidade. Vagamente entendeu que caíra numa armadilha. Ao mesmo tempo, soube que o perigo sacramentava seu amor.

Uma mão delicada, carregada de anéis e de pulseiras, procurou seu corpo.

– Vem, o pensamento de minha irmã aquecerá meus beijos – no olhar da fêmea a paixão do puma.

Então ficou de joelhos, abraçou-lhe o quadril e não poderia dizer se a desejava ou lhe pedia perdão. Sabia, contudo, que o retorno era impossível. Depois pensou que a Lua, mãe do Inca, autorizara seu ato ao se esconder por trás das nuvens quando ele penetrou no corpo proibido.

Contava-se que na segunda noite a fera descia da montanha. Um puma de prata, encarnação noturna do Inca, de garras e dentes implacáveis, e que antes de fincar os dentes em sua carne, lamberia seus pés ensangüentados.

O animal faminto e silencioso poderá ser o libertador do sol e da sede e da dor, que começa na raiz dos cabelos, pelos que estão ambos amarrados  a uma árvore — até que a morte chegue após indizível agonia, determina a lei de Manco Cápac. Uma dor que se expande pelo espaço a partir dos pulsos e dos tornozelos,  firmemente atados  com finas tiras de couro  umedecido, abarca as pedras, as montanhas, o vasto céu e continua em outras vidas.  Cãibras  que  esvaziam  o  mundo.  Deixam-no  oco,  sem ar, sem movimento, exceto a reverberação do sol e o inevitável deslizar do puma, ainda quieto na penumbra da rocha, mas já predestinado ao salto, ao rugido, ao seu sangue. E à carne daquela que o acompanha no suplício. Não pode vê-la, não sabe se é a mesma que saboreara certa noite, agora tão longínqua, como se fosse fruta, Que acariciara com os olhos e as mãos e a boca e o pênis, até que seu amor foi uma convulsão e gemidos e uma erupção ardente e viscosa que inundou os labirintos dela, obrigando-a a estreitas ainda mais os olhos e o abraço, e lhe tirou dentre os lábios um sussurro antes do grito que o trouxe de volta ao interior da Aclla-huasi e o jogou nas mãos potentes dos eunucos que, como a ela, o imobilizavam.

Seu grito ainda ressoava entre os gritos das serviçais que choravam e tentavam defendê-la. Então soube que possuíra a verdadeira coya. Acreditando tratar-se de uma substituta, desejara aquela que possuía.

Nada foi ver sua família e seus vizinhos sacrificados, a casa arrasada e até as árvores do jardim arrancadas para que não ficasse testemunho de sua existência — a justiça de Manco Cápac pode eliminar o passado, evitar o futuro.

Talvez neste momento prefira as outras mortes. A fogueira ou o emparedamento seriam mais rápidos, e neles poderia ocultar o seu terror. Nada se compara a esta espera do puma, que já desce a montanha, convocado pelo cheiro do amor e do sangue.

A lua pousa na testa do puma.

O MISTÉRIO DOS APARECIDOS ETs AZUIS E DO CAVALO ENCANTADO – por jairo pereira / quedas do iguaçu.pr


Lembra algum mistério inserido em Lost a supersérie norteamericana. Mas não é. Ou de Os Invasores, da década de 70, também produção americana. Não me engano, no conhecimento que detenho sobre Ufos: é brasuca e nativo o miolo desta história. Aconteceu perto daqui, em horas mortas às margens do Rio Guarani, em Quedas do Iguaçu, lá onde doutro lado do rio é Reserva Indígena e do lado de cá áreas de criação de gado e lavoura. Algum lugar, nãolugar que não se pode dizer ao certo. Horas mortas, entende-se, por depois da meianoite, em final de outono. Cirilo Crissos o dono da fazendola, em seu cavalo pampa com laivos de sangue inglês, resolveu certa noitemadrugada descobrir o fenômeno que provocou a morte e desaparecimento de algumas ovelhas e gado de corte da propriedade. Além da comum ocorrência de uivos perto do chiqueiro dos porcos, chispas de fogo e esplendores no espaço, em certas noites. A lua caía sobre o rio, enluarando capões de mato margeantes. Cirilo troteou, em torno de dois, três quilômetros de campos, amarrou as rédeas do cavalo pampa, num monjolero jovem e prostrou-se, na escora de uma grande pedra, em vigília. O rio serpenteava, quase aos seus pés. E ali ficou por mais de duas horas. Tipo pescando jundiá, mas sem pescar. Só mirando os céus nebulosos. Agasalhado em couro, não sabe se dormiu pesado ou apenas cochilou por uns minutos. No céu, a baixa altitude um bólido discóide, raspando a copa das árvores, parece desceu próximo, onde ficou amarrado seu cavalo pampa. Cirilo Crissos tentou levantar, sair do encosto da pedra, mas parece seu corpo grudou ali. Uma câimbra brava, lhe tomou o corpo todo. E sofreu uma suave dor de cabeça, vertigem…Via sobre o topo das árvores, nas imediações de onde o objeto voador baixou, réstias de luzes das mais variadas cores. Mas não conseguia erguer-se do solo, pra poder andar e chegar perto do fenômeno. Ouviu relinchos de seu cavalo. Relinchos pavorosos, e som de pataços em pedras e madeiras. De repente seu corpo, livrou-se da cãibra forte, e ficou leve, levíssimo, como se levitasse. E a um simples comando, sentado como estava, podia se deslocar, por cima do rio e da mata. Comandou-se em várias direções, e foi ver de perto o que se passava. Em menos de cinqüenta metros, num carreiro sob o capão de mato, pode ver três figuras translúcidas, de altura de metro e meio, mais ou menos, esguias, azuis, mas dum azul suave, claríssimo, analisando seu cavalo pampa, que agora parecia entorpecido. Não só entorpecido, mas levíssimo, planava a poucos centímetros do chão. Arredou-se em pânico… não mais que trinta metros a esquerda, por entre árvores jovens, a meio mastro, e do jeito como estava sentado na pedra, flutuava em rigorosa análise. A nave transforescente, sobre o capim brizantan, emitia sons estranhos. Assovios profundos de tontear o indivíduo. Era discóide, com dois patamares. A parte de baixo, arredondada. A de cima, cônica, dum carbono quase vivo, o material. A vertigem, zonzeira passou, mas toda visão era turva, embaralhada. Lembrou que em horas de perigo deveria respirar fundo três vezes e o fez. Três respiros fundos e as imagens retornaram ao seu campo de visão, por incrível que pareça, as mesmas: a nave estacionada no capinzal a pouco mais de meio metro do solo, o cavalo pampa estático (congelado) de olhos azuis estalados e as três figuras alienígenas analisando o animal com longas pinças coloridas, das quais emanavam um gás vaporoso. Tais figuras ímpares, não eram nada discretas no colóquio que se travava. Lampiavam em som e linguagem nos interrogos e exclamos. A um comando, o pecuarista subiu na olhada, flutuando acima dum pedreirio encostado no mato e dali ficou pasmo, assistindo a avaliação medicocientífica do seu animal. As pinças raspavam os pelos do quadrúpede, cascos e crinas. O material era colocado em um caixote transparente e luminoso. Após, algo em torno de 15 minutos, os alienígenas a um estalo de longos dedos, retornaram vida ao cavalo pampa, adentraram a nave e partiram, silenciosamente em vertical, sumindo no espaço. Aquilo foi só uma réstialux de baixo acima do céu, o que se viu e depois… um silêncio exasperador. Sonho, pesadelo… ilusão ou realidade!!?? O pecuarista acordou, na pedra onde estava recostado. Mexeu os dedos das mãos primeiro. Depois os dos pés. Tocou o nariz, as orelhas, os olhos… Tava tudo certo, sentia o movimentar dos pés. Curvou-se na tez da água do rio e atirou mãoscheias de águas no rosto. Ouviu o relincho do cavalo pampa, duas, três vezes. Ao chegar no animal, percebeu os sinais da poda nos pelos, crinas e cascos. O animal, estava manso como sempre. Nem parecia ter acontecido aquilo. Só os olhos do bicho, estavam diferentes. Bem maiores do que o normal, atirados pra fora do corpo, coisa de meio centímetro, e dum azul mais raivoso. E no solo, na troca de patas, não fazia mais barulho o bichano de mais de 480 quilos. O bacheiro, a cela, a barrigueira, a chincha… tudo em ordem. Foi só apertar um pouco, montar e partir pra casa. No andar do bicho é que estava a diferença. De trote duro, passou a uma marcha batida, mas sem som de cascos nas pedras. Parece andava no ar o animal. (E andava mesmo. Até hoje anda, com os olhos saltados pra fora em meio centímetro). E assim Cirilo Crissos chegou em casa. Três e pouco da manhã. A mulher e o casal de filhos dormiam. Os cachorros em número de quatro, sequer latiram com a aproximação do cavalo, não havia mais o tilintar de cascos nus sobre as pedras. O tropel costumeiro dos cavalos. O equus levitava, expandia-se em marchas valiosas, macio como só, e num galope em qualquer terreno (por incrível que pareça) pode atingir a incrível velocidade superior a de cancha reta ou hipódromo, em torno de 5 segundos nos cem metros. A madrugada, continuava enluarada e nevoenta. Poucas estrelas visíveis no céu e da nave nem sinal. Ao desencilhar o cavalo, Cirilo Crissos percebeu ao lado do paiol de madeira, que alguns animais entreveravam-se. Feito o trabalho de soltar o pampa no pasto, foi ver o que era e viu: havia entre as ovelhas um animal misto de cabra e lobo, que soerguia a cabeça e os olhos graúdos e luminosos varavam o negror da hora… a bocarra, abria-se em lancinantes uivos. IAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHAAAAAAAAA era de arrepiar e maçarocar os cabelos. Atropelou a coisa com algumas pedras… no salto da fera, pode ver um rastro de fogo matoadentro, até sumir no azeviche dos carreiros.

“Praquelas horas mortas”, daquela data, “chegava”.. pensou e foi dormir. Não antes de ver como estavam as crianças e a mulher. Ambas dormiam o mais tranquilo dos sonos. Um galo velho entoava cantos de ressonar. Ao clarear do dia, levantou-se, fez o chimarrão, como era de costume, ligou o rádio (que no programa do Mineiro Louco da Rádio Internacional de Quedas, estranho… com inexplicável interferência, só chiava) e foi ver o amigo pampa, no campinho pra cima de casa. O cavalo espojava-se, e do atrito ao chão, saltavam ínfimas fagulhas de luz. Observou-o por uns dois minutos, até que o bicho levantou-se, chacoalhou os detritos cósmicos e boqueou o capim da terra, como se nada tivesse acontecido. Cirilo Crissos, nunca mais buscou entender o não compreendido, e até hoje evita vigílias ao desconhecido, ao que foge dos sentidos humanos e que a razão, linguagem ou ciência são impotentes a decodificar. Em noites assombrantes, naquele cafundó onde vive só com a família, quase na divisa com os índios do Rio das Cobras, Cirilo Crissos ainda vê ocasionalmente sinais estranhos no céu, mas nunca retornou ao encontro dos seres esquisitos daquelas horas mortas, daquele determinado dia. O misto de cabra e lobo, de rastro de fogo também não apareceu mais, só o cavalo pampa, olhos saltados pra fora do corpo, em meio centímentro, ou transcavalo, que mudou o andar de trote duro pra marcha picada, sobre espuma e ar, ainda lança fagulhas de luz quando se espoja nos gramados, sendo bonito de ver aquilo, principalmente em noites de lua minguante.

De São Paulo e Brasília, alguns ufólogos me ligaram pra saber da veracidade dos fatos envolvendo o Cirilo Crissos. Disse, que a meu ver tem tudo pra serem reais os fatos. Alguns charlatões, em poucos dias acorreram in loco, fotografando tudo na área de ocorrência do fenômeno. Até hipnose regressiva aplicaram no contatado, mas concluíram por memória falsa, induzida. Quanto aos olhos saltados do cavalo, se referiram a alguma cabeçada num palanque de cerca ou tronco de árvore. O fato do bicho andar macio, ou no ar, mais precisamente, teria decorrido de herança genética, de pais ou avós exímios marchadores. Tipo o cavalo Passo Fino Colombiano. O lobo misto de cabra, provavelmente é fruto duma mutação genética e não é nenhum animal arquetípico espacial, alienígena, mas bichobicho mesmo, terreno, peludo, raivoso e sujo. A levitação corporal, comandada pelo contatado, sobre o rio e mata, não passou de sonho na pedra de recosto, ou mais precisamente na visão das “autoridades”, de viagem austral indominada pelo agente e objeto do transe.

Ficamos eu e o Cirilo, com o segredo do cavalo encantado e o sonho ou realidade que parece não termina por aí, ante as inúmeras ligações que nos chegam dos mais diversos lugares do Brasil, de leigos e especialistas em Ufologia. Até um Doutor Honoris Causa da Universidade de Harvard, prometeu vir em breve com uma equipe de oito homens, avaliar o caso pra compor uma matéria em revista especializada, tendo o aval de cientistas da Nasa. Agora, é esperar pra ver… já estão até dando preço em dólar ao cavalo voador e propostas de negócio não param de chegar: pessoal de circo, turfistas de Dubai dos Emirados Árabes e programas de televisão nacionais e estrangeiros. Cirilo Crissos não dá, não vende e não empresta o cavalo pintado. Teme que numa eventual transação o encanto acabe.

F E I T O U M C Ã O – por jorge lescano / são paulo

Em 30.5.99, conceituado jornal desta polis publicou 18 versões do primeiro período de A Metamorfose, de Franz Kafka. Os autores atendiam assim ao convite do órgão jornalístico. Jota L., por não ser escritor cotado na praça, ficou fora do páreo. Nos autos do espólio, no entanto, foi achado este texto de sua autoria.

“Essa é boa! – exclamou saltando da cama e apressando-se a enfiar as calças -. Que terá acontecido comigo?” – pensou a seguir. Não era um sonho, de fato, suas pernas, lamentavelmente finas, agitavam-se, impotentes, diante de seus olhos. “Que tal se eu dormisse mais um pouco e esquecesse toda esta estupidez?” – continuou a meditar sem se mexer da cama. Aquilo era absolutamente impossível, pois estava acostumado a dormir do lado direito e a situação em que se encontrava, de costas dentro da carapaça abaulada, impedia-o de virar-se para tal posição.

Do seu travesseiro volveu o olhar para a janela. Além da névoa e da chuva nas vidraças, podia observar à senhora idosa do outro lado da rua, que parecia olhá-lo com uma curiosidade fora do comum. Estava sentada muito ereta, com um pequeno chapéu de pele e um boá também de pele; exibia um pesado regalo, no qual o braço estava enfiado até o cotovelo.

Alguém devia tê-lo caluniado, pois em resposta ao seu toque de campainha ao lado da cabeceira, ouviu uma batida e em seguida entrou um homem que nunca vira na casa. Era magro, conquanto bem constituído, e usava um terno preto bem cortado, provido de um cinto e de toda espécie de pregas, bolsos, fivelas e botões, que dava à roupa uma aparência muito prática, embora não se pudesse precisar a verdadeira finalidade daquilo tudo.

“Quem é o senhor?” – soergueu a cabeça no leito. O homem se dirigiu à porta abrindo-a ligeiramente, como para prestar contas a alguém que evidentemente estava por trás dela. “Ele quer saber quem é o senhor?” Como resposta, ouviu-se no aposento contíguo uma gargalhada que soou como se viesse de várias pessoas. Embora o desconhecido não pudesse saber com aquela risada coisa alguma que já não soubesse, disse, como quem joga um livro sobre a mesa: “Não pode sair, está preso!” “É o que parece, mas por quê?” – e em seguida lembrou-se de suas pernas lamentavelmente finas agitando-se impotentes diante de seus olhos.

Tornou a avistar a senhora idosa que, com sua curiosidade senil, mudara de janela, postando-se na que ficava bem em frente para poder observar melhor.

Um dos senhores acabava de agarrá-lo pela garganta, o outro lhe enterrou a faca no coração e a revolveu duas vezes. Com os olhos mortiços, ele ainda viu as duas mulheres na janela escancarada apesar do frio, cada qual com o braço na cintura da outra, rosto contra rosto, vendo o desenlace, e bruscamente a mãe se inclinou para fora o mais possível, atirando os braços para frente enquanto a irmã afundava o rosto nas mãos.

A revista posterior do quarto denunciou a presença do livro sobre a escrivaninha; na página de rosto, liam-se as seguintes palavras:

“Quando o ungeheueres Ungeziefer acordou, ele ainda estava ali. Este, vendo que aquele movimentava seu ventre dividido em nítidas ondulações horizontais procurando a posição lateral, escapuliu-se, deixando uma pequena abertura pela qual se esgueirou para dentro o homem que ele nunca vira mais gordo.

“Vejamos – disse este para seus botões, fivelas, bolsos, pregas e cinto – Essa é boa!, onde está ele?”.

LA FANFARLO [1] – de charles baudelaire / paris

Samuel Cramer, qui signa autrefois du nom de Manuela de Monteverde quelques folies romantiques, — dans le bon temps du Romantisme, — est le produit contradictoire d’un blême Allemand et d’une brune Chilienne. Ajoutez à cette double origine une éducation française et une civilisation littéraire, vous serez moins surpris, — sinon satisfait et édifié, — des complications bizarres de ce caractère. — Samuel a le front pur et noble, les yeux brillants comme des gouttes de café, le nez taquin et railleur, les lèvres impudentes et sensuelles, le menton carré et despote, la chevelure prétentieusement raphaélesque. — C’est à la fois un grand fainéant, un ambitieux triste, et un illustre malheureux ; car il n’a guère eu dans sa vie que des moitiés d’idées. Le soleil de la paresse qui resplendit sans cesse au-dedans de lui, lui vaporise et lui mange cette moitié de génie dont le ciel l’a doué. Parmi tous ces demi-grands hommes que j’ai connus dans cette terrible vie parisienne, Samuel fut, plus que tout autre, l’homme des belles œuvres ratées ; — créature maladive et fantastique, dont la poésie brille bien plus dans sa personne que dans ses œuvres, et qui, vers une heure du matin, entre l’éblouissement d’un feu de charbon de terre et le tic tac d’une horloge, m’est toujours apparu comme le Dieu de l’impuissance, — dieu moderne et hermaphrodite, — impuissance si colossale et si énorme qu’elle en est épique !

Comment vous mettre au fait, et vous faire voir bien clair dans cette nature ténébreuse, bariolée de vifs éclairs, — paresseuse et entreprenante à la fois, — féconde en desseins difficiles et en risibles avortements ; — esprit chez qui le paradoxe prenait souvent les proportions de la naïveté, et dont l’imagination était aussi vaste que la solitude et la paresse absolues ? — Un des travers les plus naturels de Samuel était de se considérer comme l’égal de ceux qu’il avait su admirer ; après une lecture passionnée d’un beau livre, sa conclusion involontaire était : voilà qui est assez beau pour être de moi ! — et de là à penser : c’est donc de moi, — il n’y a que l’espace d’un tiret.

Dans le monde actuel, ce genre de caractère est plus fréquent qu’on ne le pense ; les rues, les promenades publiques, les estaminets, et tous les asiles de la flânerie fourmillent d’êtres de cette espèce. Ils s’identifient si bien avec le nouveau modèle, qu’ils ne sont pas éloignés de croire qu’ils l’ont inventé. — Les voilà aujourd’hui déchiffrant péniblement les pages mystiques de Plotin ou de Porphyre ; demain ils admireront comme Crébillon le fils a bien exprimé le côté volage et français de leur caractère. Hier ils s’entretenaient familièrement avec Jérôme Cardan ; les voici maintenant jouant avec Sterne, ou se vautrant avec Rabelais dans toutes les goinfreries de l’hyperbole. Ils sont d’ailleurs si heureux dans chacune de leurs métamorphoses, qu’ils n’en veulent pas le moins du monde à tous ces beaux génies de les avoir devancés dans l’estime de la postérité. — Naïve et respectable impudence! Tel était le pauvre Samuel.

Fort honnête homme de naissance et quelque peu gredin par passe-temps, — comédien par tempérament, — il jouait pour lui-même et à huis clos d’incomparables tragédies, ou, pour mieux dire, tragi-comédies. Se sentait-il effleuré et chatouillé par la gaieté, il fallait se le bien constater, et notre homme s’exerçait à rire aux éclats. Une larme lui germait-elle dans le coin de l’œil à quelque souvenir, il allait à sa glace se regarder pleurer. Si quelque fille, dans un accès de jalousie brutale et puérile, lui faisait une égratignure avec une aiguille ou un canif, Samuel se glorifiait en lui-même d’un coup de couteau, et quand il devait quelques misérables vingt mille francs, il s’écriait joyeusement :

— Quel triste et lamentable sort que celui d’un génie harcelé par un million de dettes !

D’ailleurs, gardez-vous de croire qu’il fût incapable de connaître les sentiments vrais, et que la passion ne fît qu’effleurer son épiderme. Il eût vendu ses chemises pour un homme qu’il connaissait à peine, et qu’à l’inspection du front et de la main il avait institué hier son ami intime. Il apportait dans les choses de l’esprit et de l’âme la contemplation oisive des natures germaniques, — dans les choses de la passion l’ardeur rapide et volage de sa mère, — et dans la pratique de la vie tous les travers de la vanité française. Il se fût battu en duel pour un auteur ou un artiste mort depuis deux siècles. Comme il avait été dévot avec fureur, il était athée avec passion. Il était à la fois tous les artistes qu’il avait étudiés et tous les livres qu’il avait lus, et cependant, en dépit de cette faculté comédienne, il restait profondément original. Il était toujours le doux, le fantasque, le paresseux, le terrible, le savant, l’ignorant, le débraillé, le coquet Samuel Cramer, la romantique Manuela de Monteverde. Il raffolait d’un ami comme d’une femme, aimait une femme comme un camarade. Il possédait la logique de tous les bons sentiments et la science de toutes les roueries, et néanmoins il n’a jamais réussi à rien, parce qu’il croyait trop à l’impossible. — Quoi d’étonnant ? il était toujours en train de le concevoir.

Samuel, un soir, eut l’idée de sortir ; le temps était beau et parfumé. — Il avait, selon son goût naturel pour l’excessif, des habitudes de réclusion et de dissipation également violentes et prolongées, et depuis longtemps il était resté fidèle au logis. La paresse maternelle, la fainéantise créole qui coulait dans ses veines l’empêchait de souffrir du désordre de sa chambre, de son linge et de ses cheveux encrassés et emmêlés à l’excès. Il se peigna, se lava, sut en quelques minutes retrouver le costume et l’aplomb des gens chez qui l’élégance est chose journalière ; puis il ouvrit la fenêtre. — Un jour chaud et doré se précipita dans le cabinet poudreux. Samuel admira comme le printemps était venu vite en quelques jours, et sans crier gare. Un air tiède et imprégné de bonnes odeurs lui ouvrit les narines, — dont une partie étant montée au cerveau, le remplit de rêverie et de désir, et l’autre lui remua libertinement le cœur, l’estomac et le foie. — Il souffla résolûment ses deux bougies dont l’une palpitait encore sur un volume de Swedenborg, et l’autre s’éteignait sur un de ces livres honteux dont la lecture n’est profitable qu’aux esprits possédés d’un goût immodéré de la vérité.

Du haut de sa solitude, encombrée de paperasses, pavée de bouquins et peuplée de ses rêves, Samuel apercevait souvent, se promenant dans une allée du Luxembourg, une forme et une figure qu’il avait aimées en province, — à l’âge où l’on aime l’amour. — Ses traits, quoique mûris et engraissés par quelques années de pratique, avaient la grâce profonde et décente de l’honnête femme ; au fond de ses yeux brillait encore par intervalles la rêverie humide de la jeune fille. Elle allait et venait, habituellement escortée par une bonne assez élégante, et dont le visage et la tournure accusaient plutôt la confidente et la demoiselle de compagnie que la domestique. Elle semblait rechercher les endroits abandonnés, et s’asseyait tristement avec des attitudes de veuve, tenant parfois dans sa main distraite un livre qu’elle ne lisait pas.

Samuel l’avait connue aux environs de Lyon, jeune, alerte, folâtre et plus maigre. À force de la regarder et pour ainsi dire de la reconnaître, il avait retrouvé un à un tous les menus souvenirs qui se rattachaient à elle dans son imagination ; il s’était raconté à lui-même, détail par détail, tout ce jeune roman, qui, depuis, s’était perdu dans les préoccupations de sa vie et le dédale de ses passions.

Ce soir-là, il la salua, mais avec plus de soin et plus de regards. En passant devant elle, il entendit derrière lui ce lambeau de dialogue :

— Comment trouvez-vous ce jeune homme, Mariette ?

— Mais cela dit avec un ton de voix si distrait, que l’observateur le plus malicieux n’y eût rien trouvé à redire contre la dame.

— Mais je le trouve fort bien, madame. — Madame sait que c’est M. Samuel Cramer ?

Et sur un ton plus sévère :

— Comment se fait-il que vous sachiez cela, Mariette ?
. . . . . . . . . . . . . . . . . .

C’est pourquoi le lendemain Samuel eut grand soin de lui rapporter son mouchoir et son livre, qu’il trouva sur un banc, et qu’elle n’avait pas perdus, puisqu’elle était près de là, regardant les moineaux se disputer des miettes, ou ayant l’air de contempler le travail intérieur de la végétation. Comme il arrive souvent entre deux êtres dont les destinées complices ont élevé l’âme à un égal diapason, — engageant la conversation assez brusquement, — il eut néanmoins le bonheur bizarre de trouver une personne disposée à l’écouter et à lui répondre.

— Serais-je assez heureux, madame, pour être encore logé dans un coin de votre souvenir ? Suis-je tellement changé que vous ne puissiez reconnaître en moi un camarade d’enfance, avec qui vous avez daigné jouer à cache-cache et faire l’école buissonnière ?

— Une femme, — répondit la dame avec un demi-sourire, — n’a pas le droit de reconnaître aussi facilement les gens ; c’est pourquoi je vous remercie, monsieur, de m’avoir, le premier, offert l’occasion de me reporter vers ces beaux et gais souvenirs. — Et puis… chaque année de la vie contient tant d’événements et de pensées… et il me semble vraiment qu’il y a bien des années ?…

— Années, — répliqua Samuel, — qui pour moi ont été tantôt bien lentes, tantôt bien promptes à s’envoler, mais toutes diversement cruelles !

— Et la poésie ?… fit la dame avec un sourire dans les yeux.

— Toujours, Madame ! répondit Samuel en riant. — Mais que lisiez-vous donc là ?

— Un roman de Walter Scott.

— Je m’explique maintenant vos fréquentes interruptions. — Oh ! l’ennuyeux écrivain ! — Un poudreux déterreur de chroniques ! un fastidieux amas de descriptions de bric-à-brac, — un tas de vieilles choses et de défroques de tout genre : — des armures, des vaisselles, des meubles, des auberges gothiques et des châteaux de mélodrame, où se promènent quelques mannequins à ressort, vêtus de justaucorps et de pourpoints bariolés ; — types connus, dont nul plagiaire de dix-huit ans ne voudra plus dans dix ans ; des châtelaines impossibles et des amoureux parfaitement dénués d’actualité, — nulle vérité de cœur, nulle philosophie de sentiments ! Quelle différence chez nos bons romanciers français, où la passion et la morale l’emportent toujours sur la description matérielle des objets ! — Qu’importe que la châtelaine porte fraise ou paniers, ou sous-jupe Oudinot, pourvu qu’elle sanglote ou trahisse convenablement ? L’amoureux vous intéresse-t-il beaucoup plus pour porter dans son gilet un poignard au lieu d’une carte de visite, et un despote en habit noir vous cause-t-il une terreur moins poétique qu’un tyran bardé de buffle et de fer ?

Samuel, comme on le voit, rentrait dans la classe des gens absorbants,— des hommes insupportables et passionnés, chez qui le métier gâte la conversation, et à qui toute occasion est bonne, même une connaissance improvisée au coin d’un arbre ou d’une rue, — fût-ce d’un chiffonnier, — pour développer opiniâtrément leurs idées. — Il n’y a entre les commis voyageurs, les industriels errants, les allumeurs d’affaires en commandite et les poëtesabsorbants, que la différence de la réclame à la prédication ; le vice de ces derniers est tout à fait désintéressé.

Or, la dame lui répliqua simplement :

— Mon cher monsieur Samuel, je ne suis que public, c’est assez vous dire que mon âme est innocente. Aussi le plaisir est-il pour moi la chose du monde la plus facile à trouver. — Mais parlons de vous ; — je m’estimerais heureuse si vous me jugiez digne de lire quelques-unes de vos productions.

— Mais, madame, comment se fait-il… ? fit la grosse vanité du poëte étonné.

— Le maître de mon cabinet de lecture dit qu’il ne vous connaît pas.

Et elle sourit doucement comme pour amortir l’effet de cette taquinerie fugitive.

— Madame, dit sentencieusement Samuel, le vrai public du XIXe siècle est les femmes ; votre suffrage me constituera plus grand que vingt académies.

— Eh bien, monsieur, je compte sur votre promesse. — Mariette, l’ombrelle et l’écharpe ; on s’impatiente peut-être à la maison. Vous savez que monsieur revient de bonne heure.

Elle lui fit un salut gracieusement écourté, qui n’avait rien de compromettant, et dont la familiarité n’excluait pas la dignité.

Samuel ne s’étonna point de retrouver un ancien amour de jeunesse asservi au lien conjugal. Dans l’histoire universelle du sentiment, cela est de rigueur. — Elle s’appelait madame de Cosmelly, et demeurait dans une des rues les plus aristocratiques du faubourg Saint-Germain.

Le lendemain il la trouva, la tête inclinée par une mélancolie gracieuse et presque étudiée, vers les fleurs de la plate-bande, et il lui offrit son volume desOrfraies, recueil de sonnets, comme nous en avons tous fait et tous lu, dans le temps où nous avions le jugement si court et les cheveux si longs.

Samuel était fort curieux de savoir si ses Orfraies avaient charmé l’âme de cette belle mélancolique, et si les cris de ces vilains oiseaux lui avaient parlé en sa faveur ; mais quelques jours après elle lui dit avec une candeur et une honnêteté désespérantes :

— Monsieur, je ne suis qu’une femme, et, par conséquent, mon jugement est peu de chose ; mais il me paraît que les tristesses et les amours de messieurs les auteurs ne ressemblent guère aux tristesses et aux amours des autres hommes. Vous adressez des galanteries, fort élégantes sans doute et d’un choix fort exquis, à des dames que j’estime assez pour croire qu’elles doivent parfois s’en effaroucher. Vous chantez la beauté des mères dans un style qui doit vous priver du suffrage de leurs filles. Vous apprenez au mondeque vous raffolez du pied et de la main de madame une telle, qui, supposons-le pour son honneur, dépense moins de temps à vous lire qu’à tricoter des bas et des mitaines pour les pieds ou les mains de ses enfants. Par un contraste des plus singuliers, et dont la cause mystérieuse m’est encore inconnue, vous réservez votre encens le plus mystique à des créatures bizarres qui lisent encore moins que les dames, et vous vous pâmez platoniquement devant des sultanes de bas lieu, qui doivent, ce me semble, à l’aspect de la délicate personne d’un poëte, ouvrir des yeux aussi grands que des bestiaux qui se réveillent dans un incendie. De plus, j’ignore pourquoi vous chérissez tant les sujets funèbres et les descriptions d’anatomie. Quand on est jeune, qu’on a comme vous un beau talent et toutes les conditions présumées du bonheur, il me paraît bien plus naturel de célébrer la santé et les joies de l’honnête homme, que de s’exercer à l’anathème, et de causer avec des Orfraies.

Voici ce qu’il lui répondit :

— Madame, plaignez-moi, ou plutôt plaignez-nous, car j’ai beaucoup de frères de ma sorte ; c’est la haine de tous et de nous-mêmes qui nous a conduits vers ces mensonges. C’est par désespoir de ne pouvoir être nobles et beaux suivant les moyens naturels, que nous nous sommes si bizarrement fardé le visage. Nous nous sommes tellement appliqués à sophistiquer notre cœur, nous avons tant abusé du microscope pour étudier les hideuses excroissances et les honteuses verrues dont il est couvert, et que nous grossissons à plaisir, qu’il est impossible que nous parlions le langage des autres hommes. Ils vivent pour vivre, et nous, hélas ! nous vivons pour savoir. Tout le mystère est là. L’âge ne change que la voix et n’abolit que les cheveux et les dents ; nous avons altéré l’accent de la nature, nous avons extirpé une à une les pudeurs virginales dont était hérissé notre intérieur d’honnête homme. Nous avons psychologisé comme les fous, qui augmentent leur folie en s’efforçant de la comprendre. Les années n’infirment que les membres, et nous avons déformé les passions. Malheur, trois fois malheur aux pères infirmes qui nous ont faits rachitiques et mal venus, prédestinés que nous sommes à n’enfanter que des mort-nés !

— Encore des Orfraies ! dit-elle ; voyons, donnez-moi votre bras et admirons ces pauvres fleurs que le printemps rend si heureuses !

Au lieu d’admirer les fleurs, Samuel Cramer, à qui la phrase et la période étaient venues, commença à mettre en prose et à déclamer quelques mauvaises stances composées dans sa première manière. La dame le laissait faire.

— Quelle différence, et combien il reste peu du même homme, excepté le souvenir ! mais le souvenir n’est qu’une souffrance nouvelle. Le beau temps que celui où le matin ne réveilla jamais nos genoux engourdis ou rompus par la fatigue des songes, où nos yeux clairs riaient à toute la nature, où notre âme ne raisonnait pas, mais où elle vivait et jouissait ; où nos soupirs s’écoulaient doucement sans bruit et sans orgueil ! que de fois, dans les loisirs de l’imagination, j’ai revu l’une de ces belles soirées automnales où les jeunes âmes font des progrès comparables à ces arbres qui poussent de plusieurs coudées par un coup de foudre. Alors je vois, je sens, j’entends ; la lune réveille les gros papillons ; le vent chaud ouvre les belles-de-nuit ; l’eau des grands bassins s’endort. — Écoutez en esprit les valses subites de ce piano mystérieux. Les parfums de l’orage entrent par les fenêtres ; c’est l’heure où les jardins sont pleins de robes roses et blanches qui ne craignent pas de se mouiller. Les buissons complaisants accrochent les jupes fuyantes, les cheveux bruns et les boucles blondes se mêlent en tourbillonnant ! — Vous souvient-il encore, madame, des énormes meules de foin, si rapides à descendre, de la vieille nourrice si lente à vous poursuivre, et de la cloche si prompte à vous rappeler sous l’œil de votre tante, dans la grande salle à manger ?

Madame de Cosmelly interrompit Samuel par un soupir, voulut ouvrir la bouche, sans doute pour le prier de s’arrêter, mais il avait déjà repris la parole.

— Ce qu’il y a de plus désolant, dit-il, c’est que tout amour fait toujours une mauvaise fin, d’autant plus mauvaise qu’il était plus divin, plus ailé à son commencement. Il n’est pas de rêve, quelque idéal qu’il soit, qu’on ne retrouve avec un poupard glouton suspendu au sein ; il n’est pas de retraite, de maisonnette si délicieuse et si ignorée, que la pioche ne vienne abattre. Encore cette destruction est-elle toute matérielle ; mais il en est une autre plus impitoyable et plus secrète qui s’attaque aux choses invisibles. Figurez-vous qu’au moment où vous vous appuyez sur l’être de votre choix, et que vous lui dites : Envolons-nous ensemble et cherchons le fond du ciel ! — une voix implacable et sérieuse penche à votre oreille pour vous dire que nos passions sont des menteuses, que c’est notre myopie qui fait les beaux visages et notre ignorance les belles âmes, et qu’il vient nécessairement un jour où l’idole, pour le regard plus clairvoyant, n’est plus qu’un objet, non pas de haine, mais de mépris et d’étonnement !

— De grâce, monsieur, dit madame de Cosmelly.

Elle était em même temps émue ; Samuel s’était aperçu qu’il avait mis le fer sur une ancienne plaie, et il insistait avec cruauté.

— Madame, dit-il, les souffrances salutaires du souvenir ont leurs charmes, et, dans cet enivrement de la douleur, on trouve parfois un soulagement. — À ce funèbre avertissement, toutes les âmes loyales s’écrieraient : « Seigneur, enlevez-moi d’ici avec mon rêve intact et pur : je veux rendre à la nature ma passion avec toute sa virginité, et porter ailleurs ma couronne inflétrie. » — D’ailleurs les résultats du désillusionnement sont terribles. — Les enfants maladifs qui sortent d’un amour mourant sont la triste débauche et la hideuse impuissance : la débauche de l’esprit, l’impuissance du cœur, qui font que l’un ne vit plus que par curiosité, et que l’autre se meurt chaque jour de lassitude. Nous ressemblons tous plus ou moins à un voyageur qui aurait parcouru un très-grand pays, et regarderait chaque soir le soleil, qui jadis dorait superbement les agréments de la route, se coucher dans un horizon plat. Il s’assied avec résignation sur de sales collines couvertes de débris inconnus, et dit aux senteurs de bruyères qu’elles ont beau monter vers le ciel vide ; aux graines rares et malheureuses, qu’elles ont beau germer dans un sol desséché ; aux oiseaux qui croient leurs mariages bénis par quelqu’un, qu’ils ont tort de bâtir des nids dans une contrée balayée de vents froids et violents. Il reprend tristement sa route vers un désert qu’il sait semblable à celui qu’il vient de parcourir, escorté par un pâle fantôme qu’on nomme Raison, qui éclaire avec une pâle lanterne l’aridité de son chemin, et, pour étancher la soif renaissante de passion qui le prend de temps en temps, lui verse le poison de l’ennui.

Tout d’un coup, entendant un profond soupir et un sanglot mal comprimé, il se retourna vers madame de Cosmelly ; elle pleurait abondamment et n’avait même plus la force de cacher ses larmes.

Il la considéra quelque temps en silence, avec l’air le plus attendri et le plus onctueux qu’il put se donner ; le brutal et hypocrite comédien était fier de ces belles larmes ; il les considérait comme son œuvre et sa propriété littéraire. Il se méprenait sur le sens intime de cette douleur, comme madame de Cosmelly, noyée dans cette candide désolation, se méprenait sur l’intention de son regard. Il y eut là un jeu singulier de malentendus, à la suite duquel Samuel Cramer lui tendit définitivement une double poignée de main, qu’elle accepta avec une tendre confiance.

— Madame, reprit Samuel après quelques instants de silence, — le silence classique de l’émotion, — la vraie sagesse consiste moins à maudire qu’à espérer. Sans le don tout divin de l’espérance, comment pourrions-nous traverser ce hideux désert de l’ennui que je viens de vous décrire ? Le fantôme qui nous accompagne est vraiment un fantôme de raison : on peut le chasser en l’aspergeant avec l’eau bénite de la première vertu théologale. Il y a une aimable philosophie qui sait trouver des consolations dans les objets les plus indignes en apparence. De même que la vertu vaut mieux que l’innocence, et qu’il y a plus de mérite à ensemencer un désert qu’à butiner avec insouciance dans un verger fructueux, de même il est vraiment digne d’une âme d’élite de se purifier et de purifier le prochain par son contact. Comme il n’est pas de trahison qu’on ne pardonne, il n’est pas de faute dont on ne puisse se faire absoudre, pas d’oubli qu’on ne puisse combler ; il est une science d’aimer son prochain et de le trouver aimable, comme il est un savoir bien vivre.

Plus un esprit est délicat, plus il découvre de beautés originales ; plus une âme est tendre et ouverte à la divine espérance, plus elle trouve dans autrui, quelque souillé qu’il soit, de motifs d’amour ; ceci est l’œuvre de la charité, et l’on a vu plus d’une voyageuse désolée et perdue dans les déserts arides du désillusionnement, reconquérir la foi et s’éprendre plus fortement de ce qu’elle avait perdu, avec d’autant plus de raison qu’elle possède alors la science de diriger sa passion et celle de la personne aimée.

Le visage de madame de Cosmelly s’était éclairé peu à peu ; sa tristesse rayonnait d’espérance comme un soleil mouillé, et à peine Samuel eut-il fini son discours, qu’elle lui dit vivement et avec l’ardeur naïve d’un enfant :

— Est-il bien vrai, monsieur, que cela soit possible, et y a-t-il pour les désespérés des branches aussi faciles à saisir ?

— Mais certainement, madame.

— Ah ! que vous me rendriez bien la plus heureuse des femmes, si vous daigniez m’enseigner vos recettes !

— Rien de plus facile, répliqua-t-il brutalement ?

Au milieu de ce marivaudage sentimental, la confiance était venue et avait en effet uni les mains des deux personnages ; si bien qu’après quelques hésitations et quelques pruderies qui semblèrent de bon augure à Samuel, madame de Cosmelly à son tour lui fit ses confidences et commença ainsi :

— Je comprends, monsieur, tout ce qu’une âme poétique peut souffrir de cet isolement, et combien une ambition de cœur comme la vôtre doit se vite consumer dans sa solitude ; mais vos douleurs, qui n’ appartiennent qu’à vous, viennent, autant que j’ai pu le démêler sous la pompe de vos paroles, de besoins bizarres toujours insatisfaits et presque impossibles à satisfaire. Vous souffrez, il est vrai ; mais il se peut que votre souffrance fasse votre grandeur et qu’elle vous soit aussi nécessaire qu’à d’autres le bonheur. — Maintenant, daignerez-vous écouter, et sympathiser avec des chagrins plus faciles à comprendre, — une douleur de province ? J’attends de vous, monsieur Cramer, de vous, le savant, l’homme d’esprit, les conseils et peut-être les secours d’un ami.

Vous savez qu’au temps où vous m’avez connue, j’étais une bonne petite fille, un peu rêveuse déjà comme vous, mais timide et fort obéissante ; que je me regardais moins souvent que vous dans la glace, et que j’hésitais toujours à manger ou à mettre dans mes poches les pêches et le raisin que vous alliez hardiment voler pour moi dans le verger de nos voisins. Je ne trouvais jamais un plaisir vraiment agréable et complet qu’autant qu’il fût permis, et j’aimais bien mieux embrasser un beau garçon comme vous devant ma vieille tante qu’au milieu des champs. La coquetterie et le soin que toute fille à marier doit avoir de sa personne ne me sont venus que tard. Quand j’ai su à peu près chanter une romance au piano, on m’a habillée avec plus de recherche, on m’a forcée à me tenir droite ; on m’a fait faire de la gymnastique, et l’on m’a défendu de gâter mes mains à planter des fleurs ou à élever des oiseaux. Il me fut permis de lire autre chose que Berquin, et je fus menée en grande toilette au théâtre de l’endroit voir de mauvais opéras. Quand M. de Cosmelly vint au château, je me pris tout d’abord pour lui d’une amitié vive ; comparant sa jeunesse florissante avec la vieillesse un peu grondeuse de ma tante, je lui trouvai de plus l’air noble, honnête, et il usait avec moi de la galanterie la plus respectueuse. Puis on citait de lui les traits les plus beaux : un bras cassé en duel pour un ami un peu poltron qui lui avait confié l’honneur de sa sœur, des sommes énormes prêtées à d’anciens camarades sans fortune ; que sais-je, moi ? il avait avec tout le monde un air de commandement à la fois affable et irrésistible, qui me dompta moi-même. Comment avait-il vécu avant de mener auprès de nous la vie de château ; avait-il connu d’autres plaisirs que de chasser avec moi ou de chanter de vertueuses romances sur mon mauvais piano ; avait-il eu des maîtresses ? Je n’en savais rien, et je ne songeais pas à m’en informer. Je me mis à l’aimer avec toute la crédulité d’une jeune fille qui n’a pas eu le temps de comparer, et je l’épousai, — ce qui fit à ma tante le plus grand plaisir. Quand je fus sa femme devant la religion et devant la loi, je l’aimai encore plus. — Je l’aimai beaucoup trop, sans doute. Avais-je tort, avais-je raison ? qui peut le savoir ? J’ai été heureuse de cet amour, j’ai eu tort d’ignorer qu’il pût être troublé. — Le connaissais-je bien avant de l’épouser ? Non, sans doute ; mais il semble qu’on ne peut pas plus accuser une honnêtefille qui veut se marier de faire un choix imprudent, qu’une femme perdue de prendre un amant ignoble. L’une et l’autre, — malheureuses que nous sommes ! — sont également ignorantes. Il manque à ces malheureuses victimes, qu’on nomme filles à marier, une honteuse éducation, je veux dire la connaissance des vices d’un homme. Je voudrais que chacune de ces pauvres petites, avant de subir le lien conjugal, pût entendre dans un lieu secret, et sans être vue, deux hommes causer entre eux des choses de la vie, et surtout des femmes. Après cette première et redoutable épreuve, elles pourraient se livrer avec moins de danger aux chances terribles du mariage, connaissant le fort et le faible de leurs futurs tyrans.

Samuel ne savait pas au juste où cette charmante victime en voulait venir ; mais il commençait à trouver qu’elle parlait beaucoup trop de son mari pour une femme désillusionnée.

Après avoir fait une pause de quelques minutes, comme si elle craignait d’aborder l’endroit funeste, elle reprit ainsi :

— Un jour, M. de Cosmelly voulut revenir à Paris ; il fallait que je brillasse dans mon jour et que je fusse encadrée selon mes mérites. Une femme belle et instruite, disait-il, se doit à Paris. Il faut qu’elle sache poser devant le monde et faire tomber quelques-uns de ses rayons sur son mari. — Une femme qui a l’esprit noble et du bon sens sait qu’elle n’a de gloire à attendre ici-bas qu’autant qu’elle fait une partie de la gloire de son compagnon de voyage, qu’elle sert les vertus de son mari, et surtout qu’elle n’obtient de respect qu’autant qu’elle le fait respecter. — Sans doute, c’était le moyen le plus simple et le plus sûr pour se faire obéir presque avec joie ; savoir que mes efforts et mon obéissance m’embelliraient à ses yeux, à coup sûr, il n’en fallait pas tant pour me décider à aborder ce terrible Paris, dont j’avais instinctivement peur, et dont le noir et éblouissant fantôme dressé à l’horizon de mes rêves faisait se serrer mon pauvre cœur de fiancée. — C’était donc là, à l’entendre, le vrai motif de notre voyage. La vanité d’un mari fait la vertu d’une femme amoureuse. Peut-être se mentait-il à lui-même avec une sorte de bonne foi, et rusait-il avec sa conscience sans trop s’en apercevoir. — À Paris, nous eûmes des jours réservés pour des intimes, dont M. de Cosmelly s’ennuya à la longue, comme il s’était ennuyé de sa femme. Peut-être s’était-il un peu dégoûté d’elle, parce qu’elle avait trop d’amour ; elle mettait tout son cœur en avant. Il se dégoûta de ses amis par la raison contraire. Ils n’avaient rien à lui offrir que les plaisirs monotones des conversations où la passion n’a aucune part. Dès lors, son activité prit une autre direction. Après les amis vinrent les chevaux et le jeu. Le bourdonnement du monde, la vue de ceux qui étaient restés sans entraves et qui lui racontaient sans cesse les souvenirs d’une jeunesse folle et occupée, l’arrachèrent au coin du feu et aux longues causeries. Lui, qui n’avait jamais eu d’autre affaire que son cœur, il eut des affaires. Riche et sans profession, il sut se créer une foule d’occupations remuantes et frivoles qui remplissaient tout son temps ; les questions conjugales : « — Où vas-tu ? — À quelle heure te reverra-t-on ? — Reviens vite, » il fallut les refouler au fond de ma poitrine ; car la vie anglaise, — cette mort du cœur, — la vie des clubs et des cercles, l’absorba tout entier. — Le soin exclusif de sa personne et le dandysme qu’il affecta me choquèrent tout d’abord ; il est évident que je n’en étais pas l’objet. Je voulus faire comme lui, être plus que belle, c’est-à-dire coquette, coquette pour lui, comme il l’était pour le monde ; autrefois j’offrais tout, je donnais tout, je voulus désormais me faire prier. Je voulais ranimer les cendres de mon bonheur éteint, en les agitant et en les retournant ; mais il paraît que je suis bien malhabile à la ruse et bien gauche au vice ; il ne daigna pas s’en apercevoir. — Ma tante, cruelle comme toutes les femmes vieilles et envieuses, qui sont réduites à admirer un spectacle où jadis elles furent actrices, et à contempler les jouissances qu’on leur refuse, eut grand soin de me faire savoir, par l’entremise intéressée d’un cousin de M. de Cosmelly, qu’il s’était épris d’une fille de théâtre fort en vogue. Je me fis conduire dans tous les spectacles, et toute femme un peu belle que je voyais entrer en scène, je tremblais d’admirer en elle ma rivale. Enfin j’appris, par une charité du même cousin, que c’était la Fanfarlo, une danseuse aussi bête que belle, — Vous qui êtes auteur, vous la connaissez sans doute. — Je ne suis pas très-vaniteuse ni très-fière de ma figure ; mais, je vous jure, monsieur Cramer, que maintes fois, la nuit, vers trois ou quatre heures du matin, fatiguée d’attendre mon mari, les yeux rouges de larmes et d’insomnies, après avoir fait de longues et suppliantes prières pour son retour à la fidélité et au devoir, j’ai demandé à Dieu, à ma conscience, à mon miroir, si j’étais aussi belle que cette misérable Fanfarlo. Mon miroir et ma conscience m’ont répondu : Oui. Dieu m’a défendu de m’en glorifier, mais non d’en tirer une légitime victoire. Pourquoi donc entre deux beautés égales, les hommes préfèrent-ils souvent la fleur que tout le monde a respirée, à celle qui s’est toujours gardée des passants dans les allées les plus obscures du jardin conjugal ? Pourquoi donc les femmes prodigues de leur corps, trésor dont un seul sultan doit avoir la clef, possèdent-elles plus d’adorateurs que nous autres, malheureuses martyres d’un amour unique ? De quel charme si magique le vice auréole-t-il certaines créatures ? Quel aspect gauche et repoussant leur vertu donne-t-elle à certaines autres ? Répondez donc, vous qui, par état, devez connaître tous les sentiments de la vie et leurs raisons diverses !

Samuel n’eut pas le temps de répondre, car elle continua ardemment :

— M. de Cosmelly a des choses bien graves sur la conscience, si la perte d’une âme jeune et vierge intéresse le Dieu qui la créa pour le bonheur d’une autre. Si M. de Cosmelly mourait ce soir même, il aurait bien des pardons à implorer ; car il a, par sa faute, enseigné à sa femme d’affreux sentiments, la haine, la défiance de l’objet aimé et la soif de la vengeance. — Ah ! monsieur, je passe des nuits bien douloureuses, des insomnies bien inquiètes ; je prie, je maudis, je blasphème. Le prêtre me dit qu’il faut porter sa croix avec résignation ; mais l’amour en démence, mais la foi ébranlée, ne savent pas se résigner. Mon confesseur n’est pas une femme, et j’aime mon mari ; je l’aime, monsieur, avec toute la passion et toute la douleur d’une maîtresse battue et foulée aux pieds. Il n’est rien que je n’aie tenté. Au lieu des toilettes sombres et simples auxquelles son regard se plaisait autrefois, j’ai porté des toilettes folles et somptueuses comme les femmes de théâtre. Moi, la chaste épouse qu’il était allé chercher au fond d’un pauvre château, j’ai paradé devant lui avec des robes de fille ; je me suis faite spirituelle et enjouée quand j’avais la mort dans le cœur. J’ai pailleté mon désespoir avec des sourires étincelants. Hélas ! il n’a rien vu. J’ai mis du rouge, monsieur, j’ai mis du rouge ! — Vous le voyez, c’est une histoire banale, l’histoire de toutes les malheureuses — un roman de province !

Pendant qu’elle sanglotait, Samuel faisait la figure de Tartufe empoigné par Orgon, l’époux inattendu, qui s’élance du fond de sa cachette, comme les vertueux sanglots de cette dame qui s’élançaient de son cœur, et venaient saisir au collet l’hypocrisie chancelante de notre poëte.

L’abandon extrême, la liberté et la confiance de madame de Cosmelly l’avaient prodigieusement enhardi, — sans l’étonner. Samuel Cramer, qui a souvent étonné le monde, ne s’étonnait guère. Il semblait dans sa vie vouloir mettre en pratique et démontrer la vérité de cette pensée de Diderot : « L’incrédulité est quelquefois le vice d’un sot, et la crédulité le défaut d’un homme d’esprit. L’homme d’esprit voit loin dans l’immensité des possibles. Le sot ne voit guère de possible que ce qui est. C’est là peut-être ce qui rend l’un pusillanime et l’autre téméraire. » Ceci répond à tout. Quelques lecteurs scrupuleux et amoureux de la vérité vraisemblable trouveront sans doute beaucoup à redire à cette histoire, où pourtant je n’ai eu d’autre besogne à faire que de changer les noms et d’accentuer les détails ; comment, diront-ils, Samuel, un poëte de mauvais ton et de mauvaises mœurs, peut-il aborder aussi prestement une femme comme madame de Cosmelly ? lui verser, à propos d’un roman de Scott, un torrent de poésie romantique et banale ? madame de Cosmelly, la discrète et vertueuse épouse, lui verser aussi promptement, sans pudeur et sans défiance, le secret de ses chagrins ? À quoi je réponds que madame de Cosmelly était simple comme une belle âme, et que Samuel était hardi comme les papillons, les hannetons et les poëtes ; il se jetait dans toutes les flammes et entrait par toutes les fenêtres. La pensée de Diderot explique pourquoi l’une fut si abandonnée, l’autre si brusque et si impudent. Elle explique aussi toutes les bévues que Samuel a commises dans sa vie, bévues qu’un sot n’eût pas commises. Cette portion du public qui est essentiellement pusillanime ne comprendra guère le personnage de Samuel, qui était essentiellement crédule et imaginatif, au point qu’il croyait, comme poëte, à son public, — comme homme, à ses propres passions.

Dès lors il s’aperçut que cette femme était plus forte, plus escarpée qu’elle n’en avait l’air, et qu’il ne fallait pas heurter de front cette piété candide. Il lui défila de nouveau son jargon romantique. Honteux d’avoir été bête, il voulut être roué ; il lui parla quelque temps encore en patois séminariste de blessures à fermer ou à cautériser par l’ouverture de nouvelles plaies saignant largement et sans douleur. Quiconque a voulu, sans avoir en lui la force absolutrice de Valmont ou de Lovelace, posséder une honnête femme qui ne s’en souciait guère, sait avec quelle risible et emphatique gaucherie chacun dit en montrant son cœur : prenez mon ours ; — cela me dispensera donc de vous expliquer combien Samuel fut bête. — Madame de Cosmelly, cette aimable Elmire qui avait le coup d’œil clair et prudent de la vertu, vit promptement le parti qu’elle pouvait tirer de ce scélérat novice, pour son bonheur et pour l’honneur de son mari. Elle le paya donc de la même monnaie ; elle se laissa presser les mains ; on parla d’amitié et de choses platoniques. Elle murmura le mot de vengeance ; elle dit que, dans ces douloureuses crises de la vie d’une femme, on donnerait volontiers à son vengeur le reste du cœur que le perfide a bien voulu vous laisser, — et autres niaiseries et marivaudages dramatiques. Bref, elle fit de la coquetterie pour le bon motif, et notre jeune roué, qui était plus nigaud qu’un savant, promit d’arracher la Fanfarlo à M. de Cosmelly, et de le débarrasser de la courtisane, — espérant trouver dans les bras de l’honnête femme la récompense de cette œuvre méritoire. — Il n’y a que les poëtes qui soient assez candides pour inventer de pareilles monstruosités.

Un détail assez comique de cette histoire, et qui fut comme un intermède dans le drame douloureux qui allait se jouer entre ces quatre personnages, fut le quiproquo des sonnets de Samuel ; car, à l’endroit des sonnets, il était incorrigible, — l’un pour madame de Cosmelly, où il louait en style mystique sa beauté de Béatrix, sa voix, la pureté angélique de ses yeux, la chasteté de sa démarche, etc.… l’autre pour la Fanfarlo, où il lui servait un ragoût de galanteries pimentées à faire venir le sang au palais le moins novice, genre de poésie, du reste, où il excellait, et où il avait de bonne heure bien dépassé toutes les andalouseries possibles. Le premier morceau arriva chez la créature qui jeta ce plat de concombres dans la boîte aux cigares ; le second, chez la pauvre délaissée, qui ouvrit d’abord de grands yeux, finit par comprendre, et, malgré ses douleurs, ne put s’empêcher de rire aux éclats, comme en de meilleurs temps.

Samuel alla au théâtre et se mit à étudier la Fanfarlo sur les planches. Il la trouva légère, magnifique, vigoureuse, pleine de goût dans ses accoutrements, et jugea M. de Cosmelly bien heureux de pouvoir se ruiner pour un pareil morceau.

Il se présenta deux fois chez elle, — une maisonnette à l’escalier velouté, pleine de portières et de tapis, dans un quartier neuf et verdoyant ; mais il ne pouvait s’y introduire sous aucun prétexte raisonnable. Une déclaration d’amour était chose profondément inutile et même dangereuse. Un échec lui aurait interdit d’y retourner. Quant à s’y faire présenter, il apprit que la Fanfarlo ne recevait personne. Quelques intimes la voyaient de temps à autre. Que venait-il dire ou faire chez une danseuse magnifiquement appointée et entretenue, et adorée de son amant ? que venait-il lui apporter, lui qui n’était ni tailleur, ni couturière, ni maître de ballets, ni millionnaire ? — Il prit donc un parti simple et brutal ; il fallait que la Fanfarlo vînt à lui. À cette époque, les articles d’éloges et de critiques avaient beaucoup plus de valeur que maintenant. Les facilités du feuilleton, comme disait récemment un brave avocat dans un procès tristement célèbre, étaient bien plus grandes qu’aujourd’hui ; quelques talents ayant parfois capitulé avec les journalistes, l’insolence de cette jeunesse étourdie et aventureuse ne connut plus de bornes. Samuel entreprit donc, — lui qui ne savait pas un mot de musique, la spécialité des théâtres lyriques.

Dès lors la Fanfarlo fut hebdomadairement éreintée au bas d’une feuille importante. On ne pouvait pas dire ni faire soupçonner même qu’elle eût la jambe, la cheville ou le genou mal tourné ; les muscles jouaient sous le bas, et toutes les lorgnettes eussent crié au blasphème. Elle fut accusée d’être brutale, commune, dénuée de goût, de vouloir importer sur le théâtre des habitudes d’outre-Rhin et d’outre-Pyrénées, des castagnettes, des éperons, des talons de bottes, — sans compter qu’elle buvait comme un grenadier, qu’elle aimait trop les petits chiens et la fille de sa portière, — et autres linges sales de la vie privée, qui sont la pâture et la friandise journalière de certains petits journaux. On lui opposait, avec cette tactique particulière aux journalistes, qui consiste à comparer des choses dissemblables, une danseuse éthérée, toujours habillée de blanc, et dont les chastes mouvements laissaient toutes les consciences en repos. Quelquefois la Fanfarlo criait et riait très-haut vers le parterre en achevant un bond sur la rampe ; elle osait marcher en dansant. Jamais elle ne portait de ces insipides robes de gaze qui laissent tout voir et ne font rien deviner. Elle aimait les étoffes qui font du bruit, les jupes longues, craquantes, pailletées, ferblantées, qu’il faut soulever très-haut d’un genou vigoureux, les corsages de saltimbanque ; elle dansait, non pas avec des boucles, mais avec des pendants d’oreilles, j’oserais presque dire des lustres. Elle eût volontiers attaché au bas de ses jupes une foule de petites poupées bizarres, comme le font les vieilles bohémiennes qui vous disent la bonne aventure d’une manière menaçante, et qu’on rencontre en plein midi sous les arceaux des ruines romaines ; toutes drôleries, du reste, dont le romantique Samuel, l’un des derniers romantiques que possède la France, raffolait fort.

Si bien qu’après avoir dénigré pendant trois mois la Fanfarlo, il en devint éperdument amoureux, et qu’elle voulut enfin savoir quel était le monstre, le cœur d’airain, le cuistre, le pauvre esprit qui niait si opiniâtrément la royauté de son génie.

Il faut rendre cette justice à la Fanfarlo, qu’il n’y eut chez elle qu’un mouvement de curiosité, rien de plus. Un pareil homme avait-il réellement le nez au milieu du visage et était-il tout à fait conformé comme le reste de ses semblables ? Quand elle eut pris une ou deux informations sur Samuel Cramer, qu’elle eut appris que c’était un homme comme un autre, de quelque sens et de quelque talent, elle comprit vaguement qu’il y avait là quelque chose à deviner, et que ce terrible article du lundi pouvait fort bien n’être qu’une sorte particulière de bouquet hebdomadaire ou la carte de visite d’un opiniâtre solliciteur.

Il la trouva un soir dans sa loge. Deux vastes flambeaux et un large feu faisaient trembler leurs lumières sur les costumes bariolés qui traînaient dans ce boudoir.

La reine du lieu, au moment de quitter le théâtre, reprenait une toilette de simple mortelle, et, accroupie sur une chaise, chaussait sans pudeur sa jambe adorable ; ses mains, grassement effilées, faisaient se jouer à travers les œillets le lacet du brodequin comme une navette agile, sans songer au jupon qu’il fallait rabattre. Cette jambe était déjà, pour Samuel, l’objet d’un éternel désir. Longue, fine, forte, grasse et nerveuse à la fois, elle avait toute la correction du beau et tout l’attrait libertin du joli. Tranchée perpendiculairement à l’endroit le plus large, cette jambe eût donné une espèce de triangle dont le sommet eût été situé sur le tibia, et dont la ligne arrondie du mollet eût fourni la base convexe. Une vraie jambe d’homme est trop dure, les jambes de femmes crayonnées par Devéria sont trop molles pour en donner une idée.

Dans cette agréable attitude, sa tête, inclinée vers son pied, étalait un cou de proconsul, large et fort, et laissait deviner l’ornière des omoplates, revêtues d’une chair brune et abondante. Les cheveux lourds et serrés retombaient en avant des deux côtés, lui chatouillaient le sein et lui bouchaient les yeux, de sorte qu’à chaque instant il fallait les déranger et les rejeter en arrière. Une impatience mutine et charmante, comme d’un enfant gâté qui trouve que cela ne va pas assez vite, remuait toute la créature et ses vêtements, et découvrait à chaque instant de nouveaux points de vue, de nouveaux effets de lignes et de couleur.

Samuel s’arrêta avec respect, — ou feignit de s’ arrêter avec respect ; car, avec ce diable d’homme, le grand problème est toujours de savoir où le comédien commence.

— Ah ! vous voilà, monsieur ! lui dit-elle sans se déranger, quoiqu’elle eût été prévenue quelques minutes auparavant de la visite de Samuel. — Vous avez quelque chose à me demander, n’est-ce pas ?

L’impudence sublime de cette parole alla droit au cœur du pauvre Samuel ; il avait bavardé comme une pie romantique pendant huit jours auprès de madame de Cosmelly ; ici, il répondit tranquillement :

— Oui, Madame.

Et les larmes lui vinrent aux yeux.

Cela eut un succès énorme ; la Fanfarlo sourit.

— Mais quel insecte vous a donc piqué, monsieur, pour me mordre à si belles dents ? Quel affreux métier…

— Affreux, en effet, madame… c’est que je vous adore.

— Je m’en doutais, répliqua la Fanfarlo. Mais vous êtes un monstre ; cette tactique est abominable. — Pauvres filles que nous sommes ! ajouta-t-elle en riant. — Flore, mon bracelet. — Donnez-moi le bras jusqu’à ma voiture, et dites-moi si vous m’avez trouvée bien ce soir ?

Ils allèrent ainsi, bras dessus, bras dessous, comme deux vieux amis ; Samuel aimait, ou du moins sentait son cœur battre fort. — Il fut peut-être singulier, mais à coup sûr cette fois il ne fut pas ridicule.

Dans sa joie, il avait presque oublié de prévenir madame de Cosmelly de son succès, et de porter un espoir à son foyer désert.

Quelques jours après, la Fanfarlo jouait le rôle de Colombine dans une vaste pantomime faite pour elle par des gens d’esprit. Elle y paraissait par une agréable succession de métamorphoses sous les personnages de Colombine, de Marguerite, d’Élvire et de Zéphirine, et recevait, le plus gaiement du monde, les baisers de plusieurs générations de personnages empruntés à divers pays et diverses littératures. Un grand musicien n’avait pas dédaigné de faire une partition fantastique et appropriée à la bizarrerie du sujet. La Fanfarlo fut tour à tour décente, féerique, folle, enjouée ; elle fut sublime dans son art, autant comédienne par les jambes que danseuse par les yeux.

Chez nous, l’on méprise trop l’art de la danse, cela soit dit en passant. Tous les grands peuples, d’abord ceux du monde antique, ceux de l’Inde et de l’Arabie, l’ont cultivée à l’égal de la poésie. La danse est autant au-dessus de la musique, pour certaines organisations païennes toutefois, que le visible et le créé sont au-dessus de l’invisible et de l’incréé. — Ceux-là seuls peuvent me comprendre à qui la musique donne des idées de peinture. — La danse peut révéler tout ce que la musique recèle de mystérieux, et elle a de plus le mérite d’être humaine et palpable. La danse, c’est la poésie avec des bras et des jambes, c’est la matière, gracieuse et terrible, animée, embellie par lemouvement. — Terpsichore est une Muse du midi ; je présume qu’elle était très-brune, et qu’elle a souvent agité ses pieds dans les blés dorés ; ses mouvements, pleins d’une cadence précise, sont autant de divins motifs pour la statuaire. Mais Fanfarlo la catholique, non contente de rivaliser avec Terpsichore, appela à son secours tout l’art des divinités plus modernes. Les brouillards mêlent des formes de fées et d’ondines moins vaporeuses et moins nonchalantes. Elle fut à la fois un caprice de Shakspeare et une bouffonnerie italienne.

Le poëte était ravi ; il crut avoir devant les yeux le rêve de ses jours les plus anciens. Il eût volontiers gambadé dans sa loge d’une manière ridicule, et se fût cassé la tête contre quelque chose, dans l’ivresse folle qui le dominait.

Une calèche basse et bien fermée emportait rapidement le poëte et la danseuse vers la maisonnette dont j’ai parlé.

Notre homme exprimait son admiration par des baisers muets qu’il lui appliquait avec ferveur sur les pieds et les mains. — Elle aussi l’admirait fort, non pas qu’elle ignorât le pouvoir de ses charmes, mais jamais elle n’avait vu d’homme si bizarre ni de passion si électrique.

Le temps était noir comme la tombe, et le vent qui berçait des monceaux de nuages faisait de leurs cahotements ruisseler une averse de grêle et de pluie. Une grande tempête faisait trembler les mansardes et gémir les clochers ; le ruisseau, lit funèbre où s’en vont les billets doux et les orgies de la veille, charriait en bouillonnant ses mille secrets aux égouts ; la mortalité s’abattait joyeusement sur les hôpitaux, et les Chatterton et les Savage de la rue Saint-Jacques crispaient leurs doigts gelés sur leurs écritoires, — quand l’homme le plus faux, le plus égoïste, le plus sensuel, le plus gourmand, le plus spirituel de nos amis arriva devant un beau souper et une bonne table, en compagnie d’une des plus belles femmes que la nature ait formées pour le plaisir des yeux. Samuel voulut ouvrir la fenêtre pour jeter un coup d’œil de vainqueur sur la ville maudite ; puis abaissant son regard sur les diverses félicités qu’il avait à côté de lui, il se hâta d’en jouir.

En compagnie de pareilles choses, il devait être éloquent : aussi, malgré son front trop haut, ses cheveux en forêt vierge et son nez de priseur, la Fanfarlo le trouva presque bien.

Samuel et la Fanfarlo avaient exactement les mêmes idées sur la cuisine et le système d’alimentation nécessaire aux créatures d’élite. Les viandes niaises, les poissons fades étaient exclus des soupers de cette sirène. Le champagne déshonorait rarement sa table. Les bordeaux les plus célèbres et les plus parfumés cédaient le pas au bataillon lourd et serré des bourgognes, des vins d’Auvergne, d’Anjou et du Midi, et des vins étrangers, allemands, grecs, espagnols. Samuel avait coutume de dire qu’un verre de vrai vin devait ressembler à une grappe de raisin noir, et qu’il y avait dedans autant à manger qu’à boire. — La Fanfarlo aimait les viandes qui saignent et les vins qui charrient l’ivresse. — Du reste, elle ne se grisait jamais. — Tous deux professaient une estime sincère et profonde pour la truffe. — La truffe, cette végétation sourde et mystérieuse de Cybèle, cette maladie savoureuse qu’elle a cachée dans ses entrailles plus longtemps que le métal le plus précieux, cette exquise matière qui défie la science de l’agromane, comme l’or celle des Paracelse ; la truffe, qui fait la distinction du monde ancien et du moderne [2], et qui, avant un verre de Chio, a l’effet de plusieurs zéros après un chiffre.

Quant à la question des sauces, ragoûts et assaisonnements, question grave et qui demanderait un chapitre grave comme un feuilleton de science, je puis vous affirmer qu’ils étaient parfaitement d’accord, surtout sur la nécessité d’appeler toute la pharmacie de la nature au secours de la cuisine. Piments, poudres anglaises, safraniques, substances coloniales, poussières exotiques, tout leur eût semblé bon, voire le musc et l’encens. Si Cléopâtre vivait encore, je tiens pour certain qu’elle eût voulu accommoder des filets de bœuf ou de chevreuil avec des parfums d’Arabie. Certes, il est à déplorer que les cordons bleus d’à présent ne soient pas contraints par une loi particulière et voluptuaire à connaître les propriétés chimiques des matières, et ne sachent pas découvrir, pour les cas nécessaires, comme celui d’une fête amoureuse, des éléments culinaires presque inflammables, prompts à parcourir le système organique, comme l’acide prussique, à se volatiliser comme l’éther.

Chose curieuse, cet accord d’opinions pour le bien-vivre, cette similitude de goûts les lia vivement ; cette entente profonde de la vie sensuelle, qui brillait dans chaque regard et dans chaque parole de Samuel, frappa beaucoup la Fanfarlo. Cette parole tantôt brutale comme un chiffre, tantôt délicate et parfumée comme une fleur ou un sachet, cette causerie étrange, dont lui seul a connu le secret, acheva de lui gagner les bonnes grâces de cette charmante femme. Du reste, ce ne fut pas non plus sans une vive et profonde satisfaction qu’il reconnut, à l’inspection de la chambre à coucher, une parfaite confraternité de goûts et de sentiments à l’endroit des ameublements et des constructions intérieures. Cramer haïssait profondément, et il avait, selon moi, parfaitement raison, les grandes lignes droites en matière d’appartements et l’architecture importée dans le foyer domestique. Les vastes salles des vieux châteaux me font peur, et je plains les châtelaines d’avoir été contraintes à faire l’amour dans de grands dortoirs qui avaient un air de cimetière, dans de vastes catafalques qui se faisaient appeler des lits, sur de gros monuments qui prenaient le pseudonyme de fauteuils. Les appartements de Pompéi sont grands comme la main ; les ruines indiennes qui couvrent la côte de Malabar témoignent du même système. Ces grands peuples voluptueux et savants connaissaient parfaitement la question. Les sentiments intimes ne se recueillent à loisir que dans un espace très-étroit.

La chambre à coucher de la Fanfarlo était donc très-petite, très-basse, encombrée de choses molles, parfumées et dangereuses à toucher ; l’air, chargé de miasmes bizarres, donnait envie d’y mourir lentement comme dans une serre chaude. La clarté de la lampe se jouait dans un fouillis de dentelles et d’étoffes d’un ton violent, mais équivoque. Çà et là, sur le mur, elle éclairait quelques peintures pleines d’une volupté espagnole : des chairs très-blanches sur des fonds très-noirs. C’est au fond de ce ravissant taudis, qui tenait à la fois du mauvais lieu et du sanctuaire, que Samuel vit s’avancer vers lui la nouvelle déesse de son cœur, dans la splendeur radieuse et sacrée de sa nudité.

Quel est l’homme qui ne voudrait, même au prix de la moitié de ses jours, voir son rêve, son vrai rêve poser sans voile devant lui, et le fantôme adoré de son imagination faire tomber un à un tous les vêtements destinés à protéger contre les yeux du vulgaire ? Mais voilà que Samuel, pris d’un caprice bizarre, se mit à crier comme un enfant gâté : — Je veux Colombine, rends-moi Colombine ; rends-la-moi telle qu’elle m’est apparue le soir qu’elle m’a rendu fou avec son accoutrement fantasque et son corsage de saltimbanque !

La Fanfarlo, étonnée d’abord, voulut bien se prêter à l’excentricité de l’homme qu’elle avait choisi, et l’on sonna Flore ; celle-ci eut beau représenter qu’il était trois heures du matin, que tout était fermé au théâtre, le concierge endormi, le temps affreux, — la tempête continuait son tapage, — il fallut obéir à celle qui obéissait elle-même, et la femme de chambre sortit ; quand Cramer, pris d’une nouvelle idée, se pendit à sonnette et s’écria d’une voix tonnante :

« — Eh ! n’oubliez pas le rouge ? »

Ce trait caractéristique, qui a été raconté par la Fanfarlo elle-même, un soir que ses camarades l’interrogeaient sur le commencement de sa liaison avec Samuel, ne m’a nullement étonné ; j’ai bien reconnu en ceci l’auteur desOrfraies. Il aimera toujours le rouge et la céruse, le chrysocale et les oripeaux de toute sorte. Il repeindrait volontiers les arbres et le ciel, et si Dieu lui avait confié le plan de la nature, il l’aurait peut-être gâté.

Quoique Samuel fût une imagination dépravée, et peut-être à cause de cela même, l’amour était chez lui moins une affaire des sens que du raisonnement. C’était surtout l’admiration et l’appétit du beau ; il considérait la reproduction comme un vice de l’amour, la grossesse comme une maladie d’araignée. Il a écrit quelque part : les anges sont hermaphrodites et stériles. — Il aimait un corps humain comme une harmonie matérielle, comme une belle architecture, plus le mouvement ; et ce matérialisme absolu n’était pas loin de l’idéalisme le plus pur. Mais, comme dans le beau, qui est la cause de l’amour, il y avait selon lui deux éléments : la ligne et l’attrait, — et que tout ceci ne regarde que la ligne, — l’attrait pour lui, ce soir-là du moins, c’était le rouge.

La Fanfarlo résumait donc pour lui la ligne et l’attrait ; et quand, assise au bord du lit, dans l’insouciance et dans le calme victorieux de la femme aimée, les mains délicatement posées sur lui, il la regardait, il lui semblait voir l’infini derrière les yeux clairs de cette beauté, et que les siens à la longue planaient dans d’immenses horizons. Du reste, comme il arrive aux hommes exceptionnels, il était souvent seul dans son paradis, nul ne pouvant l’habiter avec lui ; et si, de hasard, il l’y ravissait et l’y traînait presque de force, elle restait toujours en arrière : aussi, dans le ciel où il régnait, son amour commençait d’être triste et malade de la mélancolie du bleu, comme un royal solitaire.

Cependant, il ne s’ennuya jamais d’elle ; jamais, en quittant son réduit amoureux, piétinant lestement sur un trottoir, à l’air frais du matin, il n’éprouva cette jouissance égoïste du cigare et des mains dans les poches, dont parle quelque part notre grand romancier moderne .

À défaut du cœur, Samuel avait l’intelligence noble, et, au lieu d’ingratitude, la jouissance avait engendré chez lui ce contentement savoureux, cette rêverie sensuelle, qui vaut peut-être mieux que l’amour comme l’entend le vulgaire. Du reste, la Fanfarlo avait fait de son mieux et dépensé ses plus habiles caresses, s’étant aperçue que l’homme en valait la peine : elle s’était accoutumée à ce langage mystique, bariolé d’impuretés et de crudités énormes. — Cela avait pour elle du moins l’attrait de la nouveauté.

Le coup de tête de la danseuse avait fait son bruit. Il y avait eu plusieurs relâches sur l’affiche ; elle avait négligé les répétitions ; beaucoup de gens enviaient Samuel.

Un soir que le hasard, l’ennui de M. de Cosmelly ou une complication de ruses de sa femme, les avait réunis au coin du feu, — après un de ces longs silences qui ont lieu dans les ménages où l’on n’a plus rien à se dire et beaucoup à se cacher, — après lui avoir fait le meilleur thé du monde, dans une théière bien modeste et bien fêlée, peut-être encore celle du château de sa tante, — après avoir chanté au piano quelques morceaux d’une musique en vogue il y a dix ans, — elle lui dit avec la voix douce et prudente de la vertu qui veut se rendre aimable et craint d’effaroucher l’objet de ses affections, — qu’elle le plaignait beaucoup, qu’elle avait beaucoup pleuré, plus encore sur lui que sur elle-même ; qu’elle eût au moins voulu ; dans sa résignation toute soumise et toute dévouée, qu’il pût trouver ailleurs que chez elle l’amour qu’il ne demandait plus à sa femme ; qu’elle avait plus souffert de le voir trompé que de se voir délaissée ; que d’ailleurs il y avait beaucoup de sa propre faute, qu’elle avait oublié ses devoirs de tendre épouse, en n’avertissant pas son mari du danger ; que, du reste, elle était toute prête à fermer cette plaie saignante et à réparer à elle seule une imprudence commise à deux, etc., — et tout ce que peut suggérer de paroles mielleuses une ruse autorisée par la tendresse. — Elle pleurait et pleurait bien ; le feu éclairait ses larmes et son visage embelli par la douleur.

M. de Cosmelly ne dit pas un mot et sortit. Les hommes pris au trébuchet de leurs fautes n’aiment pas faire à la clémence une offrande de leurs remords. S’il alla chez la Fanfarlo, il y trouva sans doute des vestiges de désordre, des bouts de cigare et des feuilletons.

Un matin, Samuel fut réveillé par la voix mutine de la Fanfarlo, et leva lentement sa tête fatiguée de l’oreiller où elle reposait, pour lire une lettre qu’elle lui remit :

« Merci, monsieur, mille fois merci ; mon bonheur et ma reconnaissance vous seront comptés dans un meilleur monde. J’accepte. Je reprends mon mari de vos mains, et je l’emporte ce soir à notre terre de C***, où je vais retrouver la santé et la vie que je vous dois. Recevez, monsieur, la promesse d’une amitié éternelle. Je vous ai toujours cru trop honnête homme pour ne pas préférer une amitié de plus à toute autre récompense. »

Samuel, vautré sur de la dentelle et appuyé sur une des plus fraîches et des plus belles épaules qu’on pût voir, sentit vaguement qu’il était joué, et eut quelque peine à rassembler dans sa mémoire les éléments de l’intrigue dont il avait amené le dénoûment ; mais il se dit tranquillement : — Nos passions sont-elles bien sincères ? qui peut savoir sûrement ce qu’il veut et connaître au juste le baromètre de son cœur ?

« — Que murmures-tu là ? qu’est-ce que c’est que ça ? je veux voir, dit la Fanfarlo.

— Ah ! rien, fit Samuel. — Une lettre d’honnête femme à qui j’avais promis d’être aimé de toi.

— Tu me le paieras, » dit-elle entre ses dents.

Il est probable que la Fanfarlo a aimé Samuel, mais de cet amour que connaissent peu d’âmes, avec une rancune au fond. Quant à lui, il a été puni par où il avait péché. Il avait souvent singé la passion ; il fut contraint de la connaître ; mais ce ne fut point l’amour tranquille, calme et fort qu’inspirent les honnêtes filles, ce fut l’amour terrible, désolant et honteux, l’amour maladif des courtisanes. Samuel connut toutes les tortures de la jalousie, et l’abaissement et la tristesse où nous jette la conscience d’un mal incurable et constitutionnel, — bref, toutes les horreurs de ce mariage vicieux qu’on nomme le concubinage. Quant à elle, elle engraisse tous les jours ; elle est devenue une beauté grasse, propre, lustrée et rusée, une espèce de lorette ministérielle. — Un de ces jours elle fera ses pâques et rendra le pain bénit à sa paroisse. À cette époque peut-être, Samuel, mort à la peine, sera cloué sous la lame, comme il le disait en son bon temps, et la Fanfarlo, avec ses airs de chanoinesse, fera tourner la tête d’un jeune héritier. — En attendant, elle apprend à faire des enfants ; elle vient d’accoucher heureusement de deux jumeaux. Samuel a mis bas quatre livres de science : un livre sur les quatre évangélistes, — un autre sur la symbolique des couleurs, — un mémoire sur un nouveau système d’annonces, — et un quatrième dont je ne veux pas me rappeler le titre. — Ce qu’il y a de plus épouvantable dans ce dernier, c’est qu’il est plein de verve, d’énergie et de curiosités. Samuel a eu le front d’y établir pour épigraphe : Auri sacra fames ! — La Fanfarlo veut que son amant soit de l’Institut, et elle intrigue au ministère pour qu’il ait la croix.

Pauvre chantre des Orfraies ! Pauvre Manuela de Monteverde ! — Il est tombé bien bas. — J’ai appris récemment qu’il fondait un journal socialiste et voulait se mettre à la politique. — Intelligence malhonnête ! — comme dit cet honnête M. Nisard.


  1. Cette nouvelle est le premier écrit de Charles Baudelaire. Présentée et reçue originairement à la Revue de Paris, elle fut rendue à l’auteur. La Fanfarlo a paru pour la première fois en janvier 1847, dans le Bulletin de la Société des gens de lettres.

Exercício pornofinia PULP nº 8 – por ennio villavelha



“Hoje em dia, o campo da ficção está coalhado de narrativas sobre sensibilidades de uma criança que chega à maioridade numa granja de frangos, ou sobre uma prostituta que despe o glamour de sua profissão”.

John Cheever

“Um pouco mais e eles serão cúmplices. Ela vai lhe explicitar desejos, dos mais secretos. Vai lhe falar dos seios, das fendas, de sexo. Ela vai lhe excitar a textura, dar vida… Sua matéria. Vai lhe encher de fantasias, de gozo, de carnes. Ela vai lhe contar o proibido, o imoral. Vai lhe falar o que as bocas lavadas calam com pudor. Ela vai se despir da vergonha. Um pouco mais e eles serão cúmplices, ali mesmo, sobre a mesa da escrivaninha. A mão da mulher alisa o papel em branco. Mas recua”.

Cassandra Rios

Ser uma puta cheia de encantos, esse é o atributo para continuar participando desta vida. Puta é uma palavra de muito respeito, difícil de condicionar e pasteurizável com facilidade por bocas com hálito de cu por seres humanos com cabeça de porco e, também, por todos aqueles de banho tomado que usam lavanda com essência de rosas brancas. Palavra que nunca se aproxima do impiedoso démodé; mesmo assim fica embaraçoso se referir à pátria descrevendo-a dentro do que equivale uma puta, ou ter que descrever a um pai a qualidade de sua filha através de. Isto é, a preocupação aqui vai de peso a peso, pois cada um conhece os demônios que carrega e as salas que frequenta. Mas todos bem sabem que não há como definhar argumentações etimológico-faggot-cristão-analítico encima de uma puta, quero dizer, encima do vocábulo puta. Puta, puta,… Que gostoso.Muitas vezes as pessoas se quer desconfiam de determinadas lobas…

Saber vender é poder se vender, e é isso que a aristocracia e a plebe procuram por sobre a nata de seus desejos, pessoas vazias, mas com a carapaça bem grossa como um hímen de égua.

Neste quadro se encaixa Mina, com este nomezinho miserável que é uma estranha abreviação de Mariana, o tipo da mulher feia bonita. Com notório conhecimento do poder da lábia-majore muxibenta e pelancuda. Só sai de casa com calças que a deixa como um pedaço de carne embalado a vácuo, para poder desmontar o magistrado, o pessoal da obra, mulheres casadas insatisfeitas e todo o resto do mundo, inclusive os cães se dão sobremaneira muito bem com o perfume natural dela mesclado ao Chanel n° 5 fake. Carrega um curioso mullet preto que parece ter saído da cabeça do MacGyver, só faltando o papel de balinha o chiclete mastigado e então confeccionada uma bomba H.

Admite só a necessidade do vento encarregado de soprar em sua direção, o resto está garantido, o resto são insignificâncias que acabam revelando que todo homem e mulher tem o seu preço, exibindo um ácido corrosivo com uma segurança de dar nojo. Uma nódoa encima de qualquer coisa que valha a ética popular.

Diametralmente oposta à esquina onde reside Mina, funciona uma padaria bem limpinha com várias qualidades de pessoas e quitutes mil. Pendurado na parede adjacente ao microondas um quadro onde se vê a foto de um homem com o semblante áspero, barba e testa compridas, no seu paletó riscado à posteriori uma inscrição ilegível e impronunciável, carimbada roxa no sépia do papel e o nome Albert datado de1896 a 1927. Imagem deslocada estranhamente naquele espaço, porém notável até para a pessoa mais LSD25 do mundo. Notável. Nunca acendeu tanto a válvula da curiosidade volátil como foi com Mina. Aqueles olhos claros não identificáveis nos tons da foto. Serão azuis? Verdes? Ardósia talvez. Que ázigo era aquele um! Que tipo miserável com o olhar tão cheio de candura e segurança. Entretanto tratou de procurar os eufemismos antes de dejetar perguntas a esmo. Isso sem ter constatado que o dono da padaria e também dono da foto já manjava o rosto dela há alguns dias e sentia certo frescor tedioso impregnado, cara de quem vira a noite e sempre pega a primeira fornada de pão; para não comer. Além dos bicos dos peitinhos, além dos bicos dos peitinhos sem sutiã naquele frio matinal, toda porn gonzo, toda sexo propositalmente. Ohhhh que deve ter uma guilhotina entre as pernas, pensava o corajoso padeiro por desejar uma ferramenta tão perigosa ainda mais sob o domínio de uma mulher.

Repentinamente Mina perguntou para o primeiro que estava atrás do balcão que se aproximou:

Quem é aquele homem da foto?

Não sei não senhora, vou perguntar pro seu Ernesto – respondeu o funcionário.

Porra, você olha pra essa foto todos os dias e não sabe quem é? – retrucou, mas naquele tom “velhos amigos e a apenas um átimo de segundo te conheço”.

Ernesto punheteiro. Nunca se saiu bem com as mulheres. Sofreu com traições de suas namoradinhas na fase púbere. As gurias se cansavam por ter ao lado não um possível homem em formação, mas sim um amigo sonso com a libido de um maracujá de gaveta. Confuso a cada frase, a cada passada de mão um empreendimento arriscado. Sempre fora delgado e meio corcunda, cheio de tiques nervosos, mas não de todo irrecuperável. Depois de adulto passou a comer mais e de maneira melhor as mulheres, mas elas sempre se queixavam que seu pau era muito longo e fino demais, ”não mete tudo não se não você me empala”, isso aquilo e aquela conversa. Talvez por isso cunhara predileção por mulheres com cara de puta.

Quando assumiu a padaria que era do pai, adquiriu uma mania para se divertir nos momentos que ficava ali sozinho, um estranho hábito de abrir a gaveta da caixa registradora para soltar traques fedegosos encima do dinheiro, depois a fechava com um chute comedido para não quebrá-la.

Olhou incontidamente aquela cena e logo se aproximou:

Bom dia!

Oi quem é aquele homem da foto?

Olha, eu perdi o rumo genealógico da minha família. Mas acho que era tio do meu avô, muito chegado, muito querido… Só mantenho essa foto ainda junto de mim porque um cara me ofereceu um dinheiro legal pela moldura, ele disse que voltava dentro de poucos dias, mas já passaram semanas e nada! Por sinal é uma moldura muito bonita. – respondeu Ernesto olhando fixamente para o rosto Mina como se dono fosse de um par de olhos de vidro. Nada de pestanejos.

Sem riscar um palito de fósforo Mina deixou evidente que tinha interesse naquele artefato vintage esquecido ali. Eurodólar, Cruzado, Libra, URV, HPV, nada distancia ou estraga seu interesse. Talvez igual a observar a massa de um bolo aviltar-se com vontade de comê-lo logo.

Seguinte, adorei o cara da foto e já que pra você é a moldura que interessa então que tal você me deixar levar foto?

MMMMMMM… Que tal a gente tomar um capuccino? Aí conversamos – respondeu.

Que tal a gente tomar um capuccino? Brincadeira! Eu quero uma cerveja, mais tarde, afinal a que horas tu sai?

A hora que você quiser!!!

Agora então! – vendo chover a exultação do peito de Ernesto.

Vou dar uma saída senhores, não deixem os pasteis esturricarem, o palmito é da Amazônia, nem falei… – gritou para o seu funcionário que ficou “enfeitiçado” com o naipe daquela singular, enxugou-a com os olhos tal qual seu patrão, porém discretamente, com certo pesar, como sempre fazem nesses lugares, não deu muita atenção para a origem do palmito, não mesmo.

Saíram da padaria sem perguntar nomes, tão resolvidos e tão assustadoramente rápidos quanto uma ejaculação precoce. Mina elaborou num instante o que fazer, onde fazer e o que fazer. Rumou obstinadamente para sua casa:

Adoro cerveja, só que to ficando uma barrigudinha.

Deixa ver… Bobagem, ta ótima – Ernesto já trincando suas náuseas.

Moro aqui pertinho, a gente pode tomar lá em casa mesmo se não for problema pra você. É?

De jeito maneira!

Parecia que já estavam cientes que foderiam como dois discípulos da putaria desregrada, vingança sexual contra si mesmos.

A penitencia acumulada pustulenta do prazer. É uma das virtudes dos excitados incontroláveis. Maravilha para o prazer imediato, maravilha para a enforcadora vagina que quer ser coagida num tribuno ao Nobre Arquiduque das Trevas, com dor e cólera.

Arreganha bem gostoso que é pra sangrar, tem que sangrar com socos – fermentou o pensamento do moço.Enquanto caminhavam, trocavam pequenos olhares envolvidos por frases suculentas. Imoralidades docinhas entre dois desconhecidos.

E configura-se então a particularíssima verdade universal. Eis aí mais ou menos o exemplo do instante em que todos traem diariamente uns aos outros, maridos e mulheres, beatas e padres, judeus ortodoxos e formigas, namorados e namoradas, poodles e menininhas. O calor sobe e só é preciso um motivo não pontual para que seja estabelecido um vinculo amigável tendencioso e se desenvolva uma relação velada, idiotizante e animal. E assim nos comportamos todos via de regra, sem exceções, neste sanitário social fodido e pastoso como um herpes-genital salobro. Há quem diga que a coceirinha é gostosa, quase como criar um bicho de pé.

Ao chegarem à casa de Mina, uma pilha de louça e nenhum copo esperando os recém sejam lá o que forem. Uma foto do Ronald Biggs 2×3 metros na parede dos fundos, garrafas, cordões-cheirosos, pezinhos de feijão plantados em latas de atum.  Sabor de casa de mulher solteira e desempedida dos compromissos jesuítas.

Seguinte, eu não sou do tipo que diz: Vamos entrando, mas, por favor, não repare a bagunça!.

Que isso, eu já percebi. Você tem um jeito bem…

…Bem o que, bem piranha é isso???

Foi o tempo de ressoar último acorde diminuto aumentado menor daquela voz, para que enchesse a boca dele com sua xoxota já sem calcinha, vestida até ali em uma saia curta de cetim magenta, e uma camiseta branca dos Miracle Workers. Deixou-o chupando, azeda ainda do suor e da porra de outrem da noite anterior. Enquanto a singeleza do capiau o fez pensar que era apenas precipitação de urina, de séquito de buceta. Há dias não via uma, então foi com sede, de maneira nenhuma anularia aquela situação quente, úmida. Estava gostoso ali. Sua língua não pararia. O bálsamo sexual chamou os órgãos para a foda. Um pé na cadeira e uma buceta projetada com vontade para frente, seguida de pródigas goladas nas cervejas quase que arrancadas da geladeira d’um lado, tomadas no gargalo mesmo.  Uma enfiada voraz, uma rolada maldosa, com tudo, quase na intenção de machucar – algumas leitoras sabem do que se trata – mas ela não deixou por menos, queria muito sentir por dentro um pau quente, não deixou de ser também para ela uma forma para aliviar a coceira causada por pequenos ferimentos.

Meteeee, meeeeeeeeeeeeeeeteeee, hummm, ouuuuuuuuuuuuuuuu, uaaraaa uou, uou. Pica, pica, pica, me pica vai, vai, come together right now over mêlée mete, te, ti, ti, ti… $%¨*&hjrg…

Depois de toda essa sistematização enfim Ernesto se voltou para o canto, enxugou as porras e o corrimento da donzela. Contemplou o post coitum, admirou.

Admirou.

. . . . .

Eeeeeee, e sobre a foto? Acho que seria uma boa se você ficasse com a moldura e tudo logo! Presente!

Caralho? Mentira?

Verdade!

Ai, muito obrigada!!!

Que isso. – falsa modéstia pairando.

Mina, realizou logo que a postura de Ernesto fora em demasia infanto-juvenil. Porra, o cara já tinha negociado a merda e me dá assim… Um malfeito! Partindo desta pequena serifa da personalidade de Ernesto, o subjugou ao valor de um quilo de merda – foi a primeira imagem que lhe veio naquele instante.

Vamos? – ponderou Mina.

Já?

Já sim, vamos lá buscar minha foto linda. Vou colocar naquela parede ali, do lado do Ronald Biggs.

Quem é esse aí?

Ninguém cara. Chega de questionário! – rebateu com uma raivazinha encantadora de puta que sabe ganhar fácil essas múmias com saco.

Vamos então. Olha que já deve ter pastel quentinho.

Delícia. Hummm. Eu quero comer uns vinte. Não, uns trinta!

Qual é o teu nome mesmo guria esfomeada?

É melhor eu dizer mesmo antes que eu morra de inanição. É Mina.

Mina? Tua mãe era criança quando te deu a luz ou era daquele tipo que gosta de ler as mãos dos outros, tem mandalas em todos cantos…

Nenhum dos dois. Meu nome é Mariana. E qual mesmo o teu nome, sujeito dos pastéis?

Ernesto. Prazer!

Pois é, o prazer se foi há alguns minutos! Mas foi um prazer sim, sem dúvida. – com esta rebatida sem sal mesmo.

Se eu notei?

É querido. – respondeu sebosa.

Em poucas semanas pastéis dados por afabilidade se transformaram em dinheiro, presentes, piranhagem. Gastos abruptos e desnecessários.

O pastel de palmito no pastel de cabelo e mais presentes, para a Vagina. Naquela altura não mais havia mulher/homem, só a buceta e o pau, nada de amor próprio em supino por todos os lados. Torrar tudo é quase gozar ininterruptamente, até dar febre!

O fosso do porém é que, tanto Mina quanto Ernesto não contavam com as contiguidades da cabeça do garoto que trabalhava na padaria (tanto para cima quanto para baixo, tanto para o bem quanto para o mal). Ali naquela função há uns dois meses antes de Mina tomar de assalto a única razão de ele ter permanecido no emprego: seu patrão Ernesto.

O garoto apaixonado por seu empregador, o que parecia particularmente estranho, pois enquanto jovem e aparentemente saudável, o veadinho poderia comer e ser comido por seus pares no mundo gay. Mas estava satisfeito, feliz mesmo por assim dizer, paixão ninguém escolhe como dizem as más línguas. Entretanto jamais deixou transparecer seu homossexualismo, mantido na mais misteriosa discrição.

Gerado ali um contrafeito. Além do que, dizem que os homossexuais-homens enchergam melhor que as mulheres, neste caso ao menos relativamente um pouco melhor que a moça em questão.

No final da manhã de um sábado qualquer Ernesto recrutou o garoto para ir até a casa de Mina entregar a ela o desjejum: pães, frios, uma cerveja escura. Ao se aproximar dela ficou surpreendido um bocado de si consigo, quase lhe sapecou um afrangalhado sopapo involuntário, daqueles que na meninice eternizam e efeminam o cidadão entre os amigos, mesmo que este já seja considerado o “ventilado” do bando.

Olha aqui sua vagabunda não pense você que sai ganhando todo mundo assim de lambuja! Conheço tua casca! Essa máscara aí cai fácil ouviu sua aproveitadora! – nesse momento endireitou-se e falou grosso, apesar da mediocridade do tema tratado.

Aí garotão, senta aqui – resvalou Mina respingando saliva.

Senta aqui é o caralho no seu cu! Puta rapariga! Sugadora!

Aaaeeh? – foi em direção a ele a todo vapor.

Olha some enquanto pode.

Vem se foder dentro de mim, vem… – novamente a moça fez troça com a irregularidade emocional do rapaz.

Vou!

E foi sim pra cima dela, inscrevendo nas costelas uma garfada que alcançou o osso perto do seio direito. Em prantos e com medo, enquanto Mina revidou, esmurrando-o acima da altura dos ombros, durante duradouros quinze minutos.

Iminente voltou para um diálogo de mão única, visivelmente abalado, com um papagaio dentro de si, falando até o que poderia vir a sentir por Ernesto.

Mina ouviu, mas não por piedade, ouviu por que lhe apeteceu ouvir, piedade é liberar uma rodada de boquete pra um grupo de adolescentes sem perspectiva de encontrar uma mulher fácil. Isso era nada além de curioso, e estranho de se ver.

… E é isso! – concluiu o garoto.

É isso. E você quer o que afinal? Olha aqui. Agora se você quer dar trepar com teu patrão diga você a ele!

Você quer é continuar usando o coitado do Ernesto. Isso não. Eu sou é doida por ele – falou o garoto

Doida?!!!? Demorou se consagrar, mas já liberou o canil com vontade eihn?

E daí, me deixa tá! Você fica aí achando que ganha todo mundo com essas camisetinhas de banda de rock e esse seu papo fiado? Aprendeu essa merda onde? Na classe-média? A mim não querida, eu não caio nesta armadilha não. Sou melhor que você.

Sou uma self-made girl babaca!

Vai tomar no cu com esse seu palavreado fodido. Você se fez foi sacaneando os outros. E eu não vou mais me trocar com você!

Ela o deixou seguir. Com a frieza da certeza de que ele não diria nada a Ernesto. Imprecou a si.

Ernesto, Ernesto!!! – Gritou o rapaz no corredor dos fundos da padaria. Sem que ninguém o visse. Mas a qualquer possível ouvinte transpareceria o cheiro do pavor, da coisa introvertida, passional.

O que foi rapaz, para de gritos aqui dentro da minha padaria porra! Ta ficando demente caralho! Logo você que nunca me deu problema, vai querer cagar agora? E que porra foi essa ai na sua cara, levou uma surra caralho?

Foi aquela mulher, aquela acomodada maldita. A sua Mina! Aquela mulher te usa como usa todos com quem ela cruza, aquilo é o Rei Midas das Sanguessugas.

Já estapeando e puxando o rapaz pela camisa

Porra, ela me espancou porque eu descobri que ela te usa, ela só faz isso, desde o começo.

Isso é problema meu.

Foram as pressas percorrendo o trecho não muito longo da padaria até a casa de Mina.

O guri nunca se dera a um desprazer tão fulminante e vergonhoso, sendo puxado pela camisa já suja de sangue, desmoralizado por um amor kitsch, dentro de seu mundo estava muita coisa arruinada, se doía por fora, mas dentro muito mais, por dentro eram ferrões de arraia conseguidos de maneira rápida e quase gratuita, uma idolatria por um babaca, concluiu penoso olhando por dentro e já atravessando cabisbaixo o portão de Mariana. Nesses momentos em que a cabeça enfraquece mas que não se mantem iludida para o mundo real, ou ao menos para o mundo que for imposto.

Ele veio me agredir! Ele foi lá te contar? – rosnou Mariana

Vem cá porra! Agora eu quero ouvir que porra de conversa é essa!!! Tu bate na minha mulher…

Ca-la-bo-ca – vociferou Ernesto, a cada sílaba um soco na nuca do guri.

Isso meu bem!

É isso nada! Que tu é puta eu sabia, quero na verdade… Só ta a gente aqui. – Correu e trancou as portas fechou as janelas e abriu uma cerveja.

Ta bom, esse cara aí é um veado! Ta doido pra cheirar seu rabo!

Tenho maior respeito pelos viados, até inclusive já comi alguns…

… Aí Mariana, já comeu um viado? – Há algum tempo Ernesto não sentia aquele calor, que só os sujeitos que transam com vacas e porcas sentem, dizem os zoofílicos que isso ocorre principalmente no furor de um final de comoção. E ele sentiu.

Não gente, por favor, não gente – garoto acossado por duas cobras, que se apreciavam dentro daquela situação.

Levantou com medo dos dois. Juntou-se ao Ronald Biggs por ali e pediu calma.

Não fica preocupado, esses machucadinhos saram logo.

Eu só to querendo de ir cara. Ela já falou qual era minha, e eu percebi também que sou eu quem estava sobrando todo o tempo – falou rasteiramente como quem pede perdão ao carrasco pelos pecados que não cometeu.

Era só excesso de zelo por seu objeto de amor que agora impetrava sua estada por mais um pouco, mesmo que de maneira não razoável.

Agora no infeliz momento onde não há pavimentação e que as piadas mais engraçadas se perdem com o ar rarefeito, resta a desesperança, pois esperança é coisa de gente manhosa, nessa altura ou é ou não é.

Enquanto os três semblantes assustados tentavam fugir dali, sem mais entender como aquele enxame havia se iniciado. Mina foi a única, com sua verve de rato atemorizado, a insurgir contra aquele desaforo esquizofrênico.

Reflexivas as seis garrafas que estavam perante seu derradeiro golpe de vista foram arremessadas numa lamborada só na cabeça de Ernesto. Com as rédeas do medo no comando. Ninguém ali imaginava onde findaria aquele momento, na fauna e flora intestinal pelo modo de como atolados em merda pura.

Cambaleante Ernesto retirou-se. Deixou Mina e o garoto confusos ainda mais. Após uma troca de soluços e olhares.

Nenhum deles ousou se mexer enquanto o revolto varava o portão.

Chegou em casa, lugar por muito não visitado. Foi ao encontro de uma flanela áspera socada dentro de uma almofada qualquer. Foi até cozinha e bebeu água direto da torneira, acendeu um filtro vermelho dando três fortes tragadas e o dispensou no chão sem o apagar.

Ernesto sugava da memória a lembrança de uma senhora que o havia elogiado dentro de sua padaria por um motivo qualquer relacionado à sexualidade. Lembrança que sempre o fazia derramar duas teimosinhas gotas de lágrimas. Orgulhava-se como a maioria das pessoas mesquinhas se orgulham de detalhes microscópicos.

O súbito fora reconhecer a paixão por Mina e pelo rapaz, não admitida a si mesmo na clausura do macho que gosta de outro, que em contrapartida adora a natureza feminina.

Olhou pra cima, abriu a boca no mesmo instante em que levou a mão com os punhos cerrados, com um calibre 22 já apertando o gatilho, e sentiu a bala sendo cuspida cano a fora até alcançar seu maxilar inferior.

Não surtiu o efeito devido. Espetou novamente a arma na boca, desta vez no fundo da garganta, balbuciando alguma coisa como: eu sei que você ta assombrado, mas vai dar tudo certo.

Mantendo-se sentado neste meio tempo.

Funcionou, mas levou alguns minutos para que a visão começasse a perder o foco até que de uma vez por todas enegrecesse.

O que era moral agora? Quem eram os amantes: Mina, o garoto, ou não também. Ainda teve a chance de pensar quão bom seria se as putas e enrustidos carregassem, mesmo que lá no cu-do-conde das vontades, o sentimento que jogasse fora o catarro cheio de condicionantes de personalidade, colocado diariamente em todas as correntes sanguíneas, para que ao menos estes ajudassem a lavar todas as almas absortas sofridas; tão bem quanto conhaque em boca de bêbado.

A R E C O N Q U I S T A D O I M P É R I O – por jorge lescano / são paulo

— Meu fiel Pancho, devo dizer-lhe que o seu romance é um amontoado de dislates, mera perda de tempo. Se a intenção foi troçar do leitor temo que não consiga o seu objetivo: nenhum editor correria o risco de manchar sua reputação publicando este original — Alonso Gómez falava voltando da escrivaninha de onde retirara um bloco de papel encadernado com espiral. Sentou-se, apoiando o volume no colo e abandonou a mão sobre a capa de plástico transparente.

A mão era suntuosa, dedos finos e pálidos, obra de um maneirista italiano, Pancho Escudero olhava-a fascinado, como se estivesse exposta no teatro de Madame Tussaud ou tivesse fugido de uma antologia de contos.

— Sua Reconquista do Império é impossível, uma empreitada condenada ao fracasso, um verdadeiro absurdo! Entendo o que pretende mas não posso dizer que o tenha conseguido, em todo caso, não o aprovo. Você me conhece, sou rigoroso, não dogmático. Penso que não basta reler o passado, é necessário extrair dele algo de positivo para as futuras gerações — batia com a unha esmaltada do indicador nas grandes letras vermelhas do título.

O vidro escuro da janela abafava o rumor do mundo: enchentes, desmoronamentos, terremotos, tiros, promessas eleitorais…  Gómez abriu o volume ao acaso e apontou o início de um parágrafo.

— É necessário e justo identificar o Império Britânico com Jack, o Estripador? E o que simboliza o Papa  tentando seduzir Joãozinho na Alemanha? O autor não deve explicar sua obra, isto é de praxe, contudo, meu amigo, na oficina todo movimento e cada ferramenta têm que ter uma função precisa no árduo trabalho de fazer a máquina andar.

— O que escrevo não deve ser considerado literatura — disse Escudero soturnamente –, a menos que incluamos nesta categoria os manuais de circuitos elétricos, ou, se quiser, os vasos sanitários no ramo das belas artes.

— À medida que o texto se desenrola multiplicam-se as incongruências. — a mão alabastrina regia o ritmo das palavras —             O desleixo invade e deforma a trama. — apontava a capa do volume onde um rei de farsa parecia dialogar com o verdugo numa paisagem paradisíaca. — Onde o estilo, a …  ah!…? — engasgou.

A Reconquista do Império era um espetáculo, no mínimo, curioso. Nele se encontravam todas as estéticas havidas desde a Grécia Clássica — invenção da Itália renascentista, na opinião de Escudero — até os primeiros exercícios do curso básico das escolas profissionalizantes de teatro. Isto, bem mirado, era absolutamente coerente com o significado da obra. A crítica, porém, obstinava-se em não perceber, ou se negava a admitir, que o império do título estava no palco e abarcava todas as acepções de tempo e espaço. As locações se davam em pólos turísticos, à maneira dos best-sellers mais vendidos (sic), os personagens eram figuras exóticas, ou excêntricas ao gosto da época, tudo isto saciava a fome de novidade reclamada pelo público saturado dos mexericos dramatizados pelo telejornal.

— Manco Cápac contracena com Eróstrato na Macedônia, o ministro Goebbels aconselha Confúcio sobre democracia em Cabul e bons costumes na Bagdá ocupada, enquanto o matemático inglês estupra Alice mil e oitocentas e trinta e três vezes nas gélidas Ilhas Argentinas. Por que, valha-me Deus?!

— O absurdo tem uma lógica própria, e não é, como se acredita comumente, um amontoado de incongruências. Estas, aliás, podem servir para pôr em evidência a lógica do absurdo. Sintetizando: neste caso o Absurdo se manifesta por oposição à incoerência do texto. Sutil demais? É Absurdo porque não respeita a lógica do incongruente e age de acordo com suas próprias leis, que podem mudar segundo as necessidades da ação. Yes!, meu caro Gómez, há algo de método nesta loucura.

O autor da trama sabia muito bem que o público olharia para outro lado quando o fato  acontecesse, a bem da verdade, nesse contexto o fato era o menos interessante. Vulgar como a vida cotidiana, disse um cronista. Erro crasso, o que se interpretava como mimese era o verdadeiro. Até a noite do crime e talvez depois, os críticos consideravam esta cena a pior de todas porque introduzia elementos de realismo onde, segundo eles, só havia loucura e incompetência. O brilhante detetive recrutado numa universidade italiana interpretou o fato como seqüela do enredo: o crime aconteceu porque a cena criou a ocasião. A partir daí toda sua teoria é correta, porém, a premissa, falsa. O crime não aconteceu porque a cena o permitia senão porque a cena fora criada intencionalmente.

Ali não havia nada da cortesia do ator que para não ofender os colegas preferia brigar com o porteiro do teatro e assim desatar a fúria de Lear no palco, nada do rigor daquele outro, que extraíra quatro dentes para que o seu chimpanzé fosse convincente ao informar à Academia, sutilezas dramáticas geradas pela leitura deficiente do russo. Nada havia da superficialidade dos seriados de televisão, que banalizam o narcotráfico, tema épico da atualidade, na opinião de Escudero. Nada, enfim, que aproximasse A Reconquista do Império de certos filmes de ficção interplanetária onde os alienígenas que visitam ou invadem a terra, se bem são capazes de criar imensas e sofisticadas naves, preciosismos que desafiam a engenharia de efeitos especiais, não portam cabelo nem orelhas nos crânios, isto, vá lá, é a moda dos maquiadores ETs, mas tampouco possuem traje algum, sequer gravata, suas vestes são conforme às dos indígenas visitados pelos europeus na América. Como foi dito e visto, nada disto acontecia no original em pauta.

A seqüência do crime, não esqueçamos, fora criada a partir de uma sugestão do coadjuvante, telespectador ferrenho, que alegou que seu papel era secundário e se sentia relegado pela companhia. Não esqueçamos que o autor contava com o sucesso da peça para garantir a sobrevivência. O ator viola sua interpretação realista — isto não foi esquecido pelos críticos — e enxerta um à parte no qual declara, no círculo de luz do palco escuro, que é um homem invisível. A platéia ri nesta passagem. De fato o ator nega  o principio de identidade, segredo de sua interpretação, trata-se de um caso de ser e não ser. O crime contra o teatro ocultava o verdadeiro crime, disse o assassino em sua confissão televisionada.

— Este o Absurdo porque único momento verdadeiro da novela — explica o autor.

Eu, por mim, entre as armas e as letras dou uma de Miguel: sou sempre pelas letras — Gómez sorri, divertido pelo próprio engenho –, contudo, meu filho, no caso o uso de citações e a morte do protagonista são excrescências. — Neste momento você percebe que o que parecia um cachimbo nas mãos de Pancho Escudero é um revólver.

— Desta vez você errou, papai  — diz Escudero, a mão firme, sorriso matreiro –, pensou que ele apenas estava citando o belga, correto?

Alonso Gómez ouve estas palavras com o rosto submerso nas primorosas mãos e eu deponho a pena de ganso no tinteiro, pois como o intrépido leitor já terá deduzido, esta é uma história do século XIX.

BAILARINA – de lívia sganzerla jappe / são paulo

” Duas batalhas pareciam estabelecidas. A da luz que saltava dele numa face onde o vermelho prevalecia. E a do cheiro do perfume dela. Incendiando o vento primeiro.”

O homem acordava os olhos, fechados ainda do resguardo da noite, e lá fora o céu era de todo azul, num fundo cobalto dos mais lindos. Vestiu-se à perfeição. Enrolou no pescoço alongado uma gravata e a seda acentuou a ardência do vetiver que lhe havia mentolado a pele. A delicadeza do tecido logo se associou ao macio algodão da camisa. Branca.

Entrou no carro. Dirigiu quilômetros vários. Estacionou. Juntou as plantas dos dois pés no barro do meio fio. Deslizando o brilho dos olhos na paisagem, viu uma mulher, enfeitando a calçada. Conforme ela amansava, com uma das mãos, os cachos dos cabelos, ia ele também amansando a alma. Que os olhos dele já se iam comprimindo. Olharam-se. Ela, alheia. Ele, trágico.

Uma avezinha, das miúdas, cruzou o céu, pipilando. Ele caminhava, oblíquo. Ela, em linha reta, na direção oposta. A ave, longe. Pipilando, agora, uma oitava abaixo. Correu ele a cabeça para trás e, rápido, voltou outra vez a olhar obliquamente. Ela cruzou a rua. Ele deu a volta no quarteirão. E então a abordou, seco:

– Tia Amélia? Amélia Rossi Vargas?

– Sim, sou eu – disse, disposta.

– Quem descerrar a cortina / da vida de bailarina / há de ver cheio de horror / que no fundo do seu peito / abriga um sonho desfeito / ou a desgraça de um amor

– Os que compram o desejo

– Pagando amor a varejo

– Vão falando sem saber

Ele gaguejou. Ela o incitava a ir em frente, com os olhos gastos. Ele não foi. Então ela disse, peremptória, citando o verso sem musicá-lo:

– Que ela é forçada a enganar.

E o embrulhou num abraço duro. Encharcado. Estavam ali os corpos, o tio, a tia, o amante, o alfanje, a gritaria, o quarto cheirando azedo, a cama. A cama. A cama.

– Tia, eu nunca – não chorava, rompia-se. Espichou os olhos muito negros e muito fortes nos dele, sentenciando:

– O tempo. O tempo leva tudo. Levou os discos da Ângela Maria.

Ele caiu aos prantos num jorro de segundos poucos. Vida de bailarina rodava na vitrola da cabeça do menino morando nele. Oito anos. O tio aos berros. Os que compram o desejo. A tia nua. Pagando amor a varejo. Ângela Maria enchendo o quarto. A bailarina. A bailarina. A bailarina.

– Me desculpe. Tia, eu.

Uma gota, levíssima, fez com que o homem se desprendesse do passado recente da infância para levar a mão esquerda à testa. Os cabelos branqueavam em mechas esparsas. Organizou-os com a mão direita. A tia sorriu, olhando para frente. Ele não. Ele não sorriu. Duas batalhas pareciam estabelecidas. A da luz que saltava dele numa face onde overmelho prevalecia. E a do cheiro do perfume dela. Incendiando o vento primeiro.

Tia e sobrinho se olharam. E o sobrinho desviou, lânguido, a vista para baixo. O horizonte tomava conta, infindável,daquele negrume que se foi consumindo na pira das lembranças. 38 graus. Mesmo à sombra.

Oito anos. A bailarina. A bailarina. Que o menino sabia que era desvio do coração, ah, isso sabia. O tio e a tia tinham lá um amor dos mais bonitos e o menino tinha fincado a cisma num rapaz que muito frequentava o quarto da tia. Sem ser o tio. Mas ele não disse. Escondeu o segredo do que viu. Não quebrou com sua fala a descoberta fininha do que era a paixão. Que o tio já vinha entrando, alfanje na mão. Atirou no intruso. O menino correu para debaixo da cama. Dois olhos acesos. Coração apagado. Azeda. A bailarina. A bailarina. Berros. O disco riscado. A tia parada. O tio descabelado. O menino acuado. O rapaz estirado. Com os cabelos deslizando em sangue.

Abrasado, o menino foi da cama ao armário. Escancarou a porta. Uma caixa luxuosa guardava o que só o instinto parecia ler. Suava em bicas. Abriu o quadrado de segredos, envoltos todos em papel de seda. No reflexo dos movimentos, a luz sugeria cor. Era o turquesa dos olhos de uma boneca horrorosamente triste. Cabelos poucos num rosto encardido, que sustentava um olho vítreo sem par. Naquele buraco em plástico, lugar de sentidos ausentes, um outro papel, engordurado pelo que só podiam ser dedos inquisidores, abrigava, num exercício de treva em letras pretas, uma carta.

Abriu, trêmulo, a folha. Eram alma, coração e sangue num frágil equilíbrio de letras. Da tia. Escorrendo, licorosas, naquelas mãos suadas. Azedo. A cama. O rapaz estirado.

Não há esperança. Uma única vez lhe procurei. O filho que você me fez se foi há muito. O seu leite forte, incandescente, não me machucou a carne como aquela criatura frágil vazando de dentro de mim. Espessa. Num vermelho dos mais vivos. Foi numa tarde fria. Você havia marcado a ferro o seu lugar no mundo e eu tinha os cabelos tinturados e as unhas descascadas. Eu não cabia na sua medida de mundo. Mas você coube na medida do meu desejo. E me cravou um filho no ventre.

Você apontava o dedo para a minha dor com aquelas letras de bolero que eu não entendia. Mamava no território dos meus seios, trancado a sete chaves. Sorvia o meu corpo molhado com o seu silêncio, umedecendo nomes de mulheres que não eram o meu. Me atirava um “burra” na cara quando eu perguntava quem era Torquato Neto. E depois acentuava o carmim do meu rosto com a sua boca furtiva.

Eu fiz o amor com você e a guerra com aquela criança. Era menina. Eu sei que era menina. Vazou de mim um dia inteiro. Era você que eu expulsava do meu corpo com urgência. Era do seu visgo forte que eu me desfazia com pressa.

A criança foi embora sem jamais ter ganhado forma. Mas você não foi. Você ficou entranhado nas minhas umidades. Eu procurei meu marido em silêncio. Me deitei com ele. Bebi a justa ausência do seu gozo. Fingi a rubra cadência do meu prazer.

E você não foi.

Você é o talho na carne daquela criança morta. Arroxeada. Num vermelho vivo. É a sua entranha que eu rasgo num corte reto agora”.

Ele redobrou o papel. Há de ver cheio de horror. A bailarina. A bailarina. Pagando amor a varejo. A cama. A cama. Azedo.

O vento balançou a copa de uma árvore lá fora. A tarde caiu.

RIQUEZA por hamilton alves / florianópolis

O homem morava só numa rua estreita, numa casa de madeira, pintada de azul, com detalhes em branco (os beirais eram brancos) e parecia ser plenamente feliz.

Para configurar melhor seu patrimônio, possuía duas cabras e um cavalo, de que se servia para puxar uma carreta pequena, com a qual vendia uma ou outra coisa (latas de bebidas e papelão), com que melhorava sua parca renda, que era constituída de uma pensão modesta.

De todas as casas vizinhas, a dele era a mais simples. Tinha um quarto, um banheiro e sala e cozinha conjugados.

– Onde estão suas cabras?

– No pasto aqui perto.

– E o cavalo?

– Também está lá.

– Você dá água para o cavalo e para as cabras?

Fiz-lhe essa pergunta porque sabia que era meio desligado.

– Acabei de dar água para eles.

O cavalo e as cabras, recolhia-os ao entrar da noite numa pequena estrebaria, que construiu ao lado da casa – e que, como fiquei sabendo, tem sido motivo de protestos dos vizinhos, devido ao cheiro que emana do local.

A casa era cercada de objetos que vendia (papelão e latas de bebidas).

Unira-se a uma senhora já de idade (mais velha que ele) para ter uma companhia. Mas o deixou por causa de seus modos de vida, segundo  confessou a pessoas amigas.

Ao que se notava, no contato com ele, ter ou não uma companheira era-lhe indiferente.

Era um sábado quando o entrevistei, indo e vindo de dentro de casa, para onde levava uns pacotes de compras para se abastecer.

Sem que lhe formulasse qualquer pergunta, confessou-me que vai vender as cabras.

Quis saber como foram parar com ele.

– Tinha uma cabrinha que deu cria, com dois cabritos.

– E o cavalo, o que pretende fazer com

ele?

– O cavalo é para puxar a carreta.

Deduzi que um homem que possui duas cabras e um cavalo, no mundo de hoje, de que mais precisará?

A MALA DO MALA por charles farias / são luis.ma

Pescando na Internet coisas que meus seis leitores (um de Bora-Bora, dois de Oeiras, no Piauí, dois de Icó, Ceará e minha querida mãezinha) não têm tempo de ir buscar, achei a matéria que transcrevo agora: “O endereço Is this Your Luggage mostra os looks de gente que perdeu a mala e não se preocupou em buscar. O blogueiro Luna Laboo arremata valises não reclamadas e publica na rede o guarda-roupa alheio.”

Lembrei-me do mais recente amigo de infância que conheci, o Elesbão “Podeixá”. Tem este apelido herdado de sua profissão: carregador de malas no Aeroporto de Brasília. Era com esta frase que o estabanado profissional pedia para carregar as bagagens dos incautos que aterrissavam na Capital dos Sonhos (deles, claro!).

Numa bela manhã de sol, numa de minhas obrigatórias escalas pelo Planalto Central, resolvi tomar o último café no Brasil, ali no Palheta, antes de continuar meu vôo para o exterior (é, amigo, quer queiram quer não, Paraguai ainda é deles, os paraguaios) quando vejo Elesbão. Foi logo segurando minha Vuitton que sempre levo a tiracolo e dizendo: Pódeixá, que carrego pra “vocelência”. Iniciamos o diálogo que se segue:

– Aê, Elesbão, tá me desconhecendo, mermão? Falei tirando meu Paco Rabanne da cara.

– Nãããããoooo!!! Charlão??? Vem de onde? Ta indo prá onde? Sim, porque daqui tu queres é distância, pelo que te conheço. Comunista como és…

– Não. Não sou mais comunista, não. Derrubei meu muro ideológico. Dobrei em quatro minhas cortinas de ferro. Mas a distância…Bem, ainda a quero. È só uma escala. Vou ao Paraguai. Comprinhas para o final do ano.

– Sei. Vuitton, Paco Rabanne. Versace para madame Charlão. Então tens tempo para batermos um papo?

– Tenho, sim. O avião entrou em conserto e não sei quando me chamarão.

– Então estás só no avião?

– Não. Tem mais dois passageiros. Um que está vindo da embaixada do Brasil em Honduras, um tal de Zapata, Zapatalaia, Zé Issua Laia, sei lá, e vai pedir asilo em outra embaixada do “Cara”, e uma zinha dona de um puteiro pras banda de Currais Novos, no Rio Grande do Norte. Mas diga lá, o que tem feito, além de carregar malas no aeroporto?

– CBF.

– Do Havelange, do Teixeira?

– Qual! Quem sou eu, um pobre torcedor do Vasco. No máximo junto com o Miranda…

– CBF é o quê?

– Confusão de Bagagens e outras Fuleragens…

– Seja mais explícito, Elesbão.

– Esse negócio de explícito só conheço sexo. Mas vou ser mais claro. É o seguinte: Aqui no aeroporto tem mais autoridade que no Congresso. Eles chegam na terça e na quinta já estão de volta. Usam mais o saguão do aeroporto que seus gabinetes. Fazem tanta confusão com as bagagens que igual só vi na Constituinte, só sobra pra nós. Chegam a esquecer malas e mais malas no saguão. Então nós, da CBF, pegamos as malas e levamos prum cafôfo que temos em Ceilândia. Lá aguardamos a reclamação, que chamamos, só de fuleragem, de “um rigoroso inquérito”. Quando há o tal “rigoroso inquérito” aí devolvemos, com as desculpas que “eles” nos ensinam diariamente: “não sabíamos, não lembramos, não sabemos do que se trata, deve ter sido nossa secretária, estão usando politicamente o caso, não assinamos isto”, estas coisas. Mas, sem antes fazermos o nosso próprio “rigoroso inquérito”, ou seja o baculejo do que tem lá dentro.

– Ôps! Então deves ter umas boas histórias pra contar…

– Sô! Se tenho… Um dia um Zinho lá esqueceu uma mala cheia das “verdinhas”, do “alface” das “Tomás Jefferson”…

– Dólar?

– Fala baixo.

– Devolveram?

– Não. Tamos aguardando o Barbosinha, aquele do STF, julgar o caso. Se ele for condenado nós devolveremos. Se for absolvido, nós repartiremos pelos sócios da CBF, assim teremos cem anos de perdão…

– E o Sarney?

– Esqueceu uma 007…

– Fala. O que tinha dentro? Elesbão? Volta aqui, Elesbão. Peraí, cara. Diz só pra mim…

– Tá. Umas pastas.

– O quê continham?

– Papéis.

– O quê tinha escrito nas capas?

Elesbão, sussurrando no meu ouvido: “DÊ Ó ESSE ESSE I Ê S”

– De quem? Elesbão? Volta aqui, rapaz. Pelamordedeus, volta…

Jamais reencontrei Elesbão. Tenho sempre recebido cartões postais dele. De Las Vegas, Saint Tropez, Punta D’Leste de Maldonado, Cancún… É, acho que esta ele devolveu sem ser preciso um “rigoroso inquérito”.

O Anão da Catedral – por tonicato miranda / curitiba

NÃO SABE DIZER QUANDO TUDO COMEÇOU, mas lembra que aquela idéia lhe ocorreu numa tarde ensolarada, dois anos atrás. Como uma sezão incontrolável, a idéia brotou na cachimônia, criou corpo, enraizou-se, tomando conta da sua vontade. Era preciso levá-la até o fim. E ele assim o fez.

Tinha algo a ver com sua estatura e as pontadas sarcásticas que lhe dirigiam as pessoas. Agora que a idéia virara realidade sentia-se bem; vivia um sentimento de vingança aprazível e um ar superior. Apalpava o próprio fêmur e sentia que crescia, junto com toda sua espinha dorsal. Imaginava-se com dois metros de altura, até mais. Talvez quinze; não poderia dizer ao certo.

Quando aquela idéia lhe tomou de assalto ainda tinha vergonha de seus cento e dez centímetros de altura. A idéia era simples. Ao olhar a primeira vez lá para o alto viu que os anjos que ali estavam deveriam ter sua altura. Tudo estava ligado a esta breve constatação.

No dia seguinte, como mais um, atravessou a praça, cruzou a rua em miúdos passos, entrou na Catedral. Dissimulando mesmo sem precisar procurou observar a arquitetura interna do templo, os desvãos da nave da igreja, na busca de detalhes e de uma escada para o alto. Cruzou a passarela situada em frente à imagem do Cristo ao fundo, benzeu-se, realizando breve genuflexão com seu joelho esquerdo, caminhando em seguida até o canto direito da igreja.

Esteve por menos de uma hora ali dentro. Às seis da tarde voltou. Pôde perceber que a catedral cerrava suas portas às dezenove horas. Saiu dali, passou numa papelaria do outro lado da rua, comprou uma agenda. Durante duas semanas anotou cuidadosamente todos os hábitos dos fiéis, do pároco, dos mendigos e de todos que penetravam regularmente naquela Casa do Senhor.

Com um amigo artista plástico que trabalhava no Solar do Barão, espaço cultural de formação e exposição de trabalhos de gravura e artes plásticas de Curitiba, obteve informações sobre como realizar um curso de escultura em pedra. Passou a frequentá-lo.

Em casa ficava horas e horas nu, em frente ao espelho, desenhando-se. Não saberia calcular quanto gastou com papéis e lápis especiais. Embora aquilo estivesse lapidando-lhe o parco salário, não havia mais como abandonar a idéia.

O primeiro molde, após a conclusão do curso de escultura, até que não ficara de todo mal. Via-se que progredira. Não se reprimia. Dizia de si para si que estava realmente ficando bom. Seu quarto há muito já apresentava nova fisionomia: estava uma loucura. Eram papéis e papéis espalhados pelo chão; pregados nas paredes; e até no teto, sobre a cama. O tema, sempre o mesmo: ele. Ele nu, do primeiro ao centésimo décimo centímetro. Junto a tudo isso, pedaços e pedaços de mãos, pernas, meia-bundas, rostos. Eram pedaços de orelhas, narizes etc. Todos esculpidos em barro.

Suas mãos já haviam criado calos e uma decisão tornara-se inadiável: era preciso mudar para uma chácara. Ia começar a fase mais difícil: tinha de fazer uma peça em tamanho natural, e de pedra. Antes, porém, era necessário fotografar o modelo. Isto é, a escultura original.

Assim, um ano e meio após aquela idéia, adentrou a igreja, oito minutos antes de ela fechar, numa tarde cinzenta de Abril, escondendo-se debaixo de uma mesa onde são acesas lamparinas e velas para Nossa Senhora Aparecida. Juntou quatro oratórios em linha, encostou a mesa à parede e aquietou-se. Chegou a rezar uma Ave-Maria, misturando desculpas e pedido de auxílio à sua intenção profana. De onde estava podia perceber parcialmente o movimento no interior do templo e considerava que sua segurança somente estaria afetada se alguém afastasse um dos oratórios. Ficou ali por mais de duas horas.

Caminhando em direção ao altar principal da igreja virou-se e olhou para cima, em direção ao grande órgão lá no alto. Certamente estava ali a passagem para os níveis acima dos balcões da catedral. Voltou a caminhar para a entrada da igreja e tentou abrir uma porta de madeira situada ao lado da imagem da padroeira do país. Estava fechada. Lembrou-se de outro nicho, ao lado da porta onde havia um portão de ferro. Saltou o portão e, diante de uma grande escada de pintor, decidiu escalá-la. Já no alto notou que havia um alçapão no teto. Forçou-o e, sem dificuldade, abriu-o. Ficou de pé no piso do primeiro andar, por trás do grande órgão. Movido pela curiosidade, foi até o parapeito do balcão. Percebeu que alguém caminhava com uma lanterna na passarela central da catedral, lá embaixo. Silenciou os movimentos atrás de três tubos do grande órgão e meia hora mais tarde continuou sua escalada.

Do lado direito da porta de entrada, no que imaginou ser uma das torres da catedral, subiu por uma escada e deparou com uma janela muito comprida. Era ali. Sua certeza jamais lhe havia surgido com tanta força. Destravou a lingueta da fechadura, forçou a janela para o alto e a abriu, descortinando a noite escura e as luzes da rua. Equilibrando-se, caminhou por estreita platibanda ao lado da torre e pulou. Ficou por breves instantes suspenso com as duas mãos segurando o beiral do telhado principal da nave da igreja. Com dificuldade, aprumou-se e subiu as duas pernas no beiral. Refeito do susto, reiniciou a caminhada, desta feita com cuidado de gato. Logo atingiu os ornamentos do frontispício. Preparou sua câmera e o flash; tirou as fotografias. À uma da manhã já estava de volta no interior da catedral. Às seis horas e quarenta e sete minutos saía da igreja feliz e realizado, no rumo do quarto escuro que montara em sua chácara.

Reveladas as fotografias passou a estudá-las com afinco e iniciou a fabricação da sua escultura.

Quarenta dias depois da primeira aventura voltava ele à catedral, carregando numa carroça emprestada ao polaco Stanislaw que morava perto de sua chácara, a escultura de pedra feita à sua imagem e semelhança.

Assim, às três da manhã atravessou toda a extensão da Rua Cruz Machado, indiferente aos olhares das putas que faziam a noite por ali.

Às seis horas e quinze minutos conseguiu colocar sem ser muito observado a sua escultura para o interior da catedral.

Através de artifício semelhante ao da experiência vivida quando fora fotografar a imagem original, escondeu a nova estátua embaixo da mesa situada na frente de Nossa Senhora Aparecida. Saiu da igreja por volta das sete horas, retornando a ela às dezoito e quarenta e quatro minutos. Pretendendo para si melhor sorte do que a vivida anteriormente foi abrigar-se num nicho ao lado esquerdo da entrada da catedral, lá onde tem um vitrô com a imagem de São João Batista. Ficou ali, atrás de uma coluna.

Silenciou por exatas três horas e vinte e sete minutos. Era um fervoroso crente dos horários quebrados. Assim, às vinte horas e doze minutos sacou para fora seu corpo gêmeo, retirando-o de sob a mesa e da companhia dos oratórios. Munido de cordas, pranchas de madeira e de uma roldana, improvisou um andaime e através de subidas e descidas ao alçapão, levantou seu corpo de pedra ao piso dos balcões.

Foi uma tarefa árdua que lhe consumiu quase sete horas de trabalho. No entanto, às cinco e trinta e dois da manhã a nova estátua já ocupava o lugar da antiga escultura. Às seis e quinze o antigo anjo já estava deitado no carroção do polaco, e ele e o cavalo seguiram modorrentos pelas ruas, no rumo da chácara, debaixo de uma garoa fina, inteiramente abençoados.

Agora, lembrando-se daquela aventura, debruçado sobre a janela daquela privilegiada sala de escritório, ali na Praça Tiradentes, encantava-se ao ver as pessoas pararem e sorrirem para as duas estátuas presas no alto da Catedral. Valera à pena tanto esforço. Não ligava mais se o chamavam de tampinha de garrafa. Seu orgulho nu voava por sobre a cidade. Ele era o mais alto entre tantos que cruzavam a praça aos seus pés.

DE JEITO… por omar de la roca / são paulo

Puxei o cordão, e a cortina se abriu. Havia paisagem atrás.Mas o dia estava encoberto e eu prestei mais atenção ao céu chuvoso do que as arvores e as flores.Fechei as cortinas como se isso fosse afastar as nuvens carregadas.Olhei para a cama,para o corpo que ainda  sonhava.Me deitei com cuidado puxando as cobertas devagar.Não que estivesse frio,mas
como se me escondendo daquele tempo encoberto.Ela se virou,abriu os olhos brilhantes,e
tornou a fechá-los.Aconcheguei-me e ela passou o braço por cima do meu peito.Me dificultava um pouco a respiração mas eu não queria perder o momento mágico daquele toque.Mas precisei tira-lo e usei como desculpa afagos e beijos percorrendo-o.Ela resmungou qualquer coisa e se virou.
Encostei meu corpo no dela e comecei a falar baixinho sobre chuvas que teimavam em cair
quando precisávamos de sol.De trovões assustadores em lugar da respiração das ondas do mar.
Falei de luzes fortes,de chuvas cortantes,de brisas e garoa fina.E ela fingia que não ouvia.
Meu dedo percorria agora as costas dela,sem pressa,sem cócegas.E quando ameaçava descer até as profundezas insondáveis,apertava seu corpo contra o colchão,impedindo a passagem.
Parei e comecei a falar que queria deitar me com ela num campo florido,num vale iluminado onde a claridade penetrasse fundo na escuridão dos cantos escondidos. Incendiando pétalas, abrasando pedras, fervendo o lago. Mas logo lembrei me da chuva,e tudo tomou tons de cinza.
Mas ela dormia agora.Que bom,pensei,pelo menos não ouviu sobre o cinzento.Ai disse a ela que queria tomá-la numa praia deserta,de areias brancas.Onde o ritmo das ondas quebrando se confundia com o ritmo de nossos corpos procurando dançar juntos.E depois que a bussola parasse de rodar,orientada, nos deitaríamos olhando as gaivotas passando rápido,as palmeiras agitadas pelo vento contando novidades que dele ouviam.Mas o vento também trouxe uma nuvem,e precisamos nos cobrir de frio.Agora ela sonhava e se agitava.
Deitei-me com os braços ao longo do corpo.E ela,como sentindo falta da conversa,do aconchego,acordou.
Fingi que dormia,mas ela sempre sabia pela minha respiração.E começou e brincar comigo,me apertando o nariz,de leve,por saber que eu não gosto.E descobriu meu pescoço e peito querendo brincar com meus pelos.E eu fingia dormir.Quando ela me descobriu mais,fingi estar irritado e peguei a mão dela,afastando-a de mim.Mas era só brincadeira,eu queria mesmo que ela me tocasse, olhasse nos meus olhos.E segurei sua mão com mais jeito,fazendo-a percorrer as trilhas obscuras.Logo ela se chegou da maneira certa,fez o movimento certo,colou-se a mim e assim ficamos.Contei de novo a ela as estórias de praias distantes,ilhas perdidas em oceanos perdidos,chuvas invertidas,perolas roubadas,trovões silenciosos,conchas brancas e coloridas,pedras que se soltavam fácil do chão.cavalos correndo a beira mar,pássaros voando sem tiras prendendo as patinhas,folhas verdes e acobreadas,flores brancas que se abriam quando passávamos.Mas tudo isso em uma palavra,num gesto,num olhar,que o movimento exigia silencio e concentração.Ate a palavra final.

Ú L T I M O C A P Í T U L O por jorge lescano / são paulo

Ana cruza as mãos sob o queixo. Os cotovelos fincados na estante das partituras servem de tripé ao olhar, distante, e ao mesmo tempo, fixo no vidro da janela. Por cima do bosquezinho de pinheiros que isola a  casa, nuvens arroxeadas semelham vastas cenografias em movimento.

As luzes do grande lustre, no centro da biblioteca, são acesas.

No quadrado de vidro reflete-se a cena vivida às costas de Ana. Por um momento ela tem a sensação de não estar ali, ou de ver e ouvir as vozes como se viessem de um romance. Não estivesse o vidro secionado em quatro triângulos por finas ripas de madeira, o brilho lembraria um aparelho de televisão. Sorri ao se imaginar personagem invisível. Para captar toda a cena inclina a cabeça sobre o ombro esquerdo.

As figuras se deslocam com soltura. Cada gesto afirma a familiaridade com o espaço e as outras pessoas. A luz é generosa para a observadora. Sem dificuldades percebe traços de fadiga e irritação nos rostos que não devem expressar emoções. Atendem a um compromisso e pretendem cumpri-lo com ar de negligência ou, quando menos, não demonstrando excessivo interesse no desfecho.

Ana sabe que cada um deles guarda motivos para desconfiar, invejar ou odiar os outros. Mesmo os casais têm receios do parceiro. Cada qual esconde uma culpa em relação ao seu par, ou desejos para cuja realização o outro é um empecilho.

Abelardo e sua irmã Beatriz mostram hostilidade recíproca sem se preocupar com as convenções. Camila, a companheira de Abelardo, finge observar atentamente os títulos dos livros fechados num móvel envidraçado. A atenção, no entanto, permanece presa aos acontecimentos. O cristal revela a cena às suas costas, incluindo a contemplação estática de Ana.

Num ângulo da sala está Drummond, o anacoreta, sóbrio no terno escuro. Talvez por causa da estatura elevada e do rosto de intelectual de início do século, gosta de não ser notado. Mantêm-se de pé, a cabeça calva inclinada, como se observasse as pontas dos seus sapatos. Camila sabe que ele preferiria não estar ali. Na outra extremidade, Fernández, o macedônio. Esta mistura de filósofo socrático e violeiro autodidata, duplica a imagem de Drummond. Indo de um para o outro, vagarosamente e como para consultá-los ou confirmar uma informação, Erikssen, o iconoclasta. Pressentem-se nele paisagens frias e desoladas. Seu aspecto´é de jovem envelhecido prematuramente ou de velho que se recusa a admitir a idade. Difícil acreditar que alguma vez foi criança. Ana não sabe o quê poderá vinculá-los aos demais, sequer tem clara a relação entre si. A presença dos três parece-lhe arbitrária, como se obedecesse ao capricho ou a uma secreta noção de simetria de algum encenador onisciente. Confia em que, após a leitura, ficará conhecendo as razões da convocação deles.

Genoveva deve apropriar-se de um segredo de Heitor. Ibraim espera ansioso que ela o prejudique na ascensão vertiginosa dentro da empresa para pular ao posto que considera seu de direito. Genoveva   deseja-lhe   sucesso.  Desse  modo  a  harmonia  do  casamento  estará  a  salvo,  pois  não

duvida  do reconhecimento do seu marido, para quem é indiferente se ela acrescenta uma nova traição às muitas que se obrigou a cometer em troca de um lugar na sociedade. Heitor não ignora o perigo e já arquitetou seu plano de defesa, que implica vários dos presentes.

Jéssica tem uma dívida e não poderá saldá-la no prazo estipulado. Não é improvável esta seja a última vez que use o colar de pérolas;para salvá-lo, tem a alternativa de ceder aos insistentes requerimentos de Beatriz, a qual não ignora a chantagem de Abelardo. Entre Jéssica e Lena encontra-se Kelly, a bela taverneira vinda do norte. Sua cutis morena  e o cabelo negro contrastam com a palidez doentio das outras duas. Kelly sorri a alguém invisível para Camila. Talvez o sorriso apenas seja de satisfação por estar entre pessoas que sua origem social, até bem pouco tempo, lhe fazia ver como personagens de ficção. Lena leva o cigarro aos lábios e a luz rebrilha, rubra, na pedra do anel.

Múcio, Nemo, Otacílio; é quase impossível imaginar antagonismo entre eles, são como partes de um mesmo ser. Nemo, retratista da sociedade, é notório conspirador. Acredita-se que mais de uma associação, incluindo casamentos, teve fim prematura graças à sua arte oratória, capaz de destruir sólidas reputações. Múcio é seu discípulo ou valete, segundo alguns, sua eminência parda, na versão de outros. Em todo caso, espécie de sombra do pintor. Otacílio vive à procura de informações que o localizem nesse universo de interesses e forças opostas, no qual ingressou em virtude do seu nascimento. Alguma vez cogitou tornar-se artista. Talvez não seja de todo gratuito o comentário de que seu senso estético se realiza pagando as dívidas de Nemo. O futuro deste e do seu duplo poderá estar comprometido se Otacílio não agir com tato. Isto explicaria o comparecimento do trio à reunião e as mesuras de Nemo, que não pára de circular pela sala com sério risco de colidir com Erikssen.

O velho Administrador da família deposita à sua frente, na mesa central, um cofrezinho de metal dourado. Ana vê como coloca, aos lados das mãos, um envelope de papel marrom e um pacote retangular, não maior que um livro em brochura. Um romance, pensa Camila. Um jogo de xadrez, acredita Ana.

Todos conhecemos a desmedida ambição destas pessoas, e Ana não é exceção – escreveu há tempos o Autor convidado. – Porém não somos unânimes quanto ao valor que atribuem à hierarquia social; são ambíguas como as manchas de nanquim de uma pintura chinesa. Isto faz com que as tratemos com deferência ou respeito. Podem ser perigosas ou aliadas inestimáveis.

Ana e o Autor convidado se aproximam do Administrador, que está ajustando os óculos. Os quatro espelhos triangulares do teto, dispostos de maneira a formar a cúpula interna de uma pirâmide, na qual o lustre cria iridescências de luxo e prazer, duplicam a localização de todos os presentes em torno da mesa.

Ao empunhar o estilete e o envelope, os dedos do velho Administrador tremem. Ana lhe adivinha a emoção. Também a sorte dele depende da leitura que se dispõe a iniciar, deduz Camila.

O grande lustre se apaga. Ouve-se um tiro e o som de um corpo que cai.

No laudo policial, a vítima está corretamente vestida e segura nas mãos um livro aberto no último capítulo.

A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER por joão henrique vieira / teresina

abriu a porta. entrou. pôs sobre a mesa o livro que trazia. ficou pensando. gozar de olho aberto ou fechado?

– oi meu amor

– olá minha querida

depois de uma conversa sobre como foi o dia. começa a conversa que vai desaguar no amor. na hora do gozo. a duvida. gozar de olho aberto ou fechado? no meio do sexo oral, sentindo todo o delicioso gosto do cheiro, se perguntava: olho aberto ou fechado. deslizava os dedos na barriga, sentia os arrepios. olho aberto? olho fechado? roçou o rosto no púbis, na barriga, entre os seios, mordeu o queixo, lambeu os lábios. olhou nos olhos de seu amor. fechar os olhos, abrir os olhos. um riso cínico no instante em que seu pau deslizava nas curvas a procura da buceta.

o deslize a dentro.

beijava. gemia. respirava. roçava. esfregava-se. ora de olhos abertos, ora de olhos fechados.

vinham os sussurros que antecedem o gozo. o frenesi. o não saber e ser guiado pelo instinto. aquilo que guia o homem quando ele pára de tentar ser racional.

olhos abertos. olhos fechados.

no instante do gozo fechou os olhos de desespero, sentido desmanchar-se dentro da fêmea. do amor. do sexo. do gozo.

dali a instantes estaria deitado olhando o teto. suado. deslizando os dedos nos mamilos, brincando de círculos.

– meu bem, o Milan Kundera está me enlouquecendo

– meu amor, você é doido, mas eu te amo.

depois que a amada caiu no sono. ele levantou e foi ao banheiro. lavou o rosto e se olhou no espelho. disse à própria imagem:

– tu vai ver Kundera, amanhã eu gozo de olho aberto.

voltou a cama. viu as curvas de um belo corpo. deitou-se junto. quase dentro. dormiu grilado. gozar de olho aberto ou fechado?

sobre a mesa repousava A insustentável leveza do ser

CHUVA por omar de la roca / são paulo

“Tenho medo de trovões”,ela me confessou,enquanto tomávamos néctar diretamente dos cálices das flores.Estava quente e estávamos sentados num banco suspenso por correntes de ar.”mas anseio pela chuva como anseio pela luz.Mas não aquela garoa gelada que só incomoda e não molha nada,ou molha tudo.Anseio pela chuva forte,com ventos indiferentes e cortantes que penetram em todas as frestas.Quero a chuva forte que me faça ajoelhar para o prazer,que me force a deitar e me penetre profundamente como se eu fosse feita de terra.A chuva que me domine a força e me faça rir enquanto me afoga aos poucos.Que desmanche meus medos como se fossem torrões teimosos,mas me deixe fértil  e preparada.Espalhe as ervas daninhas para que escorram pelo ralo.Deixe a semente plantada para que a planta cresça forte com suas raízes,caule e flores.Que frutos só saberei mais tarde.Que percorra todo o meu corpo com suas línguas rápidas e ávidas e me deixe as pernas bambas, me fazendo rir ou chorar,não importa.Que me mostre o que o numero quatro pode fazer comigo,me sacudindo ,me levantando para fora do chão e depois me colocando suavemente de pé,mais fraca agora ( a chuva ) quase garoa ( a chuva ) gotejando lentamente pelos meus cabelos,peito,coxas e pés, até meu corpo secar.Depois, que eu possa me sentar entre as folhas,vestindo minha túnica de vento,puxando as franjas para cobrir os pés frios.”E eu ,atônito,sem saber o que dizer depois de tanta poesia pluvial,ofereci minha mão.E  eu disse : Joguei a corda para o teu lado do abismo.Você pegou,olhou bem para ela e a deixou cair nas sombras sem entender que eu precisava de você.” Ela me olhou como se não entendesse aonde o que eu disse se encaixava.E riu,um riso de deboche.” Acaso não percebes a proposta que te faço?” Ela disse. E respondi “ Sou fraco e não conseguiria te dominar como desejas que a chuva te faça. Apenas jogo minha corda para mantermos contato e quem sabe achar uma saída juntos.Mas imagino que você queira a plenitude da luz.Que te recorte em tiras,penetre no âmago de teu ser,te fazendo sentir completa.Que te faça rodopiar e dar cambalhotas enquanto  prende teus braços  e te possui cegamente.Ofuscando ate teus próprios sonhos de prazer indo e voltando dentro de ti,indo e voltando enquanto estiras a cabeça para trás e gritas ao vento,explodindo.E abraças a luz e a brisa do mar como abraçastes a tempestade e seus ventos.Com  prazer .E depois te deixe só na escuridão com as gotas de luz secando pelo corpo,enquanto te deitas em folhas secas com tua túnica de  espuma do mar.”Você me olhou,como se olhasse alguém que lia um livro de poesias em voz alta.Como se eu pudesse te dar o que você queria,precisava.” Sou apenas um amante mediano,com pouca chuva e pouca luz.Posso de dar o que posso te dar.Se esperas plenitudes de mim,repito, sou apenas mediano.” Trovejava forte agora,e ela se achegou a mim.Abracei-a como pude e fiz um carinho tímido.Beijei-lhe os cabelos encharcados de chuva e brilhantes de gotas de luz e a tomei delicadamente,como sou,com jeito.Passei as minhas mãos pelo corpo dela,passei os lábios.E a penetrei  sem pressa.Cuidando para que seu prazer fosse antes do meu.Mais uma vez.Até que poucas gotas molhassem sua fronte e refletissem o brilho da Lua no céu.Um reflexo de um reflexo. E choramos juntos por reconhecer nossa pequenez diante do que sonháramos.Um sonho de chuva e luz,de ventos fortes e brisas do mar.Nos sentamos de novo no banco suspenso pelas correntes, ajeitando nossas túnicas imateriais e voltamos a conversar sobre nossos sonhos exaustos,mil vezes sonhados. Admirando a transparência turva da água que caia.

DOMINGO É UM NOME E UM DIA PODE SER DOMINGO por joão henrique / teresina


Assustado levantou-se pensando ser manhã quando já passara à tarde. Onde ela estará?, pensou em ligar, mas havia perdido o aparelho celular com todos os números. Passou os dedos pelo novo aparelho com a impotente certeza de não haver ali os números que lhe importam.
– porra, merda, telefone idiota.


Seu cinismo não impede uma ida aos caminhos virtuais. Não há encontro, ela não se encontra. É como se uma mulher gorda, dessas balofas mal vestidas, de bobes na cabeça, óculos de lentes grossas, e cara feia, dissesse a um pobre garotinho de treze anos, que lhe bate à porta a procura da garotinha neta dessa velha, que diz, a quase meio riso, “ela não está”. Não tem nada disso, nem mulher gorda ou netinha. Que viagem, pensa. Mas ela não está, deveras aqui ela não se encontra.
não lhe resta mais nada.
toca Chico aos fones de ouvido. Lá fora o sol das quatro horas começa a emprestar um brilho cansando que ensolara os domingos. Os carros passam indo ou vindo de algum programa dominical. Ele com esse semblante de ontem.
– cara de sábado em domingo, e esse dia que não começa, merda!


Almoça. Fuma o cigarro pós-almoço. Mais um pedaço da tarde, já às cinco horas, esse laranja, essas pessoas, esse riso de ida à sorveteria.
– eu deveria ir à sorveteria lembrar dela comendo um sorvete. Que idiota, lugar de lembranças é mesa de bar e não sorveteria. Eu poderia pegar um ônibus e dá umas voltas pela cidade, eu poderia fazer tanta coisa e não faço nada, diz-se a si.
Ouve Chico e anda pela casa. A mãe lhe pergunta o que tem. A avó lhe oferece algo pra comer,
– não, obrigado, responde.
– também, não para de beber, de fumar… perdeu até a fome, lhe diz a mãe.
– obrigado. Apenas responde como se ainda fosse parte da primeira resposta.


A tarde de domingo se vai.
olha os vizinhos às portas.
– quem será a manchete da vez, fala baixinho a si mesmo.
Fuma outro cigarro. Ao fundo ainda se pode ouvir, mesmo baixinho, vindo do quarto, os versos de Chico, “a dor da gente não sai no jornal”.
– porra, o Chico é foda.
Entrou a casa. Banhou-se. Vestiu-se, tendo o cuidado de pôr uma roupa que lhe desse sorte.
– vai com essa camisa branca, fica tão bonito, diz-lhe a mãe.
– essa não me dá sorte.
A mãe compreende porque sofre da mesma sandice.
– não dá sorte como?
– não é que não dê sorte, é que não acontece do jeito que era pra acontecer, mas isso com assuntos sérios, mas pra fuá dá certo. Não sei como é, mas não dá certo o que eu iria fazer, porém acontecem outras coisas boas. Dá errado, mas dá certo.
– tem coisa que é assim, dá certo, mas dá errado também.
– e isso é foda, né mamãe?
– é… é foda, responde a mãe.
Veste a camisa branca, se olha no espelho, “certo, mas errado”, pensa.
Frente ao espelho, assanha o cabelo do modo que lhe apraz. Sorrir Abre a boca. Manda um beijo a si mesmo. Sorri um riso mais evidente. Olha os dentes e as rugas. Entra no quarto e despede-se.
– não beba muito, hoje é domingo, lembra-lhe a mãe.
– pode deixar, eu sei que hoje é domingo. E quem não poderia saber que hoje é domingo minha mãe.
– vai sair com essa camisa mesmo?
Olha pra si, como se já houvesse esquecido com que roupa estava.
– é, vai que não dá certo de eu chegar na hora marcada, mas que eu chegue na hora certa.
– hora de quê?
– nada mamãe, até mais tarde
– não beba, não fume, não…

Dobra a esquina. Pára e olha.
Hoje é domingo. Eu não sei onde ela está. Não tenho pra onde ir, a não ser para minha noite de ontem, mas hoje é domingo, pensa. Logo surge uma caravana balançando bandeiras e apitando. Mais um candidato passa e fica a rua suja como prova do apreço que tem com a cidade que ele promete melhorar.

A rua. A réstia de sol.
Ela, certo e errado. Blusa branca, corpo sem rumo.


– bonita camisa, Pedro, diz uma velha vizinha de sua infância.
– obrigado

A rua não leva ninguém que não ande. Pedro fica a contemplar os últimos raios de luz do domingo.
Fuma outro cigarro. Volta pra casa.
– já chegou meu filho. Deu certo o que você ia fazer?
– deu. Quer dizer, ainda não. Deu certo porque deu errado
– como assim?
– deu certo porque deu errado. Deu errado porque eu não fui.
– e que deu certo?
– deu certo em dá errado, eu não sei, mas agora eu vou a outro lugar. Vou tomar uma cerveja como meu amigo Charles. Sabe mãe, deu certo porque eu não tinha pra onde ir. E ela não está nesses lugares que eu alcanço.
– quem é ela, eu conheço?
– não. Ainda não
– mas todo mês tu te apaixona…
– mãe, isso é bom ou ruim?
– não sei
– mas agora é serio, mãe
– mas toda vez é … acho que isso é como a camisa branca
– como assim?
– certo e errado, é bom e é ruim
– é… mas até eu gastar isso, é muito bom
– sabe Pedro…

A mãe ainda falava, mas Pedro já trocava de roupa. Assanhava os cabelos. Despedia-se da mãe e dá avó
– já vai sair de novo
– até mais tarde mamãe, vou ali que hoje ainda é domingo
– não demore
– tá.
Respondeu e saiu pra curar-se do domingo. Já estava na correria de segunda-feira ao fim daquele domingo.
Atravessou a rua em direção ao bar de sempre. Sentou-se. Pediu uma cerveja e cumprimentou o dono do bar.
– amanhã é segunda
– o quê?, perguntou o dono do bar, pensando ter ouvido o cliente falar-lhe algo.
– Amanhã é segunda-feira, Vicente. Segunda é um dia mais fácil de encontrar quem queremos.
Vicente se afastou. Entrou ao bar e pôs Chico pra tocar. Pedro recostou-se na cadeira. Acendeu outro cigarro. Deitou a saudade num verso de Chico.

Ao passar dos goles, Ela foi chegando às lembranças até a madrugada de segunda-feira, ainda na mesma noite de domingo.

Já à madruga de segunda-feira Pedro atravessa a praça rumo a sua casa, vestindo uma camisa típica de domingo.

A BRANCA DE NEVE, o conto e HOJE / editoria

A história da Branca de Neve contada pelos irmãos Grimm tem algumas diferenças da história que muita gente conhece. No começo de tudo, a princesa se espeta numa agulha e ao deixar seu sangue cair na neve ela faz um pedido para que, se um dia, viesse a ter uma filha, que ela fosse branca como a neve, tivesse cabelos negros como o ébano e que seus lábios fossem vermelhos como aquele sangue que tocara a neve. Não tardou muito e a princesa teve uma filha de descrições idênticas ao seu pedido. Mas tão cedo sua filha veio ao mundo, a princesa morreu. Seu pai, o príncipe pôs então seu nome de “Branca de Neve” e logo desenviuvou, casando com a futura madrasta da princesinha recém-nascida. Após a morte do seu pai, Branca de Neve cresceu. Sua madrasta possuia um espelho mágico e sempre envaidecida vivia perguntando ao seu espelho quem era a mais bela daquela região. Até que um certo dia a madrasta perguntou: “Quem é a mais bela de todas?”, e o seu espelho não tardou a dizer: “Você é bela rainha, isso é verdade, mas a Branca de Neve possui mais beleza e vaidade.”

A Rainha cheia de inveja contratou um caçador e ordenou que ele matasse a Branca de Neve e trouxesse seu coração como prova, na esperança de voltar a ser a mais bela de todas. O caçador ficou inseguro, mas aceitou o trabalho. Pronto para matar a bela princesa, o caçador desistiu ao ver que ela era a moça mais bela que jamais tinha visto em toda a vida. Ele foi rápido ao dizer para a mesma fugir e se esconder na floresta, e para enganar a rainha ele entregou o coração de um jovem veado. A rainha assou o coração e comeu, crente de que Branca de Neve estava morta, só que ao consultar seu espelho mágico ele continuou a dizer que Branca de Neve era a mais bela. Branca de Neve então fugiu, e acabou achando uma casinha, onde ao entrar, descobriu que lá moravam sete anões. Ela, como sempre tão bondosa, limpou toda a casa e, cansada pelo esforço que fez, adormeceu na cama do anões, que ao chegarem levaram um susto, mas logo se alcamaram ao ver que era apenas uma bela moça e que a mesma tinha arrumado toda a casa. Como agradecimento eles cederam sua casa como esconderijo de Branca de Neve, mas na condição dela continuar a lavar e limpar a casa deles.

A rainha não tardou a descobrir o esconderijo de Branca de Neve e resolveu então matá-la com as próprias mãos. Ela disfarçou-se de mascate e foi a casa dos anõezinhos. Chegando lá, ela ofereceu um laço de fita a Branca de Neve que aceitou. A rainha ofereçeu ajuda para amarrar o laço em volta da cintura de Branca de Neve, só que ao fazer, apertou com tanta força que Branca de Neve caiu desmaiada. Quando os anões chegaram e viram Branca de Neve sufocada pelo laço de fita, rapidamente cortaram-no e ela voltou a respirar. A rainha novamente descobriu que Branca de Neve não estava morta e voltou a se disfarçar, mas desta vez como uma velha senhora que vendia escovas, mas na verdade elas estavam envenenadas, e ao dar a primeira escovada, Branca de Neve caiu no chão desmaida. Quando os anões chegaram e viram Branca de Neve desmaiada, rapidamente retiraram a escova de seus cabelos e ela acordou. A rainha já enlouquecida de fúria decidiu usar um outro método: uma maçã enfeitiçada. Dessa vez disfarçou-se de uma fazendeira e ofereçeu uma maçã, Branca de Neve ficou em dúvida, mas a Rainha cortou a maçã ao meio e comeu a parte que não estava enfeitiçada, Branca de Neve aceitou e comeu o outro pedaço, que estava enfeitiçado. Ele inchou dentro da garganta de Branca de Neve e esta ficou sem ar. Quando os anões chegaram e viram Branca de Neve no chão tentaram ajudá-la, mas não sabiam o que causou tudo aquilo, então eles pensaram que Branca de Neve estava morta, e por ser tão linda, eles não tiveram coragem de enterrá-la, então puseram-na num caixão de vidro.

Certo dia, um príncipe que andava pelas redondezas avistou o caixão de vidro e dentro dela uma bela donzela. Ficou tão apaixonado que perguntou aos anões se podiam levá-la para o seu castelo, os anões aceitaram e os servos do príncipe colocaram-na na carruagem. No caminho, a carruagem tropeçou, e no pulo que deu, o pedaço de maçã que estava entalado na garganta de Branca de Neve saiu, e ela pôde novamente respirar. O príncipe então casou-se com ela, e no dia da festa, a rainha compareceu, morrendo de inveja.

Como castigo, ao recuar para sair do palácio, acabou tropeçando num par de botas de ferro que estavam aquecidas (sabe-se lá quem pôs isso atrás dela). As botas fixaram-se na rainha e obrigaram-na a dançar, e ela dançou e dançou, até finalmente, cair morta.

A BRANCA DE NEVE HOJE:

.branca neve

arte livre.

wp.

ÁFRICA de nelson padrella / curitiba

Os rios eram azuis na folha de cartolina. Tão azuis quanto os olhos de Margot. Ela ficou de vir estudar aqui em casa, ela e seus olhos muito azuis.

Os garotos vieram me procurar para a gente ir brincar. Bem que eu estava com vontade de descer a rua no carrinho de rolimã, mas a menina era muito mais importante.

Quando a campaínha tocou meu coração mudou de lugar. Margot entrou sobraçando cadernos. Nem um beijo à porta.

Sentados na sala grande como crianças comportadas. a África era nossa, onde sonhávamos safáris. Os faraós nos aguaravam, deitados pacientemenmte em seu sono de pó. O pó dos séculos deve ser como a areia do Sahara. O Nilo foi criado no papel, sem ameaça de crocodilos. Só o azul das águas ameaçava.

– Quando desenhei o rio pensei nos teus olhos.

Ela, concentrada na leitura de um texto.

Falo de maneira diferente:

– Teus olhos me lembram o Nilo.

Ela deixou o interesse pela leitura.

– Meus olhos estão cheios d’água?

– Não – eu disse.

– Cheios de faraós?

Abaixei a cabeça não envergonhado, abaixei para sorrir melhor.

A menina continuava me provocando:

– Então, meus olhos…(fez uma grande pausa, inventado o que dizer)…eles são os maiores do mundo?

– Sim – respondi.

Ela se admirou. Olhou séria para mim:

– Tenho olhos tão grandes assim?

– Não, Margot. Os olhos de você são os maiores do mundo em beleza.

Ela continuou seria. Retomou o texto, como se o que eu tivesse dito não importasse. Depois, apanhou a ecoline e ia pincelando savanas na África inventada. Parou nas margens do Nilo.

– Por que você disse aquilo?

O cheiro de Margot me inebriou. Flores da África ofereciam perfume. O siroco me sufocava com seu ar quente.

– Disse porque é verdade.

Agora, era ela quem se perdia. Retomou o desenho, mas a caneta parada na mão era como a caravana indecisa nas areias, que não sabe o rumo a ser tomado. Ela olhava para fora, o jardim onde verdes se insurgiam.

– E se fossem verdes?

– O quê?

– Meus olhos. Se fossem verdes?

Pensei um pouco, mas ela respondeu antes que eu falasse.

– Iam lembrar o lodo do fundo do Nilo?

Ela estava contrariada e eu não atinava o motivo. Era quase agressiva quando olhava daquele modo para mim.

– Não, Margot. Se fossem verdes me lembravam das florestas da África.

Paramos de falar. Da rua, gritos alegres de crianças. Um perfume vindo não sei de onde. A vontade de tocar na menina.

– Um dia queria ir pra África – eu disse.

Ela não respondeu. Talvez não tivesse o que dizer. Eu me enchi de coragem.

– Queria navegar no rio Nilo.

Ela ergueu o rosto e estava sereno. Era um sorriso nascendo no canto dos lábios?

– Queria navegar nos teus olhos – eu disse.

Ela abaixou a cabeça e fez que sim. Eu toquei com a mão em seu ombro e ela suspirou. O segredo da esfinge desvendado. Trouxe a cabeça da menina até perto da minha.

PONDERAÇÕES e VAI – de raimundo rolim / morretes.pr

Ponderações

Ele andava meio desconsoladaço com a sua vaquinha de estimação. Mas que não era para tanto, para ir tão longe, isto não!! Era verdade que ela já lhe havia escondido o leite umas não sei quantas vezes. Talvez fosse a ração, ou o feno não estava fresco o quanto deveria; a contento, sei lá. Quem sabe era o tempo! Andava mesmo meio úmido e meio frio, chove não chove. Mas os seus olhos, isto é, os da vaquinha, guardavam sempre a mesma aparência tranqüila, apuradissimamente bovinos! Mansos, redondos, meio revirados às vezes, por não ter o que fazer a não ser ruminar infinitamente o bocado que lhe era oferecido pelo seu amo e senhor! E ele passou a mão, vendeu-a pro açougue! Ela ficou lá, dependurada, com seus imensos olhos redondos, meio revirados, já não tinha mais o que fazer.

Vai

Com seu estilo erótico, o poeta anárquico, a convite da madre superiora que não lhe conhecia a fama ou o estilo, ruborizar-se-ia e muito, depois de ouvir dele os satânicos, apoquentados e luxuriantes versos impregnados de todas as intenções possíveis. Eles encheriam de sangue e calor as partes internas e delicadas das mocinhas que lá estavam a aprender dentre outras matérias a etiqueta social e prendas domésticas; além, é claro de muita religião. Algumas seriam freiras mais tarde. E foi lá que o poeta, desferiu-lhes golpes de estupor, volúpia e desejos num sábado, à tarde, no outeiro, um tipo de recital ! Sabedoras que lá estaria um poeta, as noviças já o esperavam entre ardores e suspiros. Ficavam pelas janelas do enorme e retangular prédio, às espreitas, ouvidos aguçados para o pátio interno, onde, a qualquer momento, cercado por flores e pequenos arbustos, o poeta belo e sedutor, estaria a traduzir os delírios amorosos por meio de seus poemas! Chegou-se ele, como elas o imaginavam: doce, lábios rosados, tez pálida e cabelos alourados encaracolados, de olhar divagante e algo triste. Com gestos largos e delicados, voz firme e grave, recitou seus poemas. Falava de todos os sonhos possíveis, da arte de amar e ser amado(a), das intimidades destes amores e do que eles são capazes de provocar na reclusa e faminta alma humana. Quando das derradeiras estrofes do caliente e lírico “Para bem amar” (que por óbvias razões ele deixara por último) as fêmeas do convento, corações em brasa e completamente despossuídas de quaisquer sentimentos da razão, passaram ao desnudamento. Peça por peça esvoaçaram para cair lá, onde estava o poeta, braços abertos, a olhar incrédulo o que acontecia naquele convento. Toda uma santa nudez vista de baixo para cima! Ato contínuo e a um só tempo, começaram as criaturas candidatas a esposas do sagrado, a gemer e a revirar lânguidos e brilhantes olhinhos, com os dedinhos lá, num ato de justiça com as próprias mãos, enquanto o poeta, extasiado, terminava a sua fala: “Para um profundo estado de excitação coletiva, faz-se mister que haja mais de uma pessoa”… E o poeta que nem era tão bom assim, ou seja, era ruinzinho mesmo (como se percebe pelos seus versos últimos), fora expulso do recinto pelas outras sórores antes que a superiora madre o agarrasse sôfrega em pleno estado de ululação e o prendesse numa tesoura de pernas. Ufah! Foi por pouco. Alcunhou-se o lugar, a partir de então, como o “Convento das Possessas Uivantes”.

MÚSICA, MAESTRO! por jorge lescano / são paulo

– Para esses ouvintes a arte deve se parecer com um bom jantar ou um par de sapatos macios!

Ao Maestro parecia-lhe que a educação musical havia chegado a um ponto no qual era possível ouvir as estruturas à par da melodia, do ritmo. Pensava em termos de som e pausas expressivas. Os ouvintes do Café Concerto precisavam de música de fundo para não ouvir suas próprias palavras, e de melodias que se gravassem na memória para reproduzi-las, ou convites à dança.

– A isto chamam de utilidade, justificação social da arte! Eu chamo de ganha-pão!

Alguma vez pensou num concerto só de cadenzas, uma para cada instrumento. Assim a orquestra permaneceria como estrutura, porém, sua função seria outra, destacando as qualidades de todos os sons sem se misturarem:

– O ouvinte vinculará esses elos dentro do seu tempo de escuta. Uma composição que utilize a descontinuidade do tempo através de instrumentos musicais e temas sonoros diversos, unidos, no entanto, pela estrutura da orquestra e a continuidade da audição.

Lamentava não poder discutir estes assuntos com seus companheiros do Café. Todos estavam preocupados com o artesanato da música, a reprodução exata das notas do pentagrama. Todos eram partidários da melodia bem feita:

– Apenas o trivial variado, não variado demais se se quer trivial. Mas eu entendo; é preciso sobreviver!

Às vezes se abandonava aos impulsos de mudança, de rupturas:

– Não respeitar as formas estabelecidas pelo romantismo, e ainda estamos nisso, é o único modo de ser autenticamente romântico! Pense nas Humoresques de Sibelius, nos Caprichos de Paganini, nos Noturnos de Chopin, mas sem o instrumentista virtuose. Houve um caso de flautista virtuose. Seu maior sucesso era o Moto Perpétuo. Fez carreira até que se soube que era gago. O interesse do público esfriou e ele acabou como faquir, pobre, em sânscrito. É uma piada, naturalmente, mas ilustrativa. Compreende o que quero dizer? Na situação em que foi colocado, o público só aprecia fenômenos, e o artista, em tanto que profissional, só pode aspirar a ser um fenômeno. Tudo isso é puro romantismo. O indivíduo exótico contra a multidão comum, para agradá-la. Mas, como poderia ter dito Mozart: vida de artista não é uma valsa de Strauss. Nunca sentiu que o Bravo! Ouvido na sala de concertos é o Gol! das elites culturais? Eu sempre penso nos concursos de arte como um campeonato. Como se o amor, o ódio, a consciência e o medo da própria morte e a perplexidade ante a vida, pudessem ser avaliados com pontos, como uma redação escolar, e premiados numa competição! Arte é forma, diz você. Concordo, mas todo prêmio é por bom comportamento, e há de convir comigo que os sentimentos não respeitam convenções formais. Eu quero construir algo assim como haikus musicais. Fragmentos que são um todo. Sim, Webern, mas não é isso…

Coçava o queixo, impotente ante as limitações da palavra

– Cada instrumento criará seu próprio contexto, sic, confiando na perspicácia do ouvinte, e com ele se relacionando de forma sutil, no mesmo plano de criação. O músico provocando e o ouvinte, que é tão musical quanto ele, estimulando sua criatividade. Os dois no mesmo plano, unidos pelo som e este diversificado por cada instrumento.

Antecipava-se à jogada do outro:

– O jazz era isso! Hoje também tem partitura e autor e arranjador e direito autoral e empresas gravadoras e colecionadores e críticos e tratados enciclopédicos. A arte, como o esporte, é boa quando praticada. Chega de ver o rei passar! A música, meu amigo, deve ser vivida. Imagine um coro que cantasse em uníssono a mesma melodia, mas cada cantor cantando em língua diferente, segundo suas necessidades e convidando o público, vamos pôr aspas na palavra público, e convidando o público as participar ativamente, juntando sua voz e melodias ao tutti. Que festa!

O outro poderia ter avançado seu Ives, ou atacado com a música para não ser ouvida de Satie, para não apelar com John Cage, a música aleatória e tutti quanti:

– Sim, sim! Isso já foi feito, ouviu Deus que lhe diziam…

Segundo o Maestro, o Concerto é um gênero romântico: o mocinho solista contra a orquestra de bandidos:

– Não importa se surgiu antes do romantismo. Estou falando de uma atitude, não de baboseiras escolares. É um gênero, como o nu, a natureza morta e o soneto. Agora abundam os Concertos num só movimento. Veja as sonatas de Béla Bartók, têm um ou dois movimentos, quer dizer, não são Sonatas. A Sinfonia Inacabada de Schubert não é uma Sinfonia porque não preenche os requisitos formais da Sinfonia. Você já leu algum Soneto de sete ou oito versos? Nem poderia! Eu já vi um Nu Corretamente Vestido, o que não está errado, se pensarmos que todos somos Adão sob a roupa; e outro nu intitulado Natureza Morta, mas o autor dos dois quadros era um poeta que propositadamente misturava as linguagens e confundia os gêneros para chegar a outra coisa. Meu amigo Rodrigo Barrientos, um pintor colombiano que atualmente reside em Paris, ameaçava pintar um Nu Esotérico. Nunca soube como seria, provavelmente estava tão oculto que nem ele sabia como era. Quero dizer que vivemos presos às palavras; chamamos de inacabado algo que o autor não teve necessidade de continuar. No Masp há um retrato de Diego Rivera pintado por Modigliani. Aparentemente não está terminado porque aparecem trechos da tela que não foram preenchidos, mas está acabado. O pintor percebeu que não era necessário acrescentar nada. Fugiu da redundância parando onde o assunto se esgotou como pintura. A coisa muda e nós continuamos usando as mesmas definições, ou então acreditamos que mudando o nome mudamos a coisa. Para que chamar uma composição musical de Concerto ou Sonata, Suite ou Sinfonia? Para não falar do absurdo do Poema Sinfônico, como se a música precisasse da literatura! Talvez o contrário seja verdadeiro. O que importa é a música, não o rótulo. Eu quero desnudar a orquestra, por assim dizer, e mostrá-la ao vivo. Lembra de Pedro e o Lobo?, ampliar essa idéia musical, desafiar o ouvinte a unir os fragmentos e construir mentalmente sua própria composição. Falo de ouvintes, não de todos os que têm orelhas. Orelha não é documento! Ir além da sensualidade do som, reorganizar o tempo de escuta. Imagino uma composição como um quebra-cabeça, um mosaico e um caleidoscópio de sons, onde a orquestra não seja o meio, o suporte de uma Sinfonia ou de um Concerto, mas apenas produtora de som, do qual o objeto será a própria orquestra. Quanta música na Sinfonia Inacabada! Bartók compôs um Concerto para Orquestra, e Barber um Ensaio para Orquestra, mas não é isso, ainda não é isso… Isto está parecendo um manifesto! É melhor deixar sempre algo por dizer, parar antes de chegar à idéia, essa Musa morta!

(do Livro de Marievar)

FOGÃO COM COMPUTADOR DE BORDO de otaciel de oliveira melo / fortaleza

– E o senhor quer comprar um fogão? – perguntou-me o vendedor da loja, olhando desconfiado para os meus cabelos brancos.

– Sim. O meu está todo enferrujado, anda vazando gás e, antes que alguma explosão danifique o prédio onde moro ou mate a minha empregada, eu vou trocá-lo.

– Então o senhor nos procurou na hora certa. Esta semana recebemos um modelo de fogão que é aquele que o Bill Gates usa em sua casa informatizada de 25 milhões de dólares, situada no Estado de Washington, USA.

– Vala-me, Deus! Homem, eu quero um fogão só para cozinhar, compreendeu? Desses que agente usa um fósforo, ascende uma das bocas, coloca a cuscuzeira em cima e pronto. Nada de muito sofisticado, desses que um assalariado pode pagar em suaves prestações mensais.

– Não se preocupe, meu amigo: todos os nossos fogões são vendidos à prestação. Agora, esse tipo de fogareiro que o senhor quer nos comprar já deixou de ser fabricado há muito tempo. Para começar, fósforo é uma coisa obsoleta, e todos os nossos fogões são dotados de um COMPUTADOR DE BORDO que gerencia uma quantidade enorme de funções indispensáveis a uma perfeita fritura.

E continuou o nosso diligente vendedor, mostrando-me uma brochura com os últimos lançamentos:

– Veja, por exemplo, esse maravilhoso termômetro conectado diretamente ao Windows XP: ele é capaz de medir variações de temperatura da ordem de milésimos de graus centígrados, deixando o seu frango no ponto. Isso mesmo: nem mal passado nem bem passado, mas à temperatura que o cliente desejar. Além desse termômetro, o forno dos nossos fogões tem um sensor de fumaça que percebe se a carne que foi colocada para assar encontra-se ou não em bom estado de conservação. Este sensor é gerenciado por um software chamado smoke-feeling, programado para detectar variações infinitesimais de odores estranhos em decorrência de pequenas alterações no tecido animal ou vegetal, alterações estas reveladas pelo cheiro da fumaça.

E provocativamente eu perguntei:

– E fumaça tem cheiro?

– Não tem para aquelas narinas que estão sempre obstruídas – respondeu com certa irritação o perspicaz vendedor. E arrematou:

– O senhor já passou a 5 km de um aterro sanitário sem sentir o cheiro de borracha queimada? Pois saiba que os computadores dos fogões de última geração têm um olfato muito mais sensível do que o de qualquer ser humano. Estou começando a perceber que o senhor é uma pessoa pouco informada sobre os últimos avanços tecnológicos, mas continuarei atenciosamente com a minha explicação, só que de agora em diante usando uma linguagem muito mais simples. O senhor já ouviu falar em um dispositivo chamado grampola da pirumbeta?

– Eu? Nunca! Nem num fogão nem em coisíssima nenhuma. Para mim isto é palavrão, se não for sacanagem.

– Pois eu explico do que se trata: a grampola da pirumbeta é um dispositivo que regulamenta a distribuição do tempero desejado possibilitando uma perfeita homogeneização do sabor do alimento. Nada daquelas manchas localizadas de colorau, sal em excesso em alguns pontos, pimenta do reino e cuminho em outros. Tudo agora é distribuído de tal maneira a espalhar o tempero de maneira uniforme por todo o corpo em fritura. A grampola emite raios laser que penetram no tecido animal ou vegetal e promove esta homogeneização. Não me diga que o senhor não está maravilhado com esta fantástica invenção? Quem gerencia a grampola é um soft chamado hot-dog, criado por um cozinheiro brasileiro que, com a crise financeira mundial, trabalha também como garçom no restaurante da NASA.

– Você até agora só falou do forno. E as bocas, são também computadorizadas?

– É claro que sim. Tanto as bocas quanto a chama. A boca é acesa graças a uma célula fotoelétrica que aciona um dispositivo chamado fire on. Assim que o senhor abrir a tampa do fogão, e assobiar uma música programada qualquer (“perfume de gardênia”, por exemplo), se formará uma chama no interior de uma película transparente. A chama como um todo se espalhará no interior desta película na forma de um pequeno cogumelo, semelhante em design ao desenvolvido pela explosão da bomba atômica de Hiroshima. Esta película transparente fará com que o recipiente onde se esquenta o leite, por exemplo, pareça flutuar sobre um colchão de raios luminosos. É a coisa mais linda do mundo. Não é à toa que Bill Gates mexe os ovos que ele come todos os dias no café da manhã só pelo prazer de contemplar esta chama fulgurante e multicolorida. Disseram-me que e a música que ele assobia para acender uma das bocas do fogão é “I’ve spent my money”. Não me peça, por favor, explicação sobre esta escolha, pois eu não conheço os hábitos de consumo da mulher do homem mais rico do mundo.

– Me diga mais uma coisa: é verdade que vocês dão de brinde um exemplar da Bíblia Sagrada para quem comprar um desses fogões?

– Meu amigo, não confunda as coisas. Este livro de 730 páginas que acompanha o fogão não é a Bíblia Sagrada, mas o seu manual de instrução. Ele ensinará ao comprador a tirar o máximo de proveito desta extraordinária revolução tecnológica que é este fogão computadorizado.

– Só mais uma curiosidade: e para apagar o fogo, o que eu devo fazer.

– Simplesmente assobiar a música “perfume de gardênia” de trás para frente. Fácil, não?

A IRMÃ do GIBA – de jorge lescano / são paulo

Era dançarina. Não uma grande dançarina de boate grã fina, dessas que têm cartazes luminosos na porta e leão de chácara que fala pra mais de três línguas. Não. A irmã do Giba, naquela época não tinha flores no vestiário nem admiradores ou amantes esperando na saída. Nem a cara dela nos jornais tinha. Nada disso, coitada. Dançava num inferninho que tinha mais pulgas que fregueses; acho que nem nome tinha, de tão mixuruca. Não é Giba? Aquela espelunca tem nome?

Todos a conheciam como o buraco da Merilin. É verdade, Giba, o pessoal chamava assim sem segundas intenções. Tinha maldade não.

Merilin era o nome que a irmã do Giba usava lá. Era lá também onde o Jão se virava. Eles se namoravam e o sonho dos dois era comprar aquela joça.

Pois bem. Uma noite chegou ao buraco um tal de senhor Jonson ou Ximiditi, com a respectiva senhora Ximiditi ou Jonson. Um casal de coroas turistas, que saíram zanzando por aí pra ver como o povo se diverte à noite. Pelo jeito, estavam de saco cheio de andar daqui pra acolá com um monte de outros gringos, só falando a língua deles.

Então. Era um casal muito do respeitável, como eles dizem. Eram… Sei lá o país deles. Loiros feito palha e vermelhos como assustados. Ele era…, ou ainda é Giba? Um cara importante, pelo jeito…

É do tipo que precisa pagar imposto porque tem e paga em dia; vai a missa domingo de manhãzinha e comunga cada seis meses. De cinco em cinco anos sai da terra dele pra visitar o Brasil e ver o carnaval no Rio. Quer dizer, um cara cem por cento. A senhora Jonson é sócia de uma porção de clubes e associações de pobres. Também acha que tem que ter uma constituição só pra mulheres. Quer dizer, uma supermulher.

Então chegam no Buraco, sentam e começam a tomar todas, feito gringos e com cada dose ficavam mais vermelhos.

O Jão era o apresentador do show. Sentava nas mesas dos bons fregueses e dos estranhos que tinham muito dinheiro e tempo pra gastar. Eleajudava empurrando uísque ou coisa que o valha.

Pois é. Numa hora daquela noite, deu à luz uma idéia genial, dessas que não pintam duas vezes na mesma cabeça e que se for desperdiçada nunca mais volta.

Quando a irmã do Giba apareceu pra dançar, ele foi até a mesa do senhor Ximiditi e cochichou no ouvido dele. Pelo jeito, o senhor Jonson não gostou nada da conversa porque fez que não e enfiou o narizão no copo; o Jão não se ofendeu e saiu de fininho como quem entra no velório errado.

A Merilin dança uma, dança duas, mais uma e dança outra. O senhor e a senhora Ximiditi estavam se divertindo pra valer. A senhora Jonson, na euforia do espetáculo piscou pro Jão, o Jão tocou de leve no joelho da senhora Ximiditi. O senhor Jonson olhava os seios que passavam que nem gato vendo peixe. E o Jão aí como quem não quer nada. Mais um tempo e volta a irmã do Giba, desta feita com uma roupinha que só vendo! Aquela fantasia era da escola de samba, não era, não, Giba?

É. Era da escola.

Aí então, o senhor Ximiditi vira pro Jão: cerrto, ele diz, o dinherro é dela.

O Jâo sorriu feito besta e disse pro senhor Jonson: mas o senhor não esquecer de mim, vai? Dizia isso com aquele sotaque nordestino, magina…

O senhor tem que lembrar que fui eu que fiz o programa, disse o Jão. O senhor ta vendo como a crioula é bonita e bem feita, e o senhor não faz idéia de como é carinhosa. O senhor nem contou as dosas que servi pra sua esposa. Pra mais de dez, só pra que o senhor tenha um bom programa esta noite. O senhor pode contar comigo pra levar sua patroa até o hotel, é só me dar o endereço, eu me encarrego de que fique confortável. Isso tudo era pra morrer de rir!

Cerrto, diz o gringo abrindo a carteira, senhorr também merrece.

O Jão quase engole o nariz de tanto sorrir.

A irmã do Giba dançou outra vez porque uma das meninas estava de chico e a outra em cana. O senhor Jonson babava feito criança. Mulherr loirra muito bom, falou piscando, negrra melhorr, mais quente, como África. Ah! Ah! Ah!

A senhora Ximiditi que não entendia patavina, caiu na risada abrindo a boca deste tamanho, engasgando e ficando roxa. Apontava o nariz do marido com o dedo e gargalhava que nem doida. De trás do balcão, o gerente olhava e ria e anotava as risadas na conta. A mulher engasgou de vez e o Jão aproveitou o ensejo pra enfiar a mão nas coxas dela.

Assim que acabou o número, a senhora Jonson, numa clara amostra de emancipação feminina, como diz  o Giba, desabou em cima da mesa. Então aí o Jão e o senhor Ximiditi foram pro vestiário.

Lá estava apenas o dono da boate, sentado em uns caixotes e cercado de copos e garrafas cheias e vazias. Sentaram. Daí a pouco apareceu a Merilin. A roupa que estava usando era de quando tinha três anos e meio, imagina então o tamanho dos olhos do gringo, e ainda não tinha visto o estriptise.

O senhor me desculpe, disse ela com dengo. Ele sorriu. Você também, ela disse pro Jão. Eu não sou egoísta e acho que a beleza deve ser mostrada democraticamente a todos, respondeu ele gastando toda sua lábia.

Não sabia que tinha visitas, insistiu a irmã do Giba arrumando o decote pra que o senhor Ximiditi não vomitasse dentro dele. Por mim não tem grilo, disse o dono. Então ela olhou pro senhor Jonson.

O senhor Ximiditi não é um freguês, diz o Jão, é um amigo da gente e do Brasil, e sorriu com aquele seu jeito de safado. Ela disse que estava com calor e tirou a blusinha…

O Jão já estava de saída com a loira.

Depois de certo tempo, toda a mão de obra do senhor Jonson era esperar a Merilin na saída, mas o Jão não os perdia de vista.

Claro que a estória não é tão escura como parece, tem até um final feliz, é ou não é, Giba?

O Jão ficou sabendo depois que o senhor Ximiditi não era turista coisa nenhuma e decidiu encompridar o namoro; o senhor Jonson gostou da brincadeira e pelo menos uma vez por mês visita a Merilin, quando as crianças estão na escola. Ela não dança mais e o Jão também não. Acabaram casando de papel passado e só de sacanagem mandaram moldurar a certidão e penduraram na sala. Não é engraçado?!

Foi um casamento e tanto, porque o Jão gosta dela. Sim, ninguém pode dizer que não goste. Quem deu o dinheiro foi o gringo, como é de praxe nestes casos. O senhor Ximiditi prontificou-se pra ser o padrinho, mas o Giba se enfezou e acabou não deixando.

A Merilin agora é mãe de dois moleques bonitinhos. O Junior batuca que é um danado, vai ser artista que nem a mãe. O Jéferson, então, é forte como um boizinho e o que joga de bola não está escrito.

O Jão e a Merilin são um casal feliz no duro. É verdade que o senhor Jonson contribui bastante. O Jão sempre dá um jeito pra que a senhora Ximiditi esteja bem informada sem implicar. A Merilin não tem queixas do marido porque ele adora as crianças. O Jâo abriu um barzinho com o irmão dela, não é Giba? E eles tão se dando bem, é ou não é?

Este ano o senhor Jonson fez tantas visitas à Merilin que o casal já comprou televisão de tela plana compacta.

Você não acha bonita essa estória?

Mas quer saber uma coisa? Um dia destes me encho do parceiro e acabo com a raça dele. Você e eu, hein, Giba?

Pensando bem, o que o senhor Ximiditi poderia fazer? Nada. O senhor Jonson não podia fazer nada. Ele é tão inocente como a senhora Ximiditi. Eles dois também sonham, como qualquer hipi, com uma vida mais pura, mais natural, mais justa por assim dizer. Qualquer coisa do tipo acampamento pra festival de roqui. Tenho certeza que pra ir pro céu aceitariam com gosto um regime na base de sardinhas em lata, sem se importar com o pescador ou se tem que ser pescadas. Garanto que a senhora Jonson acredita que as sardinhas são como as ostras, só que nascem na lata.

O Jão emprestou a namorada a troco de uns trocados porque quis, ninguém mandou. A Merilin continua com o gringo porque é bom ter conforto dentro de casa e ninguém tem nada com isso. Ou será que tem, hein, Giba?

– Ó João, manda duas esprimidinhas e aquela cerveja! – a chegada de alguns fregueses interrompeu a conversa.

Ele saiu de trás do balcão atendendo o pedido, enquanto eu ficava matutando que, no fim das contas, esses gringos estão ajudando o desenvolvimento do Brasil.

– Você não acha, Giba?

Ele balançou a cabeça para os lados, duvidando.

UMA LUZ NA JANELA de paola rhoden / brasilia

Toda tarde quando voltava cansada do trabalho para minha casa, passava pelo centro da pequena praça de minha cidadezinha. Caminhando distraída pelas aléias cheias de flores, não percebia mais nada além do perfume no ar exalado pelas plantas e de uma janela que ficava ao fundo, destacando-se no escuro da tarde em seu quadrado iluminado. Todos os dias era a mesma coisa, quando entrava na praça, via ao fundo a janela e sentia o perfume no ar.

Passaram-se semanas naquela rotina.

Certa noite, voltando um pouco mais tarde que o costume andei mais devagar pelas aléias perfumadas. De vez em quando parava para olhar ao redor, cheirava o ar! Alguma coisa estava diferente, e não conseguia imaginar no que poderia ser! Continuei andando pela praça, distraída e pensativa, até que me veio a lembrança: A JANELA!

Ora! Vejam só! O que me chamou a atenção foi isto: “a janela estava escura”.

Fiquei a imaginar o que teria acontecido! Porque a janela estava escura hoje?

Parei, e fiquei a olhar na direção onde deveria estar o retângulo de luz. Fiquei ali alguns minutos, sem pensar em nada, apenas olhando naquela direção. O barulho de um carro passando em uma rua lateral tirou-me então daquele devaneio, e voltando a realidade da vida, pensei: ‘Como o ser humano se apega às mínimas coisas! Como aquela luz refletida em uma janela desconhecida, já fazia parte de meu dia a dia! O simples fato de não estar lá naquela noite, causou-me um sentimento de perda, ao ponto de fazer-me ficar ali parada, pensando!

Então analisei, como muitas outras coisas e acontecimentos, essa janela já fazia parte de minha jornada pela vida!

( Premiado em 2007 )

O BOBO e CONTRA-CENA mini contos de raimundo rolim / morretes.pr

O bobo

Era isso o que pensavam então! Então era isso! Pensavam mas nunca falavam. Eram uns esquisitos aquela gente. De onde cargas-d’água tinham vindo? Ninguém sabia dizer nada que prestasse, só coisinhas assim, de nada, bobagenzinhas. Eram palavras tolas, coisa de gente que sabia falar sem saber o que falava. Riam-se. Pelo menos isto faziam, ih, e como riam!!! Pra piorar, as vozes que tinham eram guinchados horríveis, estridentes. Aquilo era nada. Parece que aquela gente tinha saído debaixo do chão. Rotos, sujos e não sabiam nada. Tinham fome, ih se tinham, e bebiam água. E diziam bobagem e riam. Um deles era o representante do resto, aquele que acreditavam ser o bobo-mór, que lhes era igual ou superior. Esse nem ria e nem falava. Observava calado toda aquela indolência hirta. Parecia estar plugado num’outra instância. Pelo menos mantinha os olhos bonitos e serenos abertos; como olhos de hindus. Esse era o bobo deles! Gestos graúdos como os de um ator e de repente, este bastante representante desta choldra, desabou, revirando os grandes olhos especulativos, para se pôr de pé em seguida e à guisa de oráculo, falou-lhes na linguagem das cavernas, ou antes, linguagem de magma. E eles se entreolharam e riram mais uma vez, um risinho bobo, de gente tola, que nem sabia rir de nada. Quando o bobo voltou à tona, isto, é, a si, fez um sinal único e rápido, simples e enérgico com a mão. E logo um raio saltou de banda e levou aquela gente que só ria, ria de nada, riam deles, era uma asneirazinha. Tinham visto numa telenovela uma vez e aprenderam depressa! Só isso! É que o bobo-mór era assim mesmo, às vezes meio temperamental e impunha-se a si a tarefa de limpar a terra de gente que ria, de nada, de bobagenzinhas, gente de grande inutilidade. Depois o bobo sumiu! Dizem que partiu para um certo planalto. Para um planalto central. Para prestar ajuda a muitos, pois reclamava a si o reino da Inglaterra. Ele era a rainha da Inglaterra. Havia visto sua majestade numa capa de revista, na banca da esquina, gostou do traje e a vaidade se lhe afeiçoou. Tomou-lhe o juízo. Passou-se a chamar Dom, Dom Fernando.

Contra-cena

O interesse pelo show era geral. Finalmente a estréia seria dali a duas horas e a imprensa noticiara. Noticiara não; fora bombardeado com exaustivos clichês o grande evento; o megaevento. Os batedores com suas motocicletas se aprontavam em frente ao hotel para abrir alas no trânsito perturbado, nervoso e engessado. Encontravam dificuldades de locomoção, rugiam seus motores e aceleravam, sem que saíssem do lugar. Alguns carros bateram, coisa leve, logo à frente e outros lá em cima no cruzamento e lá atrás também. O trânsito ameaçava transformar-se num caos previsível, aliás, completamente previsível. O astro dentro da limusine aguardava como podia e não deveria ceder em hipótese alguma aos impulsos de gritar e se descabelar. Afinal, já estava “aprontadinho para o show”. Meia horinha de camarim para relaxar e em seguida subir ao palco; seria este o roteiro suficiente. Era o que imaginava. Aproveitou o incidente para ficar ali quietinho e repassar mentalmente algumas letras das novas canções com os novos arranjos. Contava cada passagem, em que rufariam forte as baterias, ali e acolá entrariam os solos da guitarra; o contrabaixo que faria contraponto com o piano, o sax que duelaria furioso com o clarinetista. Os metais entrariam logo depois, na segunda música, e ficariam até a quinta, quando então seria o improviso e ele, o artista principal, poderia tomar um pouco de água e ar. Fazia de conta que não ouvia as sirenes que teimavam em desequilibrar o seu senso e sistema auditivo e nem as muitas buzinas dos bilhares de carros que, parados, aceleravam e aceleravam. Andar que era bom, nada! Ainda bem que o ar condicionado funcionava legal. Apertou um botão e saltaram da saliência à sua frente copos e gelo nos copos, e achou que poderia tomar um grande e bom trago do velho J.D. Não arriscaria um cow-boy pra não ficar troncho antes da hora, pois que o jantar seria servido apenas depois do espetáculo concluído, quando teria convivas especiais. O comandante do trânsito apareceu, de repente, singrando os céus, num helicóptero barulhento, numa última e desesperada tentativa de resgatá-lo e só não o fez por problemas com a seguradora, que informada da situação, alertou que nas cláusulas do contrato firmado entre a companhia e aquele senhor artista, não estava previsto esse tipo de resgate, de acrobacia aérea. Não foi possível e não houve show. Problemas com o trânsito. Foi o alegado. Mesmo porque, ele distraíra-se a esvaziar aquela garrafa e ainda outra que estava sob o banco e bem que poderia errar algumas notas, ou mesmo frases inteiras e já tinha dificuldades em balbuciar o próprio nome, quanto mais fazer o “bis”. Foi a última coisa que pensou antes de adormecer profundamente no banco traseiro da limusine que felizmente, tinha ar condicionado e uma garrafa vazia a lhe fazer companhia.

MACHINA conto de silvio barros

Ali estava o coliseum e eu o vislumbrava pela primeira vez. Estava em frente a sua ala incendiada. Mais uma marca para ele arrastar pelo tempo. As pedras naquele lado, calcinadas, tinham metal incrustado a um ponto que elas e o metal pareciam elementos híbridos. O homem ao meu lado suspira, naquele lugar com um cheiro nauseabundo. E embargado pela emoção, segurando as lágrimas, aponta para as pedras calcinadas.

– Aquilo foi um happening de um artista que trabalhava velocidades altas. Aceleradores de partículas deslocando fótons. Era bancado por um conglomerado industrial. Isso foi há noventa anos, ele morreu no happening . Overdose de energia nos reatores, que implodiram e volatilizaram toda a matéria que estava próxima. Não houve como reparar o Coliseu, sua estrutura ficou comprometida. E ali, naquela ala, vai ficar para sempre a marca, tingida de metal. Certas horas da manhã ele brilha. Um brilho escuro, estranho. O artista montou seu ciclotron, um anel de metal com tubos aceleradores de fótons azul metálico, que se encaixava ao ocre-tempo das pedras do coliseu. Um reator na junta do anel pegou fogo e houve uma grande fissura nos tubos. Principalmente os daquele lado. A imagem do artista e da máquina já estava sendo vinculada pelas mídias da época, meses antes. Sorte é que aconteceu no ensaio geral. Mesmo assim, foram dezenas de vítimas. Se fosse mesmo no happening, seria uma tragédia. Ele foi um dos primeiros artistas a trabalhar com máquinas pesadas, era muito famoso. Chamavam-no de “Number One”. Seu filho não teve o mesmo talento, até que forçaram a barra. Mas ele fracassou. Só treze anos depois um italiano, Benvenuto, tomou o seu lugar. Trabalhava com máquinas gigantescas, era apoiado por um consórcio europeu. Criou uma serpente verde com vários tubos, aceleradores enroscados. Circundavam o Vesúvio como um colar de jade. À noite, o acelerador operando, brilhava. Meu pai era criança, se emocionava só de contar. A obra era chamada de a décima terceira maravilha do mundo. Aí veio a decadência dessa grande arte. Hoje não há mais esses artistas, o tempo os levou. Não há mais dinheiro, água, nada . As máquinas fabulosas ficaram no passado.

– E como começou essa decadência?

– Alguns anos depois que a serpente foi erguida no Vesúvio, um grupo de americanos planejou várias máquinas , que acopladas, criariam uma super máquina no deserto da Califórnia em forma de serpente. Batizaram-na de snake em homenagem a um antigo artista, chamado Richard Serra. Seria vista até do espaço. Ainda na fase inicial, pesquisa de material e estudos, a operadora do projeto faliu. Foi um escândalo. Os americanos foram , por décadas, motivo de chacota por isso. Em sessenta e três, teve o terremoto que destruiu Nápoles e o Vesúvio foi sacudido. A serpente, desligada, ficou entortada como um trompete sob as patas de um touro. Meu pai contava que minha avó ficou uma semana de cama chorando, e meu avô sentado, calado, por quase um mês, olhando pela janela o Vesúvio. Sem a serpente verde como um colar de jade. Minha avó foi enterrada com um colar de pedra verde, que imitava a serpente. Foi moda durante anos. Logo depois disso, as corporações romperam suas alianças com os artistas. Não havia mais verba para as máquinas pesadas. A última foi feita por um artista japonês, radicado em Paris, há sessenta anos. Eram tubos azul-celestes pendurados por semi-arcos na vertical, na margem esquerda do Sena, da Ponte L’Alma a Ponte Invalides. Era uma máquina esguia, elegante. Vi imagens dela. Não durou muito, seus reatores produziam muito barulho. E aí houve uma guerra política entre a prefeitura de Paris e a corporação energética-industrial que dava suporte. A corporação foi derrotada judicialmente em um tribunal popular. Emissões sonoras acima do nível tolerado em uma urbe, foi o veredicto.

– E o italiano?

– Benvenuto enlouqueceu, não conseguiu se adaptar a época das máquinas menores. Foi internado em Nápoles, sob diagnóstico de profunda depressão. Do seu quarto via o cume do Vesúvio,e passou seus últimos momentos o desenhando. Um dia amanheceu morto.

– E as máquinas?

– A cada ano foram diminuindo, até a algumas décadas atrás acabarem. Com o estado de sítio por causa da falta d’água, a arte voltou as formas primárias. Hoje, só o mau cheiro, o calor, e esse sol que dói a pele…

O homem tira do bolso do casaco comprido, algo que deviam chamar de maço de cigarros. Já vi imagens. O maço era azul claro, com um elmo com asas. Os cigarros eram curtos. Ele tirou um e não me ofereceu, e a fumaça se misturou às lamúrias do inválido, que ao nosso lado se aconchegava para cagar.


CRONOLOGIA

· 1991 – Em 17 de fevereiro, nasce em Long Island (USA), Andrew Philip Woodcock, o Number One.

· 2001 – Começo da saturação da Arte Conceitual e da afirmação da Arte Virtual e dos Blogs.

· 2010 – Arte Conceitual entra em total declínio, e a Arte Virtual se esgota. Blogs tornam-se obsoletos.

· 2013 – Em 2 de agosto, nasce em Nápoles (ITA), Benvenuto.

· 2015 – Primeiras máquinas são usadas em happenings.

· 2040 – Number One, com o anel-máquina, explode no Coliseu, matando 45 assessores e 130 curiosos que observavam a montagem do lado de fora.

· 2045 – O romance se esgota como gênero. Últimos remanescentes.

· 2053 – Benvenuto instala a serpente verde no Vesúvio.

· 2058 – Artistas americanos planejam a super máquina snake no deserto da Califórnia.

· 2061 – Aberto processo de falência da operadora do projeto americano.

· 2063 -Terremoto destrói a obra de Benvenuto no Vesúvio.

· 2066 – Corporações cortam as verbas para as grandes máquinas.

· 2068 – É instalada na margem esquerda do Sena, a última máquina. Tinha 1,8km de extensão com tubos com circunferência de 12m.

· 2073 – Prefeitura de Paris vence batalha na justiça e retira a máquina, sepultando a magna arte.

· 2075 – Benvenuto morre em Nápoles.

· 2085 – Máquinas pequenas dão lugar à poesia feita na carne.

· 2101 – Estado de sítio pela falta de água e de matérias primas

O BOBO e CONTRA-CENA – mini contos de raymundo rolim

O bobo

 

Era isso o que pensavam então! Então era isso! Pensavam mas nunca falavam. Eram uns esquisitos aquela gente. De onde cargas-d’água tinham vindo? Ninguém sabia dizer nada que prestasse, só coisinhas assim, de nada, bobagenzinhas. Eram palavras tolas, coisa de gente que sabia falar sem saber o que falava. Riam-se. Pelo menos isto faziam, ih, e como riam!!! Pra piorar, as vozes que tinham eram guinchados horríveis, estridentes. Aquilo era nada. Parece que aquela gente tinha saído debaixo do chão. Rotos, sujos e não sabiam nada. Tinham fome, ih se tinham, e bebiam água. E diziam bobagem e riam. Um deles era o representante do resto, aquele que acreditavam ser o bobo-mór, que lhes era igual ou superior. Esse nem ria e nem falava. Observava calado toda aquela indolência hirta. Parecia estar plugado num’outra instância. Pelo menos mantinha os olhos bonitos e serenos abertos; como olhos de hindus. Esse era o bobo deles! Gestos graúdos como os de um ator e de repente, este bastante representante desta choldra, desabou, revirando os grandes olhos especulativos, para se pôr de pé em seguida e à guisa de oráculo, falou-lhes na linguagem das cavernas, ou antes, linguagem de magma. E eles se entreolharam e riram mais uma vez, um risinho bobo, de gente tola, que nem sabia rir de nada. Quando o bobo voltou à tona, isto, é, a si, fez um sinal único e rápido, simples e enérgico com a mão. E logo um raio saltou de banda e levou aquela gente que só ria, ria de nada, riam deles, era uma asneirazinha. Tinham visto numa telenovela uma vez e aprenderam depressa! Só isso! É que o bobo-mór era assim mesmo, às vezes meio temperamental e impunha-se a si a tarefa de limpar a terra de gente que ria, de nada, de bobagenzinhas, gente de grande inutilidade. Depois o bobo sumiu! Dizem que partiu para um certo planalto. Para um planalto central. Para prestar ajuda a muitos, pois reclamava a si o reino da Inglaterra. Ele era a rainha da Inglaterra. Havia visto sua majestade numa capa de revista, na banca da esquina, gostou do traje e a vaidade se lhe afeiçoou. Tomou-lhe o juízo. Passou-se a chamar Dom, Dom Fernando.

 ================

Contra-cena

 

O interesse pelo show era geral. Finalmente a estréia seria dali a duas horas e a imprensa noticiara. Noticiara não; fora bombardeado com exaustivos clichês o grande evento; o megaevento. Os batedores com suas motocicletas se aprontavam em frente ao hotel para abrir alas no trânsito perturbado, nervoso e engessado. Encontravam dificuldades de locomoção, rugiam seus motores e aceleravam, sem que saíssem do lugar. Alguns carros bateram, coisa leve, logo à frente e outros lá em cima no cruzamento e lá atrás também. O trânsito ameaçava transformar-se num caos previsível, aliás, completamente previsível. O astro dentro da limusine aguardava como podia e não deveria ceder em hipótese alguma aos impulsos de gritar e se descabelar. Afinal, já estava “aprontadinho para o show”. Meia horinha de camarim para relaxar e em seguida subir ao palco; seria este o roteiro suficiente. Era o que imaginava. Aproveitou o incidente para ficar ali quietinho e repassar mentalmente algumas letras das novas canções com os novos arranjos. Contava cada passagem, em que rufariam forte as baterias, ali e acolá entrariam os solos da guitarra; o contrabaixo que faria contraponto com o piano, o sax que duelaria furioso com o clarinetista. Os metais entrariam logo depois, na segunda música, e ficariam até a quinta, quando então seria o improviso e ele, o artista principal, poderia tomar um pouco de água e ar. Fazia de conta que não ouvia as sirenes que teimavam em desequilibrar o seu senso e sistema auditivo e nem as muitas buzinas dos bilhares de carros que, parados, aceleravam e aceleravam. Andar que era bom, nada! Ainda bem que o ar condicionado funcionava legal. Apertou um botão e saltaram da saliência à sua frente copos e gelo nos copos, e achou que poderia tomar um grande e bom trago do velho J.D. Não arriscaria um cow-boy pra não ficar troncho antes da hora, pois que o jantar seria servido apenas depois do espetáculo concluído, quando teria convivas especiais. O comandante do trânsito apareceu, de repente, singrando os céus, num helicóptero barulhento, numa última e desesperada tentativa de resgatá-lo e só não o fez por problemas com a seguradora, que informada da situação, alertou que nas cláusulas do contrato firmado entre a companhia e aquele senhor artista, não estava previsto esse tipo de resgate, de acrobacia aérea. Não foi possível e não houve show. Problemas com o trânsito. Foi o alegado. Mesmo porque, ele distraíra-se a esvaziar aquela garrafa e ainda outra que estava sob o banco e bem que poderia errar algumas notas, ou mesmo frases inteiras e já tinha dificuldades em balbuciar o próprio nome, quanto mais fazer o “bis”. Foi a última coisa que pensou antes de adormecer profundamente no banco traseiro da limusine que felizmente, tinha ar condicionado e uma garrafa vazia a lhe fazer companhia.

BOLO DE BATATA conto de guilherme cantidio

Bolo de Batata
– Galego, você gosta de bolo de batata? – dona Flor foi logo perguntando, ao mesmo tempo em que entrava abruptamente na sala, interrompendo o namoro de Norminha.
– O que é isso, mamãe? – reclamou Norminha, desconcertada com o flagra.
– Adoro, dona Flor – disse Dilson, mais para desfazer o constrangimento do que por interesse no bolo – na verdade é o meu preferido. Vovó faz um bolo de batata…
– Espere só até você experimentar o meu. Já está no forno; só mais uns vinte ou trinta minutinhos…
Enquanto falava dona Flor voltou à cozinha tão rapidamente quanto entrara na sala. Era impossível disfarçar o orgulho que sentia em ver a filha solteira com um namorado tão bonito e educado como Dilson. “Um pão”, como se dizia naquela época. Louro, forte, bronzeado pelo sol das praias da Natal dos anos sessenta, Dilson mais parecia um surfista californiano. Calça Lee apertada, cinto tipo militar, camisa vermelha, sapato sem meia  – cada peça da indumentária (ou ausência dela) tinha um mesmo significado: rebeldia.
– Prontinho! acabei de tirar do forno – falou dona Flor com um prato na mão, com uma fatia enorme de bolo ainda fumegando – depois me diga se gostou.
A cada garfada  Dilson fingia descaradamente: “humm… hummm…”, e a cada “humm” dona Flor ficava mais envaidecida, mas, como ainda não tinha escutado um veredito, provocou:
– E então, galego, é bom ou não é?
– Uma delícia; o melhor que já comi, que minha vozinha não me escute. Parabéns.
Era tudo que ela queria escutar. O ego inflado, junto com a vontade de agradar o futuro genro foi a combinação perfeita para que não faltasse mais bolo de batata em casa. Farinha de trigo, leite, ovos, açúcar e, claro, batata doce. Era só misturar, bater tudo e pronto.
– Galego, adivinhe o que tem pra o lanche hoje!…
E assim foi durante semanas e mais semanas, muitas vezes na chegada e pouco antes da despedida: dose dupla de bolo de batata.
– Galego, faça-me o favor, não se acanhe de pedir bis. Pode repetir à vontade.
Dilson já não suportava nem o cheiro do malfadado bolo de batata. Arrependia-se amargamente de tê-lo elogiado tanto, mas não cogitava da possibilidade de falar a verdade pra dona Flor. A coitadinha não tinha estrutura emocional pra suportar a crueza da verdade: seu famoso bolo de batata não só não fazia mais nenhum sucesso, como, na verdade, causava enjôo. A última fatia que Dilson se viu obrigado a engolir por pouco não provocou vômito. Alguma coisa precisava ser feita, e logo. Chegou a pensar em faltar ao “expediente” na casa da namorada, não por causa dela, mas do bolo da mãe dela. Não. Não era por aí. Tinha que encarar a situação de frente. Quem sabe, com um pouco de sorte, ao chegar por lá, não iria escutar doces palavras, assim como: “faltou energia e não deu pra fazer bolo hoje”; ou então, com um pouco mais de sorte: “a batedeira quebrou e o técnico falou que o conserto vai demorar uma semana”.
De posse desses pensamentos positivos, lá se foi Dilson ao velho endereço de Norminha: avenida Tertuliano de Almeida 830.Tocou a campainha.
– Quem é? – perguntou lá de dentro dona Flor.
– Sou eu, Dilson.
– Entre, meu filho. Infelizmente… 
“Opa”, pensou logo Dilson. “esse negócio de pensamento positivo funciona mesmo. Alguma coisa saiu errado”. 
– Infelizmente – emendou dona Flor – Norminha está tomando banho. Acabou de entrar no banheiro. Mas sente aí e ligue a TV enquanto eu vou pegar seu bolinho preferido.
“É hoje. tem que ser hoje. Na verdade vai ser agora”, determinou Dilson.
– Prontinho, galego. Bolo de batata e água geladinha.
– Dona Flor, será que a senhora me faz um favor? É que estou com a garganta irritada…a senhora troca por água natural?
– Claro, meu filho. É pra já.
Foi só o tempo exato de dona Flor entrar de volta na cozinha para Dilson pegar o bolo e sair em disparada até a varanda. Recuou uns dois ou três passos e arremessou o bolo no telhado, bem numa reentrância formada entre o telhado da sala e o da varanda. Voltou correndo e ainda teve tempo de mudar o canal da TV e simular uma mastigação inexistente. Foi tão cara de pau que ainda pediu um palito. Ficou de tal maneira satisfeito com o resultado da empreitada, que se deu ao luxo de brincar com fogo:
– Seu bolo continua uma delícia, Dona Flor.
Por onde passa um boi, passa uma boiada, diz o ditado. Daí em diante, cada vez que Dilson recebia o bolo de batata, empenhava-se em conseguir trinta segundinhos de  privacidade. Era o suficiente; disfarçava daqui e dali e pronto: corria até além da varanda e…vupt – arremesso de bolo ao telhado. E que satisfação isso lhe trazia; vibrava; não conseguia disfarçar o sorriso no rosto.
Dois meses e algumas dezenas de arremessos depois, o namoro terminou. Norminha arranjou outro namorado. Não demorou muito e casou. Contra a vontade de dona Flor, que ainda tinha esperança de que ela voltasse a se entender com Dilson que, por sua vez, também casou algum tempo depois.
Sabe-se ou, pelo menos, sente-se que o tempo, célere, voa. A provinciana Natal de meados dos anos anos sessenta, cuja juventude era embalada por Beatles, Rolling Stones e a trupe da Jovem Guarda, cedeu lugar à cosmopolita Natal do século XXI. A cidade transformou-se em um “canteiro de obras” como adoram dizer os políticos. Uma dessas obras, a restauração de um casarão antigo, ganhou espaço na mídia. O matutino Diário da Cidade, em sua edição de vinte de novembro de 2005, publicou uma matéria com a seguinte manchete : “Mistério no bairro do Alecrim”.
Dilson, já desfrutando da merecida aposentadoria, lia tranqüilamente o jornal, acompanhado da mulher, filhos e netos. Ao deparar-se com a manchete interessou-se pelo assunto, pois julgava tratar-se de um caso de investigação policial, assunto pelo qual tinha especial interesse, desde garoto. Ajeitou-se melhor na poltrona e, repentinamente, franziu a testa e arregalou os olhos, numa expressão de espanto; segundos depois esboçou um sorriso descontraído que, ato contínuo, transformou-se em uma sonora gargalhada que lhe fugia ao controle e, em um crescendo, contagiou a todos na sala. Dilson sentia espasmos e implorava  aos netos que parassem de rir para que ele próprio conseguisse se controlar. Debalde. Eis o texto da matéria:
“Um fato inusitado, ainda sem explicação, ocorreu na semana passada  na  avenida Tertuliano de Almeida, no Alecrim. Operários que trabalhavam na restauração da casa 830, na mencionada avenida, encontraram dezenas de ratos mortos, já fossilizados, no telhado. Intrigado, o proprietário informou o ocorrido à Vigilância Sanitária que, de pronto,  encaminhou seus técnicos ao local para verificação.
– Nunca vimos nada parecido – declarou o chefe da equipe da Vigilância Sanitária. – rato morto em casa velha é coisa normal, mesmo no telhado. O intrigante é a concentração. Em um espaço de oito, no máximo dez metros quadrados encontramos cerca de quarenta.
Alguns exemplares foram encaminhados para análise detalhada nos laboratórios da UFRN que acabou de divulgar o resultado, embora inconclusivo. Em entrevista exclusiva ao Diário da Cidade o Dr. Mousinho, chefe do Departamento de Farmácia e Bioquímica, que analisou as amostras, declarou:
– A verdade é que estamos intrigados e contamos com vocês, da imprensa, para tentarmos elucidar o caso. O que temos de concreto é que, em cem por cento das amostras, encontramos elementos como amido, fósforo, enxofre, etc. que nos permitem afirmar que houve ingestão de batata doce por todos os animais. Como sabemos que batata doce não é letal para humanos nem, muito menos, para ratos, permanecemos num impasse. Conclamamos a vizinhança a nos fornecer qualquer informação que disponha sobre o local para nos ajudar a esclarecer o caso”.
Guilherme Cantidio – AGOSTO/2008
– Galego, você gosta de bolo de batata? – dona Flor foi logo perguntando, ao mesmo tempo em que entrava abruptamente na sala, interrompendo o namoro de Norminha.
– O que é isso, mamãe? – reclamou Norminha, desconcertada com o flagra.
– Adoro, dona Flor – disse Dilson, mais para desfazer o constrangimento do que por interesse no bolo – na verdade é o meu preferido. Vovó faz um bolo de batata…
– Espere só até você experimentar o meu. Já está no forno; só mais uns vinte ou trinta minutinhos…
Enquanto falava dona Flor voltou à cozinha tão rapidamente quanto entrara na sala. Era impossível disfarçar o orgulho que sentia em ver a filha solteira com um namorado tão bonito e educado como Dilson. “Um pão”, como se dizia naquela época. Louro, forte, bronzeado pelo sol das praias da Natal dos anos sessenta, Dilson mais parecia um surfista californiano. Calça Lee apertada, cinto tipo militar, camisa vermelha, sapato sem meia  – cada peça da indumentária (ou ausência dela) tinha um mesmo significado: rebeldia.
– Prontinho! acabei de tirar do forno – falou dona Flor com um prato na mão, com uma fatia enorme de bolo ainda fumegando – depois me diga se gostou.
A cada garfada  Dilson fingia descaradamente: “humm… hummm…”, e a cada “humm” dona Flor ficava mais envaidecida, mas, como ainda não tinha escutado um veredito, provocou:
– E então, galego, é bom ou não é?
– Uma delícia; o melhor que já comi, que minha vozinha não me escute. Parabéns.
Era tudo que ela queria escutar. O ego inflado, junto com a vontade de agradar o futuro genro foi a combinação perfeita para que não faltasse mais bolo de batata em casa. Farinha de trigo, leite, ovos, açúcar e, claro, batata doce. Era só misturar, bater tudo e pronto.
– Galego, adivinhe o que tem pra o lanche hoje!…
E assim foi durante semanas e mais semanas, muitas vezes na chegada e pouco antes da despedida: dose dupla de bolo de batata.
– Galego, faça-me o favor, não se acanhe de pedir bis. Pode repetir à vontade.
Dilson já não suportava nem o cheiro do malfadado bolo de batata. Arrependia-se amargamente de tê-lo elogiado tanto, mas não cogitava da possibilidade de falar a verdade pra dona Flor. A coitadinha não tinha estrutura emocional pra suportar a crueza da verdade: seu famoso bolo de batata não só não fazia mais nenhum sucesso, como, na verdade, causava enjôo. A última fatia que Dilson se viu obrigado a engolir por pouco não provocou vômito. Alguma coisa precisava ser feita, e logo. Chegou a pensar em faltar ao “expediente” na casa da namorada, não por causa dela, mas do bolo da mãe dela. Não. Não era por aí. Tinha que encarar a situação de frente. Quem sabe, com um pouco de sorte, ao chegar por lá, não iria escutar doces palavras, assim como: “faltou energia e não deu pra fazer bolo hoje”; ou então, com um pouco mais de sorte: “a batedeira quebrou e o técnico falou que o conserto vai demorar uma semana”.
De posse desses pensamentos positivos, lá se foi Dilson ao velho endereço de Norminha: avenida Tertuliano de Almeida 830.Tocou a campainha.
– Quem é? – perguntou lá de dentro dona Flor.
– Sou eu, Dilson.
– Entre, meu filho. Infelizmente… 
“Opa”, pensou logo Dilson. “esse negócio de pensamento positivo funciona mesmo. Alguma coisa saiu errado”. 
– Infelizmente – emendou dona Flor – Norminha está tomando banho. Acabou de entrar no banheiro. Mas sente aí e ligue a TV enquanto eu vou pegar seu bolinho preferido.
“É hoje. tem que ser hoje. Na verdade vai ser agora”, determinou Dilson.
– Prontinho, galego. Bolo de batata e água geladinha.
– Dona Flor, será que a senhora me faz um favor? É que estou com a garganta irritada…a senhora troca por água natural?
– Claro, meu filho. É pra já.
Foi só o tempo exato de dona Flor entrar de volta na cozinha para Dilson pegar o bolo e sair em disparada até a varanda. Recuou uns dois ou três passos e arremessou o bolo no telhado, bem numa reentrância formada entre o telhado da sala e o da varanda. Voltou correndo e ainda teve tempo de mudar o canal da TV e simular uma mastigação inexistente. Foi tão cara de pau que ainda pediu um palito. Ficou de tal maneira satisfeito com o resultado da empreitada, que se deu ao luxo de brincar com fogo:
– Seu bolo continua uma delícia, Dona Flor.
Por onde passa um boi, passa uma boiada, diz o ditado. Daí em diante, cada vez que Dilson recebia o bolo de batata, empenhava-se em conseguir trinta segundinhos de  privacidade. Era o suficiente; disfarçava daqui e dali e pronto: corria até além da varanda e…vupt – arremesso de bolo ao telhado. E que satisfação isso lhe trazia; vibrava; não conseguia disfarçar o sorriso no rosto.
Dois meses e algumas dezenas de arremessos depois, o namoro terminou. Norminha arranjou outro namorado. Não demorou muito e casou. Contra a vontade de dona Flor, que ainda tinha esperança de que ela voltasse a se entender com Dilson que, por sua vez, também casou algum tempo depois.
Sabe-se ou, pelo menos, sente-se que o tempo, célere, voa. A provinciana Natal de meados dos anos anos sessenta, cuja juventude era embalada por Beatles, Rolling Stones e a trupe da Jovem Guarda, cedeu lugar à cosmopolita Natal do século XXI. A cidade transformou-se em um “canteiro de obras” como adoram dizer os políticos. Uma dessas obras, a restauração de um casarão antigo, ganhou espaço na mídia. O matutino Diário da Cidade, em sua edição de vinte de novembro de 2005, publicou uma matéria com a seguinte manchete : “Mistério no bairro do Alecrim”.
Dilson, já desfrutando da merecida aposentadoria, lia tranqüilamente o jornal, acompanhado da mulher, filhos e netos. Ao deparar-se com a manchete interessou-se pelo assunto, pois julgava tratar-se de um caso de investigação policial, assunto pelo qual tinha especial interesse, desde garoto. Ajeitou-se melhor na poltrona e, repentinamente, franziu a testa e arregalou os olhos, numa expressão de espanto; segundos depois esboçou um sorriso descontraído que, ato contínuo, transformou-se em uma sonora gargalhada que lhe fugia ao controle e, em um crescendo, contagiou a todos na sala. Dilson sentia espasmos e implorava  aos netos que parassem de rir para que ele próprio conseguisse se controlar. Debalde. Eis o texto da matéria:
“Um fato inusitado, ainda sem explicação, ocorreu na semana passada  na  avenida Tertuliano de Almeida, no Alecrim. Operários que trabalhavam na restauração da casa 830, na mencionada avenida, encontraram dezenas de ratos mortos, já fossilizados, no telhado. Intrigado, o proprietário informou o ocorrido à Vigilância Sanitária que, de pronto,  encaminhou seus técnicos ao local para verificação.
– Nunca vimos nada parecido – declarou o chefe da equipe da Vigilância Sanitária. – rato morto em casa velha é coisa normal, mesmo no telhado. O intrigante é a concentração. Em um espaço de oito, no máximo dez metros quadrados encontramos cerca de quarenta.
Alguns exemplares foram encaminhados para análise detalhada nos laboratórios da UFRN que acabou de divulgar o resultado, embora inconclusivo. Em entrevista exclusiva ao Diário da Cidade o Dr. Mousinho, chefe do Departamento de Farmácia e Bioquímica, que analisou as amostras, declarou:
– A verdade é que estamos intrigados e contamos com vocês, da imprensa, para tentarmos elucidar o caso. O que temos de concreto é que, em cem por cento das amostras, encontramos elementos como amido, fósforo, enxofre, etc. que nos permitem afirmar que houve ingestão de batata doce por todos os animais. Como sabemos que batata doce não é letal para humanos nem, muito menos, para ratos, permanecemos num impasse. Conclamamos a vizinhança a nos fornecer qualquer informação que disponha sobre o local para nos ajudar a esclarecer o caso”.
 AGOSTO/2008

AFRESCO – LEDO ENGANO – SOL, AREIA E POUCA SOMBRA / mini contos de raymundo rolim

 

Afresco

 

Era visível o nervosismo da noiva. O padre já não agüentava a demora. Os convidados se abanavam, o calor sufocava. Algumas senhoras tiveram de ser retiradas para o ar fresco e o noivo nunca que chegava. E não veio mesmo. Ahahahahahahahah. E o padre pensava bem quietinho: eh! filho da puta!

 

Ledo engano

 

A orquestra estava afinadíssima. O maestro impecável. Haviam ensaiado até momentos antes. As luzes se apagaram. Os músicos respiraram de forma profunda seguidos pelo maestro que, recém formado e em primeiríssima audição, suava em bicas. As cortinas se abriram e nada. Não aconteceu nada. Absolutamente nada! O teatro era noutro endereço.

 

           Sol, areia e pouca sombra

 

Foi ilusão de ótica ou a miragem era efeito da sede mesmo! Não se sabia pra onde ir, quando, de repente, o deserto pintou-se de verde e um camelo, apenas um, veio e bebeu todo o Nilo. Ah, um crocodilo estava lá. Um! Parece que tinha também um navio cheio de bandeirinhas e os passageiros acenavam felizes. Sob apito, o navio zarpou, carregou o camelo e levou o Nilo atrelado que puxou por gravidade o deserto. O crocodilo veio oferecer os seus préstimos e servir água fresca num cântaro de jade espoliado ao grande Tutankamon. 

A MÃE (conto angolano) por vera lúcia kalaari (Portugal)

 

Esse era o dia em que Saiengue, o soba de Camanongue, esperava a chegada de seu filho único, vindo da cidade.

O rapaz partira há seis anos e agora todos aguardavam o seu regresso: o pai, a velha mãe, a mulher, o filho e a filha. Nesses seis anos nenhum deles o vira e assim cada um o esperava anciosamente.

A cubata erguia-se a certa distância do povoado, longe da única estação, e por isso não podiam saber a hora exacta da chegada. Era uma pequena casa muito limpa, no meio de um extenso mangueiral, alinhado nas margens do rio. Do outro lado erguiam-se verdejantes montanhas que se perdiam em picos altos e nublados. No tempo do frio, o rio corria remansoso e pouco profundo. Mas quando as chuvas chegavam das serranias, as águas cresciam assustadoramente, lamacentas e escuras.

Todos se haviam vestido mais cedo e ficaram sentados pacatamente à espera. Lá estava o velho pai, a barba branca destacando-se no rosto negro e grave. Era um homem respeitado naqueles lugares.

Hoje, porque seu filho único voltava, pusera o seu melhor pano, que comprara há anos na cidade.

Ao lado do velho, sentava-se a mulher, a única que tivera em toda a sua vida, porque havia sido uma boa companheira, dócil e trabalhadora. Numa pedra mais baixa, sentava-se a nora, companheira do seu filho. Segurava uma fita longa de missangas, e seus dedos hábeis iam tecendo um cinto largo de cruzes miúdas, em carmesim. O seu rosto, nem feio nem bonito, denotava a ansiedade febril que a tomava. De vez em quando baixava-se para dizer qualquer coisa à pequenita que lhe brincava aos pés. Mais longe, debaixo de uma grande mangueira, um rapazito esguio tentava colher um fruto dourado. O velho tinha os olhos fitos no rapaz, mas via-se que o seu pensamento estava distante.

A velha mãe virou-se para a nora e perguntou:

-Compraste o peixe na loja do Calonjere?

-Sim, minha mãe, tratei de tudo.

Na obscuridade da porta os seus olhos brilhavam na face escura.

O miúdo escorregou, caíu e começou a chorar desalmadamente. A jovem mulher levantou-se rapidamente e limpou-lhe os calções do pó.

-Cala-te!Teu pai está prestes a chegar e não gostará de te encontrar assim!

O rapaz limpou as lágrimas com as mãos e sentou-se calmamente no capim áspero. O velho olhou o neto, alisou a barba branca e, sorrindo, disse:

-Calomanga ficará satisfeito por ter à sua espera dois filhos como estes.Ele te agradecerá a maneira como trataste seus velhos pais nestes longos anos. Foi um bom dia aquele em que te trouxe para esta casa.

Mal havia acabado de proferir estas palavras, ouviu-se uma voz na curva do caminho. Era bem a voz de que eles se lembravam e que tanto desejavam ouvir, mas agora bem diferente das suas recordações.

-Aqui estou!

A velha mãe uniu as mãos com força sobre o regaço. O velho levantou-se rapidamente do chão. Os passos do recém-chegado ressoavam mais perto, na terra avermelhada. A mulher, que se deixara ficar sentada, de olhos fitos no solo, pôde ver os pés calçados de grossas botas e ouviu-o gritar:

-Meu pai! Mãe!

-Filho…-disse o velho-.

A sua voz tremeu e suavemente começou a chorar. A mãe acercara-se timidamente e tocou no braço do filho.

-Calomanga, estás diferente. Não pareces o mesmo!

-Mãe, seis anos não deixam ninguém na mesma – disse o rapaz numa voz clara e rápida.

Depois, acercou-se da jovem mulher que se mantivera imóvel.

-Então, Fuvuca, estás boa?

-Foi a melhor das filhas para nós,Calomanga-falou o velho.

-Sim?-interrompeu o jovem-.E onde estão os meus filhos?

-Estou aqui…

O pequeno abeirou-se lentamente e olhou aquele desconhecido, de sapatos de cabedal e de calças que eram de um tecido grosso e escuro, uma fazenda dos brancos. Clomanga passou-lhe a mão pelos cabelos ásperos , rindo.

-Então foi nisto que se transformou o pequeno choramingas que deixei?

A jovem mulher olhava-o agora abertamente. Sim! Como estava mudado! Seis anos na cidade haviam modificado seu marido, cheio de juventude e energia. Sentiu-se muito tímida e começou a chorar.

Após uma longa pausa, como se cada um tentasse adivinhar os pensamentos do outro, Calomanga começou a falar. Dir-se-ia que falava apenas para preencher o vácuo que se estendia sobre eles.

-Como é bom estar de volta! É pena continuar tudo tão atrasado!

-Estamos na mesma – respondeu o velho pai, permanecendo um pouco pensativo.

-Pois é…Habituado como estou à cidade, tudo me parece bem diferente – estas últimas palavras foram ditas com um certo ar de troça -.

Fuvuca sentiu um leve aperto no coração e, silenciosamente, afastou-se.

……………………………………………………………………………………………………….

Calomanga havia distribuído os presentes que trouxera.

A jovem esposa retirara-se para um canto, olhando o marido e os filhos que o cercavam.

-Pai…tenho uma coisa para lhe dizer…

O velho estremeceu e puxou com força a manta que lhe escorregava nas pernas. A fogueira bruxuleava, pondo sombras grotescas nas mangueiras que se erguiam em copas cerradas.

-O pai sabe… – continuou o filho -. Na cidade vêm-se muitas coisas. Já não poderei ficar aqui. Acostumei-me a outra vida. Vim, para levar os meus filhos, para metê-los na escola dos brancos.

Os pequenos começaram aos pulos, a gritarem radiantes.-

-Irei no comboio…Irei no comboio…

A miúda agarrou-se ao pai e perguntou anciosamente:

-Eu também vou?

-Sim, tu vais também – respondeu o pai com energia.

-E Fuvuca? – falou o velho mansamente.

-Bem…ela…pensei mandá-la de volta para o pai. Dar-lhe-ei dinheiro e nada lha faltará.

O pequeno Jamba virou-se para a mãe, os olhos brilhando de satisfação.

-Então irei para a escola! Sempre desejei isso!

Nenhum deles pensava em Fuvuca, reparava na sua expressão. Ninguém notou como ela tremia, a não ser o velho, que continuava sentado, acariciando a barba branca.

Calomanga, radiante com a alegria dos filhos, exclamou:

-Irás para a escola, verás grandes ruas, automóveis , tudo o que nunca viste até agora.

A criança não se pôde conter:

-Quando vamos? Eu quero ir já!

Fuvuca olhou para aquele filho que acalentara ao longo das noites, que bebera do seu leite. Lembrou-se de quando lhe limpava a boca gotejante de leite branco. Era então aquele o seu filho! Este, encontrando o olhar da mãe, confessou, pensativo:

-Sempre quis ir para a cidade, mãe!

Calomanga agarrava a filha, num gesto de posse. Então, a miúda encostando a cara ao pai, olhou, arrogante, para a mãe.

-Está claro que nada te faltará – dirigiu-se o homem para a jovem mulher -.Nunca passarás necessidades.

Fuvuca olhou-o com dignidade, mas ele nem reparou, enlevado como estava com os filhos. E sem que ninguém se apercebesse, a mãe saíu de casa. Sentou-se na pedra onde se sentara por tantos anos com os dois filhos. Num instante pensou no que seria a sua vida dali para o futuro. Sim! Já sabia qual o caminho a tomar. Levantou-se e caminhou silenciosamente para o rio que brilhava ao luar. Ainda ouviu a voz do filho, gritando alegremente:

-E posso também andar de carro?

O velho tinha começado a falar, numa voz triste e implorativa.

A água corria-lhe agora aos pés e sentiu o frio cortante do seu beijo. Lembrou-se por instantes que devia descer rapidamente e lançou-se convulsivamente para a frente. O rio abriu-se para a receber num abraço gélido. Como de muito longe, pareceu-lhe ouvir ainda a voz do filho, repetindo várias vezes, a rir:

-Irei de comboio…Irei de comboio…

Esta voz morreu ao longe e a jovem mãe nada mais ouviu.

As águas fecharam-se novamente e continuaram o seu serpentear tranquilo para o mar.

 

48149foto livre.

 

 

O RETRATO OVAL de edgar alan poe

O castelo em que o meu criado se tinha empenhado em entrar pela força, de preferência a deixar-me passar a noite ao relento, gravemente ferido como estava, era um desses edifícios com um misto de soturnidade e de grandeza que durante tanto tempo se ergueram nos Apeninos, não menos na realidade do que na imaginação da senhora Radcliffe. Tudo dava a entender que tinha sido abandonado recentemente. Instalámo-nos num dos compartimentos mais pequenos e menos sumptuosamente mobilados, situado num remoto torreão do edifício. A decoração era rica, porém estragada e vetusta.

Das paredes pendiam colgaduras e diversos e multiformes trofeus heráldicos, misturados com um desusado número de pinturas modernas, muito alegres, em molduras de ricos arabescos doirados. Por esses quadros que pendiam das paredes – não só nas suas superfícies principais como nos muitos recessos que a arquitectura bizarra tornara necessários –  por esses quadros, digo, senti despertar grande interesse, possivelmente por virtude do meu delírio incipiente; de modo que ordenei a Pedro que fechasse os maciços postigos do quarto, pois que já era noite; que acendesse os bicos de um alto candelabro que estava à cabeceira da minha cama e que corresse de par em par as cortinas franjadas de veludo preto que envolviam o leito. Quis que se fizesse tudo isto de modo a que me fosse possível, se não adormecesse, ter a alternativa de contemplar esses quadros e ler um pequeno volume que acháramos sobre a almofada e que os descrevia e criticava.

Por muito, muito tempo estive a ler, e solene e devotamente os contemplei.

Rápidas e magníficas, as horas voavam, e a meia-noite chegou. A posição do candelabro desagradava-me, e estendendo a mão com dificuldade para não perturbar o meu criado que dormia, coloquei-o de modo a que a luz incidisse mais em cheio sobre o livro.

Mas o movimento produziu um efeito completamente inesperado. A luz das numerosas velas (pois eram muitas) incidia agora num recanto do quarto que até então estivera mergulhado em profunda obscuridade por uma das colunas da cama. E assim foi que pude ver, vivamente

iluminado, um retrato que passava despercebido. Era o retrato de uma jovem que começava a ser mulher.

Olhei precipitadamente para a pintura e acto contínuo fechei os olhos. A

principio, eu próprio ignorava por que o fizera. Mas enquanto as minhas

pálpebras assim permaneceram fechadas, revi em espírito a razão por que as fechara. Foi um movimento impulsivo para ganhar tempo para pensar – para me certificar que a vista não me enganava -, para acalmar e dominar a minha fantasia e conseguir uma observação mais calma e objectiva. Em poucos momentos voltei a contemplar fixamente a pintura.

Que agora via certo, não podia nem queria duvidar, pois que a primeira

incidência da luz das velas sobre a tela parecera dissipar a sonolenta letargia que se apoderara dos meus sentidos, colocando-me de novo na vida desperta.

O retrato, disse-o já, era de uma jovem. Apenas se representavam a cabeça e os ombros, pintados à maneira daquilo que tecnicamente se designa por vinheta – muito no estilo das cabeças favoritas de Sully. Os braços, o peito, e inclusivamente as pontas dos cabelos radiosos, diluíam-se imperceptivelmente na vaga mas profunda sombra que constituía o fundo. A moldura era oval, ricamente doirada e filigranada em arabescos. Como obra de arte, nada podia ser mais admirável que o retrato em si. Mas não pode ter sido nem a execução da obra nem a beleza imortal do rosto o que tão subitamente e com tal veemência me comoveu. Tão-pouco é possível que a minha fantasia, sacudida

da sua meia sonolência, tenha tomado aquela cabeça pela de uma pessoa viva.

Compreendi imediatamente que as particularidades do desenho, do vinhetado e da moldura devem ter dissipado por completo uma tal ideia – devem ter evitado inclusivamente qualquer distracção momentânea. Meditando profundamente nestes pontos, permaneci, talvez uma hora, meio deitado, meio reclinado, de olhar fito no retrato. Por fim, satisfeito por ter encontrado o verdadeiro segredo do seu efeito, deitei-me de costas na cama. Tinha encontrado o feitiço do quadro na sua expressão de absoluta semelhança com a vida, a qual, a princípio, me espantou e finalmente me subverteu e intimidou. Com profundo e reverente temor, voltei a colocar o candelabro na sua posição anterior. Posta assim fora da vista a causa da minha profunda agitação, esquadrinhei ansiosamente o livro que tratava daqueles quadros e das suas respectivas histórias. Procurando o número que designava o retrato oval, pude ler as vagas e singulares palavras que se seguem:

Era uma donzela de raríssima beleza e tão adorável quanto alegre. E maldita foi a hora em que viu, amou e casou com o pintor. Ele, apaixonado, estudioso, austero, tendo já na Arte a sua esposa. Ela, uma donzela de raríssima beleza e tão adorável quanto alegre, toda luz e sorrisos, e vivaz como uma jovem corça; amando e acarinhando a todas as coisas; apenas odiando a Arte que era a sua rival; temendo apenas a paleta e os pincéis e outros enfadonhos instrumentos que a privavam da presença do seu amado. Era pois coisa terrível para aquela senhora ouvir o pintor falar do seu desejo de retratar a sua jovem esposa. Mas ela era humilde e obediente e posou docilmente durante muitas semanas na sombria e alta câmara da torre, onde a luz apenas do alto incidia sobre a pálida tela. E o pintor apegou-se à sua obra que progredia hora após

hora, dia após dia. E era um homem apaixonado, veemente e caprichoso, que se perdia em divagações, de modo que não via que a luz que tão sinistramente se derramava naquela torre solitária emurchecia a saúde e o ânimo da sua esposa, que se consumia aos olhos de todos menos aos dele. E ela continuava a sorrir, sorria sempre, sem um queixume, porque via que o pintor (que gozava de grande nomeada) tirava do seu trabalho um fervoroso e ardente prazer e se empenhava dia e noite em pintá-la, a ela que tanto o amava e que dia a dia mais desalentada e mais fraca ia ficando.

E, verdade seja dita, aqueles que contemplaram o retrato falaram da sua

semelhança com palavras ardentes, como de um poderosa maravilha, – prova não só do talento do pintor como do seu profundo amor por aquela que tão maravilhosamente pintara. Mas por fim, à medida que o trabalho se aproximava da sua conclusão, ninguém mais foi autorizado na torre, porque o pintor enlouquecera com o ardor do seu trabalho e raramente desviava os olhos da tela, mesmo para contemplar o rosto da esposa. E não via que as tintas que espalhava na tela eram tiradas das faces daquela que posava junto a ele. E quando haviam passado muitas semanas e pouco já restava por fazer, salvo uma pincelada na boca e um retoque nos olhos, o espírito da senhora vacilou como a chama de uma lanterna. Assente a pincelada e feito o retoque, por um momento o pintor ficou extasiado perante a obra que completara; mas de seguida, enquanto ainda a estava contemplando, começou a tremer e pôs-se muito pálido, e

apavorado, gritando em voz alta ‘Isto é na verdade a própria vida!’, voltou-se de repente para contemplar a sua amada: – estava morta.

APCA por zuleika dos reis


 

 

 

                   Começou no ônibus, numa segunda-feira, a partir da conversa entre dois sujeitos sentados no banco lateral ao meu. Ouvia-lhes as vozes, sem prestar atenção às palavras, nesse estado meio sonambúlico em que alguns ficam quando estão sós, mas acordei subitamente com a decodificação da tal sigla e do endereço: Rua Independência, 520. Ouvira mesmo o que ouvira, de dois sujeitos comuns, às 9 da noite, assim, sem código ou senha? Em casa descobri que há, só na Capital e adjacências, dez ruas Independência, quatro da Independência, uma travessa e ainda três praças com o mesmo nome. Depois de muita procura lá estava, na lista de endereços da Zona Sul: APCA, Rua Independência, 520. Informaram-me que os encontros acontecem todos os sábados, às 16 horas. Nenhuma solicitação de qualquer dado pessoal.

                   Sábado, quatro da tarde. Atravesso a sala e entro no auditório onde já estão, pelo menos, umas sessenta pessoas. O coordenador chama-se Carlos, nos dá as boas-vindas, explica-nos os objetivos de tais reuniões e que seus princípios são os mesmos que norteiam o trabalho dos irmãos da A.A. Lê-se, no quadro negro, ao fundo: Posso viver minha vida somente um dia de cada vez, lembrando-me de que não tenho domínio sobre a vida de ninguém, a não ser sobre a minha própria. Carlos esclarece, antes de encerrar sua fala, que no primeiro sábado de cada mês, as reuniões são divididas em duas partes: a inicial, para depoimento dos ingressantes; a segunda, após breve intervalo, para realização de palestra sobre tema de interesse geral e, finalizando o encontro, atividade de integração dos novatos entre si e com os membros veteranos.

                   O primeiro depoimento nos vem de um senhor baixo e atarracado, calvo e corado, jeito de português dono de armazém. Logo me dou conta do clichê.

                   “Sou líder de um grupo dos sem-terra e minha companheira, que pertence à liderança das mulheres, acabou de receber um convite para posar nua na Playboy. O cachê é alto, quase tão bom quanto ela e com o dinheiro dá pra gente comprar uma bela casa aqui na Zona Sul, quem sabe até na Vila Mariana. Só que alguns dos companheiros não aceitam, alegam que o Sistema sempre agiu assim para neutralizar a ação revolucionária. Embora constituam minoria, tais companheiros têm ainda certo poder de influência. Retruquei que isso não passa de discurso ideológico da década de cinqüenta o qual, já desde muito antes do fim do Socialismo, não funciona mais. Não adianta, eles não arredam pé, dizem que se cedermos a esse jogo seremos considerados traidores e expulsos do Movimento. Não somos traidores, compreendem? Só é a nossa chance real de termos um teto e todo mundo sabe que a Sorte não bate na mesma porta duas vezes.”

                   Cala-se e nos encara, esperando uma reação qualquer. Não vem nenhuma, e então cede lugar ao próximo, homem jovem de bela aparência, mas com uma corcunda respeitável.

                   “Fico pensando num leque de soluções, por enquanto fechado: colocar carpete na sala, tradicional ou de madeira, recusar-me a sair de casa sob qualquer pretexto, ficar trancado no escritório, todos os dias, até alta madrugada, sumir cada fim de semana, ou separar-me da mulher. Minha mulher é, sem comparação, a coisa mais linda que jamais Deus pôs sobre a face da Terra e ao natural, senhores. O problema é que ela quer sair todas as noites e muito bem vestida, não importa para onde. Sempre concordo, apesar de exausto. Meu drama é que, entre o banho e o derradeiro retoque no cabelo, passam-se várias horas. Enquanto espero, vou contando os tacos do assoalho na sala de jantar. Não superei ainda a marca dos 2734, porque a sala é grande e com muitos empecilhos como a mesa, as cadeiras, os vasos… sobretudo os próprios tacos, por se revezarem nas posições horizontal e vertical, tudo isso dificultando, de modo extraordinário, a contagem que recomeço do zero na noite seguinte.”

                   Tive vontade de sugeri-lhe a Odisséia, à guisa de catarse, mas faltou-me coragem.

                   Linda mesmo é a jovem que neste momento se dispõe a falar. Olhos cor-de-outono – sei lá por que me ocorre esta imagem – mini-saia, meias pretas, batom e unhas vermelhas.

                   “Meu problema, com uma única exceção aos oito anos, é com os presentes. Não, não com vocês, sou bastante sociável. Já se detiveram alguma vez sobre os papéis com que se embrulham os presentes? O brilho, a magia, a sedução que oferecem? É sempre uma dupla agonia: por um lado, o olhar ansioso das pessoas, na expectativa da minha reação e por outro, o conhecimento de que nada, absolutamente nada que esteja dentro pode ser comparado àquela beleza primeira. E há comemorações demais, aniversário, Natal, Ano Novo, Páscoa, amigos secretos. À medida que cada festa se aproxima aumenta-me a angústia, e logo vem chegando a hora de outra.”

                   Que belas meias pretas!

                   A pessoa agora diante dos olhos é a antítese perfeita da anterior. Senhora de meia idade, ancas e seios fartos, ar de boa dona de casa e ainda melhor cozinheira. Diz, apenas: “Minha ampulheta está com defeito.”

                   Sob a estranheza geral, Carlos solicita-lhe que continue. Ela conclui com um peremptório não.

                   O que me ocorre imediatamente, e creio que a todos os demais, é que tal metáfora (só pode se tratar de metáfora, a não ser que “ampulheta” se reporte àquele pequeno ícone que aparece no computador e, nesse caso, basta chamar um técnico) se relacione a algum problema de natureza hormonal, a disfunções de menopausa, período sempre difícil na vida da mulher. Mas, e se a palavra em questão se refira a algo mais complexo, que ultrapasse a esfera individual? O tom solene com que foi pronunciada a frase e a própria palavra “ampulheta”, confere alguma legitimidade a esta terceira hipótese.

                   O próximo depoimento vem de um senhor sorridente de uns setenta e cinco anos, de terno, colete cinza, chapéu… a portar a elegância clássica dos que passeavam no centro de São Paulo quando a cidade ainda era a terra da garoa, dos saraus e de Mário de Andrade. Logo às primeiras palavras, percebe-se que é um dos membros veteranos.

                   “Estou aqui para lhes dizer que, afinal, conheço bem cada uma das páginas da minha vida, a qual me parece inteiramente satisfatória, uma vez superadas todas as antigas dúvidas. Venho para me despedir e para me colocar inteiro à disposição dos senhores.Terei imenso prazer em recebê-los no meu coquetel amanhã.” Cita o local e o horário, volta a sentar-se, cercado pelos aplausos e pelos tapinhas nas costas.

                   Atordoado por agudo e um tanto injustificável sentimento de decepção, penso: Também aqui? Como é possível?

                   Uma nova depoente já nos fita, por cima de seus óculos.

                   “Tenho trinta e cinco anos, sou funcionária do Estado e do Município. Não me lembro de qualquer página anterior nem me preocupam as vindouras. Minha função mais importante é ler o Diário Oficial, ainda que atenda também à portaria, ao telefone. Trabalho doze horas por dia, com duas de intervalo para o almoço, incluindo o tempo para me locomover entre ambas as repartições. Faço plantão um sábado por mês. Estou tranqüila, porque não há incompatibilidade entre os cargos que ocupo, afinal é preciso viver sempre dentro da Lei. Qualquer dúvida quanto a nomeações, demissões, promoções, cursos de reciclagem, qualidade total, decretos do Prefeito e do Governador, aposentadorias, inquéritos administrativos, é comigo mesma. Todos dizem que tenho excelente caligrafia. Por sinal, devo tirar um abono amanhã, para ir ao oculista.”

                    Uma pena que Gogol já tenha escrito a tua história, com o elemento fantástico que, para teu mal, talvez jamais chegues a experimentar.

                   Este parece um cientista-mirim. Doze anos, no máximo, e também usa óculos.

                   “Não estou aqui por minha causa, mas por causa do meu pai. Para facilitar-me as pesquisas, solicitei-lhe a compra de um computador. Ele assim o fez e tudo ia bem até que me pediu umas aulas para, segundo suas próprias palavras, “aposentar a velha máquina de escrever”. Sou filho temporão, meu pai tem sessenta e nove, é professor aposentado há muitos anos e, de uns meses para cá, começou a escrever crônicas. Já lhe dou aulas há uma semana e o velho ainda apresenta dificuldades para movimentar o mouse, quanto mais para digitar e salvar textos no Word. Descobriu que não tem controle motor e está com um terrível complexo de inferioridade. Quero muito ajudar meu pai, senhores, mas confesso que não sei bem o que fazer.”

                   Já este outro deve ser vendedor, talvez pela maleta, quem sabe pela precisão dos gestos e do olhar, que parece dirigir-se a todos e a cada um ao mesmo tempo. Também pode ser político.

                   “Há uma coisa que não consigo compreender e que me incomoda diariamente nas livrarias aonde vou por necessidade de ofício. Por que o formato dos livros continua retangular, desde o tempo de Gutenberg? Por que não pode haver livros redondos? Na literatura infantil até que venho observando algumas tentativas de inovação, mas na literatura para adultos… E agora, com bibliotecas inteiras à disposição via Internet, meu sonho parece de vez impossível, porque as telas dos computadores são tão quadradas – permitam-me o desvio conceitual – tão quadradas quanto a tela da TV. Num mundo onde todas as rodas são redondas, por que tudo se torna cada vez mais quadrado, a começar pelos livros?”

                   Ninguém arrisca resposta para sua inalienável questão.

                   Carlos intervém:

                    – Alguém gostaria de fazer o último depoimento de hoje, antes do intervalo para o café?

                   O rapaz alto e magro, cabelos negros e desgrenhados, fica em silêncio nos olhando… nos olhando…

                   “Eu já fui poeta…” e abarca toda a sala com expressão do mais absoluto desamparo.

 

 

 

                   Tento me aproximar da garota cujos presentes não podem ser abertos, é impossível. Vários sujeitos esparsos têm a mesma idéia e chegam primeiro. Ocorre-me que, há dez anos, jamais teria perdido uma corrida dessas. Agora cinco metros e com barreiras… Sem outra alternativa, ponho-me a percorrer a multiplicidade de cabeças, à procura, talvez, dos indivíduos do ônibus. Não os vejo, sua função deve ter sido apenas a de passar a deixa. Quem sabe, foram ao cinema. Só me resta circular pela sala e ouvir as conversas.

                   “… viajou uma semana sem deixar nada na geladeira… nem imagine comigo nas férias passadas… minha namorada tem doze anos e aparelho nos dentes… o tempo parou às seis da tarde durante oito dias… me deixou plantado no meio de uma frase durante um mês… ainda não sei o que fui fazer em Paris… será que esses encontros vão ajudar mesmo… esperar… esperar… esperar… nenhuma brisa… nada… ninguém… a terra é de todos… esse é papo do sem-terra… e se ficarem sabendo… claro que já sabem… deve haver vários aqui… aquele de paletó marrom parece um deles… as últimas estatísticas… filial em Nova Iorque… não gosto do modo como venho falando… ele ainda não percebeu… o meu anda meio cismado… já chegamos à nona página… ainda não sei a cor dos meus olhos… reparou Roberto, tudo parece coisa do mesmo autor, com alguma leitura mas iniciante, sem dúvida. Artur, se surgissem de novo um Quincas Berro D’Água, um Augusto Matraga, um Rosendo Juárez, uma Bola de Sebo… você concorda que prefeririam permanecer para sempre onde estão?”

                   Atraído por estas frases completas em tal contexto, custo a lhes compreender o significado, assim como a natureza dos indivíduos que as acabam de pronunciar. Assombra-me minha lentidão. Como se puderam fundir tão rápido os dois mundos dentro de mim? A colocação desse Roberto… Se eu estivesse inserido em uma estrutura perfeita, de linguagem sem fraquezas nem balbucios, toda plena de si mesma e contendo cada um dos meus pensamentos, atos, fatos, ainda que terríveis, até mesmo mortais e assim, completo, me tornasse para sempre conhecido, sem a necessidade de qualquer gesto autônomo, desde a primeira página até a última, preferiria abdicar de tal paraíso por destino ignoto? Agora, se eu fosse apenas um esboço… o papel abortado, no saco de lixo, faria a tentativa de existir pelo meu próprio esforço, no mundo exterior dos homens, até a vala onde todos as coisas e seres formam o mesmo húmus.

                   Acordo para o vazio ao redor. Todos já voltaram para o auditório.

                   Certa vez, há mais de vinte anos, publiquei um livro de contos. Depois, foram infinitas noites sem dormir, porque era um livro ruim, demasiado ruim. A partir daí, nunca mais ousei mostrar qualquer palavra a ninguém, apesar dos textos se acumulando nas gavetas.

                   Acabo de sair da Associação de Personagens de Contos Anônimos. Saio, felizmente ileso, na verdade menos do que desejava. Ocorre-me, por acréscimo, que ainda venha responder a processo pela apropriação indébita de uma sigla, o título deste conto (?) fato do qual acabo de me dar conta. A gargalhada pelo trocadilho idiota espanta as pessoas na calçada. Será que há algo mais importante no mundo do que diverti-las por um momento?

 

 

 

 

                   Olhos cor-de-outono, mini-saia, meias pretas, batom e unhas vermelhas. O acaso fez com que a reencontrasse alguns meses depois, já nem me lembrava mais daquele conto. Laura é muito mais do que um esboço, é a criatura que pretendo manter a meu lado e, para isso, só lhe dou presentes ao natural, exatamente como se mostram nas vitrines das lojas, nas prateleiras das livrarias, nas bombonières, onde quer que estejam, límpidos, lúcidos e nus de qualquer invólucro. Afinal, apenas eu conheço o único modo de torná-la feliz.

UM GRITO ENORME QUE NINGUÉM OUVE por zuleika dos reis


 

 

tarde cinzenta fria dia qualquer anônimo nos calendários sem sombra de dúvida oito de agosto de mil novecentos e noventa e um dezessete horas pontuais trinta minutos nos livros de história final do século vinte primeiro ano da última década os apocalípticos insistindo oito anos para o fim do mundo outros assegurando primórdios da era de aquário enquanto Rubem procura certamente neste instante le mot juste que se encaixe na estrutura de seu texto que não se enquadra em nenhum gênero literário que todos os gêneros literários já morreram e Rubem já faz parte do futuro e quem sabe lá nesse futuro após o fim de tudo as coisas todas degeneradas assim todas misturadas voltem  em NOVAS HIERARQUIAS e Rubem o cientista não mais precise dizer que tudo o que realmente importa é o futuro da espécie mas o tempo não existe nessa tarde cinzenta e fria tão cinzenta e fria assim fria e cinzenta com uma dor de cabeça infinita e tudo o mais de chumbo e quando você l’autre Daniel Aleph aqui sempre comigo e em todo lugar me dizendo que voltou a existir o tempo dos relógios não consigo acreditar NÃO POSSO essa certeza que não posso tritura-me nos cacos da janela embaçada da chuva lá fora fininhas agulhas no sangue saindo pelos poros e eu tenho que ir para o trabalho os alunos esperando para que eu lhes ensine corretos cada passo como se deve escrever um texto bem comportado e todos coordenadora pedagógica diretora inspetor supervisora os pais o sistema todos muito felizes e no fim do ano vão todos aprovados assim felizes para a próxima série mas não saio enquanto você aqui por mim adentro vai me extraindo de suas veias desmisturando do seu o meu sangue gota a gota logo enxurrada separando da sua boca o meu hálito do seu rosto desfazendo traço a traço os traços do meu rosto em seu espelho desfeitas linhas a escorrer do meu espelho e gritamos enorme  grito que ninguém ouve mas estremece os alicerces dos edifícios mas ninguém percebe nos escritórios que tudo desabando e na avenida paulista alguém chuta uma pedra mas os dedos há muito adormecidos e uma palavra pretérita de amor me olha do fundo do quarto com os olhos distantes balança a cabeça numa negativa se levanta da cadeira sai para o corredor sem olhar para os quadros abre a porta de saída  sai para a rua enquanto ouço ouço ouço em algum lugar de mim ouço ouço ouço ouço o último poema do último poeta da TERRA o poema encrencado na mesma palavra no antigo disco de vinil a mesma palavra repetida repetida repetida a palavra a última do último poeta da TERRA  e o último poema não anda não anda não anda como o trânsito agora às seis da tarde na marginal de pinheiros nesse crepúsculo de chuva enquanto sonho impossivelmente você caminhando em direção a algum orelhão para que ninguém possa saber nem ouvir as palavras que você nunca nem agora nem nunca vai me dizer mas  nem mesmo você pode se impedir de pensar se eu nessa hora já saí de casa para dar minhas aulas e se vale a pena atravessar os CINCO CONTINENTES  de si mesmo para em não sabemos que língua me dizer alô e eu me lembro de repente que Ofélia acabou de morrer e Álvaro de Campos deve estar muito preocupado já que agora tudo vai ter que recomeçar para que Fernando Pessoa seja convencido de novo de que não vale a pena escrever novas cartas de amor que todas são mesmo ridículas mas o problema é que todo mundo do lado de lá também já sabe quem foi Ofélia que acabou de chegar sem corpo físico como dizem que se chega neste lugar que chamam de eternidade e lá e aqui já não há quem não tenha lido as tais cartas ridículas e Fernando Pessoa que não sabe mais onde esconder todas as suas caras se fecha na nuvem mais próxima para que mesmo oculto não fique longe demais dessa Ofélia que acabou de chegar se oculta o tempo necessário para que todos os habitantes desse outro TEMPO-LUGAR se distraiam com novas celebridades que estejam a chegar enquanto nós do lado de cá estamos cada vez mais próximos mais próximos mais próximos do século vinte e um se é que ele chega porque Nostradamus afirmou que tudo só vai até mil novecentos e noventa e nove por isso deve haver gente que vai começar a se suicidar desde já e o que era crepúsculo agora já é essa noite da janela não consigo ver a emergir nenhuma estrela mas você quem sabe em algum lugar ainda de si mesmo me espere ainda com aquela mesma estrela no bolso a estrela impaciente dentro do seu bolso mas sabendo que não adianta nada estar assim impaciente e se transforma na bola de gude com que você brincava quando era criança e você que não telefona toma um café expresso pensando em tudo o que poderia ter sido se o mundo fosse outro se a história do mundo estivesse noutro tempo se eu fosse outra se os outros fossem outros e não houvesse tantos e tantos outros e outras fileiras multidões entre você e eu nesta noite em todas as noites e em todas as manhãs e tardes e sábados feriados e domingos e talvez alguns séculos ou pensa coisas muito diferentes que eu penso esteja você pensando os pensamentos que eu jamais poderei ouvir por dentro da sua cabeça e vão crescendo crescendo crescendo na sua cabeça e na minha cabeça até que a bola de gude que é também uma estrela se aconchega mais e mais e mais entre as dobras do seu casaco de veludo e dorme

 

MENSAGEM DO TINHOSO conto de tonicato miranda


O ônibus saiu da Rodoviária às oito horas em ponto. Durante vinte e dois minutos ficou a olhar a paisagem, como num filme de Godard, onde tudo se vê e em nada se fixa. O dia caminhava feio. Tudo cinza abaixo e acima da garoa fina e da névoa intensa que ora mostrava o topo da morraria próxima, ora descortinava os montes mais altos no horizonte. Dia feio e frio. Dia em que perro não sai de cima do jornal na soleira da porta, gato não desenrola do rabo e do canto do sofá, pernilongo não voa, besouro não zumbe. Dia pra beber chimarrão e chupar muita xícara com café fumegante.

Cansado da leitura da paisagem e das viagens mentais abriu a mochila, sacou o livro, retomando a leitura da noite anterior. Grande Sertão e Veredas. Estava ele ainda pela página 45, apesar de 13 dias de leitura, quando o telefone disparou. Disparou e parou antes que pudesse atendê-lo. Voltou à leitura e mais uma vez o telefone esganiçou no seu bolso. Tentou ler a mensagem, mas nada havia. Quem ligou não concluiu a primeira frase – “E ai mano…”. Com o olho novamente na paisagem ficou mirando o rendilhado das lavouras de arroz alagadas e algumas que ensaiavam brotar as plantas para fora da água, mas que se mantinham cinzas pela ausência de luz. Estava assim, viajando na viagem, quando o telefone apitou com grunhido doido, insistente. Acelerou o gesto para tentar interromper o barulho incômodo para ele e para os outros passageiros.

Desta vez a mensagem chegou inteira:

_ E ai mano desejo boa sorte pro wil que vá pra ganhar eu estou em uma reunião por isso não estou ai pastor Gelson

Intrigado e chateado com aquela interrupção da sua leitura e da viagem do olhar no interior da paisagem resolveu respondê-la, mesmo não sabendo quem, onde, ganhar o quê, Wil, Gelson, sorte, ganhar, perder, pastor…

Passou os próximos trinta minutos construindo no celular a mensagem-resposta para aquelas palavras vindas do hiperespaço celulante da telefonia mundial. Por estar lendo Guimarães foi influenciado na construção do texto. Foi difícil apertar com precisão aquelas teclas tão pequenas com seu dedo gordo. Mas foi em frente…

_ Pastor Gelson, acho que nos desigualamos. Não sou seu mano. No momento estou no sertão de Santa Catarina, que apesar de santa, se hoje viesse pousar aqui, tinha de vir armada, com bala nos dentes, porque a gente daqui é tanto ruim, como um outro ruim dia um. Mas venha. Venha com sua carantonha. Se não prestar, outra cara a ela nois empresta. Causo ela fique muito furada, disminuimos as balas. Não tenha receio, o medo da morte só bate no bobo do corpo, não no interno das coragens. Pois venha.

Enviou a mensagem e, satisfeito com a missão cumprida, retornou ao livro se misturando com Riobaldo, Diadorim, a jagunçada, o tinhoso, a piriquitada e as veredas mineiras de histórias, estórias além de muitas sabedorias “Olhe: Deus come escondido, e o diabo sai por toda parte lambendo o prato…


Curitiba, 15/Setembro/2008.

NOVOS PRODUTOS e PIC NIC – mini contos de raimundo rolim

Novos produtos

 

Os alto-falantes, rádios e televisões anunciavam para breve o novo produto. O interesse era geral e os fabricantes bem sabiam disso. Aliás, há anos que se alardeava ter sido descoberto o processo pelo qual um dia, todos deixariam as velhas células no ralo, enquanto outras, saltitantes de tão novinhas, apareceriam assim, de estalo, para espanto e felicidade geral. E isto em apenas alguns minutos, após secarem-se do pós-banho com toalhas felpudas. O tal produto químico aprovado por especialistas de todos os países em congresso que se pretendera universal, foi adicionado em todas as reservas de água: mananciais, nascentes e olhos d´água.. Um único fato absolutamente imprevisto: A lua mudou justamente naquele dia e não constava da bula nem dos cálculos confidenciais. E a ninguém foi dado recuperar a antiga cobertura de pele. Problema! Parece que é sempre bom cuidar-se com novos produtos… Ou não?

                                                                      

             Pic nic

 

Venham todos, é a última chance… Venham, corram, não deixem para a última hora que pode faltar! Não desperdicem, é agora ou nunca! Rápido, apressem-se, avisem a todos que encontrarem pelo caminho! Mandem garrafas ao mar, balões com as devidas inscrições pelos desertos; façam saltar os pára-quedistas por regiões inacessíveis, levem as boas novas; pois hoje e somente hoje teremos: Pipoca ao Molho Pardo da vovó Dindinha com direito a reprise e mais Molho Pardo da vovó Dindinha aos que gostarem por demais. Não esqueçam de levar guardanapo e talheres. A canja será servida antes, muito antes que o amor da vovó se acabe. Depois não terá mais a mínima graça! Nem a vovó se importará tanto. (Pura falta de conhecimento sobre marketing e sobre alguns assuntos, digamos, mais pragmáticos) Argh!

 

 

REZA BRABA por ana maria maruggi

Reza braba

Soco forte no queixo. Tonteou prum lado, e lá vinha outro murro de punho fechado. Tonteou de novo. Caiu o pobre. O rosto inchou na hora. A boca floreou. O sangue verteu. As pernas  trogloditaram pela estrada seca numa fuga desesperada. O homem tinha medo da surra, mas não podia evitá-la. Apenas pedia “PelamordeDeus pára cum isso”.  Já ia pra lá mês que apanhava quando passava por lá, o coitelinho. Apanhava por apanhar…

O amor que morava no coração dele, rareou. Chegou a raiva. Muita raiva dos Nereu.

No espelho de casa viu os olhos avolumando. Pensou nos Nereu.  A cara arredondava pra caber os olhos  crescidos. Inchavam, cresciam de dar medo. Duas bolas acesas na cara redonda do infeliz. Pensou na raiva. Chamou a mulher aos berros. Assustada, benzeu-se e entoou uma reza em voz alta. Era o coisa ruim! –  dizia ela. Ele rezou também. De nada adiantou. Suas orelhas se movimentavam sem querer, à olhos vistos. Incharam e cresceram, cresceram de dar medo. As duas orelhas ficaram enormes, maiores que a cara. A mulher gritava. Ele espumava de raiva.  Ela rezava fazendo o sinal da cruz. De nada adiantou.

NÃO HÁ MAL QUE SEMPRE DURE… e ALI… mini contos de raimundo rolim

Não há mal que sempre dure…

 

A febre estava alta, muito alta. Fora-lhe por demais doloroso suportar a adversidade. Haviam-se esgotados todos os recursos. A benzedeira com galhinhos de arruda e ungüentos se esforçava. Dispunha-se com folhas de mato e palavras incognoscíveis. A vizinha acudiu com um remedinho caseiro e chá de Calêndula. Encomendaram-se novenas e pela internet chegavam e-mails desde os mais remotos rincões do planeta. A febre não cedia! Colocaram água de poço no pano ensopado e água das cabeceiras dos rios e das fontes das serras. A agonia durava mais de semana. Nem morria e nem vivia. Gemia a pobre coitada, pele em brasa, obrigando que trocassem o lençol a cada meia hora. Alimentava-se com sucos em mamadeira e com muita dificuldade engolia o líquido que tentavam entornar-lhe garganta abaixo. Febre escaldante! Não se achou causa alguma que justificasse aquele quadro mórbido. Oscilava a temperatura aos trinta e nove, quarenta, quarenta e três, quarenta e oito e meio. A mocinha padecia de mal de amor. De primeiro e último amor.

 

                  Ali…          

 

De duas uma: Ou os postulados estavam errados ou alguém de uma profunda má vontade tentava se aproveitar da situação que já era alarmante por si só, sem carecer de mais apoio! O cronômetro foi consultado. Faltavam dois minutos ainda. Era muito tempo, mais que o suficiente para quem viajava à velocidade da luz. Esqueceu-se o piloto do plano de vôo. A próxima galáxia ficava um pouco mais à frente; ali, virando à direita, ao lado da eternidade.

COMÉ QUE FICA MEU PREJUÍZO? conto de marilda confortin

Me dá um misto frio e um pingado.

 

Encostados no balcão de uma lanchonete da rodoferroviária de Curitiba, Dionísio e Abreu tomam o costumeiro café da manhã.  Trabalham na redondeza  e divertem-se ouvindo trechos de conversas de pessoas desconhecidas que passam pela estação. Quando elas partem, os dois continuam o trecho do diálogo que ouviram, colocando-o no contexto de suas próprias vidas.  

O viajante que pediu o misto frio, dá uma mordida no sanduíche, mastiga, faz uma expressão de quem está experimentando um sabor inesperado e olha intrigado para o lanche.  Toma um gole do pingado, dá uma abocanhada maior, mastiga, mastiga, franze a testa, morde de novo, engole e olha interrogativo para sanduíche esperando uma explicação. Repete isso várias vezes, até restar somente um terço do pão.

 

    Moça, não tem queijo aqui nesse misto!

 

A garçonete pega o resto do sanduíche que sobrou na mão dele, abre-o e constata que não tem queijo. Mostra para as outras moças. Cochicha no ouvido da amiga, dizendo que talvez o sujeito já tenha comido todo o queijo. Uma delas cheira o sanduíche e confirma que não tem cheiro de queijo. A outra sugere dar uma fatia de queijo para o freguês ficar quieto.

 

     Não quero uma fatia de queijo. Eu pedi um misto: pão, presunto e queijo.

A moça, tentando evitar discussões constrangedoras, lhe oferece mais um misto frio de graça.

 

  Não quero outro. Quero esse que pedi. Comé que fica meu prejuízo!

 

Sem saber mais o que fazer, a garçonete chama o gerente e explica a situação. Ele propõe descontar o valor da fatia de queijo. O passageiro com expressão de descontentamento fala: 

 

   Não quero desconto, já perdi a fome. Quero saber comé que fica meu prejuízo!

 

O gerente, sem saber o que responder para o freguês, tenta acalmá-lo e propõe devolver todo o dinheiro que ele pagara pelo sanduíche.

 

   Não quero restituição. Não quero dinheiro!  Você não entende? Você não pode me restituir o que eu nunca tive. Você não pode me dar o que não tem. Você não pode fazer nada.  Nada!  Eu só quero saber COMÉ QUE FICA MEU PREJUÍZO! 

 

         Dionísio e Abreu retiraram-se calados. A pergunta do passageiro martelava em suas mentes.  

Como é que fica meu prejuízo? Quem vai nos restituir o apetite depois de enganada a fome?  Como preencher a ausência daquilo que nunca existiu? Como explicar a frustração de algo que nem aconteceu? A quem explicar? Por que explicar? Como cobrar uma dívida de alguém que nem sabe que é devedor? Como consolar quem passou dois terços da vida esperando encontrar a “fatia de queijo”, que nuca existiu? Como ressarcir o tempo, o gosto, a vontade, o prazer? Quem vai nos restituir a vida que tínhamos direito de viver? Quem? Comé que fica meu prejuízo? 

 

COMÉ QUE FICA MEU PREJUÍZO? VOCÊ NÃO ENTENDE?

 

VOCÊS NÃO ENTENDEM?

 

rodoviária. ilustração do site.

SEM CHANCES e A SORTE DOS MERCADORES – mini contos de raimundo rolim

Sem chances

 

Que inferno que nada, gritava o ateu empírico. Deus? Céu? Nem pensar! Não vou e não quero. Recuso-me terminantemente a ir a qualquer desses lugares pelo simples, tranqüilo e justificado motivo de nunca ter comungado com tais Entidades antes. Não seria agora, depois de fazer a grande travessia da vida que se entregaria, assim sem lutas, nem bandeiras. Fez uma careta danada de feia, torceu os braços numa banana sólida. Fora-lhe o último gesto a carregar túmulo adentro. 

 

 

         A sorte dos mercadores

 

E veio a neve e veio o frio e veio a chuva e a tempestade e o maremoto. Depois o furacão impiedoso e o granizo, a peste e a fome. Os vulcões explodiram, liberando um forte cheiro de enxofre e na saraivada de impropérios, o carrasco brandindo a machadinha na mão direita com o decreto real na esquerda, despojava a todos de seus bens. Mulheres e filhos abandonados à própria sorte correram, e os trovões se expuseram assustadores. Raios e mais raios coriscaram os céus e a terra com intensidade jamais imaginadas enquanto os cães ladravam. Um dragão saiu do fundo do mar e a besta do Apocalipse roncou alto. Nos campos, os grãos secaram e um terremoto sacudiu a crosta. As montanhas vieram abaixo e os vales se elevaram enquanto a caravana passava tranqüila.

 

 

ADILSON, O Jabá – por josé alexandre saraiva

 

De todos os bêbados convictos que conheci, Adilson, o Jabá (ou Xarope, como era chamado pelos colegas do ofício), foi o mais feliz e fiel executor da arte de beber. Ninguém sorriu tanto na vida, diante de uma cachacinha da boa, como o inesquecível Adilson.

      Para cada gole, principalmente quando alguém pagava, já que era desempregado e pobre, logo se via o maior sorriso do mundo derretendo em contentamento suas rugas, em nada lhe inibindo a falta dos dois incisivos superiores.

O polaco bebia com o mesmo entusiasmo com que criança come chocolate e com a satisfação de quem, num só instante, saboreava, a cada copo, todos os prazeres e delícias que dizem existir no mundo. Dava a impressão de que sufocava, também, as feridas da alma. E as amarguras que já tinha sofrido, ao longo de seus quarenta e tantos anos de deliciados sorvos da “branquinha”.

Eis que, no sábado passado, Jabá, cujo único defeito era torcer ferrenhamente para o “Coxa” (mas quem é que não tem seus pecadinhos?), acordou às onze, ajudou um vizinho protestante que trocava um pneu do carro e foi ao “Bar Estrela Dalva” para beber o que quis e como quis. Bebeu, bebeu, bebeu … Depois, às sete da noite, com auxílio dos colegas (todos bêbados, evidentemente), foi-se para o barraco de madeira que erguera no quintal da casa onde morou com ex-esposa. Dela estava separado por ser ateu e amante da saborosa cachaça. A sós, na plenitude de sua feliz solidão, completamente encachaçado, morreu de morte morrida.

A notícia correu a Vila Maria Antonieta. Ninguém se conformava. “Era sujeito bom demais … Como pôde ter morrido assim, sem mais nem menos… Gostava tanto das crianças… Sempre tinha sorrisos para todos… Até os cachorros do Zé Piúdo respeitavam a careca do Xarope, para quem latiam sorrindo… Ele sempre colaborou com a “Igreja da Salvação…”

Em meio a uma dúzia de velas e poucas flores campestres colhidas na redondeza, lá estavam, dia seguinte, os companheiros do “Jabá”, enterrando o caixão azul e roxo na cova nº 5840 do cemitério de Piraraquara. Nenhum discurso, nenhum lamento exagerado, como ocorre nas sepulturas de defuntos ricos, famosos. O silêncio. Apenas o silêncio dos sentimentos e as discretas lágrimas não contidas do irmão mais velho, que viajara de Chapecó, solavancos de horas cansadas. Foi ele prontamente consolado pelos perspicazes colegas do Jabá, na certeza de um patrocínio iminente para desafogar a tristeza. Afinal, eles não tinham participado do velório realizado na casa da ex-sogra do falecido, apesar do caloroso protesto da CAC – Comunidade Alcoólatra Convicta, fundada por Jabá, sem qualquer estatuto ou registro.

Saltitando no topo de árvore desfolhada, a mais elegante das figuras marcava presença:

— “Bem-te-vi … Bem-te-vi …”

Nem mais um só eco de emoção naquela tarde fria.

————————————-

                         sem crédito. ilustração do site.

DA TERRA AO CAOS – conto de leonardo meimes

A terra ainda era menina demais, pois esta história remonta aos longínquos anos em que os homens ainda se dedicavam à vida pacata. O mundo humano se resumia a uma família e a porção de terra conhecida ainda era reconfortante, muito parecida com o paraíso. Na vila, única, se via apenas uma grande casa cercada por pequenas construções de um cômodo e de campos abertos, onde todos cuidavam do ofício de serem pastores ou de plantar hortaliças. Eles não foram sempre pastores, a tradição começou quando o irmão mais novo decidiu criar, cuidar e finalmente usufruir a vida animal, então todos o seguiram. Dantes fora ainda mais pacata suas vidas, resumidas as sombras das florestas de onde retiravam seu sustento comendo frutas suculentas e delícias que afloravam com a terra. Agora ali os animais eram, sim, pastoreados, as ovelhas e os pequenos borregos caminhavam tranqüilamente, sem perceber as intenções de seus criadores, que não deixavam de ser boas. Apenas o necessário era utilizado, pouca mata havia sido avariada, sendo as poucas casas feitas de barro e alguns fragmentos de madeira encontrados já ao chão. O campo não era dividido em áreas, toda área era comum, porém os animais obedeciam apenas a seus pastores. As famílias provenientes do mesmo pai e mãe conviviam em paz, aliás, desdenhas ainda não haviam sido criadas entre os viventes, só entre os viventes e os criadores.

O primeiro filho nascido nesta terra, um grande homem, de barbas espessas ruivas e um apetite voraz por tudo que da terra provinha, foi também o primeiro agricultor. Tinha um nome da terra e se chamava Mica. Arou os campos e refez a terra de modo que tudo o que plantasse, crescia. Ao término de alguns anos, na família santa havia mais de dez filhos, cada um com sua família e criação. Porém à Mica, o velho, não foi dada a graça de uma esposa fértil. Cada um dos irmãos a seu jeito ajudava a crescer a espécie humana, porém Mica e o mais novo, Balé, ainda não tinham plantado raiz nesta terra. Balé era magro, bem frágil e por muitas vezes pensativo, foi quem descobriu a arte de lidar com os animais, de alimentá-los e, mais por necessidade do que por perversidade, de os sacrificar para fartura das famílias. Este irmão, porém, ainda era novo e havia a pouco se casado com uma de suas irmãs, também muito nova, apesar de mais velha do que ele, e planejavam viver sem constituir família, ajudando e trabalhando para o bem de todos os outros moradores da vila.

O irrequieto e voraz Mica decidiu então pedir a deus que este lhe fizesse a graça de lhe conceder um filho. Recolheu as mais bonitas frutas, fez ramos de trigo e pediu que sua mulher fizesse doces e especiarias para que fossem oferecidas a deus num apelo. Armou um templo com estas gostosuras da terra que nem ele, acostumado a ver tanta fartura, recusaria qualquer desejo que lhe fosse pedido. Porém deus, ao contemplá-lo em tal fervorosidade, respondeu que ele seria o último dos irmãos a ter uma progênie, pois seu trabalho como agricultor era um dos mais importantes dentre os que eram desenvolvidos entre os irmãos e não podia ser incomodado. Ficou assim enraivecido o brutal Mica, suas veias saltaram e ele num feroz balbucio despejou desvairadas injurias a tudo e todos. Essas se dirigiam principalmente ao irmão menor, Balé, que não tinha em mente a constituição de uma família, impossibilitando assim que o mais velho pudesse procriar.

Em um encontro, mais do que desnecessário, Mica rogou ao piedoso Balé que fosse junto dele pedir a deus que fosse permitida a cria, que Balé explicasse ao onipotente que não tinha planos de ter filhos e que não podia desta forma o seu destino estar entrelaçado ao do irmão ou o mais velho nunca os teria. Improvisaram um altar, com fogo e ervas essenciais, que espalharam um cheiro que qualquer um cederia. Balé procurou o bezerro mais bonito dentre suas criações, pediu-lhe encarecidamente que participasse do sacrifício e não sendo respondido pelo animal julgou que tudo ia bem. Mica recolheu mais frutas e verdes diversos do que antes e produziu um belo arranjo para a oferenda. Ao amanhecer eles começaram a oferenda e o sacrifício, chamando deus que lhes ouvisse. Este mais uma vez disse que a intenção era boa, porém o destino dos dois estava mais entrelaçado do que o de qualquer dos outros irmãos e que fruto de tal destino haveria de se cumprir para que o mundo fosse completo. Mica enraivecido outra vez perguntou a deus de punhos cerrados e num suplicante gorgolejo se havia meio de sua vontade ser atendida de alguma forma. Deus lhe disse que só com o maior ato de amor e devoção à sua pessoa o destino poderia ser mudado.

Mica olhou ara seu irmão ali ao seu lado ajoelhado e bradou a deus, “Ó deus, lhe ofereço a vida de meu irmão e cometo uma grande ofensa para provar que faço tudo por minha vontade”. Agarrou Balé pelos ombros e desferiu mortal golpe em seu irmão. Balé ali jazia e a voz de deus não foi mais ouvida por Mica.

Mica explicou aos outros irmãos que Balé havia se sacrificado para que deus lhe concedesse a graça da prole e que em nove meses nasceria uma criança. Porém tais meses foram de incrível solidão para Mica, que não tinha coragem de olhar para o rosto dos irmãos e já tinha perdido a vontade de plantar e colher, aderindo ao hábito de andar a sós à noite, o que antes lhe causava repulsa, mas agora era muito reconfortante. Sua mulher foi cada vez mais apresentando os sinais da gravidez. Em três meses já tinha uma barriga e mal podia se mover. Outros fatos estranhos tomaram vez. Havia uma espécie de pássaros que ajudava os homens no laboro com a terra, plantando e espalhando sementes, estes já não eram mais vistos, assim como mais cinco outras espécies, incluindo roedores, peixes, e miúdos. No quarto mês as pragas começaram. Atacando as lavouras foram seis pragas ao todo uma em cada mês que a criança crescia. Ao término dos nove meses, o irmão poeta já havia escrito seis tragédias ali ocorridas, em lindas métricas por ele inventadas. Então, a criança nasceu, em uma caverna onde Mica decidira se instalar. O leito era de pedra sem nada para confortar o bebê. A esposa não teve coragem de chamar os outros irmãos para ver sua criança. Este era um menino, de bom peso e boa aparência, porém eles estavam com dúvidas na escolha do nome. A criança depois de horas sem um nome começou a chorar. De grande altura foi o choro e os animais notaram que uma nova vida havia surgido, curiosos vieram visitar.

Vieram vários animais, cada um ao seu ritmo e ofereceram ajuda a Mica na escolha do nome. Mica expressou seu desejo por um nome animal, pois queria que seu filho tivesse intimidade no lido com estes. Talvez numa homenagem a seu irmão morto escolheu o nome Cordeiro. Olhou para os lados procurando entre os animais um cordeiro para pedir-lhe permissão e como não havia ali um desses foi escolhido o nome. Os animais ali concordaram, pois cada um tinha seu motivo em não dar seu nome a criança que havia desencadeado tal desordem, mesmo antes de nascer. Cordeiro de imediato começou a chorar mais alto. A criança se contraia e corava como se o estivessem torturando. Então Mica retirou-lhe o nome e tudo voltou ao normal, a criança olhava para os lados com uma feição indagativa. Não se fez consenso sobre o nome que o menino receberia e nem haveria tempo para tal, pois três homens chegaram à caverna, cada um montado em seu animal.

Mica não reconheceu nenhum deles como um de seus irmãos e perguntou-lhes de onde vinham. Os três se aproximaram e em rima e verso responderam:

 

 

 

 

O primeiro:

“Sou o rei do alto ocidente!

Venho aqui presentear a criança com ouro.

Ó mestre, que nasceu para reinar valente

Sobre toda a vida existente!”

 

Este estava montado sobre um lindo mustangue e usava roupas vermelhas e azuis.

“serás, ó Rei, o mais temido entre os homens!”

 

O segundo:

“Sou o rei do alto oriente!

Venho lhe presentear com negra especiaria,

Que a sede com a fome sacia!

Ó grão mestre, que nasceu para o que devia!”

 

Desceu de seu camelo, pôs seu turbante ao lado do garoto e ajudou o pequeno a beber o viscoso liquido negro.

“serás o mais temido entre os homens, ó Rei!”

 

O terceiro:

“Sou o rei do sul do mundo!

Venho lhe trazer minha influência.

Pois sei que de norte a sul do mundo,

Todos lhe deverão obediência!

 

Desceu de seu jegue, pegou a criança e lhe deu um beijo.

“serás entre os homens o mais temido, ó Rei!”

 

E sorrateiramente guardou o ouro debaixo de seu casaco.

Tais gloriosos reis seguiram seu caminho terminando o maior ato de reverência a um mortal já feito até aquele momento em toda história. Mica estava abismado com o destino que deus havia dado à sua criança. Uma dúvida agora pairava na mente de todos os animais, que nome haveria de ter tão grande rei? Os animais estavam ansiosos e cada um queria agora que seu nome fosse dado à criança, entusiasmados pelas previsões dos reis. Começaram a declamar.

O Cão:

“Serás Cão!

Pois sua voz soará como um rosnar assustador

À quem se atrever a atrapalhar seu destino!”

 

O Bode:

“Serás Bode!

Pois terá a sabedoria que um líder precisa para

Acabar com seus rivais!”

 

Um Morcego ali alojado:

“Serás Príncipe das Trevas!

Pois não terá medo de infligir a escuridão,

Que seus inimigos tanto temem, como um morcego faz!”

O Lobo:

“Serás Besta!

Pois terá a fúria e a impiedade que só os lobos tem!”

 

O Porco:

“Serás Sujo!

Pois assim manterá longe qualquer indesejado rival,

como fazem os porcos!”

 

Seguiram falando depois o Gato-preto, a Serpente, a Mariposa, o Dragão, o Escorpião e a Aranha. Travaram os animais uma discussão na qual decidiram chamar o menino de Mestre. Só que as conseqüências daquela noite acabaram por irritar o garoto. Após tantos nomes serem dados, a criança se contraiu em um gesto e com um lamento ainda mais alto que o primeiro amaldiçoou a todos. A terra tremeu aos pés dos homens, rachou e se dividiu em várias porções enormes de terra à deriva. Na vila, situada em uma destas porções, as pessoas sentiram uma forte dor em seus ouvidos e ao cessar do lamento já não conseguiam se entender em palavras. Cada um dos irmãos e suas famílias começaram a se desentender, suas vozes eram de um absurdo total e foi necessário que cada família fosse para um canto do mundo para que não brigassem. Levaram consigo, sua forma de falar, suas especialidades, suas crenças e cada um seu nome diferente para o ser que havia perturbado uma paz que reinava há anos. Os animais também passaram pelo mesmo processo e ao término do lamento não se entendiam mais. As vacas em vez de falar a língua dos homens mugiam, os lobos uivavam e todos tentaram desesperadamente dialogar, mas já não era possível.

Mica deitou e chorou. Sua mulher não resistiu ao parto. A criança, soluçando ao fim do lamento, foi então alçada em vôo por um abutre que a levou para longe. A terra se curou, abasteceu-se de novas vidas já abundantes e prosperou, porém nunca mais se livrou da sombra causada pelo garoto. O abutre muito velho e perspicaz criou o menino, alimentou-o e ajudou a crescer quem nós chamamos hoje por vários nomes, todos semelhantes pelo ar sombrio e pesaroso.

——————

ilustração do site. foto do telescópio hubble. nebulosa da Águia.

FARO FINO e AMNÉSIA – mini contos de raimundo rolim

 

Faro-fino

        

Acordou com uma leve impressão de que aquele dia seria diferente! Intuição pura! Farejou o ar assim que abriu os olhos. Despejou imenso, ruidoso e tamanho bocejo que fez desabar a casa em cima de tudo; e da própria boca que bocejava. Uau!!!

 

Amnésia

 

Tudo pronto! Só que o leão estava velho, quase senil e não haviam ainda se dado conta desse fato. A fidelidade da rotina a que estavam sujeitos naquele mundo de espetáculo circense não permitia especulações, nem divagações! E o “bichanão” saiu da jaula e deu umas quantas voltas pelo picadeiro. O admirável público em pé, preparava-se para algo que estava no ar. Alguns suavam frio, outros agarravam os filhos para protegê-los do que parecia não ir bem. Ao menos, ao que se supunha, o negócio havia escapado ao controle do homem que em vão gritava palavras em código e chicoteava o chão com mais e mais força, enquanto ele, o leão, se insurgia contra as ordens, fera magoada. Num salto preciso – treinado em muitos e intermináveis anos extra-selva, – conseguiu finalmente alcançar aquele que o fizera pular por todas as rodas de fogo, e mostrar as garras inúteis por centenas de cidades ao longo da carreira. Desta vez, saiu-se a exibir o amigo, seu exclusivo amo-domador, que imobilizado, suspenso e seguro pelo meio da cintura, ficara preso na enorme e poderosa mandíbula, trespassado por caninos igualmente majestosos. Saíram assim, fera e domador, desse jeito, a caminhar pelo meio da platéia. O chicote despencou-lhe bestamente da mão que sem destino, despenhou-se inerte e pálida, enganchando-se ao carrinho de pipoca do lado de fora da lona, sob olhares de quantos ainda, ingressos à mão, não acreditavam naquele “novo número” que o circo, talvez por um lapso, esquecera de anunciar: “O SAFARI DO REI DOS ANIMAIS LEVANDO A REBOQUE O SEU FIEL DOMADOR”.

 

sem crédito. ilustração do site.

COPACABANA, NUA e CRUA! (l) conto de jb vidal

todas rodoviárias são iguais, têm um cheiro característico. ruim. 
              a de Porto Alegre, cidade onde  morávamos, óbvio, não era diferente. 
              ali estava eu. eu e José Luiz, o amigo que teve a idéia de fazermos esta viagem para o Rio de Janeiro.
              mês de julho. 1966. ditadura. férias. pouco dinheiro. contamos o que tínhamos. dava para curtir uma semana. ficaríamos numa pensãozinha. uma refeição por dia e sanduíches. pronto. vamos. o nosso negócio era praia e mulheres!
                                      
              tirando o cheiro de chulés e outros, a viagem foi normal.

              chegamos às quinze horas de um sábado. um tumulto. gente  pra caralho. aquele cheiro novamente. inacreditável que houvesse um mil e quinhentos quilômetros entre uma e outra.

              como moscas tontas andamos, de um lado para outro, a fim de obter informações, em local oficial, pois não estávamos dispostos a virar presas fáceis de qualquer má intenção.
                                    
              aceitamos a indicação da moça do setor turístico e fomos para uma pensão na rua do Resende em Botafogo. diária e café da manhã compatível com nossos recursos. o local estava próximo a Copacabana, nosso objetivo permanente. praia, mulheres e cervejas. talvez não nessa ordem.

              Madalena, a dona – também de uma bela bunda – mostrou-nos o quarto e o banheiro no final do corredor. casa antiga, confortável.
              tomamos banho e rua.
              dezoito horas, e lá estávamos andando na av. Atlântica. os olhos atentos buscavam todas as mulheres. lembrei da dona da pensão.
              escolhemos, estrategicamente, uma das mesas do calçadão no Bar e Restaurante OK, junto à praça do Lido. sabia que ali, após as dezenove horas, muitas apareceriam para um chope, comer ou serem comidas. 
              “cerveja garçom!” gritou o Zé Luiz, com uma empáfia que me fez rir e pensar “afinal estamos no Rio, para o que der e vier!”
              tínhamos que ganhar as minas que topassem nos levar para a casa delas, pois Madalena havia alertado para a proibição. isto dificultava as coisas.
              “mais uma!” e as mesas lotaram.
              
              uma noite quente abraçou Copacabana e o frenesi dos carros que iam e vinham com suas luzes cintilavam nos copos e garrafas criando um ballet de sombras e brilhos destacando o anonimato das pessoas e cada qual assumia sua identidade hipnoalcoólica condição para chegar à madrugada onde só a euforia seria a companheira de Baco.
             
              retornava do banheiro quando uma jovem tesuda, com quem já havia trocado sorrisos, sedutoramente vestida, pega minha mão e diz “vem comigo”.
              levou-me para o centro da praça. encostou-me numa árvore e passou a me beijar como se estivesse apaixonada. beijava, mordia, pegava no pau, na bunda “é hoje! estou com sorte!” pensei, enquanto amassava aquelas tetinhas e chupava o pescoço com gosto de banho recente.

“voei para o bondinho do Pão de Açúcar, subi pelo cabo pé ante pé, olhei a praia do Flamengo, linda, com a orla iluminada naquela noite quente, virei-me e vi o Cristo Redentor, noturnamente maravilhoso, mas, achei que ele piscou para mim e fez um olhar de advertência, para não encara-lo, olhei rapidamente a baia da Guanabara, a vi como um escuro infinito e senti-me engolido por aquele buraco negro.”       
                                        
              “vamos voltar minha amiga pode se preocupar.” eu era um fogo só.    
             antes de sair da praça dei uns tapas no pau para amolecê-lo. “você é daqui?” perguntou, “não” “eu sabia!”.
                                         
              “viu?” “vi, e a outra? vai dar pé? elas têm onde levar a gente?” “calma! eu nem falei com ela, não deu tempo, deixa eu  tomar fôlego, uns goles e vamos pra mesa delas.”
             
               eufórico, pedi uma dose de Trigo Velho para acompanhar a cerveja, ficar mais “alto”. agora, a iniciativa era minha.

               o Rio, na minha época de garoto, era o que se chama “sonho de consumo,” as praias maravilhosas, o relevo da cidade nada monótono. Copacabana! a sedutora de todos os boêmios, onde encontrei no “Beco das Garrafas” tom Jobim, Maísa, Antonio Maria, Vinicius, Elis ….. o Rio inspirava poetas e cantadores com perucas loiras da corte, com bailes na Ilha Fiscal ao mesmo tempo em que viam negras esbeltas subindo os morros da cidade, selvagens ainda, para onde correram os escravos recém libertos. e a paixão da nobreza era aquela negra com uma lata d’água na cabeça, feliz, cantarolando sua canção africana revestida de banzo, sonhos e desejos.
                                          
              “cadê as mina Rodrigo?” perguntou o Zé Luiz. olhei em direção à mesa onde deveriam estar. ninguém. procuramos. nada.
              debaixo de acusações mútuas, buscamos o culpado pelo descuido.    
              nenhuma conclusão. óbvio.
              andamos por outros bares e boates. sem sucesso. nem elas nem outras. as que topavam queriam grana. nem pensar.
              o Zé pagou o táxi e fomos dormir desenxavidos.

              “que domingo lindo! que sol! essa mulherada pelada! Copacabana é realmente a melhor praia do mundo!” disse o Zé tentando me animar.
              sem toalha, sentado naquela areia escaldada pelo sol das treze horas, meus colhões cozinhavam. levantei e fui ao mar. nadei com raiva e voltei.
              “vamos bicho! se anime! qualé? em vez de ficarmos uma semana, serão quatro dias! tá bom!”. 
              “que habilidade! ah! se encontro aquela puta! vai devolver todo o dinheiro e vou encher de porrada! ladra, vagabunda!”.
              o resto do domingo transcorreu nesse clima, pra baixo. 
             
              a gente sofre quando as coisas não saem como planejadas, mesmo as pequenas.
                                          
              fui salvo por um porre que apareceu no inicio da noite e me jogou na madrugada.
                                           
              segunda-feira. tarde. o Zé salta da cama e tenta me acordar.     
              desiste e sai. despertei quando era noite com Madalena batendo na porta.  queria saber se estava bem ou necessitava de algo “não, obrigado”. fiquei mais puto comigo, poderia ter fingido alguma coisa ela entrava e quem sabe…
                                      
              toquei uma punheta pensando nela.
                                      
              ainda estava de pau duro e com a porra na mão, quando o Zé entra no quarto aos safanões dados por dois milicos da PM. um deles, apontando o fuzil, manda que me levante com as mãos na cabeça.
              como havia dias que não transava nem me masturbava e somando à excitação com a puta-ladra no Lido, era muita porra, que, ao levantar as mãos escorreu para os cabelos, rosto e peito.
              “porco de merda! não gosta de mulher!?” gritou, encostando o fuzil no estômago e pressionando contra a parede. doeu muito.
              o Zé, que tinha saído sem os malditos documentos, caíra numa blites para carros e pedestres na saída do túnel da av. Princesa Isabel. agora, apresentava todos, com mãos que mal podiam segurá-los. mostrei os meus. reviraram tudo. toda a casa; pois logo após os dois, entraram mais cinco. não encontraram nada que comprometesse alguém.
                                      
              me pegaram pra cristo. com os demais hóspedes encostados nas paredes do corredor e Madalena, histérica, dizendo que era amiga de um tal coronel do exército, me tiraram do quarto, nu e com as mãos na cabeça, obrigaram-me andar alguns passos “este porco não gosta de mulher! flagramos o filho da puta tocando punheta! ele é bichona!”
             
              desde que me conheço por gente, fui assim, diante de uma situação de enfrentamento primeiro surge o medo e a seguir uma raiva crescente. o cérebro, dá a impressão que incha e a mente entra num torvelinho de espiral ascendente buscando uma saída para a orgia de pensamentos, confusos, cinzas, inexatos e velozes. a razão vai pro caralho.
corri pra cima do milico “bicha é tu filho da puta!” que me esperou com uma coronhada de fuzil no estômago. estatelei-me desmaiado.  
              queriam me levar. por desacato e atentado ao pudor. todos argumentaram. Madalena pediu, implorou. foram-se.
              
              ficou claro que a dona da bela bunda interferiu, não por mim, mas para resguardar a moral da sua pensão, que certamente seria escrachada na imprensa de aluguel por abrigar subversivos políticos, razão alegada naqueles tempos para qualquer arbitrariedade. ordenou que deixasse-mos a pensão imediatamente. cumpriu-se o pensamento do bar OK “estamos no Rio para o que der e vier”.

não esperava tanto.    

                   sem crédito. ilustração do site.

O EDUCADOR e IDÉIA DE CÃO – mini contos de raimundo rolim

O educador

 

O acinte era evidente! O homem estava mesmo disposto a criar o caos. Não conseguia ouvir uma única frase inteira e já revidava em seguida. E o que era para ser pensado, temperado, medido e sopesado, postergava-se para uma possível outra ação. E gritava ele com os punhos cerrados, que a bancarrota espreitava cada movimento ali presente e que certamente, nenhum elétron se manifestaria por um descuido de inconsistência química. Que seguiria, por conseguinte, as ondulações sonoras de cada vogal pronunciada com veemência e sem objetivo real próximo; nem que fosse por alguns instantes. Consoantes, nem pensar! Estas seriam duras demais para o tenro momento. Ufa! disse o homem. A discussão teve de ser finalmente suspensa com a chegada do corpo de bombeiros, polícia, batalhão de choque e um sem número de repórteres que vieram acudir e cobrir o Primeiro Simpósio da Educação Moderna e Inteligente dos Humanos que Restavam Após o Centésimo Nono Encontro Depois da Puta Que o Pariu. Era uma sigla grande, quase portentosa. O desentendimento foi absolutamente descabido.  Foi o escambau.

 

Idéia de cão

 

O cachorro latiu três vezes e esperou que seu dono aparecesse. Faltava ao cão, o prato de comida matinal, composto de ração farta e dieteticamente equilibrada. Latiu de novo e mais uma vez. Aí achou que deveria ficar latindo, pois nada mudava no cenário. O sol já ia alto e nada. O estúpido animal bem que pensou que seu dono tivesse morrido de indigestão, por ter ele mesmo ingerido a comida que lhe preparava todos os bons e santificados dias. E foi o que aconteceu ou quase! O homem acordara muito bem disposto, além de otimamente humorado, só que com idéias caninas! Mas, faltou-lhe suco gástrico suficiente para digerir o enorme osso que, distraído, enfiara goela adentro, entalando-se. O seu melhor amigo que também estava inspirado e muito, muito famélico, veio rápido em seu encalço. Socorreu-o tomando-lhe da boca esgarçada o osso que ficara com uma ponta para fora. Meteu o focinho por debaixo das arcadas dentárias e puxou forte. Salvara a ambos de morte certa.

 

 

A VISITA DA MULHER ARANHA – de zuleika dos reis

As luzes dos prédios surpreendem-me a fuga e, enquanto mudo a marcha, tento calar os ecos da sua voz.  Transparência nas vidraças, o brilho no chão, nos móveis, nenhum objeto a esmo sobre a mesa-de-centro nem sobre os sofás, nos vasos as plantas sem qualquer folha seca. Pôster de Elis Regina, marinha, abstrato à Mondrian… retrato do Afonso longínquo, tão jovem! A ampulheta de metal, herança paterna. O anjo barroco, de valor inestimável. O computador de última geração. Os espelhos impecáveis. Concerto de Paganini. Repentino relógio marca 22h30min. Outro farol fechado. “Descubra o que sou pra você e se descobrir que não sou nada, não volte e nem me chame. Nunca mais”. Palavras de folhetim, de novela de TV, e ela falou a sério. Do carro ao lado, alguém pergunta pela rua tal. Respondo: Sou estrangeiro. Geraldo prepara o jantar, eu reencontro na estante, entre Verlaine e Rimbaud, um dos cadernos nos quais meu amigo ainda hoje exercita o anacronismo das anotações. Leio, ao acaso: “Você se lembra, eu e Rogério, você invertebrado, olhando?” Espera, esta é frase de esboço de texto meu, na tentativa de descrever a cena na casa em Ouro Preto, a cena daquela viagem há quatro anos, aquela cena atroz. Pois é, Geraldo também andou bisbilhotando manuscritos em minha velha escrivaninha… Fico olhando a frase aqui, no seu caderno, na letra irregular, assimétrica. “Você se lembra, eu e Rogério, você invertebrado, olhando?” Você, transformado em terceira pessoa do discurso. Pegajosas e quentes, as imagens escorrem pelo asfalto.

                        O vermelho do farol, do sangue, dos signos. Ela, a letra, tem por hábito deitar-se para a esquerda, para a direita, por-se de pé repentina e em todas essas posições dentro da mesma palavra. Quando o dono da letra dorme, costuma fazê-lo imóvel, por causa dos sedativos. Geometrias difíceis de decifrar, no corpo da letra, no corpo do dono da letra. Com que eficácia, amiga, nos escondemos um do outro, enquanto você afiava tanto as suas garras. Era conveniente para mim, eu sei, para você não sei porquê, nem terei coragem para descobrir.

                         Contraponto, o recanto das plantas junto à sacada, com seus brotos saindo da terra úmida. Minha rainha, nosso reinado de nadas. E sempre foi tarde, desde muito antes da Peste.

                         “Você se lembra, eu e Rogério, você invertebrado, olhando?” A frase que escrevi duas semanas após nossa volta a São Paulo, os corpos exaustos do naufrágio em Ouro Preto. Quase quatro anos: a síndrome, os vai-e-vens, as fraturas expostas, por fim a grande briga por motivo tão fútil, que se nos varreu da memória. E então, seis meses de silêncio, até sua chamada ontem à noite. Penso em nossa fidelidade incorruptível, degluto minha velha frase em seu caderno, enquanto você prepara o jantar de boas-vindas. Compreendo tudo, faço-lhe justiça. Apesar disso, nesta noite, lançarei meu ultimato.

                        O pensamento e a rua correm, simultâneos. Invertebrado. Bom ser inseto, perder todo o peso de homem.  Impossível recuperar qualquer sentido nos rabiscos palavras a esmo brancos no papel, antecedendo e seguindo-se à frase surrupiada do meu esboço, atitude nem um pouco peculiar, que Geraldo tem por norma, ao contrário do que faz com a própria vida, passar suas páginas a limpo e em duas versões, pelo menos. Por que voltei aqui? Seis meses… um caso a mais na bagagem… e a magia de estar neste apartamento me invade, como antes, como sempre. Da cozinha vem um cheiro de massa folhada. Torta de maçã?

                        O inseto olha, chegou à Paulista. Brigadeiro Luis Antonio. Gazeta, Gazetão, Gazetinha, nomes de cinemas evocando fugas das aulas, USP, Bardugo, Rei das Batidas, ruas dos anos setenta.   Lembra, Geraldo, das infindáveis rodas-de-samba? Certa vez, um amigo nosso vindo de Recife, queria conhecer um bar tranqüilo. Naquela noite, houve briga de garrafadas no Bardugo e todos se escondendo por debaixo das mesas. No Rei das Batidas fazíamos barulho além da conta, os vizinhos reclamavam, a polícia prendia nossos documentos até de manhã – o País, ainda na ditadura militar, já ultrapassara o estágio mais terrível e os tempos de agora, da Peste, ninguém seria capaz de antever naquele mundo cercado de generais onde, na contramão, os corpos – salvo o seu, no meu – se amavam livremente e as mentes se alimentavam só de sonhos utópicos.  

                        Não consigo permanecer inseto, embora o queira tanto. O dia em que eu quis ser uma vaca…. Por baixo das palavras eu sempre me quis só mulher, sua fêmea. Uma vaca, pastando pacífica, compreendendo tudo com enormes olhos sem história.

                         Cena patética: nós na Avenida Rio Branco (ainda não havia Sambódromo) vendo o desfile das Escolas e discutindo Metafísica. Prateados, azuis, amarelos, vermelhos, dourados, infinitas nuances e timbres, o som da bateria avassalando o mundo e nós, discutindo Metafísica. Levaria ainda muitos anos para viver na pele a plena pungência dessas perdas, dessa Dor. “Quer um aperitivo? Tenho um Porto muito bom”.

                        Rogério e eu, e eu gozando e carpindo você, morto ali, só olhos. Se as lembranças dela parassem de verter sangue na minha cabeça… Dentro, meu ser cindido; fora, você ardendo todo pelo macho imerso em mim até o cabo, mas também ardendo por mim, encharcada desde os ossos. Entre nós três e os esconderijos em São Paulo, a serra, a chuva, as barreiras caindo. Impossível estrada, fuga impossível. Ilhados nas noites sem saída, eu o observava no sono imóvel, com medo de não vê-lo acordar na manhã seguinte.

                        Rua da Consolação. Desde aquela viagem sem ménage à trois, que outro abraço tira seu peso de mim, amiga?  Quem somos, Geraldo? Nada, senão dois blocos de incerteza politicamente desconjuntados. Nada, senão dois prisioneiros de uma ética em quase completo ostracismo. Anacrônicos, por certo; melhores, por acaso? Apenas mendigos, vivendo de esmolas recebidas das Lembranças, incapazes de pertencer, efetivamente, a quaisquer clubes que nos aceitem como sócios.  Não sei como a vi, nem como a vejo agora. Sei apenas que passamos a vida a encenar uma comédia estúpida, sem sangue nem ossos.               

                        Consolação, consolação. O cemitério lembra Lúcio, o habitante mais recente. No entanto, Afonso ainda está vivo, me disseram. Afonso, que se exilou para me proteger, que fugiu para se poupar dos meus sacrifícios, da minha piedade. “O Porto é bom mesmo”. Por Afonso talvez você se veja obrigado a continuar, mesmo à distância. Não por mim, sei que nunca por mim. Deixa-me, Dor, esvaziar este cálice, saborear até o derradeiro grão a paz por um fio do jantar quase pronto.

                        Quatro horas e a duas quadras do edifício onde moro e de onde fugi quando você partiu. Como um suicida, fugi de você para a face escura de Romeu. Romeu, instrumento de uma corda só: Lúcio. O apartamento ainda menor, como se tivesse encolhido junto com o dono.  Os sentimentos também podem encolher aos poucos até sumirem, Geraldo, ou se transformarem em mera curiosidade sobre o destino do antigo amor. Quem sabe eu ainda chegue lá, talvez tenha, com sorte, pelo menos outro tanto de vida para tal esquecimento. Quem sabe outro alguém… alguma espécie de milagre…Você passa, enrolado na toalha. Daqui a pouco sairá do quarto com aquela camisa de que eu gosto, seu perfume, sua virilidade ambígua a seduzir, quase em perfeita inocência, homens e mulheres ao alcance dos olhos, dos dedos… a seduzir principalmente a mim, a mim, a interdita, a interditada.

                        Pergunto pelos quadros, livros, discos… Tudo foi doado, Romeu não sobreviveria às lembranças visíveis. Fico olhando, mínimo. André chega em seguida e fala…fala…da viagem a Nova Iorque, dos becos sempre cheios apesar de tudo, dos amigos comuns, dos novos – “Que negro lindo, toca um sax!”- de Sinésio, e de Lúcio.Romeu foge para o quarto. O incontinente André insiste em ouvir Tom Waits enquanto esvazia a última garrafa do Chivas. Ao sairmos, me arrasta para o bar mais próximo. Continuo com a água mineral, completamente bêbado. Ele comenta: “Você está estranho…” Tenta fechar o cerco. Fujo por uma fresta, meu primeiro teste vitorioso como inseto.

                        Estaciono junto ao meio-fio, com a precisão que jamais tive e a lucidez dos que vão morrer. Luto, consigo escapar dos meus escombros.

                        Saio do carro. Diante da porta, a chave estranha a fechadura. Vida, hall inacessível e uma mesma mulher, satélite inimigo, girando há milênios. Desde quando estou parado em frente a este prédio, com a chave na mão inútil? Ou seria o contrário?

                        Daqui a dez dias começa 1988. A toalha imaculada, a baixela e os talheres de prata, as taças de cristal, o pão e o vinho, a mesa posta, castiçal, velas, flores: cenário perfeito para a comemoração das bodas. Éramos jovens dançando na praça, dançando na praça… como na canção do Chico Buarque.

                        O elevador desce em silêncio. Geraldo me leva para casa. Na despedida, lanço-lhe o ultimato, quem sabe desafio. Qual de nós dois a presa? Quem tece a teia na nossa parede branca?

 

arrumação e foto de jb vidal. Museu Oscar Niemayer. ilustração do site.

SEM PROBLEMAS e ESTÁ LÁ? ou NÃO? – mini contos de raimundo rolim

                                                  

Sem problemas

 

A cirurgia estava marcada para os próximos quinze minutos. O paciente já devidamente tricotomizado, assepsiado e ferrado no sono, induzido pela anestesia e claro, não tinha pressa, oras! A equipe preparara-se valentemente. O cirurgião chefe consultou o tipo de incisão que seria feita, deu algumas ordens com a cabeça e movimentos de mãos. Luzes acesas, câmera e muita ação. Rolando o take um: Bisturi em posição de ataque, ali, a milímetros, lambendo a porção de pele do campo operatório. Take dois: Chega alguém esbaforido, na carreira, sem fôlego, também vestido com jaleco branco. Antes de conseguir falar, comunica-se rápido por gestos e idiossincrasias. Perfeito! Param tudo de imediato! O cirurgião chefe, braço suspenso no ar, acabara de ouvir que o paciente era um outro e que este já se encontrava em processo de adiantada e completa irritação, apresentando um quadro de impaciência generalizada pela demora com os serviços de implante. Pois tinha, este outro paciente, o grande e profundo desejo de estrear logo o novo cérebro, que seria trocado pelo velho cansado e antigo de simples homo sapiens. Este tipo de cirurgia era uma nova e diferenciada opção dos serviços médicos gerais, oferecido por uma companhia de seguros recém criada e que apostava no ramo de revolucionárias concepções contemporâneas, seguindo tendências modernas de mercado e moda, para que cada um fosse segundo à sua vontade e experimentasse ser outra coisa totalmente diferente, ainda em gozo de saúde e vida. O volume inquietante e inesperado de adeptos fazia acumular ganhos das ações nas Bolsas desta companhia e nisso tão alto apostara todas as suas fichas. A lista de espera era grande, o que causava tamanha impaciência do segurado na outra sala, que não via a hora de estrear o seu novíssimo cérebro de galinha D’Angola. É que ele apreciava aquele canto onomatopaico intermitente “Tô fraco, Tô fraco” que esse tipo de galinha emite. Aquel’outro ali, sobre a mesa, morgadão, era tão somente check up de rotina para conferência do número de penas vermelhas e a detecção se, por acaso, realmente haviam crescido as novíssimas penugens brancas prometidas em recentíssimo processo de um outro implante do pato do Alaska. Incrível ! – pensou o cirurgião. Incrível… respondeu o paciente pato do Alaska, com voz de pato mesmo e já captando pensamentos !!!

 

 

    

Está lá? Ou não?

 

Sim… Não… Ah… Mas por favor, entreguem e que desta vez não haja engano. E por favor, sejam prestos. Rápidos. Obrigado.

– Entendido?

– Sim e imediatamente!

– Sim, no endereço já mencionado.

– Sim!

– Agradecemos e aguardamos a entrega da remessa com urgência.

– Obrigado!

Desligou o telefone e ficou a pasmaceira no ar. Mas será que o bom homem havia entendido direito desta vez? Já era a quarta ou quinta sessão de ligar e dizer a mesma coisa. Passou-se mais de hora para uma coisinha tão simples, que não demoraria mais que uns dez ou quinze minutinhos. Na dúvida, levantou novamente o fone do gancho e chamou. Na outra ponta da linha, a mesma voz que atendera das vezes anteriores, com jovialidade e calma e muita presteza, dizia então, não se lembrar dos mesmos quatro pedidos feitos anteriormente e há apenas algum tempinho atrás. Desta vez, a voz sugeriu ao cliente, que não saísse de perto do telefone, para que, se eventualmente houvesse qualquer mal entendido, era só chamar no mesmo número que a pizza não demoraria nada. E desligou. 

 

 

 

 

 

                     painel de poty lazzarotto no largo da ordem. Curitiba. ilustração do site. foto sem crédito.

MARIA REGINA conto de maria belmoral

Quando se deu conta já passava das seis e a noite chegava com certa pressa.

Primeiro abotoou a blusa porque julgava ser a peça mais difícil de vestir. Depois as meias, a saia, os sapatos. Passou os dedos entre os cabelos e retocou o batom para não deixar tão nítida a impressão de que acabara de sair de uma tarde inteira dedicada aos desejos de um homem.

Respirou fundo, olhou para ele ainda deitado nu na cama, chamou o elevador e foi embora sem acordá-lo.

Os insistentes faróis vermelhos não colaboraram, entrou em casa aflita com noite feita e os filhos se queixando de fome.

Macarrão é o que há de mais rápido, porém o mais novo é alérgico, lamentou. Queria ser ágil, pensar rápido, mas o corpo ainda estava deliciosamente bambo. Enquanto cozinho o macarrão, frito o frango, vai dar tempo, calculou ao mesmo tempo em que se lembrou de que estava sem calcinha. Gostava de chegar assim aos encontros, mas sempre levava uma na bolsa para não entrar em casa desprevenida. Tal cuidado falhou naquela noite.

Mesa posta e o corpo ainda bambo, cheirando a sexo, viu o marido abrir a porta e beijar as crianças.

– Boa noite, meu anjo, como foi seu dia? – beijou-lhe os
lábios e jogou a pasta no sofá.
– Tranqüilo, o de sempre, você sabe…
– Você está bonita!
– Você acha?
– Acho sim, seu cabelo, talvez… Fez alguma coisa diferente?
– Aparei as pontas. – Mentiu desconcertada.
– Vou tomar uma chuveirada, vem comigo?
– As crianças estão famintas, vai você enquanto sirvo o jantar
a elas, depois poderemos comer sossegados.

O marido concordou e lhe beijou outra vez passando a mão pelo seu quadril indiscreto.

Com medo que ele notasse a ausência da calcinha ela puxou-lhe bruscamente a mão e emendou:
– Vai para o banho, querido, não demora que também eu
tenho fome.

Correu para a lavanderia e vestiu a calcinha que secava no
varal.

Os filhos comeram e foram dormir não sem antes reclamarem que a mãe faltara na reunião de pais naquela tarde.

Mais calma encheu um copo de vodka e gelo, sentou no sofá e observou o marido que voltava do banho vestindo bermuda. Já era tarde, iam jantar, mas o telefone estranhamente tocou.

foto sem crédito. ilustração do site.

O CHEQUE A DESCONTAR conto de lázaro parellada

Corria 1955… A terrível geada havia empobrecido todo o Norte do Paraná.

 

 

 

Cumprindo as determinações de meu pai, que havia viajado uns dias antes, fui buscar naquele sábado de manhã o cheque prometido. Era o correspondente à segunda das parcelas estabelecidas para o pagamento dos serviços topográficos que ele fora executar.

 

_________________

 

Tratava-se, como de costume aliás, da demarcação de lotes para derrubada do “mato” dos terrenos compromissados pelos “jacus”. Pois que assim se apelidava aos colonos simples que os adquiriam. Estes eram em larga maioria interioranos paulistas e mineiros. Ou seja, os animados compradores daquelas paragens que lhes tinham sido mostradas pelos falazes “picaretas” que pululavam pelo centro de Londrina. Estes “lotes” se representavam em planta riscada sobre um papel insistentemente propalado como documento valioso, no qual esses típicos intermediários esfregavam hábeis seu dedo indicador com determinação, e repetidas vezes, apontando para um certo local ali desenhado. Tal “planta” costumava ser uma desgastada cópia heliográfica, em azul, do original de um loteamento de terras que ainda estavam sendo levantadas. E aonde algumas poucas linhas reproduziam com reduzida fidelidade os cursos d’água lá existentes, assim como a projetada disposição de suas divisas e das futuras estradas para seu acesso. Igualmente, sem maior apuro, dava-se sua situação, em um mapa quase sempre limitado ao norte do Paraná e sul de São Paulo, assim como assinalava-se um Norte. Era oportuno inserir-se uma condição ‘afirmativa’ de comunicação rodoviária através dos novos vilarejos que iam surgindo; com ênfase àqueles já incorporados ao folclore pioneiro como os mais recentes eldorados. Fazia também parte dessa rotina cartográfica o não representar-se o relevo local, fato até meio proposital em muitos casos. Qualquer indicação de “posseiros”, isto é moradores estabelecidos anteriormente, ou das muitas benfeitorias encontradas pelos agrimensores, evidentemente, não se repassavam aos desenhos apesar de anotadas nas cadernetas do levantamento. E muito menos aos pretensos compradores. Ao contrário, se lhes dizia que as terras continuavam virgens, que se encontravam “limpas” (livres de ‘invasores’), que tinham escrituras “quentes”, que não existia nenhum tipo de pendência documental… Enfim, aquelas coisas todas que eles, compradores, mais queriam ouvir.

 

Creio na verdade, que aos olhos deles a planta se lhes mostrava como que amontoados de traços parecendo pencas de retalhos. Era este desenho composto de superfícies anexas e mormente trapezoidais, que preenchiam completamente o perímetro d’uma “Gleba Tal” ou de outra “Colônia Qual”. Os lotes se projetavam compridos, geralmente mais largos em cima, lá onde se abriria o carreador que escoaria a copiosa produção futura. Para tanto, acompanhando os espigões, traçava-se a linha dupla significativa de uma estradinha de acesso. Já na parte mais baixa indicava-se uma tortuosa corrente de água. Estes lotes de terras assim formatados se numeravam em seqüência e suas áreas, calculadas planimetricamente, anotavam-se dentro deles. Raras vezes em hectares, mas sempre, sempre em alqueires. Alqueires dos de 24.200 m2, dos mais conhecidos como ‘paulistas’. Quanto à qualidade das terras: se dava garantia total, se repetia insistentemente sua fertilidade, se afirmava ser um contínuo palmital, as mais apropriadas para plantar-se café, onde nunca se ouvira falar de geadas, e outros etcéteras de coisas e loisas entre ingênuas e maliciosas.

 

___________________

 

O ‘desbravador’, representante do proprietário morador no interior de São Paulo, era o ‘seu’ Afrânio. Este senhor, já com certa idade, quem sabe alcançando os sessenta e tantos anos, tinha aquela maneira de vida que a partir de então passei a caracterizar como “bandeirante”. Isto consistia na prática de um tipo de domínio sistemático, digamos ‘páter-familiar’, bem à velha moda colonial; imperante sobre a mulher e os filhos – mesmo que alguns já fossem casados e pais. E que fazia questão de constantemente reiterar, indiferente à presença dos outros, inclusive de nós (meu pai e eu). Incluía este formato de vivência: o passar o tempo papeando na varanda, que à frente da ampla casa de madeira lhe servia durante o dia de balcão de negócios, e à tardinha para desfrutar da leve brisa que a entrada da noite trazia. Assim, entremeando a mansa conversa em que a família e os lá chegados punham seus assuntos em ordem, se evitava um pouco daquele calor abafado que o intenso sol tropical acumulava ao longo da sua jornada pelos cômodos lá dentro.

 

O alpendre, abalaustrado, ficava recuado de uns quatro metros do avermelhado muro baixo de tijolos que fazia a divisa fronteira da propriedade, e como estava posicionado em torno de um metro acima do nível da calçada, lhe permitia verificar sobranceiro quem se aproximava, e o que se passava pela rua. As raras vezes que não se encontrava lá, o era por suas precisões fisiológicas, inclusive as de comer e dormir, ou nas ocasionais viagens necessárias ao trato dos negócios. E, é claro, nas escapadas que duas vezes por dia, uma durante a manhã e a outra pelo meio da tarde dava até o Café Líder, famoso ponto londrinense de encontro dos “colonizadores” e congêneres, e distante dali menos de quatrocentos metros.

 

– “Ó pai! É o Lázaro, o filho do seu Luis.”

 

Em me vendo chegar, alertado pelos familiares que constantemente lhe faziam guarda e companhia, e que, reitero, o tratavam com verdadeiro afeto patriarcal – desvelo este tão nítido que me impressionava toda vez que lá comparecia – me convidou a entrar:

 

– “Chega! Chega, Lázaro! Entra aqui…”

 

Várias outras vozes se agregaram e também me mandaram passar com as palavras de boas vindas costumeiras. Saudando subi os poucos degraus. Ato contínuo, após alguns comentários que pretendiam ser gentis, levantou-se e, convidando-me, nos dirigimos para a sala contígua, local da casa também utilizado como escritório. Lá ele guardava seus documentos, e nas paredes, pregadas ou emolduradas em quadros, as plantas dos diversos loteamentos por ele representados. Também se viam aderidas com fita colante diversas fotografias referentes à ‘conquista épica da floresta’. Ou seja as conhecidas variantes sobre o tema fundamental: pessoas versus selva. Umas calçadas de botas e de facões nos cintos, pequenas em baixo de árvores colossais. Outras portando minúsculas ferramentas nas mãos, e que se postavam encarando, enfrentando como que desafiando a mata imensa ao fundo. Enfim, algumas em cima de gigantescos troncos caídos. Duas ou três mostravam um grande trator derrubando árvores enormes, e com homens nele empoleirados brandindo facões, foices ou machados. Em outra, dois peões pareciam desafiar-se agarrados aos extremos do traçador enquanto olhavam para a câmera. E, em quase todas elas, o destaque recorrente para uma figura central, a dele mesmo.

 

Procurou entre seus muitos talões de cheque aquele do banco que lhe pareceu como o mais conveniente, e sentando-se à mesa pegou uma daquelas douradas canetas-tinteiro de marca famosa – tão renomada que me obrigou a dissimular um suspiro de admiração invejosa – e o preencheu cuidadosamente no valor estipulado com meu pai, e que antes confirmara comigo. E cuidando de mantê-lo ao portador, escreveu a data da segunda-feira seguinte àquele fim de semana, e o assinou. Em seguida, abanando-o para que a tinta secasse, me o repassou sem pedir recibo, mas anotando num caderno a quantia e o interessado. Eu o peguei e, a seu pedido, o conferi. Em seguida, enquanto agradecia respeitosamente, o dobrei e o guardei no bolso da camisa. Cuidadosamente dissimulado atrás da minha carteirinha vermelha de estudante!

 

Ao entregá-lo e notar minha mal contida satisfação, creio que fez questão de esboçar um sorriso condescendente, pois ele bem que sabia da triste situação financeira por que passávamos. Sem aquele dinheiro não teríamos, talvez, como agüentar decentemente mais uma semana. Devíamos de três para quatro meses de aluguel, se comíamos era por que o compreensivo japonês da mercearia da esquina nos fiava há mais de dois meses, desde os sólidos até os líquidos. Eu mesmo, que estudava no único colégio particular de Londrina que me aceitara sob condições, visto que o estabelecimento público se negara a matricular-me alegando como razão, a de ser minha documentação didática estrangeira, já havia sido chamado à Secretaria por diversas vezes para acertar os pagamentos atrasados em vários meses. Coisa que assim constrangido prometera, mas que não tivera como atender.

 

Voltei realizado ao nosso ‘escritório’, um par de salas que meu pai acertara dividir com um engenheiro civil, e onde meu trabalho no atender ao seu expediente fazia as vezes de nossa parte nas despesas. E logo depois, quando deram as doze no relógio da Matriz, fui para casa, encerrando meus trabalhos daquele dia. Meu caminho ziguezagueava pelo centro de Londrina. Começava quase na Avenida Paraná, descia a Rua São Paulo, dobrando à esquerda, seguia pela Sergipe para virar na Pernambuco (atualmente Guaporé), lugar mais apropriado para atravessar a linha férrea, e mais à frente alcançava a Belém, onde morávamos. Caminhando rápido, a todo instante apalpava o bolso para certificar-me mais uma vez da solidez do tesouro que carregava. Ia já prevendo a satisfação da minha mãe. Até antecipava a alegria dela quando visse o cheque. Ela o pegaria, o desdobraria, o conferiria, o leria uma e outra vez… E com certeza reafirmaria que finalmente nosso pai havia conseguido um cliente sério. Que cumpria o prometido! Um que não apenas nos pagava, mas que até o fazia em dia. Certamente um “homem de compromisso”. Uma pessoa admirável na Londrina daqueles tempos pós-geada de 1.955.

 

Na manhã seguinte, um domingo ensolarado, ao sair da missa do meio-dia, ouvimos a notícia incrível e assustadora. Seu Afrânio havia falecido naquela madrugada! Sem mais, assim de repente! E agora? No desespero das nossas precárias condições começamos a imaginar as hipóteses mais absurdas. Valeria o cheque? Ainda restaria valor a um documento emitido por uma pessoa morta? Toda a cidade o conhecia! A comunidade imobiliária o tinha como um dos seus homens mais representativos… E até lá, amanhã, todo mundo o saberia defunto!

 

“Meu Deus… – suspirava minha mãe – Como faremos se não recebermos este dinheiro?”

 

E intranqüilos, passamos o restante do dia conjeturando os piores presságios. E assim entre as ondas insistentes e crescentes das nossas dúvidas em alta, e as marolas das certezas em baixa pronunciada, decidimos que eu, como de costume, sairia para trabalhar, aguardaria a hora do banco abrir e na primeira ocasião possível lá compareceria. E calado, de boca fechada, apresentaria o cheque para desconto. Enquanto isso minha mãe, devidamente acompanhada da minha irmã, compareceria ao velório levando nossos sentidos pêsames à convalida família. E de qualquer modo que as coisas corressem nos reuniríamos, conforme o horário, ou no velório na casa do finado, ou no séquito do féretro do falecido, ou no seu enterro lá no cemitério. E foi o que eu fiz. E o que de ansiedade até o caixa finalmente gritar o meu número. Aí, me adiantei, ele olhou indiferente para mim, pegou a ficha de metal prateado que lhe apresentei, a recolheu, a conferiu, leu o valor do cheque… E sem qualquer comentário foi cuidadosamente catando e ajuntando as notas, as arrumou e contou novamente. Encarando-me as dobrou e reuniu com um elástico. Repassou-me o dinheiro por baixo da emoldurada grade de latão, empurrando-o e colocando-o ao alcance da minha mão. E eu tão nervoso quanto satisfeito, sem afastar-me do guichê, retirei o cordão de borracha a fim de conferir a quantia entregue, e como estava em ordem, exata, enquanto o recolocava, agradeci. Depois me afastei deixando-lhe um alegre cumprimento de despedida.

 

E me dirigi lépido para o cemitério, local mais que certo do encontro a estas alturas. Radiante pelo sucesso, mas um tanto receoso pela ‘dinheirama’, que firmemente segura em minha mão, avultava o bolso direito de minha calça.

dança flamenca. foto de ricardo silva.

O BURGOMESTRE e TESOUROS AO MAR – dois mini contos de raimundo rolim

O Burgomestre

 

Sentado à mesa, o prefeito era um tipo de coronel forjado nas mais renhidas intransigências. O pároco local pouco ou quase nada conseguia com o mesmo, ainda que vez por outra o ameaçasse com o inferno, a caldeirinha, o purgatório e afins. Em suma: para o prefeito, o pároco correspondia à sua divina tortura aqui na terra. Amiúde, este invocava e demitia o demônio e com ele não tinha esse negócio de pedir licença. E pra não perder o costume, chapéu na mão, atiçava o coronel-prefeito para que doasse algum, pois o mesmo já havia passado por vários mandatos e gestões políticas mal explicadas e nada da igrejinha ficar pronta. O prefeito-coronel, olhos semicerrados, sonolento, mãos enfiadas por dentro das calças, barriga volumosíssima de cachaça e arrumadinhos e buchadas de bode, solicitara veemente à sua ajudante que trouxesse água gelada pra ele e o padre – (era o tempo de que precisava pra dar uma pensadinha) -. O calor era grande e o tempo abafado pra chover. A mocinha, hum, que o coronel empregava para pequenos servicinhos, hum, (de bundinha arrebitada e sainha curta), ficava naquelas andanças pra lá e pra cá pelos cômodos da casa do senhor coronel-prefeito e acabava por arrastar também os olhos do padre que se remexia na cadeira sentindo certo tipo de desconforto interior. Aquele ir e vir da serviçalzinha interrompia a todo o momento o lascado do coronel que esquecia daquele negócio que tava conversando com o diabo do padre e pra compensar, soltava esses grunhidinhos, esses ‘huns’! E a mocinha que era prima de um conhecido que devia favores ao prefeito-coronel – e esse cabra devedor de favores, tinha lá uma encrenca antiga de pistolagens -. Boato, muito boato, pois a coisa iria muito longe se começassem a investigar. Então, como paga, arrumou essa prima pra dar uma mãozinha nas coisinhas que o coronel precisasse. E pra mal dos pecados, nesse ir e vir, a dondoquinha do coronel deu uma escorregadela e quase caiu quando a saia justa e curta demais lhe subiu até as ancas e a calcinha de algodão alva e cavadinha que devia estar ali, encaixadinha, não apareceu. O padre ficou vermelho e o prefeito pigarreou grosso e curto que era pra mostrar autoridade também, ainda que excomungado fosse. Aproveitando-se da oportunidade, o padre esbravejou ameaçador que se não saísse a verba desta vez, relataria ao povo na missa do domingo, tim tim por tim tim, o que andava acontecendo na sala de sua excelência. O prefeito levantou-se de um salto, talão de cheques na mão. E tascou feio: – Não meu padim, meu padroeiro, diga nada não! Vou erguer esse diabo de capela já. E numa última tentativa de demover o padre das suas intenções, confidenciou-lhe que faria também uma capela na sede da prefeitura, e que ele, o padre, fosse lá confessá-lo, pois não poderia perder tempo indo à missa, já que tinha sempre muito trabalho a fazer, muito trabalho. Aquelas obras contra a seca eram intermináveis e tomava-lhe todo o tempo disponível e era por isso que precisava da ajudazinha daquela mocinha ali, nos servicinhos de uma aguinha aqui, outra coisinha ali e tal, e por fim deixou escapar sonoro “hum” absolutamente cheio de excitação ! O padre fechou os olhos, fez o sinal da cruz, espargiu uma água benta imaginária no recinto, disse algumas palavras em latim e mostrou ao coronel com o dedo indicador em riste, o exato lugar que correspondia geograficamente onde ficava a igrejinha. E saiu rezando uma Salve Rainha, Mãe de Misericórdia.  

 

               

 

                Tesouros ao mar

 

Os piratas estavam prontos e ávidos para atacar e saquear. Canhões apontados de miras certeiras para a caravela que lhes aparecera na linha do horizonte, por detrás de ondas bravias e que achava-se carregada de ouro e comida e mulheres pegas à força, que seriam levadas como suvenir das terras novas à presença de El Rei. O capitão dos piratas, o Bucaneiro-Mór, cabelos revoltos, olhos vermelhos de rum, ousadia e água salgada, estava entregue à faina da ambição, e o mar não lhe dera tréguas por muitas noites e dias. A tormenta desdenhava o pequeno batel de bandeira negra encimada por uma caveira e o impelia irremediável de encontro ao mar alto e encapelado. Os piratas (que não se sabe o porquê, eram lusitanos), empunharam com a ferocidade dos bravos as suas espadas e o mar se agitou ainda mais, muito mais que na antevéspera, pois sabia muito bem, o mar, que iria conhecer a um dos saques mais bem feitos e espetaculares de que se teria notícias. A um sinal do capitão, o canhão deu o primeiro tiro de advertência para que a caravela que lhe vinha a estibordo com brancas velas enfunadas e cruzes e credos, lançasse âncoras e se rendesse incondicionalmente. Os bravos da outra caravela (que também eram lusitanos – senão provavelmente seria um Galeão) ungiam-se de mesmo e igual afã para a peleja, já que havia um grande prêmio instituído pela Coroa para quem levasse piratas vivos e mortos. Os de bandeira negra desconheciam o tal decreto, pois que há muito andavam a navegar, pois que navegar era mais preciso que estar ao mar e trataram logo de dar um segundo tiro, sem caprichar tanto na pontaria. Contou-se depois – não se tem certeza -, de que havia muito, muito, muito rum a bordo e acertaram adequadamente com esta feita o grande mastro da caravela que balançou feio e fez um pouco de água. Isto feito, obrigou aos da caravela de cruzes e credos, a responder imediatamente com igual e certeiro canhonaço. Bem no meio do batel, que jogou horrivelmente e fez despencar a bandeira encimada com a caveira negra, que até então, tremulara livre pelos muitos e corsários oceanos. Ambos somaram-se às águas e ao fundo ao mesmo tempo -, sem que daquela vez, Coroa ou bucaneiros obtivessem lucros. Debitou-se mais tarde a esta pequena tragédia, como perdas normais e adquiridas ao excesso de zelo na hora dos tirambaços, aos que se sujeitam aos pequenos deslizes, estando a tomar muito rum e a navegar. Pois!

 

 

de josé luis mendes

VERDE-ROSA e AJUSTE DE CONTAS – mini contos de raimundo rolim

Verde-rosa

 

 

O dia amanhecera verde. Nuvens verdes, sol verde, montanha verde. Bichos e flores e rios. Tudo verde. A bem de se restabelecer a verdade, o verde era degrade, porém verde! Pássaros, frutos, crianças; verdes! O cheiro do ar era cheiro de cheiro-verde e a chuva que por incrível que pareça caíra farta no meio da tarde, era verde água verde. O ar cheirava a clorofila verdadeiramente verde. A borboleta de asas verdes pousou na flor de pólen verde e alçou vôo num vento verde. Uma vaca igualmente verde comia alfafa verde, que fora colhida ainda há pouco. O capataz verde carregava um balde verde e fumava um cigarro de palha verde, cuja fumaça verde se misturava às outras cores verdes, que condiziam plenamente com seus dentes e sorriso verdes. O bezerro mamava na teta verde da vaca-mãe, cujo leite verde alimentava o filhote. E o seu cocozinho de bezerro verde era igual a tudo que verde era. O telhado verde da casa grande e verde era de um verde musgo, em cujo cume os ninhos verdes das pombas esverdeadas estavam repletos de ovinhos verdinhos, à espera que alguns biquinhos também verdes, começassem de dentro pra fora a conhecer a vida que ali rolava verde. O carro verde do fazendeiro deu a partida e expeliu monóxido de verde carbono e o motor roncou um ronco verde de muitos cavalos de força de um verde forte e robusto. O homem deu uma marcha à ré esverdeada, e os pneus verdes deslizaram pelo barro de igual teor e cor, arrancando do chão a poeira verdíssima que cobriu a estrada verde que se confundia com o mato verde rente a cerca de madeira nova, de onde floresciam brotos tenros e verdinhos, cujas cabras verdes roíam num vai e vem silencioso de bocas verdes. O dia seguinte amanheceu absolutamente róseo. E alguém fazia um samba!

 

Ajuste de contas

 

O bandoleiro: Apeou-se. Ajeitou o chapéu. Consultou no coldre o colt quarenta e cinco. Cuspiu nas mãos. Esfregou-as pelo rosto para aguçar os sentidos, pois o barulho iria começar. O xerife: Sentado à soleira do seu escritório-prisão, com a lâmina do canivete, limpava as unhas da lama e pólvora frescas que se acumularam nas ranhuras, enquanto sua espora fazia um barulho danado no assoalho semi-estragado de madeira cheia de frestas pelas quais se podiam ver restos de antigos resíduos e cartuchos vazios de balas já utilizadas em muitos confrontos com assaltantes de banco e ladrões de cavalo que por lá eram tidos como parte da rotina. O ajudante do xerife: Uma estrela rude e frouxamente pregada ao colete, fumava um eterno e torto charuto que vivia apagado, enquanto revirava os olhos num silêncio reprovador; pois a mosca que o atormentava há dias era daquelas que quando achava um sossegadão não o largava enquanto não desvendasse toda a paciência que a suposta vítima teria. Do seu canto e à espreita, o bandoleiro consultava cada movimento que antecederia o grande confronto. Seria a sua experiência posta em prática de muitos e muitos anos de duelos espetaculares e ousadas fugas das prisões por roubo de gado (quando por mais de vinte vezes escapara de ser enforcado na árvore mais próxima). Com muito cuidado verificou quantas balas tinha ainda no cinturão. Olhou sem fazer alarde o tambor do velho Drug (como ele chamava a sua máquina mortífera de cuspir fogo) e contou quantos tiros poderia dar antes que o pegassem se é que o pegariam desta vez. Aquele xerife lhe devia o andar coxo e a cicatriz indelével na perna que nunca mais ficara boa depois do assalto desafortunado quando o trem não parou e ainda arrastou vários de seus amigos desta para a outra. Isto se deu do outro lado da fronteira. Sabia das qualidades do homem da lei. O quanto o mesmo era sagaz. Que sua fama ia muito além do território do penúltimo Moicano. Lembrou-se com certa raiva pelos muitos colegas de trabalho que perdera nos últimos dez anos de esforço e dureza. O rosto de cada um, seus nomes, suas gargalhadas gostosas, de quando se saíam bem das refregas que eles próprios armavam e buscavam com extrema freqüência. Como o Jeff, o rapazola que vivia a perseguir mocinhas desamparadas, além das órfãs e viúvas. Mas no fundo, um bom rapaz. Até tímido lhe parecia e de como o encontrara junto à cerca que cortava o riacho do rancho dos Greg. Milhares de formigas dentro de sua boca grande e descarnada. Fez uma cara brava por Tilt, seu outro amigo de pistolagens e que caíra varado de balas, – todas pelas costas -, quando fugiam de uma emboscada onde dois ou três escaparam com vida, dos doze que se propuseram a ir a semelhante empreitada. Enquanto rodava o tambor do velho Drug, lembrou-se de mais um dos amigos de infortúnio, o Frank. Este lhe confiara uma carta mal escrita, com três ou quatro linhas, para que fosse entregue àquela moça ruiva que trabalhava num saloon, pois a mesma lhe prometera que se ele saísse daquela vida alucinada lhe daria três filhotes: um menino e duas meninas; que alegraria o resto de seus dias e que morariam numa cabana nas montanhas que ele, Frank, prometeu de pés juntos, construir com as suas próprias mãos. A este último detalhe, seu sangue, que nunca repousava lá muito tranqüilo, ferveu pelo instante em que a memória guiou-lhe até outro rosto, o do Bastard, a quem devotava grande amizade, por já tê-lo tirado de grandes enrascadas, como no desastrado assalto à diligência, (que ao invés de dinheiro, levava pequeno e eficiente contingente de soldados que enfrentariam os Apaches em memorável e histórica refrega) e não fosse por este amigo, (que este mesmo xerife – agora sob sua mira – arrastara sem piedade pela cidade, amarrado na cela do próprio cavalo que em pleno galope, acertara-lhe coice certeiro na cabeça, causando-lhe morte humilhante…) Bem, então eram horas de acertar todas as velhas contas. Pensou finalmente em Derby, o homem mais rápido que já vira em toda a sua vida… e que também combalira furado qual peneira frente ao mesmo homem com o qual iria se confrontar agora. Encerrou todas essas memórias com decidido passo a frente, colt apontado, olhos fixos, pensamento e ações concentrados e… tombou morto, mortinho da silva o bandoleiro! É que o xerife já o percebera desde a última curva da estrada, quando um fio de poeira se levantou, pois só ele, o bandoleiro coxo, levantava aquele tipo de poeira em fios espirais em seu cavalo muito rápido e preparado, que também tinha um jogo diferente nas articulações e patas. Não seria ele, o xerife, que lhe daria a mínima chance, óbvio, já que também conhecia bem cavalo e bandoleiro. Era o jeito deles lá. O homem da lei levantou-se e fez o centésimo segundo risco na parede do seu escritório. Voltou a sentar-se calmo, a limpar as unhas da lama e pólvora frescas que se acumulavam cada vez mais nas ranhuras, enquanto com um rápido e silencioso olhar, ordenava ao seu ajudante, que se livrasse daquela mosca e daquele corpo estendido no chão do olho da rua.

 

UM NOME A ZELAR conto de deborah o’lins de barros

Mônica tem 22 anos, dinheiro e um diploma recente em Cinema pela PUC. Tem amigos moderninhos, também. Seu ideal de vida era muito parecido com o de outras garotas da sua geração: a arte, o belo e a estética, boa música e drogas lícitas. Um maço de Carlton Red, um chope e um Smirnoff Ice por dia. Ela também tem um objetivo, claro, que é trabalhar fazendo roteiros e edição de filmes. Estamos em São Paulo e o mes é dezembro de 2005.

O dia da apresentação de seu curta-metragem de seu grupo, como trabalho final da faculdade foi um barato. O filme era sobre um grande mal-entendido, que acabou sendo a grande graça da história. Mônica ficou toda prosa por mostrar seu trabalho para a família e amigos. Estava quase que pensando em cancelar sua viagem para fazer uma pós na Inglaterra, só por que não os veria durante tanto tempo. Aconteceu que nesse dia, Alex, seu quase-irmão,  a chamou para uma festa. Mônica, naturalmente, aceitou. É aí que começa:

 

– Vai ser num barzinho “da hora”, você vai, né?

– Claro né, Alex. Perder showzinho do meu melhor amigo, ninguém merece…

– Conto contigo lá. Vai ser uma jam session.

 

Só tem um problema: Mônica não sabia o que era uma jam session. Sendo assim, ao chegar em casa com o canudo na mão, entrou no MSN e não comentou com ninguém sobre seus programas para aquela noite. Só tinha certeza que ouviria uma mistura de jazz e rock, que era o que Alex mais gostava de extrair do contrabaixo que tocava.

 

– Tchau, pai! Já tô indo!

– Tem hora pra voltar?

– Não, mas meu celular tá ligado.

– Você não vai num pagode, vai?

– Claro que não, eu tenho um nome a zelar, né? Vou numa jam-session.

– E o que é isso?

– Sei lá. Tchau.

 

O bar era estreito, comprido e tinha um mezanino. Em baixo ao fundo, um palco e no centro do salão mesinhas redondas com três cadeiras. O bar ficava à direita e ao lado havia a escada. Em cima, mais mesas no centro e poltronas vermelhas confortáveis encostadas na parede. Mônica gostou de primeira, achou o lugar bem agradável. Alex, que já tinha chegado e estava conversando com uma turma, foi recebê-la:

 

– Até que enfim você chegou, Kikinha! Deixa eu te apresentar um pessoal.

 

Mônica se enturmou rápido com os amigos de Alex. Ainda mais com a quantidade de drinks que passavam pela mesa. Lá pelas tantas, já mais extrovertida, ela admitiu que nem era tão espontânea assim, mas queria comemorar a sua formatura e a partida para a Inglaterra em fevereiro.

 

 

***

 

 

A música estava ótima, as pessoas se divertindo, Alex inspiradíssimo e Mônica enchendo a cara. Depois tudo ficou mais calmo, aconchegante, e depois silencioso. Quando acordou, Mônica estava ouvindo apenas sua respiração quando, ainda meio tonta, ouviu som de seu telefone:

 

– Alô, mãe?

– Filha, você vai almoçar em casa?

– Ahn? Vou sim, mãe. Vou almoçar em casa.

 

Desligou o telefone, se ajeitou de novo e só aí percebeu: aquele teto não era da cor do teto de seu quarto. Olhou para o lado, viu um lustre. Não havia lustres no seu quarto. Olhou para o outro lado. Era Alex? Não… não poderia ser. Alex sempre foi meio mulherengo, mas a Mônica era sua quase-irmãzinha. Espere, ele está acordando. Agora, Mônica pode ver quem é.

 

– O que? Junior?

– Ahan… Bom dia, Mônica, o que foi?

 

Ela não poderia acreditar. Ela, justamente ela, Mônica, recém-formada em cinema, leitora de Jack Kerouac e Jean-Paul Sartre… Acordando ao lado de Junior? Podeira ser qualquer outro, mas justo o da dupla Sandy & Junior? Ela não queria acreditar que isso pudesse ser verdade.

 

– Mônica, você quer uma aspirina? Acho que você estrapolou um pouquinho ontem.

 

Junior senta e veste um calção. Depois se levanta e vai até o banheiro. Oh, não! Agora que  Mônica não queria acreditar mesmo. Estava agradecendo a Deus por não ter levado ninguém ao bar e porque sabia que Alex guardaria segredo de que ela havia, digamos, chegado às vias de fato com o Junior.

 

– Oi… aqui está o comprimido. Beba a água toda.

– Obrigada. Olha, eu queria falar uma coisa.

 

Na verdade, Mônica não sabia muito o que falar. Tudo o que ela queria era que aquilo fosse um trote ou coisa parecida. Mas não era. Sendo assim, tudo o que ela poderia dizer era que não tinha ficado com ele por ser um cara famoso. E foi o que fez. Junior, por sua vez, confessou que adorou ter conhecido uma menina como ela. Disse que Mônica era inteligente e simpática, além de linda. Também se comprometeu a não comentar com Alex, que na sua opinião foi o baixista mais original com quem havia tocado naquela noite.

 

 

***

 

 

O almoço foi tranquilo. Os pais de Mônica não perguntaram nada e ela, por sua vez, também não falou sobre o que havia acontecido. Durante a tarde, depois de tomar uma pílula “do dia seguinte”, só por desencargo de consciência, ela ficou pensando, tentando lembrar não só de o que aconteceu, mas como.

O telefone toca. A Bina acusa que é Alex quem chama. E agora, atender ou não? Eis a questão. E se for tudo uma brincadeira que fizeram com essa pobre menina rica? Ai meu Deus, oh dúvida cruel…

 

– Alô, Mônica?

– Oi Alex, tudo bem?

– Tudo… Foi mal por ter te deixado sozinha ontem. Mas eu tive que sair logo depois de tocar por que tinha que fazer um monte de coisas hoje de manhã. Você me perdoa?

 

O Alex, pedindo perdão? É, isso não poderia ser um trote. Para ele falar assim, só poderia ser verdade. Mônica conhece como ninguém seu melhor amigo.

 

– Não, Alex, está tudo bem, eu me diverti bastante. Fiquei batendo papo com uma galera que conheci.

– Ah, que bom. Olha, eu preciso desligar. Depois a gente se encontra para falar como foi o último dia da faculdade, acabou que a gente nem conversou direito ontem, né?

 

Alex não era bom mentiroso. Ele realmente não sabia de nada. Mônica suspirou aliviada e decidiu que, a partir daquela noite, não mais ultrapassaria seu limite clássico de um chope e uma vodka ice, para garantir que isso nunca mais aconteceria. De repente, Mônica tomou um susto. Se pegou pensando em Junior. E agora? O que fazer? Bem, pelo menos ele se mostrou bem mais gente boa que aquele namorado que havia dispensado umas semanas atrás. Mas não! Mônica não poderia gostar de um cara que canta “vamos pular” com a Sandy.

 

 

***

 

 

No dia seguinte Mônica resolveu “se purificar”, visitando o MASP. Museu mais bonito que esse só o de Belas Artes, no Rio de Janeiro, que visitou nas férias de julho. Viajando no tempo e nas telas, Mônica se viu novamente pensando em seu segredo. Tinha que admitir, ao menos para si mesma, que sentia vontade de encontrar Junior de novo. Ao ver um quadro de Di Cavalcanti, “Cinco Moças de Guaratinguetá”, pertencente ao seu movimento arístico favorito, seus pensamentos viajaram de novo; pensava nos estudos que começaria na Europa.

Mesmo assim, seus anseios reprimidos se concretizaram. Com quem ela esbarra, repentinamente, no museu? Exatamente.

 

– Oi, Mônica, tudo bem?

– Oi, Junior… tudo… Ué, achei que você vivesse fazendo shows por aí…

– É, mas não às vésperas do Natal, né?

– É, tá certo, claro…

– Você vem sempre aqui?

 

Os dois riram. Embora extremamente constrangida, com medo de alguém pegá-la de surpresa, batendo papo com o Junior da duplinha cafona que não suportava, Mônica conversou com o rapaz. Mantendo sempre uma distância e fazendo-se de difícil, Mônica debateu sobre a arte clássica e moderna com a pessoa mais “pop” que já conheceu. E novamente agradeceu a Deus por ninguém tê-la visto ali, com ele.

As “coincidências” continuaram a acontecer. Mônica começou a achar estranho que Junior aparecesse na maioria dos lugares que ela freqüetava e que nunca o viu antes. E a forma como ele a tratava, parecia que já eram amigos íntimos… Não isso só poderia significar uma coisa: Junior estava sacaneando Mônica, fazendo com que ela ficasse sem reação na frente das outras pessoas, para que todos percebessem que eles tinham algo mais. Bem, pelo menos era isso que Mônica pensava.

O fim da picada aconteceu no aniversário de Mônica, quando ela foi com os amigos num barzinho que ela nunca tinha ido com sua turma antes. Mesinhas com três cadeiras, palco ao fundo, mezanino…

 

– Oh, não! Eu já tinha vindo aqui antes! Aquele dia, com o Alex… – pensou.

 

Sentados no balcão estavam Alex e Junior, batendo papo. Mônica só viu o primeiro e foi direto falar com ele. Mas Junior foi o primeiro a falar.

 

– Finalmente te encontrei no meu habitat foi aqui que nos conhecemos, lembra?

 

Aquela piscadinha ridícula, depois da frase, foi para acabar. Como esse cara pôde chegar a esse ponto, esse grau de baixesa? E agora, o que Alex ia pensar de Mônica?

 

– Não sabia que eram amigos. Sente conosco, Mônica! E parabéns pelo seu aniversário.

– Obrigada Alex, mas estou com um monte de gente… Depois passa lá na mesa para trocar uma idéia.

 

Mônica não sabia se ignorava Junior, se falava com ele. Acabou que só deu um sorriso rápido e saiu logo. Logo depois chega o garçon na mesa em que ela estava sentada com sua turma.

 

– Boa noite, com licença… a rodada de Ice.

– Boa noite… mas ninguém pediu isso, garçon.

– Foi presente daquele menino ali. – e apontou para Junior – Você que é a aniversariante, não é, moça?

 

O garçon deixou as garrafas e copos, entregou um guardanapo e saiu. Ai meu Deus, pior que piscadinha estilo “olhar 43”, só cantada em guardanapo. Só filho de Chitãozinho ou Xororó pra fazer uma coisa dessas… Ainda bem que estava escrito apenas “feliz aniversário, ass. Junior”, pois todos da mesa queriam saber quem era o patrocinador do gole.

 

– Kikinha, é “aquele” Junior?

– É…

 

Mônica precisava disfarçar, inventar qualquer coisa… Agora!

 

– Ele é amigo do Alex. O conheci quando fui ver uma jam-session, mês passado. A gente trocou uma idéia.

 

Bem, omitir é menos pior que mentir…

 

– E não rolou nada?

– Rolar assim, não rolou nada. Vocês não acham que eu iria namorar com o irmão da Sandy, acham?

– Mas ele é tão gatinho, depois você me apresenta?

– Apresento, sim… Ele é até gente boa, sabiam? Mas deixa eu contar mais da minha viagem mês que vem.

 

Pronto. A melhor coisa a fazer é sempre mudar de assunto.

 

 

***

 

 

Mônica estava em casa, pensando na morte da bezerra, quando o telefone toca. Ih, e agora? É o Junior! Ela decidiu atender.

 

– Oi, Mônica…

– Oi.

– Tá de bobeira?

– Tô, por que?

– Tem como a gente se encontrar agora? Preciso falar com você.

 

Junior foi de carro até a casa de Mônica e os dois conversaram na garagem. Foi um papo sério e, logo depois de entrar no elevador, Mônica lembrou do fim da personagem Scarlet O’Hara, do filme “E o vento levou”.

O que os dois conversaram, ou melhor, o que Junior falou foi quase que esclarecedor. A começar pelo dia em que eles se conheceram: eles apenas se beijaram. Todo mundo sabe que quanto mais se bebe, menos se tem vontade de fazer sexo. Simplesmente não rolou, mas o susto que Mônica teve a levou a pensar que todas as hipóteses que ela criou, realmente tinham acontecido. Outra coisa, todas as vezes em que Junior aparecia, não eram para “humilhá-la”, mas sim para apenas conversar com ela.

Mônica pediu desculpas por ter pensado isso, mas não foi o suficiente para fazer Junior ficar. Ele só queria explicar as coisas para poder começar uma nova turnê musical sem consciência pesada. Já Mônica, com vergonha de ter ouvido tudo o que ouviu de um cara, como ela diz, que canta “vamos pular”, apenas disse que iria para a Inglaterra.

 

– Posso te fazer uma pergunta?

– Pode, Junior.

– Pô, Mônica, eu gosto de você pra caramba. Você vai viajar é pra esquecer de mim?

– Que?

– Você gosta de mim, não gosta?

– Junior, vou para Londres para fazer uma especialização em Cinema. E eu gosto, gosto muito do Junior que eu conheci.

 

Mônicase despediu, deu um tchau com a mão e pegou o elevador. Junior, por sua vez, ligou o carro e foi embora, mas pediu para o zelador do prédio entregar um papel para Mônica. E o cara esqueceu.

 

 

***

 

 

Os dias passaram. Chegou o dia da festa de despedida de Mônica e todas as suas amigas perguntaram pelo famoso que estava ausente. “Ah, sei lá, deve estar em turnê” era a resposta clássica. Alex percebeu que seu falar diziam uma coisa; seus gestos, outra. Mas achou prudente não falar nada, afinal, Mônica estava passando sua última noite em São paulo. No dia seguinte, àquela hora já estaria dentro do avião.

 

 

***

 

 

Aeroporto Internacional de São Paulo. Mônica chegou com duas malas e uma bolsa de mão. Apenas seus pais a acompanhavam e depois ela se despediu deles. Queria ficar sozinha nesses últimos momentos. Droga, a pior coisa que poderia acontecer, aconteceu: o vôo atrasou. Bem, então Mônica decidiu tomar um lanche para fazer hora. Deus salve o dono da lanchonete, a melhor coisa para fazer passar o tempo é assistir televisão.

Começou um programa de entrevistas. Tevê a cabo é outra coisa, não mostra só porcarias, mas também… O que? O Junior na televisão? Tudo bem, não há nada mais natural que isso, mas é muita ironia, não? Na entrevista ele falou que muitas pessoas o vêem apenas como integrante da dupla Sandy e Junior, esquecendo que ele é uma pessoa. Na verdade, isso foi o foco do programa. Mônica ficou tão sem graça que acabou de lanchar o mais rápido possível e saiu dali.

A voz bonita do aeroporto anunciou o novo horário do vôo. Daqui a vinte minutos? Então dava para dar uma olhadinha na lojinha ali em frente. Havia umas prateleiras cheias de cd’s nacionais, próprios para turistas esquecidos e brasileiros saudosos. Mônica, sem intenção de comprar nada, deu uma rápida olhada antes de ir para o portão de embarque. Mas parou alguns instantes e, sem querer, ficou olhando o cd de seu “amigo famoso”. Finalmente, Mônica admite para si mesma que está apaixonada, mas ao olhar o nome das músicas, arqueia a sombrancelha e sai.

Agora Mônica está no avião. Olha aquele céu cinza da cidade em que nasceu, pensando no fim de inverno que iria pegar na também cinza Inglaterra. De repente, ela abre a bolsa e tira, vejam só, o cd que tinha visto na loja. Algumas coisas têm de ser feitas discretamente, como comprar uma coisa desse tipo. Ela abre a caixinha, ignora o cd e folheia o encarte.

 

– É, acho melhor eu ir para a Inglaterra, mesmo. Tudo bem, ele pode até ser legal, mas Sandy e Junior, ninguém merece. E eu tenho um nome a zelar, né?

 

 

A DESCOBERTA e SACERDÓCIO – mini contos de raimundo rolim

A descoberta

 

            Jamais alguém tinha ousado tanto. Nem fora possível ousar mais. Não havia quem pudesse deslocar aquela tamanha pedra. O nó górdio. Ficava exatamente bem no meio do caminho. Era imperativo desviar primeiro para a esquerda e depois, chegava-se ao outro extremo para se avaliar como aquilo fora parar ali. Desbravadores, piratas, gente cordial, poetas e pintores por lá já haviam estado com a única intenção de descobrir como naquele ermo, aquela pedra se estabelecera lá. Diziam que um disco voador já havia pousado nas paragens e que criaturinhas de poucos centímetros tiraram retratos. A turba se arrastava nos finais de semana para apreciar. Carrinhos de sorvete barato feitos artesanalmente e às pressas pululavam ao redor da mesma para que muitos matassem sede e curiosidade com o bico doce ao menos. Vendedores ambulantes de quinquilharias se amontoavam e tinham os seus pontos fixos que não trocavam mesmo a peso de ouro. Romarias de confessos adoradores do intangível arranjavam um jeito de circundar a pedra que tinha um lado já meio gasto, de tanto passarem a mão. Diziam que energizava, pois achavam que a coisa tinha vindo como um sinal dos céus. Um dia apareceu um cidadão munido de fios, uma infinidade de ferramentas esquisitas e uma maleta cheia de tranqueiras. Semeou um pozinho escurozinho por debaixo da imensa pedra. O homem terminou o serviço e correu pedindo para que a enorme assistência procedesse de igual modo. Debandada geral. Muitos se atropelaram. Houve pisaduras, luxações, hematomas e arranhões que não eram nada, perto do que estava para acontecer. E a coisa explodiu. A pedra foi fragmentada em milhares de pedacinhos que se espalharam às centenas, talvez a bilhares de metros. Estava descoberta a pólvora. Bem que o homenzinho com seus experimentos tinha os olhinhos meio puxadinhos, assim pro amendoado e tal !

 

              Sacerdócio

 

O padre não havia pecado ainda! Desde menino, dos tempos de seminário. Sua conduta irrepreensível era de há muito sabida. Douto em conhecimento litúrgico, confissões, encomendação de corpo, batizados e o diabo de quatro. O padre era imaculado, manso, finamente educado. Encantava a todos que se acercavam para ouvir-lhe as prédicas. O homem era impecável. Batina e sandálias sempre limpas e rigorosamente conservadas. Mãos finas, firmes e compridas, unhas sempre bem aparadas que casavam com o andar gracioso do corpo magro, esguio e alto; o que fazia dele um ícone sagrado aos compêndios da estética. Ainda que não dissessem, era considerado um semideus. Ah, mas naquele dia não houve jeito. O padre caíra em tentação e o negócio foi estupendo. O que tornava o fato muito mais espetacular era que o santo homem tinha esquecido de rezar como o fazia todas as manhãs e para o bem do seu pecar, fora confessar logo a jovenzinha de olhar de veludo e boca púrpuro-virginal. O que a mesma não sabia, ou não se dava conta, era que carregava nos olhos, todo o poder de sedução possível numa só pessoa. E o padre pecou. Ouviu-se do interior da capela, urros e gemidos, que se espalharam rapidamente para todos os outros ouvidos que não eram poucos nem moucos. E o padre sumiu-se com a mocinha beatazinha. Correu um boato que o mesmo fora feliz e para sempre e que a moça ainda geme e urra sempre que se confessa com o maridozinho, a sós, na capela que fizeram nos fundos do quintal. E é ali que ele sacrifica a vivente para as delícias da carne e do pão e do vinho e da luxúria e do proveito das prédicas ao pé do ouvido delicado, febril, daquela que ruge e implora mais e mais, cada vez mais ad infinitum et peremptorium… Fundum… Mais fundum…

“O VAMPIRO” e “A SURPRESA” mini contos de raimundo rolim

O vampiro

 

O vampiro do arraial era esquisito o suficiente para não ser levado muito a sério. Todos os habitantes o sabiam propenso ao sanguessuguismo deslavado e desmedido. Ao menos achavam que era isso. Ele o era, porém não!  Alguns o justificavam mais por pena que por precisão. Dizia-se à boca miúda, que ele, o vampiro, vivia ali há séculos e mais alguns anos e que simplesmente recusava-se a abandonar a – digamos – “casca” – que escondia com altivez sombria sob um puidíssimo e paupérrimo manto negro. Um dente em cima, o outro ficava em baixo, de lado, quase atrás. Era cômico e algo idiota. Corcunda. O peso da idade o deixara com seqüelas seriíssimas. Arrastava-se inteiro para andar e embora ainda o fizesse na vertical, ia assim, meio adernado para um lado. Era corajoso, isso ninguém o negava. Cabelos ele ainda os possuía, aos tufos, longos e amassados; jamais o vento bulia-os, (imexíveis que eram). Os olhos de um vermelho azinavrado, dependuravam-se nas órbitas desmesuradas e escuras. As mãos eram indecifráveis posto que translúcidas e esqueléticas. Não sabiam ao certo como vivia aquele homem, já que nunca o viram mastigar ou ruminar, nem pensamentos.  Alguns disputavam que o mesmo vivia de ar. Outros que não; que os o espíritos dos antepassados vampiros o alimentava. Havia total desconhecimento. Com ninguém ele falava e nem coisa com coisa. Lendas diziam que lá, naquele lugar, habitavam outros iguais a ele e que eram invisíveis e eram esses tais que o encorajava a continuar, transferindo-lhe todo o know-how de que carecia para sobreviver séculos seculorum. Oras! Como aquele pobre diabo poderia ser um vampiro? O habitante mais antigo já lhe sabia as façanhas e que a tal criatura lá existia desde sempre, quando chegaram as primeiras caravanas a tomar posse de terras. Por mais que o seguissem, jamais descobriram onde o mesmo morava. Pois em dado momento, ele desaparecia e no outro canto do arraial, lá estava ele, sem nunca se cansar! Nem arfar! Mas, por que então o chamavam vampiro? Ninguém o sabia, assim chamavam e assim ficou! Mesmo com sol a pino ele perambulava e isto o diferenciava muito mais, até em demasia! Dizia-se que um marceneiro havia confeccionado ardilosos crucifixos e afiadas estacas de madeira e os deitava ao longo do caminho, mas que na hora agá, o vampiro desviava-se como que teleguiado. As crianças tinham certo cuidado e recomendações paternas especiais, para que jamais se deixassem ficar em rota de colisão com aquele azarento, que a bem da verdade, a ninguém incomodava, (o que tirava das autoridades o direito de perturbá-lo ou exigir-lhe pagamento de impostos ou coisas do gênero). Aquilo tudo seguiria sem fim, não fosse um belo dia, o gaguinho local, entre um soluço e outro, ter conseguido finalmente articular palavras (e falava num e só fôlego para não patinar nas letras) e disse que vira finalmente a criatura extrair de um frasco, uma substância que carregava num alforje dependurado na altura das costas e que levara a mão à boca e que engolira sem mastigar. E que o odor característico que sentira, assemelhava-se a um tempero bem conhecido. Alho, alho, alho, (repetia sôfrego e sem parar o gaguinho), alho puro! O vampiro encara alho ! Disse esta última lasca de frase e voltou a gaguejar imediatamente. Oras! E daí? Era a sua única ração (do vampiro)! A sua última razão (do vampiro). Era ele um vampiro à moda da casa! E daí? O vampiro encara alho! E daí?

 

 

 

A surpresa

 

A noiva da cidade, já entrada em anos, era das cercanias o folclore. Excursões eram organizadas para que conhecessem a dita cuja. Fugira-lhe de há muito a beleza, assim como todo e qualquer atrativo que fizesse homem com pingo de juízo, se aproximar. Não mais existia a graça, o esplendor. Sepultados estavam o brilho e os traços de delicadeza. Não havia expressão naquele corpo por baixo do eterno vestido (da qual a mesma não se livrava nem para os banhos, e havia muitos que apostavam que ela nunca mais os tomara), desde que fora deixada na porta da capela pelo noivo – um vaqueiro desalmado – num domingo de sol, sem piedade nem consideração. O véu, a grinalda, a guirlanda… (como ela chamava aquilo), enfeitada de flores de plástico, tão antinaturais que já beiravam a comicidade pura e simples. De algumas das flores, restavam apenas a haste torta e pardacenta, com o arame à mostra. Ainda assim, ela os acomodava com certa vaidade, no alto da cabeça, bem como todo o seu vestuário, transformado em andrajos, que a rigor, já nem trajava nem desnudava. Era um misto de ser e não ser, o princípio da contradição estabelecido numa única e singular pessoa. Um mistério, um milagre! O pároco local já tentara com água benta e modos medievos exorcizar o que quer que fosse que tomava o lugar daquele cérebro, e óbvio, nada acontecia! Era ela inexpugnável ! Carregava ainda nas mãos sempre trêmulas, o mesmo buquê que não jogara para trás, por cima da cabeça, para que outras casadoiras o pegassem. Era tudo dela. Vivia assim, sem denodo nem pecado. Juravam que ela não mais tinha alma, nem espírito nem sangue, nem princípio e nem fim. E claro, era um desafio para a inteligência mais aguçada e a ciência da psicologia e parapsicologia se desfiguraria nos seus postulados mais elementares se tentasse se inclinar sobre tudo aquilo do que se dizia sobre a noiva da cidade. Uns tinham vontade de jogar pedra, outros faziam o sinal da cruz à sua passagem. Risinhos e lágrimas se confundiam no rosto das pessoas que achavam ter o privilégio de vê-la passar pelas manhãs, aos domingos, como que a procura de algo que jamais se soube o que era. Ela, a noiva, a danada e sem banho, o sabia. Só ela. Ninguém a cumprimentava, mesmo porque, não havia retorno. Um dia, ela apareceu nua. Isto, nuazinha. Em pelo! Deslindara-se dos andrajos de nubente que a acompanhara desde o dia fatídico. Aí sim, o motivo de tanta estranheza fora imediatamente compreendido, e toda a cidade, toda, fez vários e muitos ohs !!! A noiva da cidade apiedara-se finalmente da curiosidade e angústia alheias e resolveu num último lampejo de serenidade dar-se a conhecer. Com um pequeníssimo pênis à mostra, que quase desaparecia entre tufos de pelos descolorados e ralos, desatou-se a rir. E riu-se, riu-se tanto que toda a cidade se pôs a rir. Até o sacristão, por não mais agüentar de tanto rir, foi tocar os sinos para aumentar o alarido. Era veramente ela, a noiva desapiedada, um “fofo” de colhões e espada. E assim cruzou a rua principal (sua via menos crucis) na mais espetacular procissão de uma só pessoa. Embrenhou-se na estrada de pó, assim, daquele jeito, puro e casto, a rir-se. Da cidade. De si !

 

FOI DEUS QUE ASSIM QUIZ conto de lázaro parellada

              

             Foi durante minhas férias de verão, após a conclusão do terceiro ano de engenharia, quando aquele grande empresário, e grande fazendeiro também, apareceu em casa procurando meu pai. Precisava urgentemente retificar a divisa de umas terras, lá na beira do Paranapanema.

 

            Eu já havia cursado a cadeira de topografia, pois era disciplina dada no segundo ano e isto me dava direito, pela legislação em vigor à época, de tirar uma carteira provisória de topógrafo. Com tal documento poderia assinar os trabalhos realizados pelo meu pai, o que nos economizaria os pagamentos que tínhamos de fazer aos profissionais que os assinavam – os tais “calígrafos” como depreciativamente eram apelidados. Para melhor esclarecer cabe colocar que nos serviços de agrimensura haviam os “diplomados”, categoria que em geral não trabalhava no campo, pois isto era muito pesado, mas que por possuírem habilitação a lei lhes facultava fazer tais trabalhos, e os “práticos” que a baixo preço faziam os levantamentos que esses primeiros lhes assinavam. Nesta última classificação a competência era extremamente variável, desde aqueles “cursados” que como meu pai tinham um diploma estrangeiro, mas que a burocracia não lhes permitia reconhecer, até os “curiosos” que muitas vezes não entendiam direito o porquê técnico do que estavam fazendo…

 

Pois bem, anteriormente meu pai havia feito os trabalhos de levantamento e demarcação de tal propriedade. E, ele até o comentara comigo. Mais, as plantas correspondentes fora eu quem as desenhara. Agora surgira um acerto de limites com o vizinho, e ele tinha ‘precisão’ de apartar em certa baixada úmida, uma determinada área para permuta. Assim trazia num papel as referências dos marcos próximos, aqueles deixados lá por meu pai, e um par de ripas pregadas conforme os rumos combinados com o vizinho, e de acordo à nova cerca erguida separando esse local. Queria deixar o assunto resolvido rapidamente, e ao saber que meu pai estava viajando apelou para mim:

 

– “Você não poderia fazer esse serviço para mim?

 

Mais do que perguntar, ordenava… Eu até podia, mas não tinha equipamento. Todavia pois ele insistia, e era um bom, ótimo, cliente, acabei concordando.

 

            Casualmente pouco depois um “prático”, conhecido por sua esperteza, apareceu lá em casa pedindo-me serviço. Comentei o caso com ele. Ele me informou de um engenheiro que tinha um aparelho disponível. Trabalhava na Prefeitura de Ibiporã. Peguei um ônibus e me dirigi para lá. Apresentei-me a ele. Pessoa acessível e simpática não criou obstáculos e o emprestou em confiança: “que eu o devolvesse quando pudesse, de momento não o estava utilizando”. Todavia impunha: “que eu mesmo o usasse, pois ele não aceitaria que o repassasse para um prático”. O que fazer? Assumi o compromisso. Me passou o instrumento, era um Vasconcellos, nacional. 

 

            O serviço duraria um dia, afora a viagem. Exigia um certo tempo, não apenas lançar o rumo, mas acompanhar a ‘picada’ até o ponto atingido na divisa e confirmar o lugar alcançado.  Puseram à minha disposição um jipe com motorista, aproveitando para lotá-lo, e bem, de mantimentos. Levei o “prático” como ‘baliza’, pois ele o pedira. Queria ganhar uns trocados. Quando chegamos na fazenda já pelo fim da tarde, encontramos nos esperando o tal empresário.  Ao nos sentir surpresos, nos explicou que decidira vir também e chegara de avião algumas horas atrás. E lá estava o bichão, quase novo, brilhando à luz do poente. E um cidadão de botas pretas, que nos apresentou como piloto e que sem ter o que fazer, ficava aguardando, à sua disposição.

 

 

            Enquanto conversávamos chegou-se até nós um senhor forte, de faces curtidas. Usava bigode, aparentava uns quarenta e poucos anos, e tinha o jeito de falar característico das boas gentes do in